COMPARTILHAR

As Forças Armadas, o Partido Colorado e Stroessner constituíram o triângulo da longa ditadura que devastou o Paraguai através da repressão totalitária, impondo o medo e a corrupção ética, econômica e política; até colocá-la no centro da cultura. Foi brutal, assustadora, totalitária e corrupta.

Por: PT Paraguai

Foi a imposição da força, de um clima de delação e repressão de tudo o que não seja expressão política da própria ditadura.

Tudo o que era diferente ou não genuflexo foi cortado na raiz. Assim, as expressões sociopolíticas diferentes da ditadura foram suprimidas, reprimidas e esmagadas sem contemplações.

Os colorados stronistas estiveram à vontade e sem mencionar os militares que atuavam a seu critério.

Por trás de seus modos externos aparentemente gentis, se deleitava estuprando e abusando de menores de idade que fazia crescer como em estufas para apetecer o ditador e seu bando de militares ou amigos.

Eles roubaram tudo o que puderam e plantaram décadas de atraso – no sentido mais amplo do termo – para o conjunto da população.

Milhares de famílias foram destruídas pela repressão, a morte, o exílio forçado, as prisões e as torturas.

Foi uma longa noite que parecia que nunca terminaria.

Os paraguaios mais velhos sabem, em geral, de tudo isso, mas milhões de jovens nem imaginam. Esses jovens não conseguem dimensionar a ditadura. Eles não entendem esse medo a flor da pele e o desamparo total. Não podem imaginar que não podia realizar uma reunião sem notificar a delegacia de polícia local. É pensando nessas novas gerações que  se retorna de maneira muito superficial em algumas características da nefasta ditadura que ocupou uma parte da história do nosso país.

30 anos de democracia frágil e instável

Leia também:  Tratado de Itaipu | Declaração do PSTU Brasil e o PT Paraguai

Há 30 anos, depois de mudanças políticas regionais, crises internas dentro do triunvirato, e uma persistente e esforçada luta –aberta e clandestina- de vários setores cujo pico alto foi a imponente mobilização de 10 de dezembro de 1988 nas praças do Panteão na que a polícia foi totalmente superada, levou a provocar um golpe no interior do núcleo de poder levando à explosão da ditadura.

Desde o golpe de 2 e 3 de fevereiro de 1989 se viveu imediatamente, uma explosão popular e democrática e que depois sofreu uma desaceleração gradual causada pela cooptação e repressão do movimento pelos governos dos Colorados da era “democrática”.

Com a derrota eleitoral do Partido Colorado e da ascensão de Lugo ao governo se considerava que se criariam melhores condições para o renascimento da organização do povo trabalhador, no entanto o jogou em uma forte crise, produto das características dos governos de conciliação de classes que desvia o movimento, o confunde, o coopta e acaba desmoronando.

Com a destituição de Lugo via golpe parlamentar, assumiu a vice-presidente, o liberal Federico Franco, este fato lançou as bases para um processo reacionário que com o governo de Cartes colocou um período que fez recordar características da ditadura de Stroessner, de um governo arrogante, esmagando os trabalhadores, gerenciando o Estado a partir de um governo paralelo de gerentes e com licença para “fazer e desfazer” à vontade.

O atual governo de Mario Abdo Benitez vem das entranhas da stronismo embora seu regime e seu governo – até o momento – não tem traços ditatoriais, até agora o distingue ser profundamente conservador e socioeconomicamente antipopular até a medula.

Qualquer governo capitalista democrático pode derivar para governos e regimes de caráter ditatorial, reacionário, fascista ou um regime de repressão eminente e criminalizador. Tudo depende da correlação de forças, da situação política geral entre as classes e da situação interna da classe burguesa, bem como do contexto regional e internacional.

Leia também:  Brasil | Governo miliciano pretendia fazer gato em Itaipu

Devemos estar alertas contra qualquer sinal de retrocesso em relação àqueles dias malfadados; e, sobretudo avançar para a organização de poderosas organizações sociais e políticas do povo trabalhador, únicas garantias contra os excessos autoritários dos governos e da burguesia, e únicas maneiras de construir e sustentar dias melhores para a grande maioria do nosso povo que hoje sofrem exploração e opressão.

Direção Nacional – Partido dos Trabalhadores-Paraguai

03-02-2019

Tradução: Lena Souza