Trabalhadores da Lufthansa Technik recusaram-se a atender o avião do presidente Alexander Lukashenko. O anúncio foi feito na quarta-feira, 14 de outubro, pelo jornal Nasha Niva.

Por: Lufthansa Technik / 15 de outubro de 2020

Como aponta o jornal, após o Boeing 737 com matrícula EW-001PA pousar no aeroporto de Fuhlsbuettel, o sindicato da empresa emitiu um comunicado denunciando que o avião pertence “ao mesmo Lukashenko que deu a ordem de atirar no manifestantes na Bielorrússia ”.

“Nós, ativistas da empresa Lufthansa Technik, não esquecemos a longa tradição de solidariedade internacional e estamos ao lado dos trabalhadores bielorrussos”, diz o boletim sindical da empresa.

Além disso, o panfleto continha demandas como a “renúncia de Lukashenko”, a realização de “verdadeiras eleições democráticas”, bem como “a libertação de presos políticos e a reincorporação de companheiros que perderam seus empregos“. Os ativistas da empresa relembraram uma situação semelhante ocorrida há 31 anos, quando os trabalhadores se recusaram a atender o navio do presidente romeno Nicolae Ceausescu.