COMPARTILHAR

O primeiro dia de atividades da caravana da CSP-Conlutas em solidariedade aos migrantes e refugiados venezuelanos, nesta segunda-feira (11), foi extenso, com ações de divulgação da iniciativa, visita a abrigo e uma plenária sindical e popular para debater o tema da campanha “todo ser humano é legal”.

Por: CSP Conlutas

Pela manhã, o dirigente da CSP-Conlutas Nacional Atnágoras Lopes, e o membro descompatibilizado da direção estadual, Lourival Gomes, fizeram visitas a duas rádios locais como parte da divulgação da caravana.

Na parte da tarde, a Central visitou o abrigo Consolada, coordenado pela Pastoral Social, que conta com cerca de 200 pessoas, em sua maioria venezuelanos. As cartilhas da Central sobre o tema foram distribuídas e recebidas com bastante interesse pelos moradores do abrigo. Muitos já começaram a ler o material e tiravam dúvidas com os dirigentes presentes.

Em barracas, e em condições de improviso, os venezuelanos estão em abrigos Roraima como refúgio da crise que assola a Venezuela.

A maioria é controlada por militares, o que é questionado por movimentos sociais e pelos próprios venezuelanos, que reclamam da rigidez e de que por trás dessa ação com ares de “humanitária”, na realidade, tem a intenção de militarização e controle dessas pessoas.

Durante a visita da Central, cerca de 100 pessoas ouviram atentas as falas dos dirigentes que levavam apoio aos refugiados diante dessa difícil realidade enfrentada por eles, que só querem trabalho, ter um lugar digno para morar e comida para alimentar suas famílias.

Os representantes da Caravana aproveitaram o momento em que estiveram no abrigo e conversaram com os venezuelanos sobre seus direitos e como se organizar para cobrar isso dos governos. Foi um momento de troca de informações e de primeiro contato com os migrantes.

Leia também:  O Brasil segue precisando organizar a classe trabalhadora para a luta, a Greve Geral e uma rebelião

Plenária sindical e popular

No final da tarde, a Central realizou, no Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Roraima, uma plenária sindical e popular que contou com a presença de representações de entidades e movimentos, como a CPT (Comissão Pastoral da Terra) que apoia a caravana e a publicação da cartilha, a Oposição dos Correios, Luta Popular, Anel, Sintracomo (construção civil), Movimento Mulheres em Luta, representantes das pastorais sociais, Sindicato dos Servidores de Cantá, base do Sinasefe, Sinosep, CUT, entre outras entidades.

Atnágoras dividiu com os presentes o objetivo da caravana assim como o calendário de atividades , que ocorrerão até sexta-feira (15). “O nosso objetivo é de pautar, nacionalmente, o que acontece em Roraima com os refugiados, tentar ajudar nossos irmãos e minimizar seu sofrimento”, salientou.

Para Lourival, a importância da ida da Central até Roraima reforça o caráter classista e internacionalista da entidade. “Convidamos a todos aqui presentes a se somarem a essas ações que ocorrerão durante toda a semana e a fortalecerem nossa caravana para mostrar a realidade dos refugiados aqui em Roraima, pois é neste estado em que estão os trabalhadores migrantes mais precarizados e precisando no nosso apoio”, apontou.

O calendário de luta segue durante toda a semana. Você pode conferir tudo no evento do face.

Artigo publicado originalmente em: http://cspconlutas.org.br/2018/06/caravana-da-csp-conlutas-visita-abrigo-em-roraima-e-debate-realidade-dos-refugiados-venezuelanos/