qua nov 30, 2022
quarta-feira, novembro 30, 2022

Pela mobilização da classe trabalhadora frente à gestão criminosa da crise sanitária!

Como a última onda de infecções nos mostra de forma dramática, a pandemia da COVID-19 não está superada: as pessoas ainda estão gravemente doentes e morrendo da doença. Somente em dezembro, 1.341 pessoas morreram na Bélgica, elevando o total para 28.407. (1). Em todo o mundo, os números são amplamente subestimados e já ultrapassam 5 milhões de mortes. Estas são principalmente dos trabalhadores pobres com pouco acesso aos sistemas de saúde. Depois da França e da Itália, a Bélgica também impôs um Covid Safe Ticket (CST), dando uma falsa sensação de segurança. Em vez de tomar medidas reais para proteger as pessoas em risco e para conter a contaminação, o governo e os patrões apresentaram sua solução: o CST, acompanhado mais recentemente pelo relaxamento das medidas de testagem e de quarentena.

Declaração da Liga Comunista dos Trabalhadores (LCT) – Bélgica

Assim como a gestão da pandemia foi criminosa desde o início (sem máscaras, sem contenção total, retomada do trabalho no meio da pandemia), a grande burguesia belga impõe o CST, o que é mais um passo nessa direção: expor os trabalhadores aos riscos da doença para garantir seus lucros. É mais um passo na propaganda que nos martelaram até agora: que a epidemia está superada e que a vida pode continuar como antes se você estiver vacinado ou se o teste for negativo.

Com o CST, não há necessidade de distanciamento e máscaras. É o reinado da liberdade individual e, sobretudo, a liberdade, exigida pelo capital, de circular novamente sem limites. Tudo isso é feito desafiando o princípio de precaução mais elementar; desafiando as últimas evidências médicas que mostram que se pode estar doente mesmo depois de ter tomado a dose dupla de vacina; e finalmente, desafiando os dados científicos relativos à possível transmissão por pessoas vacinadas, para não mencionar as pessoas testadas, mas não vacinadas que, se contraírem o vírus, o transmitem de forma mais virulenta.

Assim como a vacinação, que seria uma escolha pessoal, a lógica da liberdade individual também está em ação aqui: ter seu CST para lhe dar acesso aos seus direitos em nível individual. Para nós, se o direito à educação, ao lazer, à cultura ou ao esporte deve ser garantido para todos, ele deve ser implementado em uma estrutura coletiva, para que todos possam se beneficiar dele. Cabe ao Estado propor uma organização de cultura, esporte e educação adaptada à situação atual, fornecendo recursos adicionais. A oferta deve ser adaptada em tempos de pandemia: novas infraestruturas devem ser disponibilizadas, atividades ao ar livre devem ser oferecidas gratuitamente, grupos devem ser reduzidos e o pessoal de supervisão deve ser reforçado. Na educação, o ensino à distância é uma ferramenta, mas deve ser limitado. E, acima de tudo, é necessário um investimento maciço para equipar cada estudante. Caso contrário, as medidas são totalmente discriminatórias para os filhos dos trabalhadores mais pobres.

Por outro lado, a lógica individualista acaba dividindo a população, o que permite ao governo dizer que são os não vacinados os responsáveis pela epidemia e decidir demitir profissionais de saúde que não querem ser vacinados, o que, por sua vez, dá à administração um excelente argumento para demitir pessoal. Acreditamos que a principal razão de muitos trabalhadores serem contra a vacinação é que o governo demonstrou que não se preocupa com nossa saúde, mas sim, com os lucros dos empregadores e da indústria farmacêutica. O que é verdade, realmente o lucro é altíssimo, mas isso não quer dizer que não devemos ser vacinados. Como nossos camaradas italianos escreveram, a pandemia é de fato uma oportunidade para este setor: “assim como as guerras imperialistas são para a indústria de armas e os terremotos para a indústria da construção civil. Mas nosso objetivo imediato e prioritário é sobreviver à pandemia, porque somente sobrevivendo podemos lutar por um mundo sem patrões e sem lucros”. (2)

Uma prova dessa gestão desastrosa, uma fonte legítima de desconfiança foi o triste exemplo da vergonhosa decisão do Comitê de Concertação (CODECO), em dezembro, de fechar escolas uma semana antes dos feriados, deixando todos os outros setores abertos. Para nós, é claro que não são os cuidadores, o pessoal da saúde que não quer se vacinar que deve ser demitido, mas sim o governo, que gerenciou esta crise colocando suas vidas em risco, não fornecendo nenhum equipamento de proteção, recusando-se a contratar massivamente. E colocou a saúde de todos os trabalhadores em risco ao não pagar 100% dos salários em caso de quarentena e não organizar adequadamente os locais de trabalho; por deixar o vírus circular no transporte público; por se recusar a investir maciçamente no cuidado com a saúde.

Além disso, para a grande burguesia, o CST também é uma boa medida, pois representa mais um passo na gestão autoritária e liberticida da sociedade. De fato, o CST significa mais controle social, mais policiais (seguranças), controles nos cafés, nos museus, nos cinemas. E, é claro, ainda mais controle das manifestações, comícios e reuniões… E tudo isso em nome da “luta contra a pandemia”.

Convocatória para a manifestação “Pela Liberdade” em 21 de novembro de 2021

Todos juntos pela liberdade

Esta polarização entre os vacinados e os não vacinados permite à direita e à extrema direita canalizar o descontentamento de muitos trabalhadores. As manifestações de 21 de novembro e seguintes reuniram dezenas de milhares de pessoas. Mas embora muitos dos participantes tivessem exigências progressivas, todos estavam unidos pelo lado reacionário da “liberdade individual”, pelos anti-vax que não querem se vacinar, não querem usar máscaras e assim infectar outras pessoas. Esta é a liberdade da pequena burguesia, para administrar seus negócios com o menor número possível de restrições, não importando os riscos. Devemos advertir os trabalhadores que participaram destas manifestações que esta liberdade será utilizada amanhã pelas forças sociais reacionárias que organizam estes comícios para reprimir nossas ações e piquetes em nome da “liberdade para trabalhar”. E se toleram, por oportunismo, pessoas de origem estrangeira nas suas manifestações, amanhã as espancarão, porque reclamarão a “liberdade” de decidir quem pode ou não estar em “seu” território belga.

Uma campanha de vacinação para garantir os lucros

Embora a vacina seja uma arma muito importante na luta contra a COVID-19, ela não é a única solução, ela tem seus limites e deve ser combinada com medidas de precaução – isto é, distanciamento, uso de máscara e higiene das mãos, bem como testes massivos. Estes últimos, só são gratuitos sob certas condições, o que limita sua eficácia. Quanto ao rastreamento, é tão mal feito que sua organização deve ser completamente revista.

Nos países onde se realizou a campanha de vacinação massiva da população, foi feito pela burguesia para enviar os trabalhadores de volta aos seus postos de trabalho o mais rápido possível, não para proteger a população de forma eficaz.

Por sua vez, o setor farmacêutico está fazendo tudo o que pode para obter o máximo lucro com a produção de vacinas sem procurar erradicar a pandemia. Os lucros são ainda mais enormes porque a pesquisa foi financiada principalmente pelos Estados, ou seja, por nós.

Para qualquer epidemiologista sério, é óbvio que, para acabar com a pandemia e evitar as mutações do vírus, toda a população mundial deve ser vacinada simultaneamente. Mas aqui vemos um limite inerente do sistema capitalista. O capitalismo se globalizou para obter cada vez mais lucros, explorando cada vez mais trabalhadores e recursos naturais, e poluindo cada vez mais. Esta é sua lógica interna e profunda. E quando uma pandemia global chega e ameaça seu próprio funcionamento, ele é incapaz de administrar este desafio de saúde em escala global. Pois isto significaria também reduzir ou até mesmo cancelar as margens de lucro das vacinas para proporcioná-la para todos; suprimindo as patentes que proíbem outras empresas e estados de produzi-las. O resultado é que os países pobres dependem da caridade dos países ricos, ou só podem arcar com vacinas menos eficazes, um verdadeiro apartheid de vacinas. Além disso, para encontrar uma solução para esta pandemia, a burguesia também não deveria ter destruído completamente os sistemas de saúde do mundo, sob o pretexto de pagar as dívidas públicas.

Assim, se não distribuirmos vacinas aos Estados que não as podem produzir, se não organizarmos uma vacinação internacional coordenada, inevitavelmente surgirão novas variantes, que correm o risco de prolongar esta pandemia por muito tempo. Isto é claramente demonstrado pela variante ômicron. No momento, parece ser menos perigosa, mas também pode sofrer uma mutação em outra variante mais mortal. O fim das patentes de vacinas é, portanto, uma necessidade imediata, diante da gestão capitalista criminosa desta pandemia.

Acrescentemos que, nesta campanha de vacinação, inevitavelmente acompanhada de possíveis efeitos colaterais, não há nenhuma consideração pelo risco por parte do Estado. De fato, seguindo uma cláusula aceita pela UE, as consequências dos efeitos colaterais são de responsabilidade dos Estados e, portanto, são discutidas o mínimo possível, o que torna seu reconhecimento muito complicado. O que deveria ser feito é ter uma campanha de vacinação que leve em conta os riscos existentes ligados às vacinas. É necessário decidir com esses critérios qual vacina é adequada para quem; e, excluir os trabalhadores em risco, autorizando-os a permanecer em casa com 100% do salário garantido. Mas, claro, tal campanha de saúde pública, apesar de ser possível com os dados existentes, não interessa à burguesia.

Por uma luta eficaz contra a COVID-19

O que interessa à burguesia é o que mencionamos acima: a abertura máxima de todos os comércios e indústrias, para que possamos ir ao trabalho. Porque nosso trabalho é a única fonte de renda para esta classe parasitária.

Se é engraçado dizer CODECON, esse é um slogan populista, porque os ministros são tudo menos idiotas quando se trata de estar às ordens dos patrões. Assim, medidas que parecem incoerentes, como deixar negócios não essenciais abertos quando o setor cultural está sendo fechado, são de fato perfeitamente coerentes em sua lógica capitalista, pois o lucro é prioritário e não a cultura. Isto só é contraditório se assumirmos que nossos líderes estão fazendo todo o possível para combater esta pandemia e proteger nossas vidas, o que não é o caso.

Portanto, teremos que ir contra suas medidas que servem à economia capitalista e que proíbem sacrificar os lucros dos patrões, mas permitem o sacrifício da vida dos trabalhadores. É por isso que somos a favor da máxima redução de pessoal em locais de trabalho não essenciais, pela reorganização segura de todos os locais de trabalho por nossas organizações. Temos que impor as medidas que consideramos necessárias para nossa segurança! E a primeira medida a ser exigida é o pagamento de 100% do salário em caso de quarentena ou de impossibilidade de ir trabalhar devido ao fechamento das escolas ou creches.

Para lutar eficazmente contra a pandemia, somos mais do que nunca a favor de uma campanha internacional maciça de vacinação, liderada pelos trabalhadores e suas organizações. Uma campanha com informações claras e coerentes, e não uma série de mensagens contraditórias e apresentações incompreensíveis em PowerPoint!

Recomendamos que os trabalhadores e suas famílias mantenham as regras de segurança sanitária: a pandemia não está superada, não acabou! Vamos manter uma distância de segurança, e usar uma máscara em locais fechados e quando estivermos a menos de 1,5 metros de alguém que não conhecemos.

A austeridade e a destruição de nossos direitos sociais continuam

Lembremos que a crise econômica mundial, agravada pela pandemia, continua. É a contínua queda de lucros, reforçada pela pandemia a principal razão para esta política de “normalidade” que minimiza os riscos atuais da COVID-19.

Os governos continuam a impor medidas de austeridade cada vez mais severas. Mas isto passa quase despercebido, pois eles usam a situação da saúde para tapar qualquer discussão e informação sobre reformas governamentais. Um dos principais focos da declaração política do nosso governo federal de outubro de 2021 é a volta ao trabalho de trabalhadores com doenças de longo prazo (*). Eles vão atrás da “fraude” social, mas não do crime financeiro, e os patrões e os ricos que não pagam impostos podem descansar tranquilamente. As demissões em massa continuam e a exploração no trabalho só aumenta. E quando uma empresa como Logístics, que pertence ao grupo alemão Kuehne+Nagel e obteve lucros enormes, graças particularmente à pandemia, anuncia a demissão de quase 600 trabalhadores em Nivelles, nossas lideranças sindicais aceitam o processo de demissão coletiva e “acalmam” os valentes trabalhadores que assumiram a luta. O último acordo aceito pelos negociadores do sindicato confirma a demissão em massa e prevê até mesmo o fechamento do local em junho, em vez de outubro de 2022. No acordo, os trabalhadores receberam permissão “para mudar de emprego sem contrapartida”, mas nenhum emprego será salvo!

(*). N.T. Pacientes que estão fora do mercado de trabalho por doenças graves, como o câncer ou por incapacidade física ou mental.

Esta é a mesma estratégia defensiva e derrotista que nossos dirigentes sindicais adotam nas negociações da luta dos funcionários da Lidl, quando defendem as migalhas dadas pela direção, em vez de endurecer o movimento e estendê-lo para toda a Bélgica. Com os mesmos “desfiles” de sempre, eles pretendem lutar pela recuperação do poder de compra ou por nossas liberdades sindicais, sem apresentar sequer alguma reivindicação ofensiva, como a volta da inclusão do petróleo no índice de preços ou a supressão do serviço mínimo no transporte público em caso de greve (**).

Estamos cansados deste derrotismo. Estamos cansados de ser esmagados pelo aumento das contas de gás e eletricidade, cansados dos salários de miséria e da gestão criminosa da pandemia que muitas vezes nos leva a chorar a perda de nossos entes queridos. Não devemos mais esperar nada da estratégia de nossas lideranças sindicais, anquilosados na colaboração de classes. Nossas poderosas organizações sindicais devem estar a serviço de nossas lutas, não a serviço do compadrio com o Estado e os patrões. Precisamos começar a discutir uma estratégia alternativa para liderar nossas lutas, em cada um dos setores em que nos encontramos. E isto começa com a discussão entre nós, na base, e a eleição de comitês de luta. Pois não haverá solução para a crise econômica ou para a pandemia, sem a nossa organização coletiva, nossa mobilização em greves maciças que coloquemos patrões de joelhos. E a todos aqueles que esperam ganhar um pouco mais empurrando suavemente o curso atual de nossos dirigentes sindicais para a esquerda, dizemos que a colaboração de classe não pode produzir nada além da manutenção da exploração capitalista e da desmoralização dos trabalhadores. A única solução é uma ruptura total com esta política, e sua substituição por um sindicalismo de base combativo!

Por uma mobilização maciça que exige solidariedade na gestão da crise

Muitas manifestações estão ocorrendo na Europa contra as medidas restritivas. São muitas vezes muito progressistas, como as numerosas mobilizações na França neste verão. Precisamos construir sobre este movimento, que foi desencadeado pelo sentimento profundo de nossa classe de que o sistema capitalista e seus governos são a fonte de todos os nossos problemas. Mas as manifestações da direita nacionalista e da extrema-direita certamente não são o lugar para expressar nossas exigências, pois não reivindicam nenhuma solução coletiva: é cada um por si. Pelo contrário, devemos apoiar e desenvolver mobilizações de nossa classe que proponham soluções coletivas, como as dos cuidadores, contra uma gestão autoritária e capitalista da crise e por medidas solidárias e educativas.

A única solução é mobilizar, não contra a saúde pública, mas por uma gestão coletiva da pandemia, por um salário garantido, por um compromisso maciço com a saúde, pela abertura de centros de saúde COVID que aliviariam os hospitais e permitiriam o tratamento do resto da população, por uma ajuda maciça aos pequenos trabalhadores independentes que estão pagando um preço alto pela crise sanitária. E é somente através dessas mobilizações que podemos avançar em direção à derrocada do sistema capitalista.

O Covid Safe Ticket não é a solução! A pandemia ainda não acabou: proteja-se!

Por uma grande campanha internacional de vacinação!

Fim imediato das patentes! Nacionalização do setor farmacêutico!

Aumento geral de salários e benefícios! Voltar a incluir o petróleo no índice de preços!

Pela unidade dos trabalhadores em luta, dos coletivos de trabalhadores, das delegações sindicais combativas!

Abaixo a colaboração de classes de nossos dirigentes sindicais!

  1. Dados para o período de 28/11.2021 a 4/01/2022. Ver https://www.sciensano.be/
  2. https://litci.org/fr/italie-green-pass-et-vaccins-entre-propagande-et-folie

 

 

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares