As eleições presidenciais acabam de ser realizadas na França, em 10 e 24 de abril[1]. Como nas eleições de 2017, o segundo turno colocou o presidente em exercício, Emmanuel Macron, contra Marine Le Pen. Um duelo para o qual as pesquisas e a mídia nos preparavam há semanas. Um duelo entre um presidente de direita (ainda que ele se recuse a se apresentar como tal, preferindo se chamar de “progressista”) e sua rival da extrema direita (ainda que este termo seja rejeitado por ela, e que sua campanha tenha sido muito focada em questões sociais, em particular na questão do poder de compra). Um primeiro turno que mais uma vez derrubou tudo o que, em um vasto e bastante confuso pot-pourri, está classificado como de esquerda na política francesa. E o candidato favorito da burguesia e sua mídia, Macron, foi reeleito.

Por: Michael Lenoir

Alguns lembretes sobre o primeiro quinquênio Macron

Isto é apenas um lembrete de alguns fatos importantes dos últimos cinco anos. Este lembrete é útil para poder fazer uma primeira pergunta: como é que, dado seu recorde (que lhe rendeu uma detestação social maciça), Macron continua chefe de Estado hoje? De fato, durante sua presidência, ele acumulou medidas e uma atitude arrogante[2] que certamente fizeram dele o presidente mais odiado da Quinta República, especialmente entre as classes trabalhadoras. Sua reeleição parece, portanto, à primeira vista, paradoxal.

A presidência Macron foi, desde o início, não apenas a dos ricos – Sarkozy já era o presidente dos ricos – mas a dos ultra-ricos[3]. Dentre as primeiras medidas tomadas, notamos a abolição do Imposto sobre a fortuna (ISF) e a implementação do imposto único (“flat tax” ou “taxa única fixa”)[4]. Estas medidas são puramente a favor dos muito, muito ricos, em detrimento do que geralmente é chamado de “solidariedade nacional”, e que nos levam a acreditar que Macron é de fato o executor do desejo de secessão social da alta burguesia.

Presentes aos bilionários, por um lado, e golpes violentos aos trabalhadores e às pessoas mais desfavorecidas, por outro, em particular com o aprofundamento da desintegração do código do trabalho, que Macron já havia iniciado quando era Ministro da Economia de François Hollande; e com o brutal ataque às pensões, que levou a um grande movimento social no inverno de 2019-2020[5]. À frente da Educação Nacional, o mesmo ministro, Blanquer, está há 5 anos causando estragos, aumentando a carga de trabalho dos funcionários em todos os níveis, desmantelando medidas específicas em favor de estabelecimentos nas ex-zonas de educação prioritária, atacando o caráter nacional do bacharelado, em suma, criando uma escola que sempre gera mais segregação social. O “progressivismo” de Macron em matéria de imigração resultou em operações policiais violentas contra migrantes em situação irregular, e um endurecimento da política de deportação contra esses proletários nômades, os mais vulneráveis de nossa classe. Quanto aos desempregados, seus benefícios foram cortados no final de 2021.

Muito rapidamente, pudemos ver que a presidência Macron seria rica em lutas sociais, especialmente com a luta contra a reforma ferroviária na primavera de 2018. Mas foi especialmente a partir de 17 de novembro de 2018, que surgiu um vasto movimento social. O levantamento dos Coletes Amarelos varreu o país por vários meses, gerando ocupações de rotundas e outros lugares, grandes manifestações com muito pouca supervisão, fenômenos de auto-organização e o desencadeamento de um movimento de camadas proletárias geralmente não organizadas sindical e politicamente, muitas vezes entre as mais precárias. A revolta, que eclodiu diante de uma medida para aumentar o preço do combustível, rapidamente se politizou, movendo-se para a esquerda e integrando demandas sociais (como o restabelecimento da ISF) e democráticas (como o RIC – referendo de iniciativa cidadã). Entretanto, este poderoso movimento social foi desgastado pela falta de perspectivas estratégicas e por uma repressão feroz, o que contribuiu muito para reduzir o número de manifestantes. A violência policial foi generalizada, embora negada pelas autoridades e pela grande mídia. Neste período houve mortes suspeitas, apesar de negações e procedimentos demorados[6]. Houve cerca de trinta olhos arrancados, amputações graves (pés, mãos)… E prisões em massa, com penas de encarceramento para centenas de pessoas.

Depois veio a pandemia. Enquanto o movimento social contra as aposentadorias tinha acabado de murchar, levado à asfixia pela política das lideranças sindicais, a “Macronia” se viu administrando uma situação sanitária em que o mínimo que podemos dizer é que ela não brilhou! Várias e repetidas mentiras[7], autoritarismo infantilizante para com a população[8], política pró-negócio, especialmente após o primeiro confinamento (de meados de março ao início de maio de 2020), caos nas escolas, saturação dos hospitais em certos momentos e… uma política de destruição da saúde pública que, apesar da pandemia, continuou e ainda continua a remover camas de hospitais. Tal descaramento e cinismo em tal contexto merecem um Oscar!

O autoritarismo é um traço marcante do neoliberalismo macronista. Assistimos a um aumento da brutalidade policial, e não apenas contra os Coletes Amarelos[9]. E Macron tem governado com base em leis e medidas de excepção, utilizando especialmente a situação sanitária como pretexto. A polícia quer estar acima da lei, e Macron e seu ministro do Interior Darmanin os encorajam nesse sentido. A sinistra lei chamada “Segurança Global” inicialmente até mesmo planejava proibir a filmagem de operações policiais. Mas protestos maciços em 2020 derrotaram esta ignomínia e, finalmente, a lei promulgada em 25 de maio de 2021 não a menciona, mesmo que inclua recuos liberticidas em termos de polícia municipal, empresas de segurança privada, ferramentas de vigilância (câmeras para pedestres, proteção por vídeo, etc.) e quanto à proteção das forças de segurança. A lei de 24 de agosto de 2021, chamada “contra o separatismo”, ataca as liberdades públicas (culto, associação, ensino) e é uma máquina de luta contra os muçulmanos, sob o pretexto da batalha a ser travada contra o islamismo político.

No que diz respeito à ecologia e à luta contra o aquecimento global, apesar dos anúncios presidenciais, e além de seus efeitos de manga e seu greenwashing “progressivo”, o recorde de Macron é completamente nulo. Isto levou à saída, anunciada na mídia, de seu único ministro do meio ambiente que queria acreditar na boa vontade presidencial neste assunto, Nicolas Hulot, após um ano e três meses. Quanto às 150 pessoas escolhidas por sorteio para formar a Convenção Climática dos Cidadãos (que foi constituída em novembro de 2019), seus trabalhos foram essencialmente enterrados e suas propostas rejeitadas em cerca de 90% pelo executivo, e o referendo prometido por Macron não ocorreu. A cumplicidade benevolente desta última com a Total, particularmente por suas operações em Uganda, mostra claramente a hipocrisia e a irresponsabilidade que reinam nesta área. Acrescentemos que o Estado francês foi condenado duas vezes por inação climática.

Sem sequer se deter nos casos e escândalos, muitas vezes silenciados, que se multiplicaram durante esses cinco anos, e na crescente mediocridade do pessoal político e sua subserviência ao mundo dos negócios que tudo isso revela, é fácil entender que, em vista de tal recorde, uma grande parte do eleitorado, particularmente nos círculos da classe trabalhadora, não quis votar no Macron a qualquer preço.

Uma campanha presidencial muito especial

Mas precisamente: a habilidade de Macron, que alguns irão ver como covardia política, e as oportunidades que vários eventos na França e no mundo lhe ofereceram, fizeram com que este recorde não fosse realmente discutido, e que o candidato a presidente não tivesse que prestar contas disso, o que parece bastante incrível de um ponto de vista democrático e quando se trata de uma reeleição.

Como isso aconteceu? Há vários elementos em jogo. Antes de mais nada, as escolhas feitas pelo presidente em exercício. Em primeiro lugar, mesmo que todo o país previsse que Macron fosse um candidato à reeleição, ele só o oficializou muito tarde, em 3 de março[10], ou seja, um mês e uma semana antes do primeiro turno. Ele escolheu, portanto, uma campanha expressa, quase uma não-campanha. Para o primeiro turno, após uma entrevista coletiva em 17 de março para anunciar seu programa, ele realizou sua única reunião de campanha na região de Paris em 2 de abril, uma semana antes das eleições. Em segundo lugar, e ao contrário da prática recente, notadamente em 2017, Macron recusou um grande debate pluralista com os outros candidatos, onde os riscos de que suas políticas e seu histórico fossem postos em questão teriam sido bastante altos. Era claro que ele queria enfrentar a Marine Le Pen no segundo turno, e que ele achava que poderia vencê-la. O único debate televisivo no qual ele participou foi contra ela, entre as duas rodadas; e além da mediocridade das trocas e dos temas, pouco surpreendente com estes finalistas, a impressão dominante é que ele se saiu melhor do que ela.

Além de sua estratégia de evitar o debate em seu recorde, e confiando no reflexo da “barragem” contra Le Pen, Macron tem sido ajudado por outros eventos nos últimos meses. Primeiro, a poderosa onda da variante Omicron, que causou estragos durante o inverno, foi felizmente menos letal proporcionalmente do que as ondas anteriores, e diminuiu nos últimos meses e semanas da campanha presidencial, o que Macron foi capaz de explorar, removendo a maioria das restrições da política de saúde a partir de 14 de março. E quase milagrosamente, o Coronavirus, que estava no centro das notícias, foi relegado para segundo plano, fazendo muitas pessoas acreditarem que a pandemia já ficou para trás. A guerra suja de Putin contra a Ucrânia tomou o centro das atenções na mídia. E neste contexto, Macron aproveitou uma nova oportunidade para evitar ter que explicar seu recorde geral, posando ao invés disso como um grande chefe de Estado, um grande líder político do mundo moderno. Estes dois elementos facilitaram a tarefa do presidente-candidato, em um contexto onde as lutas sociais estavam mais atônicas do que na primeira metade do quinquênio, ao mesmo tempo em que eram freqüentemente ignoradas pela mídia. Mas a lógica da Constituição, em conexão com a configuração das candidaturas presidenciais, também jogou a favor de Macron.

Candidatos do primeiro turno

Na maioria das eleições presidenciais sob a Quinta República, o segundo turno colocou candidatos pertencentes à direita tradicional, “republicana” por um lado, e a “esquerda”, geralmente de origem social-democrata[11], por outro. Podemos ver, portanto, que a regra sob a Quinta República foi antes a oposição de dois blocos políticos no segundo turno: de um lado, a direita tradicional; do outro, a esquerda reformista (mesmo que esta última estivesse fazendo cada vez menos reformas, e cada vez mais contra-reformas). Parece que isto mudou e que esta mudança parece ser duradoura. Temos que medir seu escopo, pois a lógica das preferências eleitorais adaptou-se a ela e continuará a mudar em conformidade. Em uma lógica de confronto entre dois blocos (“esquerda-direita”), aceitava-se que no primeiro turno, os eleitores podiam facilmente votar no candidato mais próximo de seus desejos no primeiro turno, e bloquear o campo oposto no segundo turno, de acordo com a fórmula: “no primeiro turno você escolhe, no segundo você elimina”. Os eleitores de esquerda, em particular, tinham freqüentemente a oportunidade de votar em candidatos à esquerda do PS no primeiro turno, e mudar para este último no segundo. Mas, aos poucos, assistimos ao surgimento e desenvolvimento de um terceiro bloco, na extrema direita, em torno da Front National (Frente Nacional, FN), que se tornou o Rassemblement National (Agrupamento Nacional, RN). É fácil entender que se a eleição chave da Quinta República, no segundo turno da qual só podem se opor dois candidatos, não é mais disputada entre dois, mas entre três grandes blocos eleitorais, um dos três blocos está necessariamente ausente do segundo turno, o que reduz muito a representatividade (e portanto a legitimidade) da eleição. Nas eleições presidenciais de 2002, a Frente Nacional do pai de Le Pen foi menos forte eleitoralmente que o partido de sua filha Marine hoje (J-M. Le Pen obteve 4,8 milhões de votos (16,86%) no primeiro turno, comparado a 8,1 milhões (21,89%) para Marine Le Pen este ano, mas a dispersão de candidatos da esquerda em 2002 (todas as correntes juntas) colocou Lionel Jospin (PS) em terceiro lugar. Em 2017, quatro blocos principais haviam surgido e obtido resultados próximos na primeira rodada: aquele em torno de Emmanuel Macron (24%), Marine Le Pen (21,3%), François Fillon (direita clássica, 20%) e Jean-Luc Mélenchon (19,5%). Em 2017 a esquerda reformista estava menos dividida do que em 2002 ou 2022, mas o candidato do PS (Benoit Hamon, 6,36%) tinha sem dúvida desviado alguns votos de Mélenchon, o que provavelmente lhe teria permitido chegar ao segundo turno.

Qual era a situação para as eleições presidenciais de 2022? Podíamos, a priori – digamos, há cerca de um ano – esperar ver o surgimento, ou o reaparecimento (como em 2017) de quatro forças principais, em torno de quatro candidatos: uma provável candidatura Macron, uma candidatura Le Pen, uma candidatura Mélenchon e uma candidatura Les Républicains (LR, direita clássica) cujo nome seria determinado mais tarde. Mas não foi exatamente assim que as coisas se resolveram. Por várias razões.

A primeira razão é que, no verão de 2021, surgiu um candidato de extrema-direita competindo com Marine Le Pen, inicialmente não oficialmente: Éric Zemmour, cuja candidatura se tornou oficial em 30 de novembro. Zemmour, um polêmico racista e islamófobo, um reinventor da história[12] e um adepto da tese da “grande substituição”[13], parecia capaz de liderar os debates políticos e midiáticos no final do ano passado, e de reunir atrás dele não apenas uma parte do eleitorado da Le Pen, mas também a burguesia reacionária, muitas vezes da direita católica – ele foi apoiado financeiramente pelo bilionário Bolloré – e as vanguardas e retaguardas dos grupos fascistas e racistas do país. Mas Zemmour, ao contrário do RN, sempre se apresentou como um grande defensor das desigualdades sociais, das políticas neoliberais, da austeridade, da destruição das pensões… No outono, algumas pesquisas creditaram a Zemmour 17% ou mesmo 19% das intenções de voto, muitas vezes passando Marine Le Pen, que ele parecia ser capaz de impedir de chegar ao segundo turno. Uma extrema-direita dividida era algo bastante novo nessas proporções, mais ainda como um terceiro individuo, Nicolas Dupont-Aignan, já candidato em 2017, embora mais frequentemente classificado como direita extrema do que como extrema-direita – são as sutilezas da mídia! – e, numa base soberanista, também anunciou sua candidatura. Um lote de três candidatos de extrema direita estava, portanto, em preparação, o que podia mudar a situação em relação a 2017.

A segunda razão para a diferença entre o que estava tomando forma há cerca de um ano e o que se desdobrou está no lado da direita clássica. Poder-se-ia pensar, especialmente na primavera de 2021, que o desgaste político de Emmanuel Macron, e sua rejeição visceral por grande parte da população, poderia levar os setores dominantes da burguesia a optarem por uma candidatura alternativa, do lado de LR (Les Républicains) em particular, por exemplo, Xavier Bertrand, um ex-ministro sob Chirac e Sarkozy, agora presidente do conselho regional de Hauts-de-France. No final, a LR organizou dentro de si uma eleição primária, na qual Bertrand foi eliminado no primeiro turno, e que resultou num duelo entre Valérie Pécresse, presidente da região da Ile de France, e Eric Ciotti, deputado de Nice. Pécresse, que tinha corrido em uma linha mais moderada do que Ciotti – mais abertamente reacionário e islamofóbico – surgiu por pouco como a candidata da LR. As coisas tinham começado mal para ela (o próprio Sarkozy se recusando a apoiá-la e apelando para um voto no Macron!) e a campanha dela ficou progressivamente atolada, depois de ter se baseado, entre outras coisas, em uma adaptação aos debates fétidos sobre imigração, islamismo e identidade nacional, constantemente relançada pela extrema direita e notavelmente Zemmour, e também retomada pelo campo Macronista. Pécresse rapidamente deixou de aparecer como uma alternativa potencial a Macron, do ponto de vista dos interesses da burguesia. Em dezembro, ela foi creditada com 20% das intenções de voto, e parecia ser capaz de vencer Macron no segundo turno, mas continuou perdendo terreno.

Vamos deixar de lado a candidatura difícil de classificar de Jean Lassalle, um brincalhão sanguíneo e iconoclasta da Assembléia Nacional. E vamos notar que a terceira razão para o cenário que finalmente prevaleceu nesta eleição presidencial está no panorama das esquerdas, tal como foi apresentado nesta campanha.

Vamos começar com a esquerda burguesa, na qual incluo dois partidos em particular: o Partido Socialista (PS), e EELV (Europe Ecologie Les Verts). A natureza burguesa do PS – ou mais precisamente sua transformação de um partido “operário burguês” reformista como era nos anos 70 para um partido puramente burguês, um adepto nem sempre vergonhoso do neoliberalismo, como se tornou nos últimos anos – tem sido demonstrada por sua política ao longo das últimas décadas, com picos atingidos sob o quinquênio Hollande. Este partido, já dizimado pela eleição de Macron em 2017, apresentou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, a esta eleição presidencial. Outra tentativa do quadro político do PS fracassou, a do ex-ministro Arnaud Montebourg. Em seguida, assim como não parecia provável que a campanha de Hildalgo decolasse, houve uma nova tentativa, desta vez por Christiane Taubira, ex-ministra da Justiça sob François Hollande, de representar uma ampla união da esquerda que parecia estar pior que fora do bom caminho. Mas a operação de Taubira também caiu, e no final Hidalgo e Jadot (EELV) continuaram a representar esta esquerda burguesa nesta eleição presidencial. A natureza burguesa de EELV é talvez menos óbvia que a do PS, mas seu eleitorado continua ancorado na classe média alta sensível às questões ecológicas, e sua ecologia permanece globalmente compatível com o capitalismo e, portanto, não vai longe. Seu apego à UE, em particular, a torna uma corrente incapaz de romper com a lógica econômica neoliberal dominante. Tem correntes mais próximas do reformismo, mais próximas de Mélenchon e da France Insoumise, no entanto, que estão presentes. O candidato presidencial da EELV, Yannick Jadot, representa a ala mais direita, a mais pró-capitalista, do partido. Sua desafortunada concorrente na eleição primária de EELV, Sandrine Rousseau, que foi derrotada por pouco, representa sua ala mais reformista e compatível com a FI.

É difícil classificar o PCF como sendo da esquerda burguesa, dada sua origem histórica e o que resta de suas raízes populares, mas é claro que a direitização deste partido, que ainda está em declínio, tem continuado nos últimos anos, o que não impede reflexos de tensão baseada na identidade, como a que consistiu em apresentar a candidatura de Fabien Roussel nesta eleição presidencial. O PCF fez uma campanha geral à direita da France Insoumise. Como defensor da ordem (burguesa), apoiou recentemente uma manifestação de policiais facciosos – assim como o PS e EELV, por sinal. O reformismo do PCF vai sempre mais para a direita. E entre os antigos traços estalinistas ainda presentes neste partido, a defesa da energia nuclear ainda ocupa um bom lugar. No final, a candidatura da Roussel nada mais era do que uma pura afirmação da identidade do PCF, associada a um – frustrado – desejo de vingança contra Mélenchon e a FI, que antes o haviam marginalizado ainda mais.

Antes que o Conselho Constitucional validasse as candidaturas, notadamente verificando as famosas 500 assinaturas de “apadrinhamento” por parte de representantes eleitos, também podíamos esperar três candidaturas da extrema esquerda: Philippe Poutou, candidato do Novo Partido Anti-Capitalista (NPA); Nathalie Arthaud, candidata de Lutte Ouvrière (LO), e Annasse Kazib, operário ferroviário e sindicalista da Sud Rail e candidato da corrente CCR (ligada à Facção Trotskista, FT-QI), que deixou o NPA no verão de 2021. No final, Annasse Kazib não obteve as fatídicas 500 assinaturas e Poutou e Arthaud representaram a extrema esquerda.

Neste conjunto de esquerdas, é muito claramente nas velas de Mélenchon e da União Popular (UP) reunida ao redor da FI que o vento soprou. Isso já era verdade em 2017, e era de se esperar que isso acontecesse novamente em 2022. Com suas especificidades, é claro, a FI representa na França uma corrente neo-reformista que temos visto trabalhando em outros lugares: Grécia com Syriza, Portugal com o Bloco de Esquerda, Espanha com Podemos… Apostando no caminho institucional e nas eleições para mudar a situação política, para uma VI República, o programa da UP, intitulado L’Avenir en commun[14] anuncia reformas econômicas e sociais progressivas, uma política em favor dos serviços públicos, o aumento dos mínimos sociais, um SMIC aumentado para 1400 euros mensais, o retorno da aposentadoria aos 60 anos, planejamento ecológico, etc. Mas tudo isso deve ser obtido sem nenhum confronto importante com a burguesia, sem expropriá-la… Poderíamos também apontar algumas coisas que merecem ser criticadas em termos de política externa e posicionamento em relação ao Estado e seus aparelhos repressivos… Durante muito tempo, as pesquisas deram a Mélenchon apenas 8 a 10% das intenções de voto. Este último só obteve previsões de cerca de 15% nos últimos dias antes do primeiro turno, mas ainda estando muito longe de Macron e Marine Le Pen.

Um primeiro turno não inteiramente sem surpresas

Uma das questões desta eleição presidencial foi a taxa de abstenção. De fato, exceto, talvez, no final da campanha, ela ocorreu num contexto de indiferença popular generalizada e um certo cansaço em relação às escolhas políticas propostas. O desinteresse, ou mesmo a repugnância, em relação à política (pelo menos à política institucional), como é proposta, só cresceu ao longo dos últimos anos. A impressão de que as eleições não podem mudar a vida da população está crescendo, e isto é particularmente verdadeiro nas áreas desfavorecidas e nos bairros da classe trabalhadora. O aumento da abstenção acontece de modo geral em todas as eleições, mesmo que a participação seja tradicionalmente maior nas eleições presidenciais[15]. Mas já as eleições presidenciais de 2017 tiveram uma alta abstenção (22,23% no primeiro turno, 25,44% no segundo)[16] . Pouco tempo depois, mesmo eleições com impacto nacional, como as eleições legislativas de junho de 2017, tiveram uma participação inferior a 50% (51,3% de abstenção no primeiro turno e 57,36% no segundo). Algumas eleições nos últimos anos tiveram taxas de abstenção extremamente altas. As eleições européias, tradicionalmente marcadas por uma baixa participação, foram próximas a 50% em 2019 (49,88%). Nas eleições municipais de 2020, a taxa de abstenção foi de 55,25% no primeiro turno e de 58,6% no segundo. As eleições regionais e departamentais de 20 e 27 de junho de 2021 foram marcadas por uma abstenção recorde (no primeiro turno, 66,72% de abstenção nas eleições regionais e 66,68% nas eleições departamentais; respectivamente 65,31% e 65,64% no segundo turno).

Entretanto, a participação no primeiro turno das eleições presidenciais de 2022 não entrou em colapso – o que é em si um primeiro sucesso relativo para Macron – mas ainda assim diminuiu em comparação com 2017, com uma abstenção que desta vez foi de 26,31%. Essa afluência confirma o aumento do desinteresse pela vida política como ela é, mesmo que seu nível não constitua uma completa deslegitimação da eleição presidencial. No entanto, deve-se notar que este ano, os dois finalistas das eleições presidenciais obtiveram apenas 20,07% dos votos (Macron) e 16,69% (Le Pen) de todos os eleitores registrados, o que significa que as duas pessoas que permaneceram na disputa para a eleição chave da vida política francesa obtiveram apenas os votos de um grande terço do eleitorado (36,76% exatamente). Em outras palavras, a soma dos abstencionistas, votos em branco e inválidos e eleitores que escolheram outros candidatos representa 63,24% do eleitorado, o que significa que há quase dois terços da população cuja escolha não foi levada em conta. Isto coloca um problema de representatividade e contribui para minar a legitimidade de instituições cada vez menos representativas da vontade popular.

Mas sem dúvida, a principal conquista de Macron neste primeiro turno, além de vir em primeiro lugar com 27,84% dos votos expressos, é ter explodido os dois partidos tradicionais da “alternância mole” direita-esquerda, que estruturou durante décadas a vida política francesa, entre o que hoje é chamado de LR[17], por um lado, e o PS, por outro. Já vimos que em 2017 a pontuação do candidato do PS (Benoit Hamon) havia caído para 6,36%. Mas a pontuação de Fillon ainda era de 20% cinco anos atrás. Em 2022, estas duas forças políticas chegaram a um virtual desaparecimento: para LR, Valérie Pécresse recebe apenas 4,78% e para o PS, Anne Hidalgo faz ainda pior (1,75%)[18], e no nível de sua representatividade nacional, o PS agora parece ter passado pelo mesmo processo que o PASOK grego. Tendo obtido menos de 5%, nenhuma das duas candidatas (LR e PS) terá suas despesas de campanha reembolsadas pelo Estado. Deve-se lembrar de que apenas dez anos atrás, o PS (Hollande) representou 28,63% dos votos expressos no primeiro turno, e a UMP (Sarkozy) 27,18%. Entre eles, esses dois partidos responderam então por 55,81% dos votos expressos. Hoje, LR e o PS juntos representam apenas 6,53% do eleitorado! Se a marginalização política do PS começou em 2017, em 2022 parece ter se tornado definitiva (pelo menos em termos de audiência nacional), enquanto a de LR está bem encaminhada! O espaço da política neoliberal e autoritária burguesa que era compartilhado, ainda sob o quinquênio Hollande, entre a direita clássica e a falsa esquerda, agora é ocupado por Macron, que se autodenomina “extremo centro”. O primeiro turno das eleições presidenciais não mostrou, portanto, um bloco político forte na direita clássica, ao contrário do que aconteceu em 2017 com Fillon.

Este ano, finalmente vimos não quatro, mas três candidatos principais, acima de 20% dos votos expressos, e bastante próximos um do outro: Macron (aproximadamente 9,8 milhões de votos, 27,84%), Le Pen (aproximadamente 8,1 milhões, 23,15%), e Mélenchon (aproximadamente 7,7 milhões, 21,95%). Os seguintes candidatos estão muito atrasados[19]. Os pontos fortes desses três candidatos aparecem da seguinte forma: para Macron, as CSPs altas e os aposentados. Para Le Pen, um eleitorado muito mais jovem, uma parte da classe trabalhadora (freqüentemente das áreas suburbanas, das antigas regiões industriais empobrecidas – o norte e o leste em particular) e o sul mediterrâneo. Para Mélenchon, um voto forte entre os jovens[20], uma maioria nos DOMs[21], muitas vezes um primeiro lugar e muito bons resultados na classe trabalhadora e nos municípios populares. Bons resultados em Paris (30,09%) e na região parisiense e, em geral, nas grandes cidades onde está acima em relação a 2017 (31,12% em Marselha; 35,48% em Estrasburgo; 40,73% em Montpellier; 29,06 em Bordeaux …)[22]. Os bairros pobres da região parisiense votaram muito em Mélenchon, especialmente em Seine-St Denis, onde a UP está empurrando a Marine Le Pen para trás.

Uma relativa surpresa desses resultados é a pontuação de Mélenchon, muito mais próxima da classificação para o segundo turno do que as últimas pesquisas indicavam (cerca de 7 pontos a mais). A pequena diferença com Marine Le Pen (cerca de 400.000 votos, ou 1,20%) deixou muitos eleitores UP irritados. Mélenchon melhora em sua pontuação de 2017, ao contrário do que foi previsto pelos institutos de votação, tanto em termos de votos como de porcentagem (7,71 milhões de votos em 2022 contra 7,06 milhões em 2017, e 21,95% contra 19,58%). Parece que nos últimos dias e até mesmo nas últimas horas, muitas pessoas decidiram votar no candidato neo-reformista. Potenciais abstêmios decidiram fazê-lo, e pessoas que inicialmente pensavam em votar em outros candidatos de esquerda finalmente se voltaram para Mélenchon, que foi percebido como a única possibilidade de evitar um duelo Macron-Le Pen no segundo turno. Mas no final, os resultados de Mélenchon previstos pelas últimas pesquisas provavelmente significaram que muitos eleitores potenciais de Mélenchon não acreditaram na possibilidade dele participar ao segundo turno. E a fragmentação das candidaturas de todas as esquerdas, e em particular a do PCF Fabien Roussel, foi objeto de amargas críticas.

Outro elemento deve ser notado. No final, a candidatura Zemmour e, portanto, a divisão da extrema direita não foi fatal para Marine Le Pen, muito pelo contrário. O nicho típico deste movimento político, e em geral do FN e depois do RN (insegurança, xenofobia, islamofobia) foi ocupado principalmente por Zemmour. Isto levou a Marine Le Pen, ainda em busca da respeitabilidade democrática e confirmando e ampliando a banalização de seu partido, a colocar a ênfase de sua campanha em outro lugar, e em particular na defesa da população mais modesta, com temas em torno da luta pelo poder de compra, contra aumentos de preços, etc. Tal escolha, evidentemente falaciosa e demagógica, mas feita num contexto de inflação crescente e finais de mês difíceis, provou ser proveitosa. Por sua vez, Zemmour, que tinha conseguido recrutar executivos do RN (notadamente o advogado Gilbert Collard e a sobrinha da Marine Le Pen, Marion Maréchal), que garantiu repetidamente que estaria presente no segundo turno, e que parecia ser uma ameaça real à candidata do RN, viu o ímpeto de sua campanha parar, e depois desmoronar a partir de meados de fevereiro, quando ele ainda representava 15% nas pesquisas de opinião. Por que isso aconteceu? Vários elementos parecem ter desempenhado um papel: primeiro, seu brutal ultra-liberalismo deve ter chocado parte de seu eleitorado potencial. Além disso, quando ele tinha que falar, às vezes, sobre algo diferente de suas obsessões racistas e islamofóbicas, ele não parecia ser capaz de responder seriamente a toda uma série de perguntas que dizem respeito ao eleitorado: emprego, proteção social, saúde, poder aquisitivo… Finalmente, as declarações de Zemmour sobre a guerra na Ucrânia o fizeram despencar: por muito tempo um admirador do “patriota” Putin, Zemmour fez uma aposta de que a Rússia não invadiria a Ucrânia, e ele disse então que a chegada de refugiados ucranianos à França poderia desestabilizar o país e que seria melhor para eles permanecerem na Polônia. Neste ponto, Marine Le Pen conseguiu estar mais em sintonia com a opinião pública: ela parece ter conseguido fazer muitas pessoas esquecerem seu apoio passado a Putin, notadamente durante sua invasão da Crimeia, e o fato de que o RN é em grande parte financiado por um banco russo próximo ao ditador. Ela o fez condenando a invasão de forma mais aberta e sendo muito mais acolhedora para esses refugiados.

Um novo duelo Macron-Le Pen, ganho pelo presidente em exercício.

Nas semanas que antecederam o primeiro turno, Macron não hesitou em anunciar os golpes antissociais que formam o núcleo do programa para seu novo mandato. Em particular, duas medidas muito impopulares foram apresentadas: a extensão da idade de aposentadoria para 65 anos, sob o pretexto de alinhar-se com a média européia; e o condicionamento da RSA (Revenu de solidarité active – renda de solidariedade ativa), destinada aos mais necessitados, a uma atividade profissional semanal de 15 ou 20 horas. Por trás do argumento repugnante da luta contra o assistencialismo e a necessidade de colocar a França para trabalhar, é obviamente uma questão de fazer novas transferências de valor para os mais ricos. Macron não hesitou em apresentar estas duas medidas-chave em meados de março, encorajado em sua arrogância por pesquisas que o colocavam bem à frente nas urnas. Com estes anúncios, Macron também visava assegurar os votos de um eleitorado conservador e bastante rico. No entanto, as últimas pesquisas de opinião antes do primeiro turno indicavam um aperto da lacuna, com uma queda na popularidade de Macron e um forte aumento da Marine Le Pen. As últimas pesquisas, embora ainda favoráveis a Macron, deram credibilidade até mesmo a uma pontuação mais alta para Le Pen. E as projeções para o segundo turno anunciavam resultados cada vez mais apertados. Entretanto, a liderança de Macron sobre Le Pen no primeiro turno (cerca de 1,7 milhões de votos e 4,7 pontos) acabou sendo mais forte do que as últimas pesquisas pareciam indicar. E as pesquisas de opinião entre as duas rodadas indicaram um novo aumento na diferença entre os dois finalistas.

Após o primeiro turno, a maioria dos candidatos eliminados deram instruções de votação mais ou menos precisas para o segundo turno. Para Le Pen: Zemmour e Dupont-Aignan. Abertamente para votar no Macron: Pécresse, Hidalgo, Jadot, Roussel. No modo “não um voto para Le Pen”, mas sem chamar para votar Macron, Mélenchon e Poutou. “Nem Macron nem Le Pen” para Arthaud, e nenhuma instrução de voto para Lassalle. Mas as pesquisas de opinião mostraram claramente que entre as instruções de voto dos candidatos e as intenções de voto de seus eleitores para o segundo turno, havia uma grande lacuna. Ficou cada vez mais claro que era essencialmente o eleitorado do Mélenchon que detinha a chave para o segundo turno. Mas este eleitorado parecia hesitante e dividido globalmente, flutuando entre uma grande proporção de intenções de abstenção ou votos em branco ou inválidos, outra grande proporção de intenções de voto Macron para bloquear Le Pen, e uma minoria de intenções de voto Le Pen para se livrar do Macron. Não é surpreendente que este eleitorado tenha sido particularmente cortejado pelos dois finalistas. Para apelar para esse segmento, Le Pen insistiu nas questões sociais. E Macron não hesitou em se fazer de “negociador”, falando em aumentar a idade da aposentadoria para 64 (somente!) e organizar um debate com um referendo sobre o assunto. Este cinismo logo se tornou evidente pelo que é: no dia seguinte à vitória de Macron em 24 de abril, um de seus tenentes, o Ministro da Economia Bruno Le Maire, não excluiu o uso do Artigo 49.3 para fazer passar à força a nova contrarreforma de pensão anunciada por Macron[23]. Um novo insulto aos eleitores que votaram no Macron no segundo turno para bloquear o RN!

No final, a distância no segundo turno entre Macron e Le Pen foi maior do que até mesmo as pesquisas finais sugeriram: ele foi reeleito com cerca de 18,7 milhões de votos e 58,55% dos votos expressos, em comparação com 13,3 milhões e 41,45% para Marine Le Pen. Mas a vitória do ocupante pretensioso do Elysée deve ser relativizada, por várias razões. Primeiramente, a abstenção no segundo turno foi de 28,01%, acima do segundo turno em 2017 (25,44%), e também do primeiro turno deste ano (26,31%). A isto devem ser adicionados mais de 3 milhões de votos em branco ou inválidos, não considerados na França (havia mais um milhão em 2017). Em segundo lugar, Macron perde cerca de dois milhões de votos em comparação com 2017 (cerca de 18,7 milhões em 2022 em comparação com 20,7 em 2017) e em termos percentuais ele cai de 66,10% para 58,55%. Em terceiro lugar, de certa forma há provavelmente dois vencedores nesta eleição: Macron e Le Pen. Nunca antes a extrema-direita conseguiu tais pontuações em uma eleição com esta importância. Em 2017, Marine Le Pen recebeu cerca de 10,6 milhões de votos no segundo turno. Este ano, ela está se aproximando dos 13,3 milhões. Portanto, é claro que a extrema-direita se fortaleceu durante o primeiro quinquênio Macron. Lembremos que em 2017, Macron anunciou que queria “reduzir os extremos“. Naturalmente, na mente de Macron, os extremos também incluíam a France Insoumise. Mas em ambos os casos, o fracasso de Macron é óbvio.

Na verdade, Macron foi em grande parte reeleito graças aos votos dos eleitores de esquerda, em particular de Mélenchon, que estavam preocupados com a perspectiva de ver Marine Le Pen no Elyséé. Além dos DOMs, onde o eleitorado de Mélenchon inclinou claramente em direção à Marine Le Pen para derrotar o incumbente, parece que a maioria dos eleitores UP finalmente optou por colocar uma cédula Macron na urna, mesmo que tenham feito isso tapando o nariz! Na verdade, o argumento da luta contra o “fascismo”[24], um termo que não deve ser utilizado em excesso, pois esta categoria política mereceria um estudo aprofundado fora do escopo deste artigo, foi amplamente apresentado, desde a direita moderada até setores da extrema esquerda. E o medo despertado pelo RN e pelo “fascismo” às portas do Elysée ajudou novamente Macron, mesmo que em menor grau do que há cinco anos. O presidente reeleito concordou com isso ao reconhecer no Champ de Mars, na noite de 24 de abril: “Muitos de nossos compatriotas votaram em mim naquele dia, não para apoiar as idéias que eu carrego, mas para bloquear as da extrema direita[25]. Que conclusão política devemos tirar disso, de acordo com ele? Devemos esperar concessões, uma política menos dura, menos anti-social? De jeito nenhum! Porque temos que ver que seu mandato, ao contrário das aparências, não vem do eleitorado, mas da alta burguesia, e esta última, para aumentar sua taxa de lucro, precisa de um poder político que continue a atacar os ganhos sociais. É verdade que Macron declarou que queria ser “o presidente de todos”, incluindo o eleitorado de Mélenchon e Le Pen, entre outros. Mas lembremos que ele fez o mesmo tipo de discurso em 2017, enquanto sua política em seguida foi uma afronta permanente para o eleitorado de esquerda. As declarações de Bruno Le Maire sobre pensões, lembradas acima, sugerem que Macron II será tão brutal e desdenhoso quanto Macron I! Pelo menos se o resto da seqüência política o permitir.

As eleições legislativas de 12 e 19 de junho

O presidente cessante é reeleito, mas o antigo governo (Castex) permanece no cargo por enquanto. A Constituição estabelece que o poder legislativo deve ser renovado, com eleições para a Câmara dos Deputados. 577 assentos devem ser preenchidos, e as grandes manobras da política partidária nesta perspectiva começaram no dia seguinte ao segundo turno das eleições presidenciais. Deve-se lembrar que as eleições legislativas a serem realizadas nos dias 12 e 19 se baseiam em uma maioria uninominal (em dois turnos)[26] de votos por circunscrição eleitoral. Os 577 círculos eleitorais são muito desiguais em termos de população registrada, e tudo foi feito, em várias ocasiões, em nível de divisão eleitoral, para dificultar muito mais a eleição de um deputado de esquerda (que precisa de mais votos nos círculos da classe trabalhadora) do que de um deputado de direita (nos círculos bem abastados). As eleições legislativas, como são organizadas, têm a característica geral de amplificar as maiorias parlamentares. De fato, importantes forças eleitorais em nível nacional se encontram facilmente com pouca ou nenhuma representação nos assentos parlamentares. Este é particularmente o caso da FN e depois do RN (que durante muito tempo não teve deputados e agora tem apenas 6 na Assembléia atual) e da FI (que tem apenas 17 eleitos), apesar das pontuações de Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon em 2017. O sistema de votação das eleições legislativas, somado às incertezas políticas ainda em andamento, torna impossível no momento de escrever qualquer previsão sobre o resultado dessas eleições.

No entanto, já podemos perceber algumas tendências e fazer algumas observações.

Antes de mais nada, deve-se notar que se a queda dos “partidos da alternativa mole” (PS e LR) é óbvia em nível nacional com os resultados das eleições presidenciais, os velhos aparelhos em questão ainda estão mantendo seu lugar em nível local. É até impressionante notar até que ponto as principais forças políticas em torno dos dois finalistas presidenciais (La République en Marche – LREM – para Macron, RN para Le Pen) têm um peso eleitoral local e um número de funcionários eleitos nesses níveis (municipal, departamental, regional) muito mais fraco do que as forças agora derrotadas nacionalmente (LR e PS). Como assinala L. Crémieux, “O PS, os Republicanos e seus eleitos relacionados estão muito mais presentes nas instituições departamentais e regionais do que En Marche [LREM, o principal partido macronista, NDT]: 685 conselheiros departamentais para o PS e 838 para o LR, (e um número equivalente para os conselhos regionais), muito à frente dos 400 conselheiros departamentais e 118 conselheiros regionais de En Marche. Da mesma forma, nas cidades com mais de 30.000 habitantes, há 50 prefeitos PS e relacionados, 99 LR e relacionados, 3 En Marche e aliados[27] . Esta realidade institucional paradoxal não pode deixar de ter conseqüências, e em vários níveis. Do lado do Macron, que deve absolutamente ter uma maioria na Assembléia Nacional para impor sua política, a operação bem sucedida de destruir os aparatos nacionais do PS e da LR deve necessariamente ser complementada por táticas de alianças e caça furtiva em nível local, tanto do lado da direita tradicional quanto do lado da esquerda burguesa. Sendo a política o que é, barganhas e comícios oportunistas deveriam correr bem nas próximas semanas. Na extrema direita, a questão é saber qual é o futuro da “Reconquête” – ou seja “Reconquista” – o partido criado por Zemmour para as eleições presidenciais. Para o RN e Marine Le Pen, a escolha é destruir este rival incômodo, e repetir a operação que funcionou durante a eleição presidencial: impor uma espécie de “voto útil” para o RN no primeiro turno das eleições legislativas. Neste nível, as redes locais de notáveis do RN não são pletóricas, mas são mais densas do que as do novo partido de extrema-direita, que acaba de chegar à cena política. E mesmo que seja altamente improvável que o RN tenha uma maioria na Assembléia, é provável que ele seja capaz de aumentar substancialmente seu número de parlamentares. A questão também é financeira (os subsídios dos partidos dependem disso), e a presença de redes pró-Zemmour neste caminho é um obstáculo a ser eliminado.

Mas é do lado de Mélenchon que as coisas parecem se mover mais rapidamente. De fato, sua boa pontuação parece ter estado na origem de uma dinâmica política unitária que não havia existido em 2017, que a UP precisamente não tinha para as eleições presidenciais e que custou a seu candidato o segundo turno. Imediatamente após a eleição presidencial, Mélenchon e a UP contataram toda uma série de forças políticas presentes nas eleições presidenciais para propor um acordo para as eleições legislativas. Desde então, as reuniões se multiplicaram com as seguintes organizações: EELV, Générations, o PCF, o NPA. O PS, ou pelo menos a maioria dele, bateu na porta da UP, para fazer parte de um possível acordo. Tudo ainda não está decidido no momento de escrever, mas os seguintes elementos já podem ser observados.

  • Générations, o pequeno movimento liderado pelo antigo candidato do PS nas eleições presidenciais de 2017, Benoit Hamon, e membro do Pôle écologiste[28], que tinha apoiado Jadot nas eleições presidenciais, foi o primeiro a assinar um acordo com a FI, para as eleições legislativas de junho, já em 28 de abril, com o objetivo de alcançar um governo de unidade liderado por Mélenchon.
  • Um segundo acordo foi concluído em 2 de maio entre EELV e a FI, validado pelo conselho federal de EELV por uma maioria muito ampla. Será criada uma “nova união ecológica e social do povo”[29]. O acordo foi feito em particular sobre o SMIC a 1400 euros, o congelamento dos preços dos bens de primeira necessidade, o retorno à aposentadoria aos 60 anos, o princípio de uma “regra verde” e uma “regra de ouro climática”, e o estabelecimento de uma VI República incluindo o RIC (referendo de iniciativa cidadã). No caso de uma maioria na Assembléia, J.L. Mélenchon se tornaria Primeiro Ministro. Entre as questões mais amargamente debatidas, houve a da União Européia, da qual EELV é uma defensora convicta. A idéia apresentada pela FI de desobedecer às regras européias era inaceitável para EELV. O compromisso alcançado estipula que a “Nova Aliança” prevê “desobedecer certas regras européias” (especialmente econômicas e orçamentárias), mas mantém o “respeito ao Estado de direito” dos tratados europeus. Outro tropeço, finalmente superado: a distribuição dos círculos eleitorais (cerca de uma centena de círculos concedidos ao pólo ecológico, ao que parece).
  • Na terça-feira 3 de maio, o PCF decidiu aderir à “Nova União Popular Ecológica e Social” (NUPES). O principal ponto de disputa com a FI foi a questão da energia nuclear (o PCF continua a defendê-la, a FI quer sair dela), mas o acordo assinado estipula que as duas partes defenderão posições diferentes sobre este assunto na Assembléia. Nos poucos pontos de desacordo restantes, o PCF conseguiu manter uma certa autonomia de expressão (por exemplo, sobre a nacionalização dos bancos). O PCF obteve 50 circunscrições neste acordo, com 11 para os deputados cessantes do PCF (notadamente Fabien Roussel)[30].
  • Na quarta-feira 4 de maio, no momento em que estamos terminando este artigo, ficamos sabendo que o PS, por sua vez, e ao custo de uma forte divisão dentro dele, que poderia facilmente levar a uma ruptura, acaba de validar um acordo com a FI. Um comunicado conjunto FI-PS anuncia: “Queremos eleger deputados na maioria dos círculos eleitorais, para evitar que Emmanuel Macron siga sua política injusta e brutal e para derrotar a extrema direita“, este acordo ainda deve ser validado em 5 de maio pelo conselho nacional do PS.
  • Do lado do NPA, a batalha interna é muito dura. Nada foi decidido ainda, mas a maioria do executivo tem pressionado por um acordo com a FI desde o início das discussões. Uma boa parte (quantos exatamente?) dos ativistas se opõem a ela. As recentes concessões feitas pela FI, em particular a EELV e ao PS para obter um acordo – quanto ao próprio princípio de incluir o PS no acordo, dadas as pesadas concessões feitas, notadamente sobre a UE – parecem estar fazendo com que os oponentes a tal acordo ganhem terreno. Philippe Poutou, ele próprio um apoiador da linha de abertura da NPA para a FI, parece desiludido e escreve: “em poucos dias, passamos de uma recusa categórica de nos darmos bem com o PS para um desejo recíproco e quase entusiasmado da FI-PS de encontrar um terreno comum. Isto se traduz logicamente em um programa muito minimalista e, é claro, em um compartilhamento de circunscrições eleitorais aceitáveis para o PS, a fim de salvar o maior número possível de postos. Quanto mais a FI tenta se dar bem com o PS e EELV, mais o terreno comum se torna arredondado e reduzido. A aposentadoria aos 60 anos torna-se o “objetivo” da aposentadoria aos 60, a revogação da lei El-Khomri torna-se a revogação dos “aspectos regressivos” da lei, a desobediência aos regulamentos europeus é relativizada e tão pouco clara, sem mencionar o abandono da energia nuclear (não pouco importante) ou outros pontos importantes do que poderia ter constituído um programa de ruptura. Portanto, a unidade desejada e legítima, inclusive para nós, esta unidade está de fato tomando forma, mas está perdendo radicalidade potencial, originalidade ou mesmo um ponto de apoio para o futuro. Porque mesmo enfraquecido, o PS (com também EELV), ainda consegue dar o tom, fixar seus limites e apresentar suas exigências relativas à partilha das circunscrições[31].

Para concluir sobre a questão das eleições legislativas, digamos que há uma forte chance de que um acordo muito amplo unirá a maioria das diversas esquerdas nos dias 12 e 19 de junho. Não se trata de uma conclusão inevitável, porque o PS ainda não validou o caso internamente e porque o NPA ainda não fez sua escolha e está passando por um movimento muito forte de luta dentro de suas fileiras. Note-se que de todas as organizações de esquerda e de extrema esquerda presentes nas eleições presidenciais, LO é a única que claramente se recusa a entrar na lógica de tal acordo com a FI.

E agora?

Vamos acrescentar algumas considerações gerais. Antes de mais nada, notamos, como Philippe Poutou faz amargamente, que a lógica dos acordos feitos pela FI desloca a linha geral para a direita, em direção a uma menor radicalidade. A política institucional já nos acostumou a isto, mas esta lei da “política institucional unitária”, que alguns, notadamente no NPA, gostariam de contrabandear como uma política de frente única leninista, ainda se aplica. Em segundo lugar, mesmo que ainda faltem estudos precisos sobre este ponto, o empurrão unitário na base parece ser eficaz, em particular nos círculos populares e da classe trabalhadora. Muitas pessoas parecem querer pressionar as lideranças da “esquerda” (de todos os tipos) para se unirem, na esperança de ganhar as eleições legislativas e, em parte, cancelar os resultados das eleições presidenciais. Mas há muita confusão. Mesmo que a mídia fale da “esquerda radical” em particular no caso da FI, é importante ter em mente que a FI é uma força política neorreformista, que visa mudar a sociedade, não no sentido anti-capitalista radical, mas apenas no sentido anti-neoliberal; e por meio de lutas institucionais, não revolucionárias e insurrecionais. A diferença é enorme. E devemos ter em mente as desventuras obscuras e os completos fracassos desta “esquerda radical” mencionada acima (Syriza, Podemos, Bloco de Esquerda), à qual devemos acrescentar Rifondazione na Itália. O que é comum a todas estas correntes neorreformistas é que elas não sabem ou não querem ver o que é o estado burguês, para quem ele é feito (a burguesia), e que negligenciam totalmente o fato de que esta burguesia está disposta a fazer qualquer coisa para defender seu poder e seus privilégios, custe o que custar ao resto da humanidade e a todo o planeta.

Uma anedota significativa deste despreparo dos neorreformistas para o confronto de classes está disponível na Internet. O filósofo e economista Frédéric Lordon, que esteve envolvido nas muitas lutas sociais dos últimos anos, expressou repetidamente a idéia de que a burguesia faria qualquer coisa para derrubar um governo Mélenchon[32]: “Imaginamos um governo La France Insoumise, e há um presidente Mélenchon que se encontra no poder. O que acontece ? (…) O que acontece é que o governo é exterminado em uma quinzena“. E Lordon explica tanto a especulação financeira, com seus efeitos sobre as taxas de juros, quanto o ódio desencadeado contra o governo de esquerda pela mídia capitalista. O que Mélenchon diz a respeito da questão da dívida francesa ser atacada pelas finanças internacionais? Ele diz: “Bem, vamos ver“. Seu interlocutor lhe perguntou mais precisamente: “O que estamos fazendo contra as finanças internacionais?” Resposta de Mélenchon: “Nós lutamos, nós nos defendemos. Mas eu tenho boas armas“. E acrescentou: “Eu acho que não é razoável que a França seja atacada (…) O resultado pode ser desastroso para todos (…) Eu acho que as pessoas serão razoáveis. Eles não vão fazer muita bobagem. Mas eu não recomendo que ninguém ataque a França se eu for o responsável pelo país“. É isso aí! Só! Mélenchon, ao contrário de Lordon, não quer entender e dizer que o confronto central com a burguesia, e em particular a expropriação desta última nos setores mais importantes da economia, é uma questão incontornável.

Ainda é muito cedo para prever o que sairá das urnas em 12 e 19 de junho. Mas uma dinâmica em torno da FI e da nova ampla aliança de esquerda em formação é possível. Esta nova configuração com uma união da esquerda parece incomodar muitos comentaristas que são sempre rápidos a defender a estabilidade da ordem burguesa. A Mediapart fala até mesmo de um “vento de pânico[33]. Lemos em particular: “Como a possibilidade de um acordo entre todos os esquerdistas e os ecologistas em vista das eleições legislativas de 12 e 19 de junho toma forma, o “círculo da razão” político-mediático está flertando com um colapso nervoso. A centralidade política da corrente de Mélenchon desde 10 de abril (com 22% dos votos expressos), e sua potencial capacidade de recomposição da esquerda, não é aceitável para os zelosos defensores do status quo“. E estes defensores da ordem vigente, que são ulcerados pela esquerda “radical” emergente, são recrutados tanto entre os políticos dos antigos partidos da alternância mole (como Jean-François Copé, Eric Woerth ou François Bayrou do lado da direita verdadeira; François Hollande, Jean-Christophe Cambadélis ou Julien Dray do lado da falsa esquerda), no RN (nada menos que seu presidente interino Jordan Bardella), ou entre a omnipresença medíocre da mídia dominante, com prescritores de opinião como Renaud Dély (Le Monde) ou Elizabeth Lévy (CNews). Também é possível imaginar que a lista dessas boas almas crescerá se a dinâmica se aprofundar em torno da FI. Certamente, a situação política seria diferente no caso de uma vitória macronista nas eleições legislativas ou se no dia 19 de junho a maioria parlamentar estivesse unida em torno de Mélenchon. Mas é, no entanto, improvável. E se isso acontecesse, um aviso de tempestade política, e talvez social, estaria na ordem do dia.

Os trabalhadores devem ter as preocupações opostas de todas as altas rodas mencionadas acima: entender que uma unidade institucional de “esquerda” baseada em eleições, e incluindo forças que já demonstraram em muitas ocasiões que não hesitam em traí-los, não será capaz de fazer frente à ditadura da burguesia. É realmente uma revolução que deve ser preparada, e para isso, é necessário um partido revolucionário. Infelizmente, podemos ver até que ponto a extrema esquerda está falhando neste país: entre o NPA que está sendo enganado pela FI, e LO que é mais firme, mas não propõe nada, não podemos ver nesta fase uma força política alternativa capaz de propor uma verdadeira saída de classe para as lutas que vão chegar e enfrentar a desilusão que se deve esperar.

 

[1] De acordo com a Constituição da Quinta República, a eleição presidencial é realizada a cada cinco anos por sufrágio universal direto, em dois turnos. No segundo turno, se for realizado, ou seja, se nenhum candidato obtiver a maioria absoluta dos votos expressos no primeiro turno, só podem se opor os dois candidatos que saíram na frente no primeiro turno.

[2] Macron se distinguiu por seu desprezo pelo povo, que foi manifestado publicamente em várias ocasiões: o que devemos pensar de um presidente que declarou em uma inauguração, logo após sua eleição em 2017, que há “pessoas que são bem-sucedidas e pessoas que não são nada“? Um presidente que responde a um desempregado que lhe explica que não consegue encontrar trabalho em sua área, a horticultura: “Eu atravessaria a rua e logo encontraria um emprego” (15 de setembro de 2018)? Ou que se refere aos franceses como “Gauleses que são resistentes à mudança“? Ou que reclama que o Estado coloca “uma quantia louca de grana nos benefícios sociais mínimos” sem muito resultado?

[3] Títulos concedidos pelos sociólogos Michel Pinçon e Monique Pinçon-Charlot a Sarkozy e depois a Macron. Cf: Le président des riches. Enquête sur l’oligarchie dans la France de Nicolas Sarkozy. La Découverte, 2010; e Le président des ultra-riches. Chronique du mépris de classe dans la politique d’Emmanuel Macron. La Découverte, 2019.

[4] Que tributa os juros de capital uniformemente, a 12,8%, menos do que a faixa mais baixa do imposto de renda (14%).

[5] Com o movimento de oposição social derrotado, a implementação desta reforma foi impedida apenas com a chegada da pandemia de Covid-19. Mas Macron agora quer ir ainda mais longe no ataque, adiando a idade legal da aposentadoria para os 65 anos (62 hoje).

[6] Um exemplo é a morte da octogenária Zineb Redouane, em 2 de dezembro de 2018, na janela do seu 4º andar, à margem de uma manifestação dos Coletes Amarelos em Marselha no dia anterior.    Um exemplo é a morte da octogenária Zineb Redouane, em 2 de dezembro de 2018, na janela do seu 4º andar, à margem de uma manifestação dos Coletes Amarelos occorida em Marselha no dia anterior.

[7] Apenas dois exemplos: mentiras do governo no início da pandemia, explicando que as máscaras eram inúteis, para esconder que os estoques existentes tinham desaparecido; mentiras sobre as crianças não serem contagiosas…

[8] Em particular: as autorizações de saída de casa para ir às compras ou passear o cachorro; o passe de saúde e a culpabilização das pessoas não vacinadas, que Macron declarou publicamente que quer molestar.

[9] Manifestações sindicais também foram brutalizadas pela polícia, notadamente durante o movimento contra a reforma previdenciária macronista.

[10] Em janeiro, ele havia apenas declarado que “queria“, mas sem ter ainda “esclarecido o assunto“. https://www.bfmtv.com/politique/elections/presidentielle/emmanuel-macron-officialise-sa-candidature-a-l-election-presidentielle-dans-une-lettre-aux-francais_AN-202203030607.html

[11] Isto já aconteceu 7 vezes. Foi o caso em 1965 (duelo De Gaulle-Mitterrand), em 1974 e em 1981 (Giscard-Mitterrand), em 1988 (Chirac-Mitterrand), em 1995 (Chirac-Jospin), em 2007 (Sarkozy-Royal), em 2012 (Sarkozy-Hollande). As exceções foram em 1969 (com dois candidatos de direita, De Gaulle e Poher, enquanto o principal partido de oposição, o PCF, apelou à abstenção), em 2002 (duelo direita / extrema-direita entre Chirac e Jean-Marie Le Pen) e finalmente, nas duas últimas eleições, em 2017 e 2022 (Macron-Marine Le Pen).

[12] Entre muitas inverdades históricas, Zemmour afirmou notadamente que Pétain havia protegido os judeus.

[13] Uma teoria da conspiração de extrema-direita, introduzida em 2010 na França pelo escritor Renaud Camus, que afirma que a população nativa francesa e européia seria gradualmente substituída por uma população não européia, principalmente da África subsaariana e do Magrebe. Este processo seria desejado e organizado por uma “elite” política por razões ideológicas e econômicas.

[14] Tradução: o futuro em comum

[15] As eleições presidenciais sob a Quinta República tiveram uma tendência significativa de queda no comparecimento às urnas, de uma taxa de abstenção de 15,2% em 1965, para 22,4% em 1969, depois para 15,8% em 1974, para 18,9% em 1981, 18,6% em 1988, 21,6% em 1995, depois para um recorde de 28,4% em 2002, seguido por um aumento do comparecimento às urnas para 16,23% em 2007, e mais uma queda para 20,52% e 22,23% em 2017. Veja: https://fr.wikipedia.org/wiki/Abstention_%C3%A9lectorale_en_France

[16] Estes números e os seguintes provêm do mesmo site: https://fr.wikipedia.org/wiki/Abstention_%C3%A9lectorale_en_France

[17] LR é o nome do partido cuja origem está no Gaullismo (RPF). Sob o governo de Gaulle tivemos a UNR em 1958, depois a UDR. Em seguida esta corrente foi chamada de RPR, depois se tornou a UMP, depois Les Républicains (LR).

[18] Mesmo na capital, da qual ela é prefeita, Hidalgo obteve apenas 2,17% dos votos. Uma verdadeira derrota! Cf: https://www.liberation.fr/politique/anne-hidalgo-pas-prophete-dans-sa-ville-de-paris-20220411_K6FZWJU2NRH3ZFJFIPUX4CJASU/

[19] Zemmour (7,07%), Pécresse (4,78%), Jadot (4,63%), Lassalle (3,13%), Roussel (2,28%), Dupont-Aignan (2,06%), Hidalgo (1,75%), Poutou (0,77%) e Arthaud (0,56%).

[20] https://www.francetvinfo.fr/elections/presidentielle/presidentielle-2022-les-plus-jeunes-ont-vote-jean-luc-melenchon-les-plus-vieux-emmanuel-macron_5075344.html

[21] DOMs: Départements d’Outre-Mer (Departamentos ultramarinos). São 4 departamentos que são colônias que permaneceram como tal na República Francesa: Guadalupe, Martinica, Guiana, Reunião.

[22] https://www.francetvinfo.fr/elections/presidentielle/resultats-presidentielle-2022-comment-expliquer-la-remontee-de-jean-luc-melenchon-au-soir-du-premier-tour_5075833.html

[23] https://www.20minutes.fr/politique/3277479-20220425-presidentielle-2022-maire-provoque-polemique-refusant-ecarter-493-retraites. Artigo 49.3 : um artigo da Constituição que permite que um texto seja aprovado pela força, obrigando os parlamentares a votar por maioria uma moção de censura, derrubando assim o governo.

[24] Seria necessário pelo menos um longo artigo para discutir estas questões. Muito brevemente, digamos assim: o termo “fascismo” é historicamente datado, e se refere a partidos de massa interclassistas, pequenos burgueses em essência, mas incluindo proletários desorientados, e financiados pela burguesia para esmagar as organizações de trabalhadores. Existe o perigo da extrema-direita e uma fascisação arrepiante das mentes, na França e em outros lugares, mas os partidos deste movimento, participando ou não do governo (Trump, Bolsonaro, Orban, por exemplo) são muito diferentes dos partidos de Hitler e Mussolini, em particular porque eles não têm (ainda) os meios políticos para esmagar o proletariado, mesmo que desejem fazê-lo.

[25] https://www.latribune.fr/economie/france/au-dela-de-la-victoire-de-macron-le-vote-pour-l-extreme-droite-etend-ses-territoires-915240.html

[26] Para ser eleito no primeiro turno, um candidato deve receber mais de 50% dos votos válidos e um número de votos pelo menos igual a 25% dos eleitores registrados. No segundo turno, podemos ter: os dois candidatos da frente no primeiro turno, mas também os seguintes candidatos desde que esses candidatos tenham obtido pelo menos 12,5% dos eleitores registrados. Desta forma, eleições triangulares ou mesmo quadrangulares podem ser realizadas no segundo turno.

[27] http://www.inprecor.fr/article-FACE-A-L%E2%80%99HOSTILITE-POPULAIRE,-MACRON-A-IMPOSE-SA-REELECTION?id=2546

[28] Coalizão política lançada em 2020, após as eleições municipais, após a vitória das listas verdes.

[29] https://www.challenges.fr/politique/eelv-et-lfi-passent-un-accord-historique-pour-les-legislatives_811567

[30] https://www.publicsenat.fr/article/politique/legislatives-que-contient-l-accord-entre-le-pcf-et-lfi-205263

[31] https://blogs.mediapart.fr/jean-marc-b/blog/020522/philippe-poutou-garder-un-cap-radical-meme-s-il-est-minoritaire

[32] https://www.youtube.com/watch?v=OXhC9042YRg

[33] https://www.mediapart.fr/journal/france/030522/union-des-gauches-le-cercle-de-la-raison-panique?xtor=EREC-83-[QUOTIDIENNE]-20220503&M_BT=1976669439438