qua jul 24, 2024
quarta-feira, julho 24, 2024

Estado espanhol: Sindicalismo alternativo mostra seu apoio à Palestina

No contexto do genocídio televisivo que o povo da Palestina está sofrendo, é essencial que a classe trabalhadora de todo o mundo mostre o seu rechaço ao Estado genocida e sionista de Israel e tome uma posição ao lado do povo palestino, apoiando a sua legítima autodefesa. Parte deste apoio deve exigir que os governos rompam todas as relações com o Estado de Israel, razão pela qual celebramos muito a carta aberta assinada pelos sindicatos de classe e combativos do Estado espanhol, que reproduzimos a seguir:

Carta aberta ao governo do Estado espanhol e aos deputados do Parlamento

A PALESTINA NÃO É UMA CAUSA PERDIDA

Os sindicatos de classe, organizações que representam os trabalhadores e trabalhadoras, queremos abordar uma questão extremamente importante neste momento: a relação do Estado espanhol com Israel e o seu governo sionista.

Nos últimos dias, assistimos a acontecimentos trágicos para o povo palestino, que depois de sofrer décadas de ocupação, de apartheid e injustiças perpetradas pelos governos sionistas israelitas e pelo seu exército, tem sofrido desde 7 de Outubro crimes de guerra, bombardeios indiscriminados contra a população civil, hospitais , escolas… cortes de eletricidade, água, combustível, remédios, alimentos…

É essencial compreender o contexto histórico deste conflito. A formação de Israel em 1948 resultou na ocupação do território palestino e no deslocamento de 800.000 palestinos, que ainda hoje vivem como refugiados na sua própria terra. O Estado de Israel, em grande parte financiado pelos Estados Unidos e pela União Europeia, continua ignorando o direito humanitário internacional e mantém a sua ocupação criminosa da Palestina.

O seu método de limpeza étnica, o apartheid antipalestiniano ininterrupto, é reconhecido e repudiado por amplos setores judeus e acadêmicos, pela Anistia Internacional, pela Human Rights Watch e pelos dois últimos relatórios da Comissão dos Direitos Humanos da ONU. Especialmente na Faixa de Gaza, onde 2,4 milhões de palestinos vivem em condições desumanas, privados dos seus direitos básicos.

A resistência palestina, rotulada pela “comunidade internacional” como terrorismo, é na realidade uma manifestação legítima do direito dos povos invadidos de lutarem contra os seus agressores. Os palestinos sofreram injustiças inaceitáveis ​​e a sua mensagem é simples: “Basta”.

Por todas estas razões, instamos o governo do Estado espanhol a romper relações diplomáticas e comerciais com um Estado que perpetua um regime execrável de apartheid e viola os direitos humanos do povo palestiniano.

Os Sindicatos de Classe signatários, apoiando o apelo público dos sindicatos palestinos, pedem ao Estado espanhol que adopte uma posição nítida, justa e solidária em defesa da Palestina.

É por isso que apoiamos unanimemente ações como as promovidas pela campanha BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) contra Israel como forma de promover mudanças positivas na região. Instamos também os governos de todo o mundo a condenarem o regime de apartheid israelita e a quebrarem imediatamente todos os acordos com Israel, especialmente os relacionados com a colaboração militar.

Pedimos ao Governo e aos parlamentares que aprovem estas iniciativas, com uma posição contra as atrocidades que o governo sionista israelita está cometendo na Faixa de Gaza e na Cisjordânia contra o povo palestino.

A luta do povo palestino requer solidariedade global. Pedimos ao Governo e aos parlamentares que adotem uma posição de solidariedade ativa com o povo palestino, contra o apartheid, a limpeza étnica e os crimes de guerra cometidos por Israel há mais de 75 anos.

De nossa parte, apoiaremos mobilizações unitárias neste mesmo sentido.

Cessar-fogo; pare o genocídio!

Atenciosamente,

Sindicato das comissões de base, Solidaridad Obrera, CGT, ASC, Plataforma Sindical EMT, SAT.

7 de novembro de 2023

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares