COMPARTILHAR

Nota da Redação: quando publicamos este artigo já havia sido encerrada a greve geral que durou 15 dias na Bolívia. A COB e o governo de Evo Morales iniciaram negociações. Publicaremos em seguida novo artigo de "Lucha Socialista – Construindo o PT" com um balanço sobre esta forte e importante mobilização.

 

Novamente o governo mostra seu verdadeiro caráter de ser contra os trabalhadores, insistindo em manter uma lei de aposentadorias, pela qual não há aporte tri-partite e a aposentadoria é de somente 60% da renda.



A direção da COB rechaçou a proposta do governo e declarou greve geral por tempo indeterminado com bloqueio de estradas desde segunda-feira, 06 de maio. Apesar de as mobilizações começarem com muita debilidade, nos três últimos dias se intensificaram, tendo sido muito importante que Huanuni tenha se decidido a somar-se à greve em uma assembleia de mais de 5 mil mineiros, e que milhares de mineiros estejam bloqueando Caihuasi. A luta por uma nova lei de aposentadorias, favorável às necessidades dos trabalhadores é uma oportunidade para que muitos setores da classe se dêem conta de que este governo só tem políticas antioperárias; a direção da COB, com Trujillo à cabeça, tem a obrigação de derrotar a proposta do governo nas mobilizações e nas ruas, e por isso está correto uma greve geral; no entanto, deve se construir esta greve em cada um dos sindicatos das categorias filiadas à COB, deve se repetir o que foi feito em Huanuni; conscientizando todos os trabalhadores da necessidade de lutar por uma nova lei de pensões e como esta luta pode significar uma grande vitória para melhorar as condições de vida e de aposentadoria das famílias trabalhadoras.



Evo e o MAS: duros com os trabalhadores e servís com as multinacionais, a patronal cooperativista e as cúpulas militares



Em diferentes pontos do país, e em especial em Cayhuasi, atacou covardemente os trabalhadores, no melhor estilo do gonismo e dos governos neoliberais anteriores. Durante a primeira semana da greve geral por tempo indeterminado com bloqueio de estradas, decretada pela COB em defesa de uma aposentadoria igual a 100% do salário (com base nos 12 últimos contracheques de pagamentos), o governo ordenou a detenção de ao menos 23 dirigentes e trabalhadores de base, contra quem se pretende iniciar processos penais, para intimidar a luta. Após fazer isso, Evo Morales declarou em coletiva de imprensa que “Façam o que fizeram, digam o que disserem” não pensa em atender o pedido dos trabalhadores bolivianos por uma aposentadoria digna.

 

Esta atitude arrogante e autoritária, no entanto, contrasta com a atitude servil e submissa que teve o mesmo Evo Morales quando em dezembro de 2010 decretou o gasolinaço para “incentivar às transnacionais petroleiras a produzir”; logo depois, quando foi obrigado pelo povo em luta a retirar esta medida, começou a outorgar outra série de privilégios a estaas multinacionais. Contrasta também com a atitude submissa que tem com as transnacionais mineiras, como a Sumimoto do Japão, dona da mina São Cristóvão, a quem permite o saque de nossas riquezas. Sem falar da patronal cooperativista mineira a quem concede privilégios, os libera de obrigações tributárias e inclusive lhes permite criar seus próprios sistemas de seguridade social, legalizando com isso, a situação de exploração e abandono a que são submetidos milhares de peões operários em detrimento de um punhado de sócios “patrões” cooperativistas. Do mesmo modo o favorecimento e seu servilismo com as cúpulas militares, que se beneficiam com uma aposentadoria de 100%.



Derrotar a repressão policial e sua campanha de calúnias, nas ruas e estradas com a mobilização e a Greve Geral. Apesar da repressão e detenções registradas na semana anterior, a mobilização não se deteve e a Greve Geral se fortaleceu com a incorporação gradativa de diferentes setores, o que demonstra a total identificação das distintas categorias de trabalhadores com a justa bandeira.



Além disso, o governo e seus ministros lançaram uma campanha de desinformação e calúnia, acusando a luta de ser orientada para beneficiar apenas os mineiros, ou justificando-se, dizendo que os trabalhadores que se levantam levariam à insustentabilidade do sistema previdenciário. Frente a esta campanha de mentiras, a direção da COB deve refutar fortemente o governo, confirmando que a nossa luta é para aposentadoria com 100% do salário para todos os setores. E que as propostas feitas pelo governo, visa preservar a atual lei n º 065 de aposentadorias, mantendo o sentido neoliberal do sistema de capitalização individual, para que nenhum trabalhador atualmente em idade de se aposentar queira fazê-lo, pois termina com uma renda miserável. A única maneira de ter um sólido sistema de aposentadorias é restaurando as contribuições tripartidas sustentáveis: trabalhadores, patronal e do Estado, sob controle dos trabalhadores, o que garante recursos e controle contra o assalto e corrupção do bando “Masista”.



Diante da demora do governo, colocando pretextos de todos os tipos para suspender uma e outra vez as negociações, devemos aprofundar a mobilização tal como vêm fazendo os mineiros de Huanuni, Colquiri, tomando as ruas e estradas até conseguir uma aposentadoria de 100%.



Por isso, a atual direção da COB deve impulsionar a organização de assembleias ampliadas setoriais de base, especialmente naqueles setores que ainda não aderiram totalmente à Greve Geral, para informar a importância da bandeira e aprovar medidas para sua incorporação plena à luta.



A Comissão Política do Partido dos Trabalhadores deve se pronunciar chamando o fortalecimento da luta

 

Os trabalhadores bolivianos deram um grande passo em Huanuni em 07 e 08 de março, ao decidir construir o nosso próprio instrumento político, o Partido dos Trabalhadores (PT). Esta poderosa ferramenta deve ser para lutar e não somente para as eleições, por isso a direção provisória, à cabeça da comissão política, deve fazer um chamado para que todos os trabalhadores se somem à Greve Geral e à mobilização ativa até arrancar uma aposentadoria de 100%.



Viva a Greve Geral por tempo indeterminado, e o bloqueio de estradas!

 

Viva a luta por uma aposentadoria de 100% para todas as categorias!

 

Reforçar e aprofundar a greve geral e as mobilizações para alcançar uma aposentadoria de 100%!

 

Abaixo a brutal repressão do governo contra os trabalhadores, liberdade a todos os presos!

 

Tradução: Valéria Lezziane