A menos de um dia da manifestação de 15N convocada pelo grupo Archipiélago, a ditadura castrista intensifica não só a campanha de calúnias contra os organizadores e o próprio protesto, mas também as prisões, desaparecimentos e todo tipo de intimidação. 

Por: Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT-QI)

Desde sexta-feira, Daniela Rojo, uma das moderadoras do Archipiélago, está desaparecida. Recentemente, soube-se que ela foi presa pela Segurança do Estado, mas o local de sua reclusão não é conhecido. Da mesma forma, Carlos Díaz González, integrante do grupo na cidade de Cienfuegos, foi detido pela polícia política do regime. Nápoles Capote, moderador da plataforma em Las Tunas, sofreu o mesmo destino, sendo libertado horas depois.

Daniela Rojo, 25 anos.

Por volta das 15h00 em Cuba, Yunior Aguilera anunciou que se manifestaria sozinho em Havana. Mas agora sua casa está cercada por carros de polícia. O mesmo acontece com outros coordenadores do archipiélago, como Fernando Almeyda, Luz Escobar, David Martínez, Miroly García e Yahima Díaz, segundo denúncia da plataforma nas redes sociais. Existem dezenas de outros casos como estes, que mostram que a ditadura cubana está disposta a impedir a manifestação do 15N. *

Yunior Garcia, porta-voz do archipiélago

A LIT-QI reitera o apoio às manifestações de 15N e expressamos toda nossa solidariedade aos presos políticos. O povo cubano tem todo o direito de se manifestar, se defender da repressão e se levantar contra um governo e um regime que, além de atacar a níveis desesperados suas condições de vida, lhes nega as mais elementares liberdades democráticas.

A chamada esquerda, na América Latina e no mundo, deve cercar o processo cubano de solidariedade internacionalista. Que cada lutador e lutador na ilha saiba que eles não estão sozinhos. A repressão em curso em Cuba é inaceitável. Todo apoio a todos os que sofrem com a repressão do regime cubano, presos em suas casas, assediados em seus empregos ou demitidos, hostilizados nas ruas, com suas famílias ameaçadas e sofrendo a intimidação permanente do governo, seus espiões e grupos paramilitares. Esta tem sido a política da ditadura castrista, para redobrar a imposição do medo entre o povo.

Assim como apoiamos as legítimas manifestações do 11J, damos total apoio ao direito de manifestação do 15N.

Pelo direito de se manifestar no dia 15 de novembro!

Liberdade aos presos políticos em Cuba!

Nenhuma interferência imperialista na ilha!

Abaixo a ditadura capitalista de Díaz-Canel!

* Essas informações são da manhã deste domingo, 14, e serão atualizadas em algumas horas.