Em 21 de agosto de 1940, León Trotsky, dirigente da Revolução Russa de 1917, morria golpeado por Ramón Mercader, um agente da GPU, a polícia política da União Soviética ,sob as ordens do ditador Joseph Stalin. Terminava, assim, a mais encarniçada perseguição da burocracia do Estado soviético ao principal dirigente opositor revolucionário.

Por: PCT-El Salvador

Trotsky foi um dos dois dirigentes indiscutíveis da Revolução Russa, primeira revolução operária triunfante que expropriou a burguesia e iniciou um caminho nos seus primeiros cinco anos para o socialismo, até que Joseph Stalin burocratizou o processo e fez retroceder os avanços de tal revolução. Inclusive assassinando todos os membros do comitê central do partido bolchevique que dirigiram essa revolução que continua sendo referencia para os revolucionários no mundo.

40 anos do assassinato de Concepción Burgos

Em 30 de agosto de 1980 Concepción Burgos Granados era assassinado. Dirigente do Partido Socialista de Trabalhadores, em 25 de agosto do mesmo ano, foi capturado quando se dirigia para um ônibus, no desvio para o povoado El Espino, Usulután. Foi levado violentamente e conduzido em um carro com rumo desconhecido por agentes à paisana da extinta e assassina Guarda Nacional de El Salvador. No dia 30 foram encontrados seus restos mortais que tinham sido enterrados como desconhecidos.

O companheiro Concepción Burgos foi fundador e dirigente do Partido Socialista dos Trabalhadores de El Salvador, além de dirigente da Confederação Unitária de Trabalhadores – CUTS, dirigente nacional do Sindicato Industrial de Doces e Massas Alimentícias – SIPDA, operário da fábrica Confeitaria Americana e reconhecido dirigente trotskista.

O fio vermelho do trotskismo em El Salvador

Trotsky foi a principal voz contra o desvio stalinista que terminou por jogar no lixo o processo revolucionário na Rússia Soviética, dirigiu o reagrupamento dos revolucionários na oposição de esquerda para tentar realizar o que chamou de Revolução Política na URSS.

Sua principal contribuição teórica e programática foi a teoria da Revolução Permanente que defendia que, na época do imperialismo, seria impossível resolver totalmente qualquer tarefa democrática dentro do sistema capitalista. Que a única forma de completar essas tarefas (a independência nacional, o problema da terra, fim do machismo, racismo, xenofobia, lgbtfobia, etc) seria a classe operária tomar o poder político, instaurar a ditadura do proletariado e iniciar o caminho para o socialismo. Esta tarefa só seria possível avançando a nível internacional e para manter-se devia desenvolver revoluções triunfantes nos países mais desenvolvidos. E o Programa de Transição, em contraposição à teoria do socialismo em um só país de Stalin que se caracterizava por postular a possibilidade de êxito e continuidade de uma revolução isolada, isto é, a possibilidade de que uma revolução socialista sobrevivesse e se consolidasse inclusive em meio a um mundo imerso em relações sociais capitalistas. Junto a isto, sua política de coexistência pacífica com o imperialismo e a consolidação de alianças com setores burgueses conhecidas como frentes populares. Entretanto, seu principal legado às futuras gerações foi organizar a Quarta Internacional.

Trotskismo em El Salvador 

Concepción Burgos e o Partido Socialista dos Trabalhadores, foram parte desse legado. Em pleno processo revolucionário em El Salvador organizaram um pequeno núcleo que lutou em todos os campos: no movimento sindical, na construção partidária, no movimento de massas, nas milícias operárias, no exílio, na luta política internacional. As posições do PST foram contrárias às negociações com a burguesia, à conformação de frentes únicas com a social democracia, à luta isolada do movimento guerrilheiro. Foram coerentes com as políticas da Quarta Internacional , acompanharam a brigada Simón Bolívar que lutou na revolução sandinista, porém esse processo foi interrompido pelo turbilhão da guerra civil, vários companheiros como Concepción Burgos foram assassinados, outros foram exilados, outros se incorporaram às forças da revolução salvadorenha.

A Plataforma da Classe Trabalhadora retoma este legado, em épocas obscuras onde a traição da FMLN é evidente, e a confusão política da Classe Trabalhadora é palpável. A PCT é a continuidade desse fio vermelho que o stalinismo não pôde romper ao assassinar Trotsky há 80 anos e que as forças repressivas não puderam romper em El Salvador ao assassinar Concepción Burgos há 40 anos.

“A vida é bela. Que as futuras gerações a livrem de todo mal, opressão e violência e a desfrutem plenamente”

 León Trotsky, 1940

San Salvador 24 de agosto de 2020.

Aqueles que morrem pela vida não podem ser chamados de mortos!

Viva Trotsky!

Viva Concepción Burgos!

Viva a Quarta Internacional!

Viva a LITQI!

Tradução: Lilian Enck