sex jun 21, 2024
sexta-feira, junho 21, 2024

Apelo à solidariedade com o movimento pelos direitos do povo de Jammu e Caxemira

Apelamos às nacionalidades oprimidas, aos estudantes, às organizações de direitos humanos, sindicais, às organizações de mulheres, às organizações de agricultores e aos socialistas internacionais no Paquistão, na Índia e no mundo para que apoiem o Movimento pelos Direitos do Povo de Jammu Caxemira, na Caxemira administrada pelo Paquistão. Suas reivindicações centrais são o fornecimento de eletricidade com base no custo de produção das usinas hidrelétricas, os subsídios à farinha de trigo e a abolição dos privilégios da classe dominante.

Acreditamos que as formas como as massas populares expressaram sua intervenção consciente nesse movimento são extraordinárias. Definitivamente, este movimento não se limita à área de Jammu e Caxemira, administrada pelo Paquistão. Dada a natureza das reivindicações, trata-se de um movimento anti-imperialista. Isso porque o imperialismo é o senhor político e econômico do sistema. É também um dos principais acionistas dos grandes projetos hidrelétricos de Mangla e Neelum Jhelum, na produção dos quais investiram empresas britânicas, americanas, francesas e chinesas. Por conseguinte, é necessário ser solidário com este movimento de massas e apoiar o povo de Jammu Caxemira.

Detalhes e nossa posição política

Em 10 de maio, o Comitê Conjunto de Ação de Massas (JAAC) convocou uma paralisação total e um bloqueio de caminhos contra a repressão policial e incursões noturnas em várias áreas das divisões Muzaffarabad e Mirpure, onde vários de seus líderes e ativistas foram tinham sido pela polícia. Aconteceu enfrentamentos quando a polícia usou um intenso bombardeio de gás lacrimogêneo e atirou pedras. 

No mês passado, o Comitê anunciou que no sábado, 11 de maio, pessoas de todo o estado empreenderiam uma longa marcha para Muzaffarabad, exigindo o fornecimento de eletricidade de acordo com o custo de produção das usinas hidrelétricas, subsídios para a farinha de trigo e a abolição dos privilégios da classe dominante.

Como pano de fundo: o Comitê de Ação Conjunta Awami realizou uma greve de lockout em agosto do ano passado com essas mesmas reivindicações. Desde então, houve diálogos entre o governo e os dirigentes da JAAC. Em dezembro passado, o governo formou um comitê oficial de conciliação, que chegou a um acordo entre ambas as partes em 4 de fevereiro de 2024. Mas, embora o governo tenha emitido o aviso posteriormente, não deu continuidade ao acordo. O Comitê Conjunto de Ação de Massas foi então criticado pelos Comitês de Ação de Massas subordinados por ser tão indulgente com o governo.

Como consequência, em abril, o Comitê anunciou a longa marcha em 11 de maio para protestar contra o “não cumprimento dos compromissos escritos” do governo. Na capital do estado e em outros distritos, eclodiram confrontos entre a polícia e os manifestantes, que depois se tornaram violentos: a polícia disparou gás lacrimogêneo contra manifestantes pacíficos e a violência policial provocou represálias a pedradas. Manifestações foram realizadas em várias cidades, onde as pessoas prometeram continuar a luta por seus direitos.

No sábado (11), violentos confrontos eclodiram entre policiais e ativistas pelos direitos em toda a região, em meio ao bloqueio de caminhos e a greve de lockdown, com um policial morto e mais de 90 feridos, segundo diversas fontes do governo. Milhares de manifestantes ficaram feridos. O policial e vice-inspetor Adnan Qureshi sucumbiu aos ferimentos após ser baleado no peito na cidade de Islamgarh, onde estava estacionado junto com outros policiais para impedir que a manifestação seguisse para Muzaffarabad via Kotli.

Desta vez, os líderes e trabalhadores do Movimento dos Direitos do Povo parecem mais entusiasmados, corajosos e organizados do que nos dias anteriores. Os membros das caravanas cuidam uns dos outros. Em todas as cidades e bairros pobres, as caravanas são calorosamente recebidas e lhes são oferecidas comida e bebida. As pessoas usam a música e o Bhangra (dança) para inflamar seus sentimentos, emoções, pensamentos e coragem para participar do movimento sem medo do Estado.

Na Caxemira administrada pelo Paquistão, a maioria das pessoas elogiava o Paquistão por motivos culturais e religiosos até alguns anos atrás. Acreditavam e seguiam a narrativa estabelecida pelo Estado paquistanês através da educação, da arte e da mídia. Durante décadas, a cultura, a religião e o amor à pátria foram debatidos pela mídia a tal ponto que, se alguém fizesse perguntas para entender essas questões, seria considerado um inimigo do Estado. Até alguns anos atrás, os trabalhadores sofriam uma lavagem cerebral tão grande que a classe dominante não tinha problemas em perseguir seus interesses. O chauvinismo anti-indiano era o núcleo do que se vendia às massas. Mas a nova geração não só sentiu o fedor do chauvinismo presenteado por seus ancestrais, mas também está vendo a mudança social como uma cura.

A crise econômica global de 2007-09, a guerra na Ucrânia e a agressão israelense contra a Palestina também desempenharam um papel importante. Quando o capitalismo mundial teve que lidar com a crise econômica, a condição de um país em desenvolvimento como o Paquistão piorou muito. A classe dominante deste país sempre desempenhou o papel de Estado rentista para os EUA por causa de sua importância estratégica. A estrutura social foi mantida de tal forma que todos os estratos do feudalismo, patriarcado religioso, capitalismo e capitalismo rural se misturavam, sempre liderados pelo establishment.

A força com mais autoridade no Paquistão depois do imperialismo é a burguesia institucional, cujo capital está ligado ao capital imperial. É essa burguesia que continua usando diferentes partidos como papel de seda, dependendo do momento e do humor do público. É a burguesia que elege governantes que seguem políticas neoliberais e pró-imperialistas. Mas, nas duas últimas décadas, os interesses do imperialismo norte-americano se deslocaram para a Índia devido à questão da Caxemira. Isso porque a Índia é um mercado maior e mais importante para o imperialismo; não só desempenha um papel importante na divisão do trabalho, mas também é um importante fornecedor de mão de obra barata, que abriu o mercado em termos e condições muito baixos.

No passado recente, o Estado paquistanês continuou a servir ao imperialismo norte-americano como um Estado subordinado. No entanto, como sua importância agora diminuiu, o imperialismo dos EUA não se opôs à Índia quanto a acabar com o status especial da Caxemira, mas formalmente permitiu que as elites governantes do Paquistão continuassem a fazer discursos na ONU, a fim de continuar a enganar seu povo. Isso simplesmente derivou, em 5 de agosto de 2019, em que o governo Modi aboliu de sua Constituição o status especial de Jammu e Caxemira. Por trás desse controle estava o asharbad imperialista (retaguarda), que havia avisado previamente o Paquistão sobre esse desenvolvimento.

 O Paquistão, que no passado continuou jurando hastear a bandeira paquistanesa no Forte Vermelho de Delhi, não apenas ficou em silêncio com o ato da Índia, mas também alertou o povo da Caxemira administrada pelo Paquistão para ficar calado. Alguns de seus X-pros tentaram cruzar a linha e foram detidos perto da Linha de Controle. Finalmente, para salvar sua reputação junto às massas, a ONU voltou a colocar-se no meio. Os nacionalistas não sabem o que são as Nações Unidas? Então, os nacionalistas e revolucionários restantes formaram outra coalizão chamada Aliança Nacional do Povo (NPA), que discutiu abertamente a duplicidade do Estado paquistanês, alegando que o Paquistão não era um parceiro do nosso movimento, mas um ocupante.

Esta foi uma ação muito correta, uma vez que ambos países estão ocupando e detendo os caxemires traçando uma linha de ambos os lados. E, portanto, o povo da Caxemira ocupada pelo Paquistão deve lutar contra a ocupação direta pelo Estado paquistanês. Mas a liderança da AP continuou a usar linhas de fronteira confusas com centralização extrema sem apresentar um programa sólido, às vezes empoderando a Assembleia Legislativa, às vezes combinando a Caxemira administrada pelo Paquistão e Gilgit-Baltistão na Assembleia Constituinte, etc.

Grande parte da liderança dessa coalizão fugia dos debates e discussões entre os quadros. O principal motivo era a mesma lógica para atender às demandas de unidade, liberdade e revolução democrática nacional junto aos líderes da Assembleia Legislativa. A ANP não conseguiu evacuar mais pessoas. Alguns milhares chegaram a Muzaffarabad; em 22 de outubro de 2019, o Estado os torturou severamente. Esse processo não só desmoralizou a juventude, como expôs completamente as lideranças e, depois disso, todos os partidos dessa aliança continuaram a desmoronar.

O movimento atual é liderado majoritariamente por jovens que de uma forma ou de outra têm associações anteriores ou existentes com a resistência. Inclui aqueles que há muito lutam na Caxemira administrada pelo Paquistão contra o fim da ocupação, a pilhagem de recursos, o desemprego e a inflação pelos dois países ocupantes, Paquistão e Índia. A maioria são jovens que se juntaram a seus grupos nacionalistas ou progressistas e estão fartos da política oscilante. É verdade que estes jovens não têm um caminho nítido, mas continuam a resistir. É por isso que as massas estão com eles. As massas anseiam vingar-se por décadas de privação; querem curar suas dores e sofrimentos passados. Nunca antes se havia visto o grau de ódio que sentem em relação aos governantes locais.

Entendemos que há enormes falhas nessa agitação social. A debilidade mais importante diz respeito à questão de quando a intervenção pública nos eventos históricos deve ocorrer; para tanto, é importante estudar as referências históricas das épocas em que as massas queriam lutar em bases militantes e revolucionárias. Agora estão passando de um movimento para conquistar direitos para outro com consignas de liberdade, independência e revolução. Devemos lembrar que não são as privações de hoje contra as quais o povo se levantou, mas décadas de privações toleradas até hoje. Portanto, é preciso lutar enquanto se avança no programa.

A desobediência civil foi convocada há muito tempo pelas massas populares porque, embora o povo considere os governantes do Paquistão como ocupantes, consideram os representantes da Assembleia Legislativa outorgada pelo Paquistão como sócios iguais. Esta é a assembleia que até agora não deu liberdade de expressão e registro aos caxemires. Ao participarem nas eleições para a assembleia, não podem sequer apresentar documentos relativos à independência de Jammu Caxemira, mas primeiro têm de jurar que Jammu Caxemira se converterá no Paquistão.

Durante 76 anos, a classe dominante do Paquistão tem enganado o povo com que, usando sua Caxemira ocupada como acampamento base, lutarão pela Caxemira por milhares de anos. A principal razão para manter viva a questão de Caxemira é saquear os recursos do Paquistão e, por outro lado, despertar os sentimentos das massas paquistanesas. Para isso, os meios de comunicação social paquistaneses e os programas de estudo desempenharam um papel importante. A burguesia institucional paquistanesa, que é o principal ator no Paquistão, manteve a maior parte dos recursos do Paquistão sob seu controle, criando inúmeras instituições desde o nascimento do Paquistão, mantendo um acordo com os Estados Unidos, mas em nome da defesa da Caxemira, usando uma parte significativa do orçamento do país, principalmente em nome da defesa. O Paquistão esteve virtualmente sob lei marcial em quatro ocasiões, e o resto do país permaneceu sob o controle do regime bonapartista, o que significa que historicamente os regimes políticos fugitivos permaneceram com a elite militar.

Esta elite militar e a sua elite política marginal nunca permitiram qualquer desenvolvimento dentro da Caxemira, sempre alegando a justificação de que a Caxemira é uma área remota/dividida cujo futuro ainda está por decidir. Embora pudesse haver um bom turismo nesta terra de belas montanhas, florestas, rios e cachoeiras, isso não era permitido, porque se houvesse turismo, como as famílias dos militares passariam suas férias de verão em um ambiente tão tranquilo?

A indústria poderia ter sido instalada em Jammu Kashmir, mas não foi permitida porque, se a indústria tivesse sido instalada, mais de 20 a 30 milhões de pessoas que migraram para outros países em busca de emprego não estariam disponíveis para sua exploração lá. Usinas hidrelétricas foram instaladas em Jammu Kashmir, gerando atualmente entre 4.000 e 5.000 megawatts de eletricidade, que atingirão entre 8.000 e 10.000 megawatts nos próximos três a cinco anos. A maioria dos trabalhadores que participam deste processo de produção nem sequer pertencem à Caxemira, por isso a demanda total de eletricidade na Caxemira (cerca de 385 megawatts) está sendo suprida de forma muito escassa. Os governantes da Caxemira administrada pelo Paquistão atribuem toda a responsabilidade ao Paquistão Wapda e o Paquistão Wapda devolve-a a estes incompetentes governantes da Caxemira.

O Acordo de Shimla baseado na divisão da Caxemira

Não há dúvida de que a divisão primária da Caxemira começou com a divisão do subcontinente, quando o povo de Jammu Caxemira estava ocupado com impostos desnecessários e a luta pela liberdade, que já havia começado antes da divisão do subcontinente. O movimento foi tão intenso que o governante de Jammu Caxemira, o marajá Hari Singh, estava disposto a dar mais concessões às massas com toda a sua crueldade e opressão, mas em outubro de 1948, o Paquistão interveio a mando do Império Britânico e trouxe um grande número de tribais. Isso justificou o marajá pedir ajuda à Índia, para a qual a Índia já estava preparada. Como é possível que, após a divisão do subcontinente, os governantes de ambos os países e do Império Britânico não estivessem a par da divisão da Caxemira? Os exércitos de ambos os países continuaram a ser treinados pelos comandantes imperialistas. Acreditamos que foi um movimento estratégico da antiga Grã-Bretanha imperial e do imperialismo emergente, que também explorou a Caxemira. Não só foi saqueado pelas elites de ambos os países, mas ao manter a questão da Caxemira na ONU, o imperialismo também defendeu seus interesses estratégicos.

Em 1971, houve uma guerra entre a Índia e o Paquistão, na qual o Paquistão ficou traumatizado e a Índia deteve cerca de 93.000 soldados paquistaneses. Ambos os países declararam que se tratava de um assunto privado, e as potências internacionais América e Rússia também apoiaram significativamente este acordo, enquanto os herdeiros originais da questão, o povo da Caxemira, foram excluídos desta decisão. Assim, a questão da Caxemira foi excluída das Nações Unidas e tornou-se um assunto privado para ambos os países.

Quando a Índia estava do lado soviético, os EUA precisavam urgentemente do Paquistão, não apenas com a ajuda do Paquistão na guerra contra a Rússia no Afeganistão, mas também na Caxemira. Continuou ajudando nas atividades armadas contra a Índia, mas a Rússia mudou para a economia de livre mercado. Ao fazê-lo, a situação mudou. O imperialismo estadunidense, como única superpotência, mudou suas políticas para muitos Estados em favor de seus objetivos econômicos e estratégicos dentro de cada região. Por um lado, a Índia é um mercado de mão-de-obra barata e demandada, que se tornou um estado metropolitano devido à divisão do trabalho. Por outro lado, os EUA precisavam de um aliado contra a emergente China imperialista, para a qual a vizinha Índia era a melhor opção para manter a China sob constante pressão.

O papel do movimento atual

Já explicamos os antecedentes desse movimento como uma continuação dos movimentos anteriores. Mas às vezes o que pode levar décadas para se desenvolver pode ser realizado em dias. Isto está acontecendo não só na Caxemira administrada pelo Paquistão; esse movimento também inspirou os trabalhadores do Paquistão para converter a fome dada a eles pelos governantes e sua suposta liberdade em autonomia real. O movimento na Caxemira administrada pelo Paquistão, em geral, é um movimento geral contra o aumento dos preços ao consumidor e, especialmente, da eletricidade, e contra os governantes. O significado é definitivamente não apenas desafiar os governantes do Paquistão, mas também resistir aos governantes da Caxemira administrada pelo Paquistão, que há muito saqueiam os recursos de Jammu Caxemira a mando da classe dominante paquistanesa.

Depois de chegar ao poder, eles adquiriram inúmeras propriedades em Jammu Caxemira, Paquistão e países estrangeiros, onde os filhos desses governantes recebem educação superior em universidades nos Estados Unidos, Canadá e Reino Unido. Eles também cuidam de seus próprios negócios lá e depois voltam de uma maneira melhor e são eleitos para a Assembleia Legislativa mentindo para as massas, a fim de proteger a riqueza obtida por seus pais e obter mais fontes de riqueza. Para se ter uma noção desse espetáculo, veja os descendentes dos governantes da atual Assembleia, que venceram as eleições para a Assembleia Legislativa com as políticas de laissez-faire do establishment e estão sentados como ministros. Que prova a mais precisamos da ânsia de riqueza e ganância desses governantes?

É possível confiar nesses governantes da Assembleia Legislativa?

Se analisarmos honestamente a evolução da consciência política dos atuais governantes, a maior lição da história de Jammu e Caxemira será que nunca se deve confiar nesses governantes. O antigo partido político de Jammu e Caxemira era conhecido como a Conferência Muçulmana. Desde a sua criação, tem sido leal… primeiro à Liga Muçulmana e depois ao Paquistão. A posição dos líderes da Conferência Muçulmana foi criada de tal forma que o público desse exemplos da honestidade e simplicidade de seus líderes. Os governantes do Paquistão foram apresentados como irmãos mais velhos. Baniga Caxemira (convertida) costumava dar importância à narrativa do Paquistão para que, por um lado, aproveitassem a simplicidade do povo para usurpar recursos e, por outro, os governantes do Paquistão, especialmente a burguesia institucional Asharbad (retaguarda).

Mas como as mudanças que ocorrem na sociedade também estão sujeitas às leis da ciência, à medida que a consciência humana se desenvolve, continua questionando o velho e buscando o novo. Quando as massas de Jammu e Caxemira começaram uma série de questionamentos, inúmeras fórmulas surgiram em virtude das quais Gilgit-Baltistan e a chamada Caxemira Azad (Livre) se incluíam na posse do Paquistão. Não é aceitável que se acrescente território ao Paquistão. Portanto, a fórmula da liderança da Conferência Muçulmana de incluir toda a Caxemira no Paquistão era difícil para a burguesia institucional. Por outro lado, a liderança da Conferência Muçulmana girou em torno de Sardar Abdul Qayyum após a saída de Sardar Ibrahim Khan. Este cedeu a liderança de seu partido a seu filho, Sardar Atiq, a fim de estabelecer uma maior centralização após ele. Como consequência, o resto da liderança do partido desconfiou dele e fundou o partido dos capitalistas do Paquistão, a Liga Muçulmana-Nawaz.

Mesmo antes disso, o Partido Popular do Paquistão foi lançado pelo líder do povo feudal, Zulfiqar Ali Bhutto. Não só se uniu a liderança de primeiro nível da Conferência Muçulmana de Jammu Caxemira  na forma de Sardar Ibrahim Khan, mas também numerosos nacionalistas, o importante líder que discutiu a questão de um referendo. KH Khurshid, ex-presidente de Jammu Caxemira, também mudou seu partido para o Partido Popular. Muitos stalinistas de Jammu Caxemira seguiram seus irmãos stalinistas paquistaneses e caíram aos pés de Bhutto. Antes disso, foram os governantes liderados por Sardar Ibrahim Khan, que em outubro de 1949 assinou um acordo com os governantes do Paquistão em Karachi para completar seu trabalho e entregou uma parte significativa de Jammu Caxemira (Gilgit-Baltistan) para que ficasse sob controle total do Paquistão. Como a demografia da importante região estratégica mudou, aproveitando-se disso, estão sendo feitos planos para transformar a respectiva região em uma província do Paquistão.

Por isso, é importante não confiar nos representantes da Assembleia Legislativa, dadas as experiências passadas. A principal razão é que eles se tornaram tão ricos que há uma enorme diferença entre seu padrão de vida e o das pessoas comuns. Todas as provas da corrupção que cometeram para enriquecer são guardadas pela classe dirigente, de modo que nenhum deles pode exercer qualquer atividade econômica ou política sem a aprovação da classe dirigente.

Será que esses governantes usarão os mesmos alimentos, os mesmos preços da eletricidade, o mesmo tratamento familiar e a mesma educação das crianças para que algum tipo de aliança possa ser feita com eles?

Por isso, é importante organizar o movimento nas camadas das massas populares sem confiar nesses governantes!

Papel da Classe Média/Pequenos Empresários no Movimento

Por classe média queremos dizer pequenos empresários que administram seus negócios com poucos funcionários; também estão incluídos gerentes de bancos, médicos bem remunerados, advogados e funcionários de nível médio. Atualmente, a classe média em Jammu Kashmir, especialmente os pequenos comerciantes, estão sofrendo com dificuldades extremas, por isso fazem parte do movimento. Os impostos estão calculados. Devido à inflação, as pessoas comuns são forçadas a ser regradas ao comprar e vender, o que tem causado dificuldades para os pequenos comerciantes. As lojas de departamento, onde tudo está disponível com descontos especiais, têm sido um grande incômodo para os pequenos varejistas. Eles são forçados a dar mercadorias a crédito, e onde nunca esperam dinheiro de volta dos clientes devido à crise econômica.

Portanto, há crises em todos os setores. As pessoas preferem passar dias inteiros em filas nos hospitais públicos para evitar honorários de médicos privados, receitas pesadas e exames. As pessoas reduziram suas idas a delegacias e tribunais para não terem que enfrentar advogados e juízes. As pessoas passaram a conhecer a realidade da justiça educacional a tal ponto que até gastar um pouco com a educação de seus filhos parece um desperdício. Os trabalhadores estão cansados de pagar impostos sobre seus salários. A classe média semicolonial está espremida pela inflação e seus encargos trabalhistas e, portanto, se opõe ao grande capital.

Mas essa oposição tem sido ora maior, ora menor. A classe média de Jammu Kashmir, liderada por comerciantes e transportadores, resistiu em muitos distritos com o povo no início do Movimento dos Direitos do Povo. Agora, muitos deles são soldados oportunistas e interesseiros do Estado, que clamam por paz, mas participam da estratégia do Estado para sabotar greves e protestos. Essa análise foi feita pelo comandante do Exército Vermelho, Leon Trotsky, o segundo líder mais importante da Grande Revolução Bolchevique do século 20, depois de ver as mesmas manobras da classe média. À medida que os movimentos revolucionários se intensificam, a classe média, por covardia e medo de perder algo, controla o equilíbrio de poder. Se a classe operária tomar o poder pela força, a classe média oferece seus serviços à classe operária, e se a classe dominante mantiver seu domínio pela força, a classe média voltará a sentar-se em seu colo. Portanto, é importante que o povo obtenha o poder de controle; a classe média, então, virá em seu apoio.

O fracasso das tendências nacionalistas e socialistas

As organizações políticas nacionalistas e socialistas desempenharam o mesmo papel que os partidos tradicionais em ambas as partes de Jammu Caxemira. Continuaram a desempenhar as mesmas responsabilidades até certo ponto e tentaram resolver a questão condicionalmente. Ninguém ofereceu uma solução completa. Alguns a subordinaram à constituição liberal e progressista da Índia, enquanto outros falaram da adesão do estado de maioria muçulmana de Jammu Caxemira ao Paquistão. Continuaram a considerar a ocupação como um mal menor e inclusive disseram que o Paquistão não era o ocupante, mas um amigo na luta pela liberdade contra a Índia.

Alguns justificaram a ocupação da Índia dizendo que, por causa da rendição do Paquistão em outubro de 1948, a Índia chegou a um acordo com o marajá Hari Singh na Caxemira e, portanto, o Paquistão é o ocupante. A Índia não é um ocupante, segundo eles Jammu Caxemira era um feudo do Maharaj, e quando o povo comum se rebelou contra os impostos cruéis de seu feudo, não foi uma rebelião, mas uma conspiração externa do Paquistão. Ao simplesmente ignorarem a revolta e o movimento popular, inclinam-se para o chamado secularismo da Índia. É possível combater outro usurpador sob o comando de um usurpador?

É por isso que dizemos que Caxemira está ocupada por ambos os países. De fato, o Paquistão interveio e sabotou o movimento do povo contra o marajá do asharbad (retaguarda) do Império Britânico, mantendo um grupo especial em Muzaffarabad, 5135 milhas quadradas de Jammu Caxemira. Fundou o governo provisório de Jammu Caxemira, administrado pelo Paquistão, consistindo nas divisões de Poonch e Mirpur e, mais tarde, Gilgit-Baltistan, cujo controle foi cedido pelo Império Britânico ao Marajá. Após a divisão do subcontinente, o Paquistão ocupou-o em 1949. E então, para tornar essa ocupação permanente, em 28 de abril de 1949, assinou o Acordo de Karachi com o governo interino de Jammu Kashmir, administrado pelo Paquistão de sua própria colheita.

Neste artigo também falaremos sobre alguns nacionalistas e revolucionários que falam sobre a independência e revolução da Caxemira. Alguns deles falam de poder de massas com uma posição muito confusa sobre as palavras de ordem da independência e da assembleia sempre existente. (Gilgit-Baltistan e a Caxemira administrada pelo Paquistão receberiam uma assembleia constitucional.) Mas nunca apresentaram uma posição nítida sobre como tudo isso acontecerá.

O resto dos revolucionários subordina a opressão nacional à exploração [de classe] e condiciona a política das questões e a solução do problema de Jammu Caxemira à criação de uma federação socialista do subcontinente; ou seja, soluções parciais e intermediárias não têm importância para eles.

O maior problema destas duas tendências políticas é que veem as coisas de um ponto de vista muito centralizado, e nos seus partidos nunca é dada importância ao centralismo democrático. Por isso alguns quebram depois de cada ano e outros depois de décadas. A cúpula vai criando adeptos entre suas fileiras, em grande medida por meio de longos discursos ou livros de líderes selecionados. Assim, evoluem de partidos para empresas, de modo que o elemento resistido desconfia delas e organiza comitês conjuntos de ação de massa de forma crítica. Inclusive na situação atual, o JAAC também precisa de um programa para avançar.

A classe operária

Dado que o setor de serviços tem demonstrado historicamente que desempenha um papel importante nos movimentos posteriores ao trabalho industrial, e devido à ausência de produção industrial na Caxemira, a principal responsabilidade dos trabalhadores de serviços é proteger os direitos das massas populares, bem como os seus próprios. Na atual situação revolucionária, devem obrigar as direções dos seus sindicatos e associações a levar adiante as reivindicações dos seus trabalhadores junto das massas populares e iniciar uma série de protestos, já que há vários anos os sindicatos estão sendo atacados. A Lei de 2016 e a Portaria de 2023 visam privar os trabalhadores do direito de greve, alterar as estruturas dos serviços e a reforma da previdência, e incluir várias táticas de direitização e redução de pessoal. É preciso contra-atacar porque, se os trabalhadores se organizarem junto com as massas populares, poderão recuperar seus direitos e interesses.

Devido às crises globais do sistema capitalista, os trabalhadores estão constantemente sob ataque em uma região colonial como a nossa. Os muitos ganhos que ainda existem são facilmente arrebatados sob as políticas neoliberais. Muitas vezes ouvimos nas conversas que a educação está sendo privatizada; e isso é verdade no Paquistão, onde a privatização já começou. Se a violência estatal foi usada contra as greves dos professores durante o processo de privatização, não acontecerá o mesmo na Caxemira?

Olhando para os ataques atuais, parece que a classe dominante de Jammu Kashmir está entrando definitivamente em um processo de privatização da educação, saúde, eletricidade, etc. Por isso, é importante que os trabalhadores entendam esses ataques e protejam os interesses de suas organizações, não individualmente, mas que iniciem uma luta conjunta em vez de manter as aparências. Certamente que todos os dois setores acima elegeram conjuntamente um conselho para a federação, mas a necessidade desse processo é que, ao realizarem uma conferência juntos, devem pedir a abolição das leis antioperárias da classe dominante e mais reivindicações.

Os trabalhadores devem contribuir com sua liderança, criando pressão desde baixo para apoiar as organizações cuja liderança está tentando construir uma federação. Os únicos sindicatos operários que podem ser dignos de menção são aqueles que envolvem democraticamente os trabalhadores. Aliás, na política sindical o povo sempre pensa. Os procedimentos variam. A natureza de suas responsabilidades é diferente, suas afiliações de liderança são diferentes. A maior parte da direção de alguns sindicatos e associações gira em torno da solução dos pequenos problemas de trabalhadores específicos de seus setores. Esta é a ideologia de Prabrajaman (dominar). Os sindicatos de todo o mundo zelam pelos interesses dos seus trabalhadores, mas em nosso país se recorre à ajuda de funcionários públicos e ministros para os interesses dos trabalhadores. Há alguns anos, jovens trabalhadores e alguns líderes honestos vêm intensificando a política operária, o que provocou ataques do Estado contra sindicatos e associações. Por isso, é preciso lançar as bases de uma federação militante, democrática e popular, cujo programa inclua os trabalhadores de todas as instituições. Além dos interesses dos trabalhadores, as reivindicações devem incluir todo tipo de exploração e coerção.

A Política dos Comitês de Ação de Massa

Sem entrar no fundo da política dos comitês de ação popular, todos os trabalhadores, das aldeias às cidades, qualquer que seja o estrato a que pertençam, estão de parabéns, e talvez pareça que esse foi o método correto pelo qual os comitês de ação de massas foram formados. O movimento e a liderança chegaram a esse ponto. Prestamos homenagem a esses trabalhadores que arrebataram o controle da direção tradicional e obrigaram a direção nacionalista a acreditar que sua estratégia, metodologia e centralismo são obsoletos. Alguns ativistas despertaram as massas populares de tal forma que hoje quase 90% das massas entenderam que sua intervenção direta na política pode cuidar de seus interesses. À medida que o movimento avança, na mesma proporção, aumenta também o moral das pessoas comuns. A juventude avança com novas cores.

Debilidades dos comitês de ação de massas

Todos somos autocriticamente conscientes de que há imensas fragilidades na direção dominante dos Comitês de Ação de Massas. A maioria dos ativistas do comitê central permanece sectária, apesar de ter rompido com seus partidos nacionalistas. Devido às suas diferentes origens, continuam evitando discutir abertamente o programa entre eles. Por medo da polarização da direção, não houve avanço nas palavras de ordem, e agora são as massas que o fazem por si mesmas. Da plataforma dos comitês de ação pública, há um apelo reiterado para deixar de lado a realidade do programa e limitá-lo apenas às reivindicações. Não deve haver diálogo de alternativas contra os responsáveis por todo esse desamparo durante décadas. Não é sensato não oferecer uma alternativa mesmo que os governantes sejam ineficazes.

O Que Fazer

É importante, neste ponto, generalizar a questão do “o que precisa ser feito”, pois a intensidade dessa questão está presente em cada movimento: como e com quem deve ser realizado. Neste momento, é necessário aproveitar a ineficácia das elites governantes para convocar uma assembleia constituinte na Caxemira administrada pelo Paquistão. Ao convocar a Assembleia Constituinte, é importante exigir um governo revolucionário temporário porque, devido à exposição da corrupção e da imensa riqueza da atual classe dominante, o povo perdeu a confiança neles. O povo entendeu que são leais e marionetes das elites dominantes paquistanesas. Sua comida, sua bebida, sua casa, seu carro… Tudo é diferente ao das massas populares. Sua casta e tribo são diferentes. Por sua causa, quantas mães mandam seus filhos trabalhar no Paquistão ou em países estrangeiros aos 18 anos? Quantos jovens que fugiram da estreiteza de suas casas se apaixonaram pela natureza através de pequenas rotas? Quantas famílias entram em depressão por falta de melhor educação e saúde para seus filhos?

70% da população está fora do país, dos quais 20% a 25% trabalham no Paquistão, e 40% a 45% trabalham nos Estados Unidos, Reino Unido, países do Golfo, etc. Esses governantes imundos e seus senhores não sentem vergonha quando recebem remessas de divisas pertencentes a esses imigrantes. Servem a aqueles que não puderam oferecer oportunidades de emprego aqui. Olhe para essas tristezas, sofrimentos e estresse mental! Friedrich Nietzsche: lembre-se do ditado que diz que os ricos deixaram aos pobres apenas Deus!

Então lutamos sem confiar neles! Os governantes vinham e diziam ao povo todos os dias que o Paquistão está fazendo uma injustiça com eles, de acordo com suas promessas, nada lhes é fornecido, etc. Houve objeções. Por isso, é importante aproveitar sua espontaneidade. Mas agora é importante que não só eles, mas todos os atores do Estado, incluindo representantes do público em geral, líderes da classe trabalhadora, da classe média (advogados, professores, comerciantes e transportadores), mulheres e líderes de bairro e estudantis, formem um governo revolucionário provisório que será responsável pela elaboração de uma constituição para a Assembleia Constituinte.

Tradução: Lílian Enck

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares