qua jul 24, 2024
quarta-feira, julho 24, 2024

Argentina: Um salto na dependência ao capital estrangeiro

Submissão às potências imperialistas, disputas da pilhagem e repressão aos que resistem. A toca dos bandidos cumpriu sua missão, nas costas do povo e em benefício de seus interesses, os senadores atingiram o quórum e votaram a “Lei de Bases” que Milei enviou.

Por: PSTU Argentina

No dia 12 de junho, após horas de sessão, o Senado argentino votou a lei básica, sem dúvida é uma entrega qualitativa ao capital estrangeiro e nativo, é uma resposta do capital concentrado para recuperar a taxa de lucro mundial como resultado da crise econômica que começou em 2008.

Por isso não basta rifar o país e os seus recursos naturais; é preciso também modificações fiscais, para encolher o Estado, mas o fundamental é aumentar a mais-valia do setor operário, por isso a reforma trabalhista é vital. para este objetivo intimamente ligado à reforma da previdência que aumenta a idade de aposentadoria e traz de volta a AFJP.

Uma pilhagem em disputa

A lei de bases visa dar garantias e regras nítidas para os investimentos estrangeiros, mas todos sabemos que está ao serviço da pilhagem dos nossos recursos naturais, da apropriação de determinados setores industriais, financeiros, das PME e dos serviços.

Esta entrega será, sem dúvida, uma disputa entre potências econômicas estrangeiras, como os EUA, a China, a União Europeia, e até países da região, como o Brasil ou o México.

Portanto, para além do “cacarejo” de Milei contra “os comunistas chineses” ele viajará até lá para lhes dar a notícia de que a lei de bases está em vigor, vale lembrar não apenas os interesses capitalistas chineses em nosso país através de bancos, supermercados, empresas petrolíferas, também têm que resolver as minas de lítio, a pesca e as 2 barragens em Santa Cruz.

Resistir à entrega

Esta lei não teria sido aprovada entre deputados nem senadores se não fosse a flagrante traição da CGT e as 2 CTA, que não chamaram a uma greve nacional ou mesmo a um plano de luta de resposta para enfrentar o nível de entrega.

No entanto, aqueles sindicatos e setores que chamaram à mobilização e à rejeição, fizeram-no de forma morna e insuficiente e foram funcionais à repressão ao retirarem-se da praça, tendo em conta a escalada repressiva e judicial desde o último 11 de Dezembro, continuam mobilizando de forma pacifista sem organizar o cuidado e a proteção das colunas operárias, que a única forma possível é formando cordões e comissões de autodefesa em cada sindicato, movimento piquetero, assembleia popular ou centro estudantil.

Assim, a concentração do dia 12 de junho foi quase simbólica e a partir do meio-dia eles foram saindo aos poucos até abandonar a Praça do Congresso por volta das 16h.

Um capítulo à parte foi a atitude do peronismo em todos os seus aspectos desde La Campora e seus satélites como Patria Grande, os intendentes e todo o aparato PJ que fizeram o mínimo esforço para derrubar a lei de bases, apenas “pedindo uma boa votação nas câmaras” deixando vazias as ruas e praças do país, o que só serviu ao governo e ao seu plano.

Repressão: necessidade imperiosa do governo para impor suas leis e plano econômico

O código penal argentino criado em 1920 foi escrito pelos ricos e a serviço dos ricos, para isso colocaram toda uma série de artigos e penalidades para prender, processar, perseguir e condenar trabalhadores, povos originários, mulheres, jovens. e qualquer um que lute contra os interesses dos patrões e dos ricos do país.

É por isso que o uso do monopólio das forças armadas está ao serviço de juízes e procuradores que permitem a repressão, e com isso o poder judicial faz tudo o que está ao seu alcance para a sua “justificação e regulação”.

A caçada de 12 de junho, com cerca de 39 detidos, foi um ensaio na busca de novos disfarces para encarcerar. Anos atrás, Menem ordenou que seus juízes usassem a “associação ilícita”, um mecanismo que deixou os lutadores na prisão por alguns meses, Macri sugeriu que usassem o título “intimidação pública” nos lembramos muito bem de 18 de dezembro de 2017, agora Milei sugeriu “tentativa de golpe de estado moderno” e é por isso que mantêm 5 detidos em prisões de segurança máxima com acusações de até 15 anos de prisão.

As penas da lei antiterrorista que foram votadas no governo de Cristina Kirchner a pedido do departamento de estado dos Yankees também foram regulamentadas pelo DNU assinado por Milei. Sem dúvida não há fissura na repressão e na judicialização de quem luta.

Unidade, solidariedade e lista única de reivindicações

Os salários estão caindo, a recessão está afetando a nossa classe com demissões, fome e tarifas elevadas.

Todos os setores têm algo pelo que sair às ruas para lutar, mas devemos fazê-lo com os dirigentes à frente ou com a cabeça deles, mas o fundamental é a coordenação de todas as lutas e que em cada reivindicação incluam todas as reivindicações são junto com a autodefesa operária e fundamentalmente a liberdade dos presos e presas por lutar.

A solidariedade ativa nacional e internacional deve ser retomada com força, como nos ensinou o monumento operário mundial há mais de 100 anos, quando foi construído pelos os mártires de Chicago, por Sacco e Vanzetti, pela revolução espanhola de 1936.

O PSTU e a LIT se colocam à disposição para essa tarefa.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares