O sindicato dos trabalhadores do Porto da Suécia realizará um bloqueio de todas as embarcações que comercializam com Israel, evitando assim a entrada e saída de produtos de procedência ou com destino ao país hebreu.

O bloqueio acontecerá entre os dias 15 a 24 de junho e se estenderá a todos os portos do país.
 
Os trabalhadores suecos são os primeiros a responder ao chamado internacional feito a partir de diversas esferas humanitárias que apelam aos trabalhadores e sindicatos de transportes e portos de todo o mundo a rechaçar o carregamento e descarregamento de barcos e aviões israelenses.
 
O chamado é uma resposta aos seguidos atentados terroristas cometidos pelo estado sionista contra o povo palestino e organizações de ações humanitárias que os apóiam, cujo último e dramático episódio foi o assassinato a sangue frio de mais de uma dezena de ativistas que integravam a Frota da Liberdade.
 
O sindicato dos trabalhadores do porto da Suécia fez também um chamado para que os responsáveis pelo massacre desta semana sejam entregues a justiça e condenados diante de um tribunal internacional por crimes contra a humanidade.
 
O bloqueio atingirá principalmente os navios da frota israelense e navios suecos com produtos industrializados destinados a exportação ao país nazisionista. O bloqueio entrará em vigor no próximo dia 15 de junho e se estenderá até meia noite de 24 de junho.
 
 
Tradução: George Bezerra