COMPARTILHAR

Na terça-feira (26 de setembro), o juiz Sergio Torres sentenciou nosso camarada Daniel Ruiz com prisão preventiva.

Isso significa que Torres quer que Daniel seja preso em Marcos Paz, enquanto ele termina de definir se ele é culpado de alguma coisa.

Por: PSTU Argentina

Juiz Torres, um carrasco a serviço da Macri

Como a própria decisão diz, Sergio Torres resolve “sem a necessidade de certeza” … porque “a acusação exige apenas elementos de convicção“. Ou seja, não tem certeza se Daniel é culpado de alguma coisa, mas na dúvida o deixa preso, com base na sua convicção, o que significa ser carrasco do governo, do FMI e do G20.

Ele processa Daniel por “Intimação Pública e atentado grave à autoridade”, baseado em um vídeo que mostra Daniel disparando um foguete no ar, preso a um bastão.

Como isso não é suficiente para mantê-lo preso, ele cita o testemunho dos policiais que nos reprimiram com paus, balas de borracha e gases lacrimogêneos. E que, além disso, passaram por cima de um companheiro catador com uma moto e acertaram o olho de outras cinco pessoas. Essa é a palavra que vale para Torres, a dos repressores. A tal ponto chega ao absurdo do Juiz, que essa mesma polícia é a que está lidando com a investigação sobre os fatos ocorridos em 18 de dezembro.

Também usa o testemunho do “Defensor Público”. O Dr. Amador faz um relatório demonizando os milhares de manifestantes, mas não diz uma palavra de Daniel Ruiz. Mesmo assim, o juiz usa o que Amador diz para argumentar que Daniel deve ser preso.

Além disso, o juiz diz que “seria ilusão, neste momento, negar a ligação de Ruiz com Sebastián Rodrigo Romero“. Ou seja, ele mantém Daniel na cadeia por ser do mesmo partido político de Sebastián Romero.

Leia também:  O PSTU exige seu direito a réplica: La Nación e #LANATA se somam à campanha de mentiras contra Daniel Ruiz

A resolução do juiz Torres não tem base legal séria. É uma declaração política contra os direitos democráticos mais básicos e mantém Daniel Ruiz como prisioneiro político deste governo.

É por isso que exigimos sua renúncia imediata.

Bullrich quer expor Daniel como um troféu de guerra

Um dia antes de Daniel prestar declaração, a Ministro Bullrich colocou uma foto de Daniel nas redes sociais, festejando que ele havia sido preso. Bullrich deveria estar presa por matar Santiago Maldonado e Rafael Nahuel, mas como a justiça é funcional para o Governo, o ministro está solta caçando trabalhadores para continuar implementando o ajuste para atender o FMI e o G20.

Declaração de Daniel

Em sua declaração ante o juiz, Daniel explicou que em 18 de dezembro estava na Plaza de los Dos Congresos defendendo os aposentados porque “foram os que me ensinaram a trabalhar, para que eu não me machucasse com os equipamentos das plataformas de petróleo”. Quando a reforma da previdência foi anunciada…. me senti na obrigação de mobilizar-me.

Esse é Daniel Ruiz, esse é nosso companheiro e amigo. Um petroleiro que trabalhou toda a sua vida, um lutador, um irmão querido por todos que o conhecem.

Redobrar a campanha pela liberdade de Daniel e todos os presos por lutar

Hoje ele está preso por uma decisão do governo, como Milagro Sala e Facundo Jones Huala, porque querem nos assustar, porque eles querem que Daniel apareça como punição exemplar para as centenas de milhares que querem Macri fora.

Mas eles não vão nos impedir. As celas de Marcos Paz não podem impedir a luta do povo contra a fome e a miséria.

Chamamos a todas as organizações de direitos humanos, políticas, sociais e sindicais a redobrar a enorme solidariedade nacional e internacional que está recebendo Daniel.

Leia também:  Argentina | É preciso uma revolução operária e socialista

Vamos recorrer dessa decisão, como apelamos à negação de liberdade, que nestes dias deveria resolver o Tribunal Federal de Recurso.

Mas não temos confiança na justiça que deixa livre aos repressores da ditadura e coloca os trabalhadores que lutam na prisão. Portanto, vamos continuar a impulsionando a campanha mais unitária possível para a liberdade de Daniel Ruiz, Milagro Sala, Facundo Jones Huala e todos os presos por lutar, contra a perseguição de Sebastián Romero e pelo arquivamento dos processos de Cesar Arakaki, Dimas Ponce e todos os lutadores.

A partir do PSTU continuaremos lutando com todos aqueles que queiram derrubar Macri nas ruas, como derrubamos De La Rua, em 2001, para estabelecer um governo dos trabalhadores e do povo, sem patrões; que prenda todos os empresários, políticos e juízes que se enriqueceram à custa da fome dos trabalhadores famintos e o povo.

Avante companheiros, a luta está apenas começando, o futuro é nosso.

Tradução: Lena Souza