Em 30 de julho, começará uma conferência virtual da América Latina e dos EUA[1], convocada pelos partidos da FIT-U e organizações com eles s relacionadas do continente americano. Terá três painéis (“Crise mundial e rebelião no império”, “O movimento operário latino-americano diante da crise capitalista e da pandemia” e “A situação latino-americana”) e um encerramento da conferência. O evento, promovido como “aberto” ao debate, devido ao seu formato, tem pouco desse conteúdo. Sob esse verdadeiro caráter, o convite recebido pela LIT-QI não contemplava a possibilidade de termos espaço para apresentar nossas diferenças e acordos participando do debate.

Por: SI LIT / PSTU (Argentina)

A pandemia frustrou a iniciativa de uma conferência em Buenos Aires, em 1º de maio, para tratar da situação latino-americana através do documento “Chamado para uma conferência latino-americana: Um novo cenário na América Latina e a necessidade da saída socialista e revolucionária”[2]. A Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional havia sido convidada a participar quando os companheiros da Izquierda Socialista informaram verbalmente nossos camaradas do PSTU argentino, mas essa conferência foi suspensa.

Agora é retomada virtualmente. Alguns dias atrás, recebemos um novo convite. A partir da direção da LIT-QI, respondemos com uma nota, expressando nosso interesse em participar dos debates, propondo uma conversa para fazer algumas propostas e ver a forma de participação (veja o quadro).

Propusemos um critério onde a LIT tivesse uma participação com espaço semelhante às quatro organizações que convocavam, mesmo como convidados, que a LIT tivesse uma participação igualitária às quatro organizações, levando em consideração o desenvolvimento e a tradição de nossa corrente internacional. Ao mesmo tempo, sob o critério de discutir fraternalmente as diferenças para avançar, propusemos a possibilidade de acrescentar um quarto painel: “Os revolucionários e sua atuação no Parlamento e a democracia burguesa”.

Tivemos três reuniões e nossas propostas foram rejeitadas. A oferta foi uma participação de 5 minutos em dois dos painéis e duas participações de 4 minutos no dia final. Para se ter uma ideia, toda organização convidada, inclusive nacional, terá um tempo igual, 5 minutos no painel e outros 4 minutos na plenária, um tempo suficiente apenas para uma saudação, mas que não permite nenhuma abordagem política séria. Em outras palavras, a LIT-QI, organização internacional que na América Latina está presente em mais de uma dúzia de países, também nos Estados Unidos, sendo em vários a principal ou uma das principais correntes trotskistas, teria, segundo os organizadores, quase o mesmo tempo que um pequeno grupo convidado de algum país. Uma proposta claramente absurda. Solicitamos, para um mínimo de seriedade, que eles apresentassem sua proposta por escrito, mas não aceitaram. E nem falar do painel que solicitamos.

Nesse contexto, recusamos o convite. Consideramos que uma participação tão limitada impede qualquer debate sério. E que, na verdade, não tinha interesse dos convocantes em tornar nossa organização parte das discussões e os resultados da Conferência.

O que é essa conferência?

Uma das razões que eles nos deram, sobre o funcionamento da conferência, é que eles tinham um documento de acordo, e nós não. E que por isso, os únicos oradores nos painéis tinham que ser os convocantes. De fato, temos diferenças importantes com esse documento. Nossa participação tinha exatamente o objetivo de iniciar um debate fraterno sobre elas, como deve ser entre organizações que reivindicam o socialismo revolucionário.

Nossa ideia de um painel sobre a atuação dos revolucionários no Parlamento se baseia justamente no fato de que a principal proposta contida em sua Convocatória inicial é a de colocar em prática em todos os países experiências como a FIT-U argentino, além da reivindicação do desempenho parlamentar de seus deputados (proposta e reivindicação com a quais não concordamos).

É evidente que não é exatamente uma “Conferência Aberta”, mas sim um evento que parte de um acordo prévio fechado, e onde a possibilidade de debate está muito limitada antecipadamente, apenas aos organizadores, e não existe diretamente para o resto. Em outras palavras, é uma conferência cujo objetivo é consagrar o que foi previamente acordado.

Nosso conceito de discussão aberta é outro. Portanto, fomos obrigados a não aceitar o convite, mantendo nossa predisposição para desenvolver as atividades de unidade de ação que possam advir do evento e esperando que, no futuro, tenhamos a possibilidade de desenvolver esses e outros debates que a realidade mundial e vigência do programa revolucionário colocam na ordem do dia.

 

Quadro

Companheiros da FIT-U:

Através dos camaradas da IS, recebemos uma proposta de vocês, a mesa nacional da FIT-U, para que a LIT-QI faça parte da conferência que  estão convocando, apresentada aos nossos companheiros do PSTU da Argentina.

Também recebemos uma solicitação de que apresentássemos uma proposta político-organizativa sobre como participar do evento.

Em primeiro lugar, queremos agradecer sinceramente pelo convite e pedir desculpas pelo atraso na resposta.

Em segundo lugar, informar do nosso interesse em participar de um evento que os organizadores apresentam como aberto ao debate e troca de posições dos diferentes setores participantes, bem como um espaço para discutir eventuais ações unitárias, como algumas que estamos desenvolvendo juntos e/ou com outros setores em várias ocasiões.

Quanto às condições de nossa participação, não temos condições de fazer uma proposta acabada, pois não temos conhecimento dos detalhes organizacionais do evento (tempo dos expositores em cada mesa, informes na conferência, número de intervenções, etc.). Nesse sentido, podemos apenas propor um critério geral, no qual acreditamos que nossa participação deve estar nas mesmas condições que o resto dos partidos da FIT-U. Acreditamos que é o mais lógico: embora não sejamos convocantes nem parte da FIT-U, a LIT-QI é uma organização com um peso relativamente importante em nível internacional e, principalmente, no continente.

Isso significaria nos integrar aos expositores das três mesas propostas, discutir um espaço semelhante na própria conferência e estabelecer as intervenções em cada uma dessas instâncias com os mesmos critérios.

Por outro lado, gostaríamos de propor incorporar para o debate uma quarta mesa sob o tema “a ação dos revolucionários perante o parlamento e a democracia burguesa”, que acreditamos que seria muito útil para avançar em alguns debates e diferenças.

Bem, camaradas, mais uma vez agradecendo o seu convite, estamos aguardando uma resposta para ver se temos condições para avançar em nossa participação.

Saudações revolucionárias, Secretariado Internacional da LIT-QI

[1] Ver convocatória: http://www.izquierdasocialista.org.ar/2020/index.php/blog/comunicados-de-prensa/item/17827-el-frente-de-izquierda-unidad-convoca-a-la-conferencia-virtual-latinoamericana-y-de-los-ee-uu

[2] Ver: http://www.izquierdasocialista.org.ar/2020/index.php/blog/para-la-web/item/16531-convocatoria-a-conferencia-latinoamericana-un-nuevo-escenario-en-latinoamerica-y-la-necesidad-de-una-salida-socialista-y-revolucionaria

Tradução: Lena Souza