COMPARTILHAR

Repudio as agressões de Trump e seus governos vassalos!

A caravana de migrantes que chegou a sete mil hondurenhos que se dirigem para os Estados Unidos, através do território mexicano, que fogem da pobreza, da miséria e da violência produzidas pelo governo ditatorial do Juan Orlando Hernández (JOH) provocou um fenômeno de migração novo e de grande escala na região da América Central.

Isso gerou uma comoção na opinião pública, colocou em crise os governos de Honduras, Guatemala e El Salvador e expôs o papel de “filtro policial” que o imperialismo ianque dita ao governo do México. Porque todos eles, obedientes, cerraram fileiras para fazer mais difícil o caminho dos migrantes, com o objetivo de favorecer os interesses da política migratória de seu patrão Trump, que joga sua sorte no resultado das próximas eleições legislativas contra seus rivais do Partido Democrata.

O aumento da migração de centro-americanos para os Estados Unidos é o reflexo evidente da intensidade da política de colonização que o imperialismo estadunidense impôs aos países da região. Um exemplo nítido disso é o Tratado do Triângulo Norte e os TLC`s que aprofundaram as medidas de privatização de empresas e serviços estatais, a flexibilização trabalhista, a entrega dos recursos naturais para as concessionárias imperialistas e a precarização das condições de pobreza da classe operária.

Além de outros setores excluídos, como mulheres, juventude, camponeses e grupos étnicos; que ante a desesperada situação de sobrevivência a que estão expostos, tomam a dura decisão de abandonar suas famílias para empreender uma jornada cheia de perigos e privações.

A situação de pobreza e repressão em Honduras tornou-se intolerável. De acordo com um relatório da USAID, o desemprego entre os jovens trabalhadores (entre 15 e 30 anos) é de 30%. O FOSDEH (Fórum Social da Dívida Externa Honduras) apontou, em 2017, que 68,8% da população hondurenha estavam na pobreza, ou seja, 6 milhões dos 8,8 milhões que vivem no país. Esse número está aumentando muito rápido, já que em 2016 era de 65%.

Leia também:  Sobre o atentado às Torres Gêmeas

O governo dos EUA e os organismos de dominação imperialista (FMI, OEA) têm uma grande responsabilidade nesta crise social. O imperialismo dos EUA intervém em Honduras desde a década de 1890, quando as empresas americanas de banana foram instaladas, e com elas a presença regular do exército e das bases militares. O governo dos EUA tem realizado intervenções militares para derrubar governos ou frear o crescimento das lutas sociais em Honduras, o que fez abertamente em 1907 e 1911.

Também fez isso em 2016, quando o Departamento de Estado apoiou o assassinato de Berta Cáceres, dirigente do movimento indígena e ambientalista do COPINH (Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras). Atualmente existem muitas empresas transnacionais que operam no país, principalmente no setor industrial de produção de alimentos (Pepsico, Dole, Sara Lee, Nestlé) e têxtil (Adidas, Levi Strauss, American Apparel, Eagles, Nike, Polo etc). Sabe-se que essas empresas estão por trás do golpe e dos grupos paramilitares que matam lutadores sociais como Berta.

O governo da JOH, em cumplicidade com Zelaya e o partido LIBRE, que preferiram negociar uma saída eleitoral para evitar ser esmagados pelas mobilizações, estão aprofundando a transformação do país em uma colônia dos EUA e implementação de planos FMI: o Plano de Honduras 20/20 destinado a criar zonas francas para o investimento estrangeiro, e o novo Código Tributário de JOH em vigor desde o ano passado, que é totalmente regressivo, transforma o país em um paraíso fiscal para o capital e as empresas estrangeiras, enquanto sufoca a população trabalhadora do país.

Apesar do crescimento do setor de maquiladoras, os salários são miseráveis ​​e as exportações desses bens industriais de baixo custo não compensam as importações necessárias para a sobrevivência. Honduras tem um déficit da balança comercial com os EUA de US $ 737 milhões por ano (FOSDEH).

Há um período de grande instabilidade na América Central marcado por um aumento significativo nas mobilizações com métodos insurrecionais contra os planos neoliberais e os governos autoritários, como aconteceu na luta pela queda dos governos da JOH em Honduras e Daniel Ortega na Nicarágua, Jinmy Morales na Guatemala e contra o plano fiscal defendido por Carlos Alvarado na Costa Rica. Esta é uma resposta das massas contra o relançamento das medidas de saque que o imperialismo impôs em colaboração direta com esses governos vassalos.

Leia também:  O êxodo dos venezuelanos e a xenofobia

O governo Trump agora ameaça cortar toda a ajuda externa à Guatemala, Honduras e El Salvador e de não ratificar o novo Tratado de Livre Comércio com o México, além de “fechar a fronteira sul” do país por todos os meios, incluindo a mobilização da Guarda Nacional e o Exército. O governo Trump está aumentando a criminalização dos imigrantes, dentro e fora dos Estados Unidos, incentiva a xenofobia e o nacionalismo da “supremacia branca” para dividir a classe trabalhadora e esconder as verdadeiras causas da pobreza e crescente superexploração dos os trabalhadores americanos.

Primeiro ele tentou substituir o programa DACA, depois separou brutalmente mais de 3.000 crianças migrantes sem documentos de seus pais, causando mobilizações massivas em todo o país. Hoje, 497 crianças ainda estão separadas de suas famílias. As ameaças contra a caravana de migrantes e as novas instalações anti-imigrantes nos EUA são outra tentativa desse governo odioso de atacar nossa classe. Nós devemos nos unir para enfrentá-lo.

É provável que essa medida da classe trabalhadora hondurenha se espalhe nos países do chamado “Triângulo do Norte”. No final de outubro, uma Caravana de Migrantes sairá de El Salvador para se encontrar com a Caravana de Migrantes de Honduras e grupos de migrantes começam a se organizar na Guatemala.

Há uma necessidade urgente de que o movimento operário e as organizações sociais e populares pressionem através de atos e manifestações aos governos Trump, Peña Nieto, que já co-governa “em transição” com o eleito de Lopez Obrador e também a Jimmy Morales, Sanchez Ceren e Juan Orlando Hernández para exigir o fim da repressão e das violações e abusos, e demandar o respeito irrestrito aos direitos humanos dos migrantes que se mobilizam na caravana, além da livre passagem deles para os Estados Unidos.

Leia também:  Responder às ameaças nucleares de Trump com mobilização

É preciso também organizar uma intensa campanha de solidariedade com a Caravana dos Migrantes, a fim de acompanhá-los em sua luta pela busca de um futuro melhor para suas famílias.

Asilo e boas vindas a todos os migrantes da Caravana! Abram as fronteiras agora!

Os sindicatos e os movimentos sociais devem organizar ações de solidariedade com a Caravana Migrante dos dois lados da fronteira!

Eles não são criminosos, são nossos irmãos, trabalhadores internacionais!

A classe operária não tem fronteiras! Ninguém é ilegal! Não à criminalização da migração!

Abolição da Migra / ICE[1]! Libertação de todos os migrantes detidos em centros de detenção!

DACA[2] e possibilidade de cidadania para os imigrantes que querem isso!

Fora o imperialismo estadunidense de Honduras, México e América Central!

Julgamento e punição aos autores materiais e intelectuais do assassinato de Berta Cáceres!

Assinam:

Partido Socialista dos Trabalhadores – Honduras

Plataforma da Classe Trabalhadora – El Salvador

Partido dos Trabalhadores – Costa Rica

A Voz dos Trabalhadores- EUA

Corrente Operária – EUA

Corrente Socialista dos Trabalhadores – México

[1] Polícia de Imigração

[2] Daca é a sigla em inglês do programa Ação Diferida para Chegadas na Infância