qua jul 24, 2024
quarta-feira, julho 24, 2024

Eleições na Índia: entender o veredito das eleições

As eleições indianas de 2024 foram um momento crucial na história do país. O BJP (Partido Bharatiya Janata – BJP) estava prestes a não apenas conquistar um histórico terceiro mandato consecutivo, mas também manter sua perigosa supermaioria no Parlamento. O slogan do BJP era “400 paar”, ou seja, até 400. Tinha como meta conquistar 400 cadeiras de um total de 543 no Parlamento. Dessa forma, obteria uma supermaioria, uma maioria absoluta no Parlamento que lhe permitiria promover emendas constitucionais. Esse poder lhe permitiria, finalmente, implementar sua agenda Hindutva.

As consequências seriam desastrosas se tivessem conseguido. Felizmente, o BJP foi privado desta vitória. Longe dos “400”, obteve 240 assentos. Embora continue sendo o maior partido no parlamento, precisaria de mais 32 cadeiras para uma maioria parlamentar. A aliança NDA-Aliança Democrática Nacional- liderada pelo BJP contava com 294 cadeiras.

Na situação atual, o BJP depende de seus sócios para manter seu governo de coalizão. Isso leva ao estado de coisas que existia no último governo do Congresso, em 2009, quando uma coalizão dominada pelo Congresso detinha o poder. A qualquer momento, essa coalizão governista pode se desfazer se três ou quatro dos principais parceiros da aliança decidirem desertar para a UPA-Aliança Progressista da Unidade- liderada pelo Congresso ou retirar seu apoio. Pela primeira vez desde 2014, o governo de Modi está em dificuldades.

Atualmente, o maior partido da oposição é o Partido do Congresso, que lidera uma coalizão de partidos que garantiu 240 cadeiras no Parlamento. Isso representa um influente bloco de oposição que pode frustrar qualquer tentativa de aprovar leis de forma esmagadora, como o BJP tem feito até agora.

Enquanto o bloco de oposição burguês voltou com força, os partidos stalinistas permanecem estagnados.  Embora não tenham conseguido recuperar terreno em seus antigos redutos no leste da Índia, ganharam alguns no Rajastão e permanecem firmes em seus bolsões no sul da Índia. Em geral, a trajetória dos partidos stalinistas continua sendo de declínio na esfera eleitoral. Surpreendentemente, os partidos maoístas venceram no estado oriental de Bihar.

Indiscutivelmente, o maior vencedor da eleição é o TMC- Trinamool Congress- de Bengala Ocidental. Embora esta eleição pareça ter estancado a onda crescente do BJP, ele foi capaz de construir uma base no estado de Bengala Ocidental. Isso marca o surgimento de uma onda reacionária no estado, que historicamente tem sido um bastião da oposição e da política progressista na Índia.

Embora haja muito alívio entre muitos ao ver o BJP perder sua supermaioria, vale lembrar que a coalizão NDA liderada pelo BJP continua governando o país, e a maré reacionária que emergiu com a vitória do BJP em 2014 ainda está em vigor, assim como a vasta infraestrutura de propaganda e organização que criou nos últimos dez anos permanece intacta.

Esta eleição também afirma o controle burguês sobre a oposição, com os únicos outros partidos da classe operária na forma de partidos stalinistas relegados à margem.

Causas das derrotas do BJP:

O BJP, que vinha em alta há dez anos, foi humilhado pelos resultados desta eleição. De mais de trezentos assentos no Parlamento, foi reduzido para 240. Isso significa que o BJP não pode mais formar um governo sozinho e tem que contar com sócios de coalizão para formar um governo estável.

As maiores perdas de cadeiras ocorreram no norte da Índia, Bengala Ocidental e Maharashtra. São as três maiores circunscrições eleitorais do parlamento. Embora as causas dessas derrotas sejam variadas, todas elas têm em comum o descontentamento de grande parte dos eleitores indianos, que fizeram o BJP pagar por sua arrogância, suas promessas fracassadas de criar empregos e seu apoio flagrante à oligarquia bilionária.

Minorias religiosas perseguidas e os dalits encontraram uma causa comum contra o BJP uma vez que seu programa hindutva de castas foi exposto, por ninguém menos que suas próprias ações. O ódio aos muçulmanos e o aumento da discriminação contra os dalits uniram um poderoso bloco antihindutva que também contribuiu para as derrotas do BJP em Maharashtra e Uttar Pradesh. Enquanto isso, Bengala Ocidental, onde há uma minoria muçulmana considerável, votou em grande número contra o BJP, que foi incapaz de canalizar o descontentamento contra o partido burguês no poder no estado, o TMC. Aqui, a quantidade de cadeiras do BJP caiu de 19, das 42 cadeiras, para apenas 12.  

O poder do BJP está em declínio em toda a Índia desde a agitação dos agricultores e sua agitação precedente contra a CAA- Emenda à Lei de Cidadania-. Os apelos à Hindutva e ao nacionalismo não conseguiram influenciar as massas como em 2014 e 2019, e agora o BJP foi humilhado. No entanto, deve-se lembrar que, embora a agenda mais ampla da Hindutva tenha sido frustrada por enquanto, o BJP permanece no poder.

Uma parte considerável da população votou por questões regionais mais imediatas, e o núcleo de apoio reacionário do BJP se mobilizou com sucesso pelo atrativo comunitário do BJP. Em estados como Rajastão, Madhya Pradesh e Gujarat, esses apelos foram recompensados com vitórias arrebatadoras. Mesmo nos estados de Uttar Pradesh e Maharashtra, onde o BJP perdeu, manteve um grande número de cadeiras.

Pode-se dizer que algumas dessas vitórias são resultado de uma manipulação em larga escala. Surgiram vídeos de partidários do BJP registrando como adulteraram as urnas eletrônicas (EVM). Em outros casos, candidatos que não eram membros do BJP sequer podiam apresentar sua candidatura. Casos de manipulação ocorreram em Varanasi, Surat e Indore.

O BJP estava excessivamente confiante e animado pela falsa crença de que poderia obter uma supermaioria. Essa falsa crença foi alimentada por pesquisas de boca de urna, que previam que o BJP poderia manter sua supermaioria e conquistar mais de 300 assentos no Parlamento. As previsões da pesquisa de boca de urna provocaram uma alta no mercado de ações, inclusive com o ministro do Interior pedindo às pessoas que comprassem ações. A queda ocorreu assim que os resultados foram conhecidos. O BJP ficou muito aquém da supermaioria, e o novo governo formado foi uma coalizão. A arrogância do BJP foi destruída, e eles foram humilhados. No entanto, nem mesmo esse resultado teria sido alcançado se o BJP não tivesse tido o apoio da comissão eleitoral, seu monopólio no financiamento das eleições e a influência que exerce sobre a burocracia e as instituições governamentais.

No fim das contas, nem isso foi suficiente para dar ao BJP a vitória esmagadora que buscava. Sofreu uma série de fracassos nas eleições estaduais após a agitação dos agricultores. As eleições nacionais também refletiram o descontentamento dos agricultores e o impacto da sua agitação.

A agitação camponesa:

A agitação dos agricultores continua sendo uma das mobilizações mais importantes dos últimos anos na Índia. A agitação começou em dezembro de 2020 contra a aprovação de três projetos de lei agropecuários. Tal como os Códigos do Trabalho, a revogação do artigo 370, a aprovação da Lei de Alteração da Cidadania e a súbita declaração de desmonetização, o governo do BJP aproveitou a sua supermaioria no parlamento para aprovar as leis que quisesse e agiu no interesse dos seus maiores benfeitores, como as corporações Adani e Reliance.

A principal reivindicação da agitação era a revogação das três leis agrícolas que promoviam a penetração agressiva das forças do “livre mercado” e o fomento aos interesses das grandes empresas agrícolas para obter o controle do comércio e da produção agrícola. A segunda demanda central da agitação foi a aplicação do MSP (Preço Mínimo de Suporte) para compras. A crise agrícola no norte da Índia é a culminação de décadas de práticas agrícolas insustentáveis e controle do comércio por empresas agrícolas. O declínio da agricultura do Norte da Índia, juntamente com uma crise de desemprego, criou as condições objetivas para a agitação dos agricultores.

O poder e a organização dessa agitação fizeram com que se mantivessem durante a pandemia de cólera, sofrendo os piores excessos e violências. Essa agitação era notável não apenas pelos números e poder que acumulou, mas pelo fato de ter sido consumada e dirigida inteiramente por uma organização camponesa independente. Nenhum partido tradicional liderou a agitação. Indiscutivelmente, a falta de liderança política e de visão foi um de seus pontos fracos, mas também garantiu a independência da direção fracassada dos principais partidos burgueses e stalinistas.

Os protestos ocorreram em um momento em que o BJP estava no auge de seu poder e parecia inabalável. Os protestos contra a CAA tinham acabado de ser esmagados, os Códigos Trabalhistas continuavam fortes e sem oposição, a Caxemira tinha se tornado uma prisão gigantesca com prisões em massa e apagões de internet. O governo converteu a vida de milhões de trabalhadores migrantes em um inferno com suas declarações arbitrárias em fechamentos patronais e sua total má gestão dos transportes, causando indiretamente milhares de mortes de trabalhadores migrantes por acidente, fadiga ou fome. No entanto, permaneceu inabalável no poder.

A agitação dos agricultores é duplamente significativa, não apenas porque desafia o governo do BJP, mas porque quebra sua ilusão de poder hegemônico. Quando o governo foi obrigado a revogar as três leis agrárias, foi uma vitória sentida por todos. De repente, foi possível vencer o BJP.

O descontentamento latente começou a ficar mais evidente, pois o povo passou a ter um modelo e uma inspiração para replicar. Os partidos burgueses de oposição viram uma oportunidade para replicar a situação de 2012 e 2014, quando o BJP conseguiu canalizar o descontentamento público contra o governo do Congresso para tomar o poder. O BJP só poderia realmente responder a esse desafio de três maneiras: aumentando seu controle sobre as instituições eleitorais, jogando para dividir e governar, apelando para a Hindutva e mobilizando sua base de apoio reacionária, e reprimindo abertamente seus rivais políticos.

Apesar dessas táticas, o BJP continuou perdendo as eleições estaduais, primeiro em Bengala Ocidental em 2021, e depois no Rajastão, Karnataka, Bihar, Maharashtra e Haryana. Entidades de agricultores tomaram a decisão de fazer campanha contra o BJP durante as eleições nacionais. A extensão de sua influência é discutível, mas os resultados que temos diante de nós não são.

A agitação dos agricultores foi o primeiro e mais decisivo abalo ao projeto Hindutva e ao poder absoluto do BJP. A burguesia foi forçada a mudar de tática, o Congresso como uma alternativa mais “suave” e assistencialista agora parecia mais desejável.

O sindicato camponês de esquerda All India Kisan Sabha desempenhou um papel fundamental na organização da agitação camponesa. O All India Kisan Sabha está ligado ao CPIM- Partido Comunista da Índia -, mas como a maioria das organizações ligadas ao CPIM, há um abismo entre o partido e o sindicato. Os stalinistas não conseguiram canalizar a energia da mobilização para ganhos políticos, o que ficou evidente nas eleições que ocorreram logo após a agitação camponesa.

O BJP foi derrotado, mas não a Hindutva:

Pode ser um alívio para muitos que a arrogância do BJP tenha sido humilhada e que a supermaioria no Parlamento tenha sido arrancada dele, mas vale a pena lembrar que a espinha dorsal organizacional e ideológica do BJP permanece intacta. O RSS-Associação de Voluntários Nacionais- e o movimento Hindutva de forma geral estão mais fortes hoje do que nunca.

As raízes do movimento Hindutva estão nas ansiedades das camadas mais reacionárias da casta superior hindu, da nobreza latifundiária, da aristocracia operária e da intelectualidade. O Hindu Mahasabha, a primeira organização Hindutva, foi fundada em 1915 e o RSS, a maior organização Hindutva, em 1925. Nunca participaram da luta pela independência, e o próprio Savarkar incitou os hindus a abandonar a luta pela independência e a se juntar ao esforço de guerra britânico na Segunda Guerra Mundial.

Embora o fascismo forneça o modelo organizacional para as organizações Hindutva, o núcleo de sua ideologia está enraizado na hegemonia das castas e na manutenção do domínio das castas superiores sobre a sociedade hindu.

Durante o período de governo do BJP, vimos o RSS trabalhar ativamente para o BJP, fornecendo grande parte de sua liderança e quadros para o partido usá-los. O BJP, que nasceu da combinação de uma facção dissidente de direita do partido Congresso (Congresso O) e da Bharatiya Jana Sangh, hoje tem menos características do primeiro e cada vez mais do segundo. O RSS conseguiu aumentar seu controle e influência sobre o partido, o que se reflete em sua busca por uma postura mais abertamente hindutva.

Vale ressaltar que no novo governo formado por Modi não há um único deputado muçulmano, sikh, budista ou cristão. As castas superiores hindus estão super-representadas no gabinete, enquanto as castas e tribos desfavorecidas estão sub-representadas. Este é o governo que governa a Índia hoje, onde mais de 16% da população não tem representação.

Isso representa uma vitória para a agenda Hindutva, conseguiram expulsar minorias religiosas da representação no parlamento.

O maior partido da oposição, o Congresso, tem minorias muçulmanas e religiosas como membros do parlamento, mas menos do que a proporção de muçulmanos na população. Entre outras coisas, isso evidencia a inépcia do partido do Congresso, que pode dizer que está a favor de minorias religiosas, mas carece de ação.

Nas cinco décadas em que esteve no poder, o Congresso não conseguiu acabar com o RSS ou desmantelar a ideologia hindutva. Minorias religiosas, os dalits e as tribos desfavorecidas permaneceram marginalizadas ou se empobreceram. O Congresso insiste na proibição temporária que foi imposta ao RSS logo após o assassinato de Gandhi, sem assinalar que a proibição foi suspensa pouco depois. Mesmo depois que ocorreram pogroms antimuçulmanos, muitas vezes instigados pelo RSS, o governo do Congresso não tomou nenhuma medida. O RSS e o BJP lideraram a campanha da babri masjid, que culminou com a demolição da histórica mesquita Babri em Ayodhya, e distúrbios nos quais mais de mil pessoas foram mortas.

O fracasso do Congresso abriu o campo para o movimento Hindutva emergir das margens da política eleitoral para a corrente principal através do BJP. Ganhariam o poder em 1998. Mesmo após a derrota do BJP e de estar fora do centro do poder por 10 anos, o BJP voltou com força em 2014. Continua no poder ou até mesmo cresceu em vários estados, e domina completamente o estado oriental de Orissa, rico em minerais. Seu poder continua sem controle em Assam, onde o BJP travou uma brutal campanha de deportação contra os chamados imigrantes ilegais, privou milhões de cidadãos e jogou muitos em campos de detenção. Os resultados em Gujarat e Madhya Pradesh já eram de se prever, onde o férreo controle do BJP levou a uma fraude tão flagrante que os candidatos da oposição nem sequer puderam se candidatar.

Derrotar eleitoralmente o BJP provou ser bastante viável, e repetidamente, apesar de todo o apoio institucional e do poder do dinheiro. Derrotar a Hindutva é o maior desafio e continua sendo um dos nossos principais desafios hoje.

A burguesia controla a oposição:

A eliminação do Partido do Congresso em 2014 reduziu suas cadeiras no Parlamento de mais de 200 para míseros 44. Foi uma mudança dramática para o Partido do Congresso. Foi uma mudança dramática para o partido que dominava a política indiana desde antes da independência. O partido de Gandhi e Nehru ficou reduzido a menos de uma sombra do que já foi. Para alguns, o partido do Congresso estava descartado e o futuro ficava nas mãos do BJP. A liderança do Congresso estava em crise e lutava para salvar o que podia de sua influência.

A queda do Congresso foi acompanhada pela eliminação igualmente dramática dos partidos de esquerda nas eleições. No entanto, o Congresso conseguiu se recuperar, ao contrário dos partidos de esquerda stalinistas.

Se a renda partidária for medida, o Congresso fica em segundo lugar em relação ao BJP em financiamento global. A antiga opção preferida da burguesia indiana continua a ser favorecida, pelo menos até certo ponto. Se o BJP se tornar poderoso demais para a oligarquia governante da Índia, tem uma opção a quem recorrer: o Congresso.

Do jeito que as coisas estão agora, não há voz não-burguesa no parlamento. O parlamento indiano sempre foi unicamente para os bilionários, mas desde 2014 tem sido ainda mais. O fortalecimento do Congresso e de seus aliados em inúmeros partidos regionais é motivo de comemoração para alguns, especialmente para aqueles que ignoram a importância da luta de classes na sociedade. Na realidade, é uma demonstração de poder da burguesia, que tem o controle tanto do governo no poder quanto da oposição. O velho bonapartismo da era Indira Gandhi não voltará no reinado de Narendra Modi, isso foi assegurado pelos resultados atuais. Resta saber se o padrão se mantém ou não nas próximas eleições nacionais.

O sucesso do partido no Congresso pode ser atribuído a dois fatores-chave. Além da vantagem de ter uma grande presença organizacional e o apoio de setores da burguesia, o Congresso também conseguiu desta vez canalizar o descontentamento popular contra o governo Modi e sua arrogância.

A derrota do BJP em Uttar Pradesh foi ajudada por suas descaradas atividades de desenvolvimento em cidades como Ayodhya, onde milhares de casas e centenas de templos antigos foram destruídos em campanhas de demolição para construir o idealizado templo de peregrinação de Modi. Os habitantes de Ayodhya não se beneficiaram dessa urbanização desenfreada, mas os construtores ganharam dinheiro. Enquanto Modi continuava a insistir na Hindutva e no medo aos muçulmanos, o povo estava desempregado e enfrentava uma crise agrária.  

O Congresso e seu aliado, o Partido Samajwadi, arrasaram em Uttar Pradesh, proporcionando ao BJP uma grande derrota. Esta foi, sem dúvida, a virada mais decisiva da eleição. A derrota do BJP foi repetida em vários outros estados-chave, especialmente Maharashtra, Punjab e Haryana, Bengala Ocidental e Tamil Nadu.

O fracasso do BJP nos estados do norte da Índia foi decisivo para a obtenção desses resultados eleitorais. Em todos esses estados, a angústia agrária alimentou a agitação dos fazendeiros.

O fracasso dos stalinistas:

Um dos acontecimentos políticos mais significativos das últimas duas décadas foi o enfraquecimento dos partidos stalinistas na Índia. Depois de atingir um máximo de 52 cadeiras no parlamento e controle de três estados indianos. Desde então, os stalinistas caíram para 5 cadeiras no Parlamento, e mal mantêm o estado de Kerala, onde o partido do Congresso arrasou nas urnas.

O ponto de virada decisivo foi a revolta camponesa de Nandigram e Singur contra a aquisição forçada de terras para multinacionais. O movimento foi sequestrado pelo TMC e usado como combustível para impulsioná-lo ao poder, que permanece no poder no estado de Bengala Ocidental desde as eleições estaduais de 2011.

As eleições de 2009 dizimaram grande parte das conquistas políticas dos partidos stalinistas. O Partido do Congresso aumentou seu domínio, enquanto o CPIM entrou em colapso, perdendo seu controle sobre Bengala Ocidental. A derrota é a culminação da sua política de apoio ao Partido do Congresso e a qualquer alternativa burguesa ao BJP.

Um dos pilares da política da CPIM tem sido mobilizar a classe operária e o campesinato a favor da alternativa burguesa progressista. Essa política evoluiu para uma política do mal menor, na qual a CPIM apoia totalmente o Partido do Congresso e a aliança ÍNDIA. Isso parece estar caminhando para a liquidação.

Isso não quer dizer que os partidos stalinistas sejam necessariamente fracos ou incapazes de mobilizar as massas. A enorme manifestação “insaaf” de um ano atrás em Calcutá mostra que as organizações estudantis e juvenis ligadas à CPIM ainda podem mobilizar milhares de pessoas. O mesmo se pode dizer do All India Kisan Sabha, ligado ao CPIM e à CITU. Essas organizações contam com centenas de milhares de membros e conseguiram mobilizar milhões em protestos.

No entanto, essa energia quase nunca é traduzida politicamente. Apesar das manifestações do DYFI- Federação Democrática da Juventude da Índia- e do SFI- Federação Estudantil da Índia- em Calcutá, os partidos stalinistas não conquistaram nenhuma cadeira. Sua confusa posição liquidacionista de apoio à aliança INDIA liderada pelo Congresso como uma alternativa progressista significava que eles não poderiam efetivamente desafiar o TMC, que fazia parte da aliança. Seu apoio ao Congresso também os levou a desaparecer no crítico estado de Kerala, enquanto fracassaram em Tripura, seu antigo reduto.

Embora os stalinistas possam não ter mais muita voz no parlamento ou a influência política de outrora, seria um erro concluir que eles estão desgastados. Os partidos stalinistas da Índia estão em declínio, mas ainda não estão desgastados.

Mudanças nas condições políticas e nosso enfoque:

As eleições burguesas não são uma expressão exata da vontade das massas, mas uma expressão distorcida. As eleições indianas não são exceção. No entanto, deve-se chegar a uma conclusão inevitável: a luta sempre dará seus frutos. Nós, revolucionários, devemos nos lembrar disso à medida que adaptamos nossas táticas e estratégias às novas condições. 

A humilhação do BJP deve-se mais à agitação heroica dos agricultores em 2020 do que a qualquer estratégia política vencedora dos corruptos partidos burgueses.

Devemos também concluir que, por mais hegemônico que um partido possa parecer, por mais exaustivo que seja seu controle sobre as instituições, por mais dinheiro que receba, por mais quadros que possa mobilizar, ainda pode sofrer uma derrota nas mãos do povo. A derrota do BJP em Uttar Pradesh, e especialmente no círculo eleitoral de Feyzabad, onde está localizado o templo Ram de Ayodhya, é uma derrota vergonhosa para a Hindutva.

Ao mesmo tempo, devemos reconhecer que, embora o BJP tenha sido humilhado, não foi expulso do poder. Continua tendo maioria no Parlamento e enorme influência nos grandes meios de comunicação social. As maiores empresas de notícias estão ligadas a corporações pró-BJP, ou são dirigidas por âncoras com simpatias hindus. Todas as noites, discursos de direita são transmitidos nas ondas do rádio.

Ao mesmo tempo, com estes resultados eleitorais, a aura de invencibilidade do BJP foi perfurada. É uma prova do descontentamento das massas, que pode ser canalizado politicamente. A agitação dos agricultores deve abrir nossos olhos para a iminente aflição agrária que está se agravando em todo o norte da Índia, juntamente com a crise enfrentada pela juventude. O aumento do desemprego, aliado ao modelo neoliberal centrado na privatização em detrimento dos serviços públicos, criou uma situação miserável para os jovens. Embora sua raiva pode ter sido canalizada por algum tempo para fins reacionários, isso não pôde ser mantido, por mais que a mídia amplificasse a propaganda de direita.

Como resultado das eleições nacionais, o prestígio e o apelativo dos partidos burgueses, incluindo os partidos burgueses regionais, podem aumentar. Isso colocará uma nova série de desafios para a construção de uma alternativa revolucionária. A burguesia tem total controle sobre a oposição parlamentar e conseguiu reforçá-la. Isso lhes dá uma arma potente para diluir a raiva de classe, desviando-a para políticas identitárias ou para o reformismo.

Desafiá-los e denunciar sua hipocrisia deve ser um objetivo fundamental das forças revolucionárias. Devemos opor-nos à política dos estalinistas que continuam desviando as massas para estes partidos burgueses como baluarte contra a reação hindutva. A verdade é que a sua oposição à Hindutva, se é que a têm, é apenas superficial e oportunista e é mais nitidamente demonstrada quando os políticos destes partidos desertam para o BJP para salvar a pele ou são atraídos pelo dinheiro.

Devemos nos concentrar em conseguir apoio entre os jovens trabalhadores, os estudantes e as classes rurais de camponeses e trabalhadores agrícolas. Este é o baluarte da política revolucionária. Ao mesmo tempo, construir alianças com grupos oprimidos e nacionalidades oprimidas. A Frente Unida de operários, jovens, camponeses, trabalhadores agrícolas, dalits, minorias e povos oprimidos da Caxemira e do Nordeste é o que deve ser construída para enfrentar as forças da Hindutva.

Tradução: Lílian Enck

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares