dom dez 04, 2022
domingo, dezembro 4, 2022

Copa do Mundo Catar 2022: Uma ode ao luxo e ostentação manchada com sangue humilde e trabalhador

Centenas de milhares de emigrantes asiáticos chegam ao Catar como escravos da nova modernidade. Imediatamente os escondem, mudam o visual, proíbem a mistura, o contato, as relações. Querem que fiquem longe, separados, enterrados pelo silêncio. Em mundos inteiros que não são nomeados. Os que vivem no local os “cheiram”, “espiam”. Sabem que estão presentes. Há alguns quilômetros de distância, escondidos em barracões. Estão lá para levantar suas cidades, seus arranha-céus, seus centros comerciais -com pistas de esqui a 40 graus na sombra- suas casas, seus hotéis, seus estádios manchados de sangue. Eles sabem. Vieram para isso. Em viagens de ida e volta, com retorno obrigatório. Não os querem. Mas os necessitam. Precisam de seus braços baratos, de suas “pás mecânicas” sem ajustes, mestiças, trazidas nas costas dos cantos do mundo para construir um mar de concreto armado num deserto sem nome e sem vida, a céu aberto, como túmulos de escorpiões, “os escravos de um mundo manchado de sangue”.

José Luís Lanao. Ex-jogador do clube atlético vélez sarsfield, campeão mundial juvenil 1979

Por: Antonio Rodrigues

Em 2 de dezembro de 2010, Joseph Blatter, então presidente da FIFA, mostrou ao mundo um pequeno pedaço de papel retirado de um envelope que dizia: Copa do Mundo FIFA 2022. Em tamanho maior, aparecia o nome do vencedor da eleição: Catar. Mais tarde, em 2015, promotores federais na Suíça revelaram os resultados de uma investigação relacionada a um pagamento de US$ 2 milhões da FIFA a Michel Platini quatro anos antes. As consequências do escândalo levaram Blatter a renunciar ao cargo de presidente da Fifa e inviabilizaram a tentativa de Platini de substituir seu mentor. Embora o próprio Comitê de Ética da FIFA tenha descredenciado Joseph Blatter e Michel Platini pela referida garantia no final de 2015, por um período de oito anos, em julho de 2022 a justiça suíça absolveu ambos e acabou indenizando-os por danos morais.

Giovanni Vincenzo Infantino, presidente da FIFA desde 26 de fevereiro de 2016, assegurou ao tomar posse que “a nova FIFA não deixa espaço para o crime” e referiu-se à luta contra a corrupção, “a proteção das crianças, a integridade do desporto e a prevenção do crime”. No entanto, sua expressão quase não mudou quando soube das denúncias de abuso, exploração e morte de trabalhadores nos estádios onde será realizada a próxima Copa do Mundo: “Quando você dá trabalho a alguém, mesmo em condições difíceis, você dá dignidade. Não é caridade, é uma questão de orgulho. 6.000 pessoas também podem estar morrendo em outros lugares. A FIFA não está aqui para ser a polícia do mundo nem é responsável por tudo o que acontece no planeta, mas graças à FIFA e ao futebol, se contribuiu para uma mudança social positiva no Catar”.

Catar e a dinastia Al Thani

O Catar é governado pela família Al Thani desde meados do século XIX. Antes da descoberta de petróleo em seu território, era famosa pela coleta de pérolas e pelo comércio marítimo. Foi um protetorado britânico até se tornar independente em 1971. Em 1995, o Sheikh Hamad al Thani tornou-se emir após depor seu pai, Khalifa bin Hamad al Thani. Desde 2013, o emir do Catar é seu filho Tamim bin Hamad Al Thani, que assumiu o cargo após a abdicação do pai. Possui a terceira maior reserva de gás natural do mundo, o que fez do pequeno emirado um dos países com maior renda per capita do planeta, ao lado de Luxemburgo, Cingapura e Irlanda, e o levou a atingir o segundo maior índice de desenvolvimento humano no mundo onde os catarianos desfrutam de uma renda per capita de US$ 100.000 por ano. A fortuna do emir, maior autoridade política do Catar, gira em torno de 3 bilhões de dólares. E fica aquém em relação ao de seu principal sócio no PSG, o também empresário catariano Nasser Al Khelaifi. Ele detém nada menos que 16 bilhões de dólares como patrimônio. E como eles existem dezenas de bilionários entre a realeza e o mundo dos negócios do emirado. Foram esses magnatas que decidiram investir cerca de 200 bilhões de dólares para a organização da vigésima segunda Copa do Mundo de Futebol.

Qatargate: A trama de corrupção e suborno para a eleição do Catar como sede da Copa do Mundo

A escolha do Catar como sede da Copa do Mundo afeta totalmente o futebol espanhol e suas redes ligadas à Federação de Futebol com Villar, ACS de Florentino Pérez e Sandro Rosell, ex-presidente do FC Barcelona, ​​clube que patrocinou o Catar com mais de 100 milhões de euros uma vez fechado o negócio. A trama entre Villar, Florentino e Rosell consistia em apoiar o Qatar em troca de dividir o saque de todos os tipos de negócios. Hochtief, subsidiária de construção alemã da ACS, controlada por Florentino Pérez, conseguiu o maior contrato da sua história por 1,3 bilhões de euros com a construção de um gigante centro comercial no Catar. Villar, por sua vez, levou três milhões de euros para a partida Espanha-Uruguai realizada em Doha em fevereiro de 2013. Sandro Rosell e Ángel María Villar foram duramente atingidos por toda essa trama e acabaram abandonando seus cargos tanto na presidência do seu clube como na Federação. No entanto, Florentino Pérez, como sempre, segue até hoje impune por todas as suas movimentações e negócios duvidosos.

Nem tudo que reluz é futebol

Tudo apontava para uma organização de uma Copa do Mundo de futebol bem-sucedida e sem grandes contratempos. Paradoxalmente, um dos maiores eventos desportivos do planeta tem sido pontuado por inúmeras denúncias e vozes críticas que têm vindo a pôr em evidência uma exploração laboral que beira a escravatura de dezenas de milhares de trabalhadores imigrantes que construíram as infraestruturas que irão acolher o referido campeonato. Uma indignação que foi crescendo à medida que as datas se aproximavam, chegando mesmo a estar em cima da mesa o apelo ao boicote ao Mundial. Assim se expressou o ex-jogador francês Eric Cantona: “Para ser sincero, não assistirei à próxima Copa do Mundo, porque não é para mim. (…) Milhares de pessoas morreram construindo os estádios. E, no entanto, vamos realizar a Copa do Mundo lá. É horrível”.

Cerca de dois milhões de migrantes do Nepal, Índia, Paquistão, Bangladesh, Sri Lanka, Filipinas e Quênia são hoje a força de trabalho de um país que atualmente conta com cerca de três milhões de habitantes em uma área de menos de 12.000 km2 (aproximadamente a província de Lérida). Quase 40% trabalham na construção de estradas, ferrovias, grandes arranha-céus, luxuosos hotéis e centros de convenções, estádios e infraestrutura da Copa do Mundo. A chamada Aspire Zone é uma grande extensão de terra localizada em Doha, capital do Catar que, vista do ar, é como mais um bairro da cidade.

A Aspire Zone conta atualmente com um campo de futebol para 50.000 espectadores com uma pista de atletismo aprovada pela IAAF, mais sete campos de futebol ao ar livre e um coberto com capacidade para 5.800 espectadores, além do edifício da Aspire Academy. Contam ainda com um centro de desportos aquáticos com três piscinas olímpicas, e dentro do Aspire Dome uma pista de atletismo coberta e pavilhões para a prática de uma grande variedade de desportos como voleibol, basquetebol, handebol, artes marciais ou squash e ainda um centro médico endossado pela FIFA e o maior shopping center de Doha.

Embora o número de mortes seja tão alto quanto difuso, os dados ainda são impressionantes. O jornal britânico The Guardian revelou que entre 2011 e 2020, cerca de 5.927 trabalhadores da Índia, Paquistão, Bangladesh, Nepal e Sri Lanka morreram no Catar desde que conseguiu sediar a Copa do Mundo. Separadamente, dados da Embaixada do Paquistão no Qatar relataram mais 824 mortes de trabalhadores paquistaneses, entre 2010 e 2020. Doze trabalhadores mortos por semana desde 2010. Segundo o The Guardian, o número total de mortos seria ainda significativamente maior porque as embaixadas do Quênia e as Filipinas, dois países que também fornecem mão-de-obra, não responderam aos seus pedidos de informação. Nick McGeehan, diretor do FairSquare Projects, grupo de direitos trabalhistas do Golfo, disse ao The Guardian que, embora os registros de óbitos não especifiquem o local de trabalho do falecido, “uma porcentagem significativa de trabalhadores imigrantes mortos desde 2011 chegou ao país exclusivamente para a Copa do Mundo”.

Condições de escravidão

A Anistia Internacional detectou ao longo dos anos diferentes formas de exploração do trabalho:

Altas taxas de recrutamento: os trabalhadores tiveram que pagar somas de dinheiro que variam de US$ 500 a US$ 4.300 para contratistas em seus países de origem. Muitos se endividaram, por isso sempre tiveram medo de largar o emprego quando chegavam ao Catar.

Condições de vida terríveis: No país mais rico do mundo, eles foram confinados em ilhas trabalhadoras de pobreza quase extrema. Segundo as denúncias, os imigrantes viviam em condições de superlotação. Em alguns casos, um quarto era compartilhado por oito ou mais pessoas. Todos eles trabalham de 16 a 18 horas por dia, sete dias por semana, suportando temperaturas que às vezes chegam a 50 graus.

Mentiras e atrasos no salário: Nem sequer os salários foram consolo tanto sacrifício. Foram relatados casos em que os trabalhadores receberam muito menos do que o prometido e sem opção de reclamação. A investigação citou o caso de um trabalhador nepalês que viajou com a promessa de receber 300 dólares, mas eles só pagavam a ele 190 dólares por mês. Não foi o pior cenário porque houve empresas que não pagaram seus miseráveis ​​salários aos trabalhadores por 7 meses.

Não poder deixar o estádio ou o acampamento: A recusa em realizar a trabalho também não foi bem-sucedida, devido ao conluio entre empresas e autoridades do Catar. Nestes casos, os trabalhadores foram ameaçados de serem entregues à Polícia sem direito ao pagamento dos meses de trabalho. Isso na “melhor” das hipóteses. Outros testemunhos asseguraram que, pelo contrário, foram ameaçados com nunca mais saírem do dito inferno.

“Fui ao escritório da empresa, disse ao gerente que queria ir para casa porque o meu salário estava sempre atrasado. Ele gritou comigo: ‘Continue trabalhando ou você nunca mais vai embora'”, disse um imigrante à Anistia Internacional.

Não poder sair do país ou mudar de emprego: os empregadores confiscaram os passaportes de todos os trabalhadores. Na verdade, se quisessem sair do Catar, precisavam obter uma “autorização de saída” aprovada por sua empresa. Algo a que os patrões ignoraram, ou mesmo ameaçaram os trabalhadores, dizendo-lhes que não podiam sair até terminar o contrato, o que poderia significar mais dois anos.

Milhares de trabalhadores migram para os países do Golfo, Jordânia e Líbano com o sonho de economizar dinheiro para ajudar suas famílias, mas acabam em um ciclo interminável de abuso. Para eles, aplica-se o chamado “sistema kafala”, comum na região (não muito diferente de outros em outras partes do mundo) que vincula o trabalhador migrante a uma empresa, com regulação insuficiente do Estado, deixando-os vulneráveis ​​à exploração e negando-lhes direitos, como a capacidade de participar de um processo de disputa trabalhista ou filiar-se a um sindicato. Assim, sem a autorização do kafeel (empregador), os trabalhadores não podem mudar de emprego ou, às vezes, sair do país. Rothna Begum, da Human Rights Watch, diz: “Os migrantes têm medo de que seus empregadores não renovem suas autorizações de residência. Esta é uma das razões pelas quais não denunciam abusos ou falta de pagamento”.

A cumplicidade do Estado espanhol e sua classe política

Num país onde as relações homossexuais são pagas com até 7 anos de prisão. Onde o próprio presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo chegou a afirmar que “as demonstrações de afeto e cainho em público ultrapassam a linha das tradições do Catar e são puníveis”. Em que as mulheres precisam da autorização de um tutor para poderem casar ou viajar para o estrangeiro e são proibidos os direitos sindicais, de liberdade de expressão, de consciência e de reunião, os que diariamente enchem a boca de democracia e da palavra liberdade têm demonstrado uma cumplicidade avassaladora com o emir do Catar. Durante a sua recente visita em maio de 2022, o Emir do Catar, Sheikh Tamim Bin Hamad Al Thani, recebeu do atual Governo espanhol o Colar da Ordem de Isabel La Católica por comportamentos extraordinários que beneficiam as Nações, José Luis Martínez-Almeida, prefeito de Madrid, presenteou-o com a Chave de Ouro da Villa da Câmara Municipal de Madrid, e os presidentes das Câmaras Alta e Baixa concederam-lhe a Medalha de Honra do Senado e do Congresso. Além disso, ofereceram uma corrida de cavalos em sua homenagem no hipódromo da capital e um Fórum Empresarial CEOE. Enquanto isso, no jantar de gala da recepção do emir, a rainha Letícia usou brincos avaliados em mais de 100.000 euros, cortesia dos xeiques. Quanto às críticas políticas, não foram além de um broche e uma bandeira LGTBI em protesto.

Em relação à segurança da própria Copa, a Polícia Nacional treinou os oficiais do Catar e recebeu o pedido expresso da tropa de choque espanhola para a nomeação. O emirado também é o segundo maior acionista entre as empresas IBEX35. A Catar é um parceiro estratégico e o maior acionista da empresa de eletricidade Iberdrola desde que entrou em 2011. Também detém o controle de 25% do capital e é o maior acionista do grupo IAG do qual Iberia, Vueling, British Airways, LEVEL e Aer lingus. O Al Thani entrou na empresa espanhola El Corte Inglés em 2015 e assumiram 10% do capital por 1bilhão de euros. É o maior acionista da Imobiliária Colonial e como se tudo isso não bastasse, também colocaram suas garras no Grupo Prisa dentro do conselho de administração onde tem assento o xeique, membro da família real do Catar, Khalid Thani Abdullah al Thani, senta.

Al Thani também foi um dos aliados inseparáveis ​​da família real com Juan Carlos I no comando e seus negócios. O emérito viajou várias vezes como intermediário comercial para interceder na contratação de empresas espanholas no emirado. Uma sombra paira sobre alguns países com os quais chegar a acordos também significa então, fazer de conta que não vê, em certos assuntos. O emérito rei Juan Carlos I usou essa opacidade para forjar sua fortuna. Uma fortuna que se baseia não só em comissões em percentagem de petróleo bruto importado, como se levou a crer, mas também no tráfico de armas com os países árabes.

A compra de silêncios e vontades e os patrocinadores da vergonha

Poucas mídias esportivas mencionaram o escândalo e o virtual massacre de milhares de trabalhadores no Catar. Muito menos a resposta oficial hipócrita e vergonhosa da FIFA, que é uma zombaria ao dizer que é “a favor da liberdade de expressão” e que não sancionará os “envolvidos” nos protestos. O órgão máximo do futebol tem brilhado pela indiferença a tudo o que tem acontecido nos últimos anos e tem-se limitado de forma muito tímida a afirmar que a situação vai mudar. Para esta multinacional desportiva cuja lógica é a faturação, a sua única preocupação reside no rendimento económico.

A Fifa faturou em 2019, cerca de 765,6 milhões de dólares. Aí veio a pandemia e fechou com uma receita total de “apenas” 266,5. Para o ano fiscal 2019-2022 (entre uma Copa do Mundo e outra) o objetivo foi fixado em 6,44 bilhões de dólares. E aposta é que a Copa vai devolver a renda que o vírus lhe tirou. Só em patrocínios espera conseguir mais de 1,4 bilhões de euros. A publicidades foram adquiridos por empresas como Catar Energy, Catar Airways, Coca-Cola, Budweiser, Adidas, Visa, McDonald’s, Vivo, Hyundai, Kia, o grupo Wanda e a plataforma de criptomoeda Crypto.com.

E como não poderia ser diferente, o papel das autoridades do Catar, que primeiro negaram as denúncias, depois cederam à Organização Internacional do Trabalho (OIT) para depois se comprometerem a realizar reformas que, segundo avaliações posteriores, se mostraram insuficientes e em algumas vezes não foram realizados. Uma total lavagem de mãos.

Onde estão os Direitos Humanos no Catar?

Embora tenha havido vários futebolistas e treinadores que, deslumbrados pelo dinheiro e os suculentos contratos, apareceram e continuarão a figurar na folha de pagamentos a pedido do Catar, apoiaram a sua candidatura e destacaram as maravilhas e “benefícios” deste país: Raúl González , Pep Guardiola, Xavi Hernández, Hierro, Beckham, Cazorla, os treinadores Zico, Michael Laudrup, Lotina, Juanma Lillo, Caparrós, Uli Stielike, etc…, é justo reconhecer que também houve vozes de jogadores de futebol, treinadores e adeptos que com enorme dignidade e consciência manifestaram o seu total desacordo e defenderam os Direitos Humanos.

Foi o caso dos futebolistas da seleção norueguesa, que, mesmo não sendo uma das mais poderosas e midiáticas, em uma partida de qualificação para a Copa do Mundo, posaram com uma camisa que dizia: “DIREITOS HUMANOS dentro e fora do campo”. Ou Alemanha e Holanda que, estando na elite do futebol, entraram em campo com uma camisa que compunha os dizeres “Direitos Humanos”, no caso dos alemães. Assim se expressaram: “Trata-se de pressionar a FIFA para ser ainda mais direta, mais firme com as autoridades do Catar, para impor exigências mais rígidas”.

E os jogadores do Orange que entraram em campo na Arena Johan Cruyff com o lema “O futebol apoia a mudança”. “Sabemos que os operários que constroem os estádios da Copa do Mundo de 2022 trabalham em condições muito difíceis.

Não podemos ser insensíveis e não fazer nada”, declarou o zagueiro holandês Matthijs de Light. O atual treinador do Sevilla FC Sampaoli, “Quando há interesses econômicos para a FIFA, valores como o racismo, a diferença de gênero desaparecem… Vamos para uma Copa do Mundo onde há guetos para mulheres”. O técnico da Holanda, Louis Van Gaal, disse: “É ridículo que a Copa do Mundo esteja sendo disputada no Catar. Trata-se de dinheiro e interesses econômicos e comerciais. Isso é a única e verdadeiramente questão importante para a FIFA”. Ou o meio-campista do Real Madrid, Toni Kroos, “Os trabalhadores imigrantes são submetidos a dias ininterruptos sob tórridos 50°C, sofrem com alimentação insuficiente, sem água potável e com temperaturas insanas”. Também Tom Hogli e William Kvist, jogadores da Noruega e Dinamarca, divulgaram um vídeo em 2016 onde criticavam o Catar pelas condições em que vivem os trabalhadores envolvidos na construção dos estádios.

Ou Philipp Lahm, o histórico ex-lateral do Bayern de Munique, afirmando que não fará parte da delegação alemã para a Copa do Mundo e que não iria ao Catar para torcer pelo Die Mannschaft: “Os direitos humanos devem desempenhar o papel mais importante na localização de um torneio. Se o contrato for concedido a um país que é um dos piores nesse quesito, você começa a pensar nos critérios usados ​​para tomar a decisão.”

Em setembro de 2022 no ato do centenário da Associação Cultural e Desportiva Leonesa também surgiu a polémica. O clube leonês, do Catar, decidiu expulsar das arquibancadas um jovem que carregava uma bandeira na partida que enfrentou a seleção do Catar, anfitriã da próxima Copa do Mundo. O cartaz perguntava “Onde estão os direitos humanos no Catar”. Mais um exemplo de que a liberdade de expressão no Estado espanhol é uma mentira com sua Lei da Mordaça como grande sustentação. Torcedores de Bayern, Borussia e Hertha pedem boicote contra o Catar 2022 e exibem faixas de protesto em Berlim e Dortmund pelo tratamento recebido pelos trabalhadores no Catar e pela perseguição à homossexualidade.

E é que ninguém cospe sangue para que o outro viva melhor

O famoso cantor e compositor argentino, Atahualpa Yupanqui, disse em suas “perguntinhas sobre Deus”: Há um assunto na terra / Mais importante que Deus / E é que ninguém cospe sangue / Para que o outro viva melhor.

A poucos dias da abertura do Mundial, em 20 de novembro, multiplicam-se os convites para visitar o Catar e admirar o empório de riquezas e confortos ultramodernos. Os oito estádios, um deles removível, onde serão disputadas as partidas serão assistidos por mais de três bilhões de pessoas que não devem esquecer a parcela de sangue humilde que esta ode ao luxo e ostentação trouxe.

É a primeira vez na história que uma Copa do Mundo de futebol será disputada em novembro, principalmente por causa das temperaturas. Ou seja, os meses quentes foram reservados para a construção de todas as infraestruturas do evento por meio de operários imigrantes e logicamente os meses de novembro e dezembro foram reservados para tentar não submeter as grandes estrelas do futebol ao calor extremo e à desidratação. Em alguns estádios que também contarão com refrigeração e a mais moderna tecnologia. A estreia entre Catar e Equador abrirá o evento no início da Copa do Mundo de Futebol de 2022 e seria justo que a ilusão que um espetáculo dessa magnitude pode produzir para todos os bons torcedores de futebol não cegue e encubra a realidade de o que aconteceu e ter presente em cada estádio e em cada partida os trabalhadores que deixaram suas vidas e seus sonhos em Doha. Tudo isso deve nos levar a refletir e exigir para que eventos como este nunca mais se repitam. Porque os que lá morreram têm nome e sobrenome e uma família que os recordará para sempre e não merecem, jamais, ficar “sem nome”.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares