O 150º aniversário da Comuna de Paris deu origem a muitos estudos, livros, comentários e entusiasmo do público. Muito mais do que os cem anos da Revolução Russa. 

Por: Michael Lenoir

A Comuna ainda em voga

Esta diferença marcante é devida a um conjunto de fatores, pelo menos três. Ao contrário da Revolução Bolchevique, cujo terrível rescaldo estalinista induziu um desgosto, muitas vezes confuso, mas bastante generalizado, a Comuna foi esmagada em um massacre impiedoso, e assim manteve o status de fato histórico transitório, mas grandioso, não manchado por um processo degenerativo. Além disso, a revolução parisiense de 1871 manteve uma simpatia bastante geral à esquerda e ainda é celebrada no movimento trabalhista, enquanto dentro do movimento trabalhista a Revolução de Outubro sempre foi de natureza divisória. Como nos últimos anos, após o colapso do chamado “comunismo” no Leste, as correntes libertárias estão em ascensão – pelo menos em termos de influência ideológica – em vários países, é o aspecto não-autoritário, até mesmo libertário, da Comuna que muitas vezes é agitado como uma bandeira. Houve muitos movimentos revolucionários – embora de diferentes convicções – que retomaram a terminologia comunalista, de Xangai a Chiapas, de Oaxaca a Rojava. Também são comuns as lutas sociais atuais que se baseiam parcial ou totalmente nela, desde Notre-Dame des Landes até uma fração dos Coletes Amarelos. Acrescentemos a isso as correntes de pensamento crítico que se apoderam dela, seguindo o exemplo de Murray Bookchin, teórico do municipalismo libertário. E estes são apenas alguns exemplos.

Mas se não faltam motivos para ser apaixonado pela Comuna de Paris, mesmo para maravilhar-se com seu espírito de liberdade, igualdade e solidariedade e sua espontaneidade, não podemos deixar de lado seu trágico desfecho, que merece nossos pensamentos. Não é de forma alguma insultuoso para a Comuna olhar para suas fraquezas e erros, para tentar compreender as razões de sua terrível derrota. Esta abordagem é essencial para tirar lições atualizadas deste grandioso mas efêmero experimento histórico, a fim de, talvez, assegurar que as insurreições dos trabalhadores e do povo não sejam interrompidas por uma abominável carnificina, e finalmente levar, ao contrário, a vitórias duradouras e cumulativas. Para entender o que era realmente a Comuna, vamos primeiro tentar entender quais eram as forças sociais e políticas presentes no campo da Comuna.

Trotsky, a Comuna e o partido que faltava

Os bolcheviques têm estudado muito a Comuna, a fim de aprender com ela para, desta vez, vencer contra os donos e os opressores. Para os marxistas-revolucionários – ao contrário dos anarquistas – é um dado adquirido que o que faltava na Comuna de Paris era um partido revolucionário. Em seu prefácio ao livro de C. Talès de 1921, Trotsky explica que as massas trabalhadoras precisam de um partido para vencer, mesmo que sejam elas as que fazem a revolução. Por quê?

A Comuna nos mostra o heroísmo das massas trabalhadoras, sua capacidade de união em um único bloco, seu dom para o auto-sacrifício em nome do futuro, mas ao mesmo tempo nos mostra a incapacidade das massas de escolher seu caminho, sua indecisão na direção do movimento, sua inclinação fatal para parar após os primeiros sucessos, permitindo assim que o inimigo se recupere, restabeleça sua posição[1].

Um pouco mais adiante, Trotsky especifica em poucas palavras o que ele quer dizer com partido revolucionário:

O partido dos trabalhadores – o verdadeiro – não é uma máquina para manobras parlamentares, é a experiência acumulada e organizada do proletariado. É somente com a ajuda do partido, que conta com toda a história de seu passado, que prevê teoricamente as formas de desenvolvimento, todas as etapas e extrai delas a fórmula da ação necessária, que o proletariado se liberta da necessidade de sempre recomeçar sua história: suas hesitações, sua falta de decisão, seus erros. O proletariado de Paris não teve tal partido[2]

Um partido, de certa forma, para que o proletariado deixe de ser condenado a desempenhar o papel de Sísifo! Um partido para a ação, mas também um partido-memória. Se a existência de tal partido revolucionário realmente estava faltando em 1871 – a Associação Internacional dos Trabalhadores, ou AIT, ou Primeira Internacional, fundada em Londres em 1864, não preenchia estes critérios, voltarei a isso – também vou notar que a ausência de tal partido está intimamente ligada às fraquezas que levaram a Comuna ao seu esmagamento. Mas vale a pena ir mais longe na reflexão. Isto é possível porque a história da Comuna tem avançado consideravelmente desde 1921. Nesta perspectiva, vou tentar trazer elementos de resposta a duas perguntas:

– Por que um partido revolucionário como o desejado por Trotsky não existiu em 1871? Existem causas objetivas e sobretudo subjetivas para isso, algumas das quais são materiais e outras ideológicas, ambas entrelaçadas, como veremos.

– De que forma, de fato, um verdadeiro partido revolucionário dos trabalhadores teria tido mais capacidade para evitar o desfecho fatal da Comuna? Observaremos, a este respeito, que algumas das causas que impediram o surgimento de tal partido também desempenharam um papel direto no enfraquecimento da Comuna e no fortalecimento da contrarrevolução de Versalhes.

Sobre as condições para o surgimento de um partido revolucionário proletário em 1871

O que eu gostaria de enfatizar aqui é que as condições históricas ainda não permitiam que o proletariado parisiense tivesse um partido revolucionário suficientemente estabelecido e politicamente maduro para enfrentar a situação de forma eficaz. Por condições históricas, refiro-me tanto às condições objetivas, ligadas ao estado das estruturas sociais, em particular estruturas de classe; quanto às condições subjetivas, às percepções e à consciência dos atores da Comuna e à sua estruturação em “partidos”. E ainda assim, basta olhar para a história da França e de Paris desde o final do século XVIII para perceber que a capital francesa tinha experimentado mais revoluções do que outras, e assim tinha mais lições a aprender com elas do que em qualquer outro lugar do mundo… E ainda assim, não havia nenhum partido capaz de sintetizar as lições. A AIT havia se desenvolvido muito na França e em Paris durante os últimos anos do Império, participando das lutas dos trabalhadores em todo o país. Mas a AIT, um agrupamento amplo de trabalhadores, não possuía absolutamente o grau de coerência e centralização de um partido revolucionário, conforme descrito por Trotsky. A AIT era muito jovem e o debate avançou passo a passo.

Paris, capital das revoluções

Vamos primeiro colocar a Comuna no quadro do longo prazo, para lembrar que ela ocorreu após uma série de choques revolucionárias. Estes sacudiram a França, e particularmente Paris, desde a Revolução Francesa (1789-1794), e incluíram em particular as revoluções conhecidas como “liberais” em julho de 1830, e “democráticas” em 1848. Em cada uma dessas revoluções, o povo – e em particular seu componente de classe trabalhadora – derramou seu sangue, mas no final seu sacrifício fortaleceu outra classe, ou uma fração das classes dominantes, impulsionando-a para o topo do poder político. Mas o solo revolucionário era fértil e entre estas grandes datas, numerosos tumultos e tentativas de insurreição também pontuaram a vida política do século XIX.

Após o esmagamento dos trabalhadores parisienses em junho de 1848, as classes dominantes confiaram as chaves do país ao príncipe Louis-Napoleon Bonaparte, sobrinho do antigo imperador francês. Do golpe de Estado realizado por este último em 2 de dezembro de 1851, a França vivia sob o jugo do Segundo Império. O regime, muito autoritário, permitiu que a classe capitalista prosperasse, fazendo negócios suntuosos. O país estava se industrializando rapidamente e dando um salto quântico na indústria pesada, especialmente no campo do transporte ferroviário. A especulação financeira também estava em ascensão. A partir do final dos anos 1860, o império foi dito “liberal”: era um pouco menos autoritário, mas também estava se afundando em dificuldades econômicas e políticas. Para escapar disso, o Imperador embarcou em um voo bélico – que se revelaria fatal – contra a Prússia. A guerra, declarada em 19 de julho de 1870, rapidamente se tornou muito ruim para o regime: em 2 de setembro, o exército francês sofreu uma derrota esmagadora em Sedan, e o Imperador foi feito prisioneiro pelo exército prussiano. Assim que a notícia desta humilhação imperial e nacional se espalhou, o povo tomou as ruas para derrubar o regime, particularmente em Lyon, Marselha e Paris, onde a república foi declarada sem dificuldades. A revolução de 4 de setembro foi impulsionada por uma aspiração global à república, claramente na maioria das grandes cidades, e se baseou em considerações “democráticas”… Mas “república” e “democracia” não significavam a mesma coisa para o pequeno povo de Paris e para os indivíduos que a revolta popular era para trazê-los ao governo conhecido como a “Defesa Nacional”. Em poucos meses, este hiato se tornará dolorosamente óbvio.

Proletários e Comunardos

Os historiadores concordam com o papel essencial desempenhado pela classe trabalhadora parisiense no surgimento e animação da Comuna. No entanto, tem havido um viés de interpretação que há muito consistiu em aplicar mais ou menos as estruturas e características do proletariado do século 20 ao de 1871. Nos últimos cinquenta anos, graças em particular ao trabalho de Jacques Rougerie, tornou-se mais claro que esta era uma importante fonte de erro. Este grande historiador da Comuna chegou ao ponto de escrever:

O comunardo não tem nada do proletário moderno. Assim como a Comuna está enraizada na tradição, na memória da Grande Revolução, assim também no parisiense do povo de 1871, ainda há muitas características, pouco rejuvenescidas, dos distantes sem-culotes, notadamente a exigência de participação direta no exercício do poder, ou um furioso anticlericalismo[3].  

Nada do proletariado moderno? J. Rougerie provavelmente vai longe demais: a base da Comuna foi, acima de tudo, a classe trabalhadora, e o operário e a operária parisiense em 1871 já eram proletários: não possuíam os meios de produção e tinham que vender sua força de trabalho. Mas eram proletários menos concentrados do que o proletariado do século XX, e muitas vezes possuíam qualificações, que estavam ameaçadas pela mecanização capitalista. Em 1871, o proletariado de 1871 certamente havia crescido muito desde sua fase puramente embrionária de 1793, e também havia mudado qualitativamente. Mas a fase de sua gestação preservava para ela uma parte de suas características originais. O processo ininterrupto de proletarização da sociedade foi massivo depois disso, levando a transformações qualitativas da classe. A classe havia mudado muito no século 20, quando se desenvolveu a historiografia ligada ao movimento operário (especialmente ao PCF).

Dos 79 membros eleitos da Comuna, havia cerca de trinta trabalhadores e “artesãos”, um número aproximado dada a natureza estrita desta classificação para a época[4]. De modo mais geral, entre os comunardos, certamente havia proletários vendendo sua força de trabalho aos donos de fábricas capitalistas. No entanto mais numerosos eram os trabalhadores qualificados, mesmo altamente qualificados – alguns dos quais se tinham tornado pequenos chefes artesanais, e cuja profissão era exercida em pequenas unidades produtivas. Os comunardos também tinham ocupações não manuais (escriturários, vendedores, contadores, professores, advogados, jornalistas, médicos, acadêmicos…). Muitas dessas profissões, para homens e mulheres, desapareceram desde então. Mas no que diz respeito à classe trabalhadora, e para ilustrar meu ponto limitando-me aos funcionários eleitos da Comuna, citarei alguns exemplos dessas profissões manuais e da classe trabalhadora, muitas vezes altamente qualificadas. Eugène Varlin, um operário de elite, não era o único encadernador do Conselho da Comuna: era também o ofício de Adolphe Clémence. Joseph Oudet e Gabriel Ranvier eram pintores de porcelana, assim como Alfred Puget, que mais tarde se tornou contador. Eugène Pottier foi designer de tecidos, antes de se tornar poeta e escrever a letra da Internationale. Henry Champy era um pequeno ourives; Antoine Demay, um estatuário; e o marxista húngaro Leo Frankel, um ourives e relojoeiro. Albert Theisz, o carteiro geral da Comuna, era um caçador de bronze.

Os funcionários eleitos eram bastante numerosos entre os sapateiros: Emile Clément, Simon Dereure, Jacques Durand, Alexis Trinquet, ou Charles Ledroit, que mais tarde se tornou fotógrafo, enquanto Auguste Serraillier, enviado de Marx para a AIT, era um sapateiro, e Fortuné Henry, um coureiro. Louis Chalain, um ativista da AIT, era pedreiro. Charles Amouroux era um chapeleiro e Clovis Dupont era um fabricante de cestas. Benjamin Barré trabalhou como carpinteiro, Hubert Géresme como operário fabricante de cadeiras, enquanto o ativista internacional Jean-Louis Pindy era carpinteiro. Outro quadro da AIT, Benoit Malon, era um tintureiro, como Victor Clément. O Conselho Comunitário também tinha incluído metalúrgicos de várias qualificações: Emile Duval, um fundador de ferro; Charles Ostyn, torneiro; ou os militantes da AIT Camille Langevin, um mecânico e torneiro de metal, e Adolphe Assi, um mecânico, também da AIT, que tinha sido contratado como um mecânico-ajustador na Schneider em Le Creusot, e tinha desempenhado um papel importante nas greves de 1870 desta grande empresa.

A Guarda Nacional parisiense e sua Federação, com seus órgãos eleitos e revogáveis, incluindo o Comitê Central, eram mais trabalhadores em sua composição social do que o Conselho da Comuna, que proporcionalmente incluía mais intelectuais, alguns dos quais (jornalistas, professores, advogados, acadêmicos…) podiam mais facilmente se dar a conhecer do que trabalhadores manuais. Mas isto não põe em questão a forte presença global do trabalho braçal, que estava em grande parte na base popular da Comuna, e fortemente representada em seu Conselho. Se os trabalhos manuais estão muito presentes na Comuna, deve-se notar também que uma grande parte deles é reservada às mulheres, que ganhavam em média a metade do que os homens. Estes ofícios não aparecem, porque mesmo sob a Comuna, o mundo das instituições políticas permanecia um mundo de homens, as mulheres não votavam. E não parecem ser as muitas profissões reservadas às mulheres, e muitas vezes desaparecidas desde então. Elas aparecem nas atas dos Conselhos de Guerra que seguem a Comuna: encontramos em particular empregadas de roupa, lavadeiras, passadeiras, moedores, bordadeiras, costureiras, colchas, calças, coletes, fabricantes de luvas, costureiras, passadores, fabricantes de papelão …[5] . Muitos ofícios manuais, portanto, às vezes altamente especializados, muitas vezes qualificados e praticados na maioria dos casos em pequenas unidades de produção, muitas vezes em casa.

Em qualquer caso, o erro metodológico de adornar o povo comunardo com características sociológicas, ou modos de pensar específicos do proletariado francês que vive meio século ou mesmo um século depois, leva a uma incapacidade de compreender a incapacidade da classe trabalhadora daquela época de criar um partido como o descrito por Trotsky.

A classe trabalhadora de Paris sob a Comuna

Para ver isto mais claramente, devemos nos aprofundar nos dados demográficos. Paris era então uma cidade de cerca de dois milhões de habitantes. A maioria da população era formada por pessoas da classe trabalhadora que levavam uma vida muito dura. Estas categorias estão altamente concentradas nos distritos norte e leste da capital, enquanto os burgueses residem no oeste (e muitos fugiram desde o cerco pelo exército prussiano em setembro de 1870). As classes trabalhadoras incluíam os desempregados (vivendo da mendicidade, prostituição ou pequenos furtos); trabalhadores de fábricas e oficinas; trabalhadores de escritórios; pequenos funcionários públicos; e artesãos e pequenos comerciantes.

A população operária representava uma grande parte da população ativa: havia quase 500.000 operários et operárias[6]. Cinco anos antes, em 1866, 57% dos parisienses viviam de atividades industriais, e 12% de atividades comerciais. Naquela época, havia 455.400 operários et operárias, 120.600 empregados (em lojas e serviços), 140.000 patrões e 100.000 empregadas domésticas[7]. Entre os trabalhadores manuais, metade trabalhava na indústria do vestuário e artesanato, e um décimo na construção civil[8]. Se a população operária era majoritária em Paris, sua distribuição na economia e a estrutura produtiva eram muito diferentes do que prevaleceria a partir do final do século XIX e especialmente no século XX. Deixe J. Rougerie descrever este mundo desaparecido para nós:

A pequena indústria reina suprema: mais de 60% dos “patrões” trabalham sozinhos ou com um único trabalhador. Mas ao lado das pequenas lojas, uma série de pequenas e médias oficinas, havia fábricas sólidas com 50, 100, às vezes 500 trabalhadores: ourivesarias, fabricantes de bronze e fabricantes de objetos metálicos. Duas fábricas de locomotivas, Cail em Grenelle e Gouin em Batignolles, têm mais de mil trabalhadores. As oficinas do Chemin de fer du Nord em La Chapelle são uma fortaleza metalúrgica desde 1848. Empresários de todos os tamanhos fizeram a força de trabalho dispersa da indústria de vestuário, na maioria mulheres, trabalhar em casa; empresas de vestuário e lojas de departamento competiam ferozmente com o artesão independente […] Na parte inferior da escada, havia o trabalhador diurno com trabalho incerto, e na parte superior, o trabalhador artístico. Há o trabalhador oriundo de uma família enraizada em Paris, e o trabalhador recém-imigrado. Cada ofício tem sua própria cor e seu próprio lugar […] Esta espantosa diversidade também faz uma unidade surpreendente; uma “nacionalidade” da classe trabalhadora parisiense foi forjada[9].

É claro que entre as categorias de trabalhadores, o que predomina em 1871 é o operário ou a operária que trabalha em uma oficina ou em uma unidade de produção muito pequena, e não em uma grande fábrica. Na França e em Paris, é claro que já existiam empresas grandes, mas a força de trabalho estava principalmente dispersa em empresas pequenas, muitas vezes muito pequenas. O quadro geral ainda é o de um capitalismo muito competitivo, os monopólios chegarão mais tarde.

Consequências ideológicas da sociologia de Paris em 1871

Este ponto está longe de ser meramente descritivo: esta realidade influencia necessariamente a consciência da maioria dos proletários parisienses e sua percepção do que é o capitalismo, e a representação que eles têm de seus principais inimigos. O que os trabalhadores rejeitam é o poder político daqueles de cima e das pessoas corruptas que chafurdam nele ou andam em torno dele; estes são os “abutres”, como são chamados os aproveitadores da escassez, ou os proprietários de edifícios (os sanguessugas a quem você tem que pagar seu aluguel). Sem mencionar os padres e a hierarquia eclesiástica, quase unanimemente abominados pelos comunardos. A rejeição dos patrões como tais não é muito difundida, ao contrário do que aconteceu em 1936, por exemplo. Isto porque a grande maioria da classe trabalhadora parisiense ainda está próxima do (pequeno) patrão, que trabalha ao seu lado. A maioria desses proletários vê o patrão como um artesão, muitas vezes trabalhador e competente, uma pessoa com quem se tem uma relação pessoal, e não como um explorador capitalista. A ligação com a exploração capitalista e a extorsão de mais-valia não é óbvia em um contexto onde a maioria dos pequenos patrões também são colegas de trabalho de seus trabalhadores. As relações capitalistas de produção ainda estão em grande parte em sua infância. A situação é diferente nas fábricas mais desenvolvidas. Mas, mais uma vez, estes são poucos em número. Apesar de tudo, o proletariado em certos setores, embora muito disperso entre numerosas pequenas unidades de produção, conseguiu se organizar durante ações coletivas de grande escala: este é o caso dos encadernadores, que lideraram grandes greves em 1864 e 1865, depois dos trabalhadores do bronze em 1866, e isto deu à Internacional a oportunidade de se construir e de mostrar sua utilidade. Mas basicamente, esta estruturação particular do proletariado crescente, ainda muito atomizado, influencia necessariamente seu nível de consciência e sua compreensão do mundo capitalista. E isto tem consequências ideológicas e políticas imediatas e mais amplas. Este é particularmente o caso da questão da propriedade dos meios de produção: muitos trabalhadores não preveem a expropriação de seu próprio patrão, muitas vezes um artesão próximo a eles. E isto, mesmo que seja justo considerar que a Comuna está situada em uma oposição objetiva ao capital… O que este último compreendeu muito bem.

Note-se que a expropriação do capital não é apresentada como uma palavra de ordem pela Comuna. Dois fatos ilustram isto: a atitude dos Comunardos em relação ao Banque de France (ao qual voltarei mais tarde), e a reativação de oficinas abandonadas por seus proprietários. Quando decretou a requisição de oficinas abandonadas, a Comuna optou por entregá-las às associações de trabalhadores que seriam formadas para este fim. Esta não foi certamente uma simples medida circunstancial: o decreto previa que “em caso de retorno do proprietário, a associação de trabalhadores manteria a oficina. Mas como um sinal do compromisso da política comunarda, o patrão se beneficiaria de uma indenização[10]. Apesar da presença de uma maioria de eleitos que se autodenominam “socialistas” – o termo “comunista” é muito menos reivindicado – no Conselho da Comuna, o socialismo dos comunardos é muito vago, e seu conteúdo é debatido. “Uma ideia foi unanimemente compartilhada pelos Comunardos: o trabalho deve receber sua justa recompensa. Mas a partir daí, muitos caminhos foram trilhados, até mesmo divergentes. Também é claro que as medidas propriamente socialistas foram limitadas[11]. A ideia geral que prevalece é a de distribuir o valor produzido entre os produtores, e não em benefício dos exploradores. Mas quanto às medidas a serem tomadas, ao grau de confronto com a propriedade capitalista, prevalece a indefinição e a indecisão. A Comuna não tem um plano claro para atacar – pelo menos não diretamente ou não imediatamente – a propriedade privada dos meios de produção. Enquanto a expropriação da burguesia e a propriedade coletiva dos meios de produção deveriam se tornar um elemento programático chave dos partidos socialistas, e mais tarde comunistas, isto não foi de modo algum unânime entre a comuna parisiense.

Mais exatamente, os Comunardos falam, certamente, da cooperação do trabalho. Mas se houver a propriedade coletiva das ferramentas do trabalho, a forma anticapitalista que conhecemos mais tarde – a expropriação dos donos do capital por um governo proletário (ou um que afirma ser tal) – não está na agenda. De fato, em 1871, havia uma grande confusão sobre a estrutura da propriedade e a estrutura da produção a ser implantada. As lutas dos últimos anos ainda não nos permitiram ir longe no debate programático e estratégico. O fato é que na época, o marxismo ainda estava longe de ter ocupado seu lugar pleno no movimento operário, enquanto o anarquismo ainda estava nos estágios iniciais de sua expansão em Paris. Isto nos leva diretamente à seguinte pergunta: quem eram esses comunardos? O que sabemos sobre seu pensamento político, suas aspirações? Como eles estão organizados, em quais “partidos”?

Ideias que reúnem o acampamento comunal

Quando a Comuna foi criada, não havia um “partido” na Comuna no sentido de que a palavra “partido” é usada hoje. A partir de setembro de 1870, os ativistas da AIT e outros tentaram federar os “comitês de vigilância” no Comitê Central dos vinte arrondissements (bairros da capital). Isto poderia ser comparado a um embrião de partido, destinado a reunir revolucionários socialistas em toda Paris, ao ritmo de dois delegados por arrondissement. Mas aqui novamente, esta delimitação permanece muito ampla. A auto-organização nos distritos, além dos clubes, lugares de debates intensos e diários presentes em toda a cidade (mas mais particularmente nos distritos da classe trabalhadora), permite que os militantes se dirijam às massas trabalhadoras e façam com que as pessoas mais avançadas atuem em conjunto. Mas as decantações políticas levam tempo.

Havia três correntes ideológicas principais entre os comunardos: a corrente Proudhonista, a corrente Blanquista e a corrente neo-Jacobina. Cada corrente tem suas próprias características particulares, mas as divergências e contradições são aparentes tanto entre estes grupos quanto dentro deles. Durante os últimos anos do Império, durante o governo de Defesa Nacional, e durante o curto período de 18 de março a 28 de maio, houve decantações que afetaram todas as sensibilidades. Da mesma forma que é necessário compreender que a classe operária parisiense de 1871 era muito diferente da do século XX, é necessário compreender que estas correntes políticas, que agora desapareceram, não podem ser consideradas precursoras das que surgiram mais tarde (socialistas, anarquistas, socialdemocratas, comunistas, etc.). Em 1871, os debates programáticos e estratégicos mal haviam começado. De fato, a queda da Comuna de Paris contribuirá em grande parte para desenvolver o debate dentro do movimento internacional dos trabalhadores.

Vários pontos importantes eram consensuais entre as correntes impulsionadas para a animação da Comuna: uma rejeição categórica da reação monárquica e imperial e uma detestação dos aristocratas, como havia sido o caso 80 anos antes; uma exigência visceral republicana, apesar de uma definição bastante vaga desta república, mas que pode ser resumida por expressões emanadas do próprio movimento comunal: “república democrática e social”, “república universal”; uma determinação feroz de acabar com o clero e sua influência na sociedade. Vamos agora dizer algumas palavras sobre as três correntes políticas mencionadas acima.

Proudhonismo

Proudhon afirma sua oposição ao Estado e ao princípio de autoridade, que ele rejeita tanto em uma monarquia como nos jacobinos. Para ele, a revolução deve se basear na ideia de reciprocidade. Como promotor de ideias mutualistas, ele era contrário a todo estatismo[12]. Querendo basear a ordem política na liberdade e não na autoridade, ele defendeu ardentemente as ideias de descentralização e federação, um princípio contratual que deveria reger tanto as relações econômicas quanto as escolhas políticas.

As ideias de Proudhon (que morreu em 1865) ainda eram muito influentes entre a classe trabalhadora parisiense em 1871. Mesmo que Proudhon e seus seguidores denunciassem muitos dos males do sistema, em sua percepção, o mercado era considerado justo por natureza, e nem a troca de mercadorias[13] nem o sistema salarial eram questionados. Sua crítica permaneceu parcial, não percebendo o processo de exploração inerente ao capitalismo, enraizado na extorsão de mais-valia. Ao contrário, eles acreditavam que todos os males da sociedade da época estavam ligados a fenômenos fora do mercado: intervenção política, estabelecimento de grandes empresas e monopólios, etc. Para esta corrente, um mercado perfeitamente competitivo deveria permitir uma coexistência harmoniosa entre mestres, jornaleiros e aprendizes – um pouco como num passado mítico – a fim de remover a ameaça de ruína para esta pequena economia de mercado colocada pela concorrência da grande indústria. Pode-se ver nisto uma falta de compreensão do fato de que a concorrência capitalista, mais cedo ou mais tarde, leva ao monopólio, através da concentração e centralização. Entendemos também que esta visão do mundo estava em harmonia com os pensamentos do ainda predominante mundo dos trabalhadores e artesãos. Entendemos também que a questão da expropriação de capital não se colocou para os partidários desta visão.

Blanquismo

Em muitos pontos, os Blanquistas, que não eram muito teóricos, eram o oposto dos Proudhonistas. Blanqui (apelidado de “o Trancado” por causa de seus longos anos de prisão) e seus seguidores foram inspirados pelos anos 1792-1793, os Hebertistas e a comuna revolucionária da época. Eles pensaram acima de tudo em termos de ação, tomada do poder, estratégia e táticas para alcançá-la. O motim e o golpe de força eram centrais. A insurreição era vista como uma arte. Isto implicou na construção de um aparelho disciplinado, composto de militantes altamente dedicados, prontos para tudo. A construção de uma ferramenta política é de primordial importância aqui, e visa uma tomada de poder com o objetivo de estabelecer uma ditadura revolucionária. Para Blanqui e seus apoiadores, o povo deve ser educado, mas isso levará algum tempo. É por isso que uma ditadura revolucionária deve ser estabelecida, e governar nesta perspectiva. Mas que ditadura revolucionária? Para Engels:

Como Blanqui concebe cada revolução como um golpe de Estado, segue-se, por necessidade, que uma ditadura deve ser estabelecida após seu triunfo, quero dizer não uma ditadura da classe revolucionária – a ditadura do proletariado – mas a ditadura do punhado daqueles que fizeram o golpe de Estado principal e que já estavam, antes, organizados sob a ditadura de um ou vários homens[14].

Supõe-se possíveis derivações autoritárias no caso de uma tomada do poder bem sucedida pelos Blanquistas. Outra característica do Blanquismo: um patriotismo ardente. Foi isso que os levou por um tempo, junto com outros, a colocar sua oposição ao governo de Defesa Nacional em segredo, enquanto os prussianos se aproximavam de Paris e depois o cerco a ele. Para H. Lefèbvre:

O puro patriotismo de Blanqui e dos Blanquistas faz deles uma ligação entre as outras tendências. Estas tendências […] têm um programa mais ou menos elaborado. Neste aspecto, eles divergem: mas todos eles compartilham, durante o cerco, o patriotismo apaixonado e não racional dos Blanquistas[15].

Neo-Jacobinismo

Esta foi a mais influente e numerosa corrente entre os funcionários eleitos da Comuna, encabeçada pela figura emblemática de Charles Delescluze. Menos proletários em sua composição do que a corrente proletária, ou mesmo o Blanquismo parcialmente proletário dos últimos anos, os neo-jacobinos eram frequentemente conhecidos através de seus intelectuais, advogados, jornalistas e acadêmicos. O veterano de quarenta e oito Delescluze havia estudado direito e começado sua vida como jurista antes de se tornar jornalista. O controverso Félix Pyat era jornalista, enquanto Pascal Grousset era médico. Como o movimento Blanquista, o movimento Neo-Jacobino foi muito inspirado pela Revolução Francesa, mas se inspirou mais no pensamento e na ação de Robespierre do que no de Hébert. Para os neo-jacobinos, a Revolução iniciada em 1789 não estava terminada, e era necessário levá-la a uma conclusão, pois desde a contrarrevolução de 1794, além do curto interlúdio de 1848 a 1851, a república havia sido suplantada pela reação, realista e imperial. O lugar ocupado pela corrente neo-jacobina se deveu em grande parte a sua oposição, que lhes havia custado muito, ao golpe de Estado de 1851 e a sua oposição ao Império, que havia conquistado um altíssimo respeito de suas figuras de liderança.

A palavra de ordem de “república” unia os neo-jacobinos, é claro, e muito mais além. Mas que república? De acordo com D. Gluckstein, “para alguns, foi a ‘República, uma e indivisível’, como enunciado por Robespierre, que enfatizou a necessidade de um Estado forte para fazer avançar a sociedade. Mas Jacobins mais a esquerda preferiram o slogan “República Democrática e Social[16].

A Internacional

A Internacional e sua federação parisiense não representam a rigor uma quarta corrente, pois a AIT reúne lutadores militantes, homens e mulheres, unidos em uma perspectiva socialista. A AIT participa de greves e lutas políticas enquanto faz esforços para desenvolver um programa, mas o socialismo em questão não está qualitativamente melhor definido dentro dele do que em toda a Comuna. Desde sua criação em 1864, a AIT se desenvolveu muito nos últimos anos do Império, mas continua sendo um agrupamento político muito amplo. Além de sua particularidade de ser internacional, o que a fez gozar de uma ampla estima popular, gerando ao mesmo tempo muitas ilusões sobre seu poder e riqueza, foi objeto de repressão específica pelos poderes reacionários (primeiro o Império, depois a reação de Versalhes). Mas a AIT reuniu ativistas com convicções diversas. Alguns internacionais também foram Blanquistas. Foi o caso de Emile Duval, que deveria desempenhar um importante papel militar (desde a insurreição de 18 de março até sua morte em 3 de abril), mesmo que o contato com a Internacional o afastasse dos métodos excessivamente militaristas dos Blanquistas. Muitos membros da AIT foram muito influenciados por Proudhon, a começar por Charles Beslay, a quem eu voltarei.

Entre os funcionários eleitos da Comuna, poucos membros da AIT eram marxistas. Podemos citar Auguste Serraillier, que vivia exilado em Londres desde o golpe de Estado de 1851, onde se tornou um homem de confiança de Marx, sobre cuja proposta a AIT o havia enviado à Bélgica como secretário-responsável, antes de ingressar em Paris em 6 de setembro de 1870. Leo Frankel, que foi primeiro nomeado membro da Comissão de Trabalho e Intercâmbio e depois delegado da Comuna nesta função, foi também um dos apoiadores de Marx na AIT. Fora do Conselho da Comuna, devemos também mencionar o caso de Elisabeth Dmitrieff, de apenas 20 anos na época da Comuna, uma revolucionária internacionalista russa que já havia participado da fundação de uma seção da AIT na Suíça, antes de ir ver Marx em Londres, e depois se comprometer totalmente com a Comuna de Paris, notadamente com a criação da União de Mulheres para a Defesa de Paris e o apoio dos feridos.

Estas são as correntes ideológicas e políticas que irão compartilhar o peso da influência sobre o curso da experiência da Comuna. Para concluir, digamos o seguinte. Primeiro, mesmo que os neo-jacobinos fossem os mais numerosos, nenhuma das correntes políticas e ideológicas apresentadas acima tinha uma clara ascendência sobre as outras. Em segundo lugar, todos eles são radicalmente republicanos, mas as concepções da república são diferentes. Em terceiro lugar, mesmo quando estas correntes falam de socialismo, a visão deste último permanece bastante vaga; em particular, a questão da atitude em relação à propriedade privada não é clara entre as forças comunais. Em quarto lugar, os Blanquistas, às vezes marcados por uma tendência autoritária, têm experiência militar e estão acostumados ao confronto violento com as autoridades, mas estão em minoria e são bastante vagos sobre o projeto socialista e sobre propostas políticas gerais. Em quinto lugar, os prouhonistas, desconfiados por princípio do Estado, estão muito preocupados com as questões econômicas e sociais, mas tépidos quanto às iniciativas a serem tomadas em nível político e militar. Sexto, os neo-jacobinos são muito marcados pela experiência da grande Revolução Francesa, mas isto os leva muitas vezes a usar conceitos e palavras de ordem politicamente ultrapassados. Após esta breve visão geral, podemos ver que os pontos fortes de algumas destas correntes são contrabalançados pelos pontos fracos de outras, e vice-versa.

18 de março: que acompanhamento?

Uma “insurreição” espontânea?

É claro que a “subida ao céu” em 18 de março não foi uma trovoada num céu sereno. Depois de um cerco de cerca de cinco meses pelos exércitos prussianos, e de um pouco mais de tempo gasto para descobrir a realidade do governo de “Defesa Nacional” criado a partir de 4 de setembro de 1870 – o povo de Paris entendeu gradualmente que apesar de seu nome, era um governo de capitulação e traição nacional – toda uma série de fatores preparou o terreno para 18 de março. Mencionemos apenas alguns fatos, nas semanas anteriores, para tentar medir o estado de exasperação em que as classes trabalhadoras de Paris foram levadas, empurrando-as assim para a “insurreição”. Após meses de privação, fome e frio – mas um sofrimento muito desigualmente distribuído entre as classes sociais – a ocupação de parte de Paris, de 1 a 3 de março, pelas tropas alemãs e seu desfile nos Campos Elísios, desejado por Bismarck e aceito por Thiers, foi um verdadeiro insulto aos sacrifícios feitos e despertou a raiva do povo. Mas as medidas então tomadas pelo governo e pela Assembleia Nacional ultrarreacionária (conhecida como a Assembleia “Rural”) eleita em 8 de fevereiro só puderam trazer a situação a seu auge. Primeiro, a decisão, após o armistício, de “descapitalizar Paris” ao decidir transferir o parlamento de Bordeaux para Versalhes, a capital dos reis, cidade-símbolo odiada pelo povo republicano, levou-o a acreditar que reacionários, monarquistas e outros, estavam ameaçando a república. Então, as classes trabalhadoras de Paris, já na miséria, são violentamente atacadas na bolsa: enquanto o desemprego é geral, o salário de 1,50 francos por dia pago aos membros da Guarda Nacional lhes permite segurar um pouco melhor a eles e suas famílias; o governo decide remover este salário para todos aqueles que não reconhece como indigentes e incapazes de trabalhar: tal ataque afeta tanto os artesãos pequeno-burgueses como os comerciantes como o mundo operário. Além disso, embora o pagamento das letras de câmbio etc. tivesse sido adiados desde o início da guerra, e os negócios não tivessem sido retomados, aqui é que esta Assembleia dos ricos vota que todos os prazos prorrogados por sete meses devem ser pagos em 48 horas, o que só poderia levar à falência de centenas de milhares de pequenas empresas. Os aluguéis que estavam pendentes há meses também teriam que ser pagos aos proprietários, cujos interesses egoístas estavam fielmente representados no governo e no parlamento. Sem mencionar a dívida de guerra de cinco bilhões de francos de ouro que a França teria de pagar à Alemanha e que os donos queriam que o povo pagasse…

Finalmente, há a questão dos canhões. Estes tinham sido pagos por assinatura do povo parisiense durante o cerco, mas Thiers os queriam recuperar. Além disso, ele queria pôr um fim ao duplo poder representado pelo Comitê Central da Guarda Nacional e infligir uma grande derrota ao povo revoltado de Paris. Era necessário, portanto, desarmá-lo. Mas a Guarda Nacional está cada vez mais desconfiada: algumas dessas armas haviam sido deixadas pelo governo na região de Paris que os exércitos de Bismarck deveriam ocupar, e a Guarda Nacional havia se mobilizado para colocá-las em um lugar seguro, nas alturas do norte e do leste de Paris, em Montmartre em particular. Mas para muitos federados[17], todo esse cheirava de traição… Além disso, Thiers já havia falhado em pegar algumas dessas armas. Entretanto, ele tomou a decisão no Conselho de Ministros de 17 de março de enviar, a partir da noite seguinte, uma tropa de cerca de 15.000 “lignards” (soldados do exército regular), não apenas para recuperar as armas, em Montmartre (4.000 homens) e em outros lugares (6.000 homens enviados a Belleville, Buttes Chaumont, Villette)[18], mas também com o objetivo de prender uma série de “líderes” revolucionários.

Em certo sentido, a “insurreição” de 18 de março não foi completamente espontânea: a raiva popular em sua origem foi provocada diretamente pela vontade das classes possuidoras, seu governo e seu parlamento de desarmar o que chamaram de “o canalha” do povo e de impor uma grande derrota, e esta agressão militar veio depois das provocações lembradas acima. Mas o curso deste dia foi verdadeiramente espontâneo, pois ninguém havia planejado esta insurreição. Nem o Comitê Central da Guarda Nacional, nem a AIT, nem qualquer uma das correntes políticas apresentadas acima. Os atores e atrizes de 18 de março eram de fato as massas populares, a começar pelas mulheres de Montmartre que confrontaram as tropas e as impediram de recuperar os canhões. Foi o longo e imprevisto atraso das carruagens para evacuar os canhões e sobretudo a mobilização das mulheres de Montmartre, seus apelos à confraternização, que levou os soldados do exército regular a se recusarem a obedecer às ordens do general Lecomte, que queria atirar sobre a multidão. A execução do General Lecomte e seu colega Clément-Thomas, que foi reconhecido e preso não muito longe, também foram eventos espontâneos, que aconteceram inclusive contra a vontade dos guardas nacionais presentes. Enquanto a calorosa confraternização entre o povo e os soldados se aprofundava em Montmartre, a revolta se espalhava, e cenas de confraternização se repetiam em outros lugares de Paris. Gradualmente, as massas populares inundaram as ruas e avenidas de Paris, enquanto barricadas foram erguidas em todos os lugares. Uma coisa levando a outra, as massas convergiram para o Hôtel de Ville. Ao amanhecer e na manhã daquele 18 de março, a maioria dos militantes (com exceção de Duval, Eudes, Ranvier, Henry, Louise Michel e talvez alguns outros)[19], estavam ausentes. Eles só estarão a disposição no final da manhã, e especialmente à tarde, bem depois dos momentos decisivos. Temos que acrescentar que a reunião do Comitê Central da Guarda Nacional havia terminado muito tarde na noite do dia 17 para o dia 18.

Foi, portanto, uma revolta improvisada. Estamos maravilhados com o poder desta espontaneidade. Nada foi planejado. Ninguém imaginava que este dia, 18 de março, seria o ponto de partida de uma revolução. O material explosivo havia se acumulado em Paris. A centelha veio do ataque armado de Thiers e seus seguidores contra o povo de Paris, uma condição necessária para colocar este último de joelhos e impor-lhe as medidas reacionárias decididas. Um Thiers com pressa de resolver sua conta com a “ralé” parisiense antes da instalação em Versalhes da Assembleia dos “Rurais”.

A fuga do executivo para Versalhes. O que fazer neste momento?

A partir da tarde do dia 18, Thiers ordenou a seus ministros e todos os seus funcionários públicos que deixassem Paris e se mudassem para Versalhes. O poder executivo nacional fez assim a escolha de desertar a capital. O aparelho estatal burguês, abandonado, desmorona em Paris… para ser reconstituído em outro lugar. Tomar o Hôtel de Ville foi, portanto, uma brincadeira de criança para o Comitê Central da Guarda Nacional naquele dia. Mas o que fazer então, uma vez que você esteja dentro? É aqui que o poder da espontaneidade mostra seus limites. Especialmente porque a pergunta era tudo menos simples.

Muito rapidamente, levantou-se a questão da legitimidade do poder. Qual é então a legitimidade do Comitê Central da Guarda Nacional, e para fazer o quê? A resposta esmagadora foi que a Comuna de Paris deveria ser eleita muito rapidamente, e então todo o poder deveria ser entregue a seu Conselho eleito. Sim, mas enquanto isso… o que fazer com o inimigo? Na reunião do Comitê Central na manhã do dia 19, certamente se ouviu: “Devemos marchar sobre Versalhes, dispersar a Assembleia e chamar toda a França a tomar uma posição[20]. Mas a opinião predominante na época era mais esta: “Temos um mandato apenas para garantir os direitos de Paris. Se a província pensa como nós, que ela nos imite[21]. No Comitê Central, os blanquistas chamam para perseguir Thiers até Versalhes (incluindo Emile Eudes e Emile Duval, que em breve desempenharão ambos um papel importante no setor militar). Mas estes estavam em minoria. Em geral, vários comentaristas insistem que a imprudência prevalece, principalmente entre o povo de Paris. Segundo C. Talès, no dia seguinte a 18 de março, havia a preocupação com um retorno ofensivo do exército, “em todos os lugares em que as barricadas subiam; as pessoas os olhavam com satisfação confiante, pensavam que ‘se voltassem, seriam bem recebidos’[22]. De sua parte, Lissagaray observa que no domingo 19, “um sol de primavera ria dos parisienses[23]. Isto é compreensível: após meses de grande sofrimento e uma sumptuosa vitória histórica no dia anterior, por que não aproveitar o bom tempo?

Este contexto de ingenuidade otimista amplamente compartilhada levou a grande maioria do Comitê Central da Guarda Nacional a negligenciar uma questão crucial: o que Thiers pretendia fazer em Versalhes? Não havia um grande perigo em lhe dar a oportunidade de preparar a contraofensiva ali? Isto é o que um punhado de revolucionários adivinhou com razão, mas estavam muito isolados para extrair a decisão de uma ofensiva armada contra Thiers e Versailles. O Comitê Central opta assim por não aproveitar a vantagem militar e concentrar-se na transmissão, o mais rápido possível, dos poderes que tem em suas mãos para uma assembleia comunal eleita. Façamos uma pausa por um momento nesta escolha, que tem sido comentada com frequência e que, além disso, levou Marx a formular suas críticas àqueles que ele chama de “vencedores demasiado generosos de 18 de março[24]:

Em sua relutância em aceitar a guerra civil iniciada por Thiers com sua tentativa de invasão noturna em Montmartre, o Comitê Central cometeu, desta vez, uma falha decisiva ao não marchar de uma só vez em Versalhes, então totalmente indefeso, pondo assim um fim às parcelas de Thiers e seu povo rural. Em vez disso, o partido da ordem foi novamente autorizado a tentar sua força nas urnas, no dia 26 de março, dia da eleição da Comuna[25].

De fato, apesar do desejo do Comitê Central de prosseguir imediatamente com as eleições municipais, as conversações com os deputados republicanos e prefeitos dos distritos de Paris (que poderiam organizar legalmente uma eleição) arrastaram-se, forçando o Comitê Central a adiar a votação. Foi somente em 28 de março que a Comuna foi proclamada, e só chegou ao trabalho no dia 29. Dez dias foram assim perdidos para o equilíbrio militar de poder, dez dias que Thiers pôde usar, enquanto durante a debandada burguesa de 18 de março para Versalhes, o aparelho militar dos donos, em farrapos, estava minado pela desobediência.

Que argumentos a favor de uma ofensiva imediata dos federados contra os Thiers e os Versaillais poderiam ter prevalecido? Em primeiro lugar, o fato de que o próprio Thiers nunca havia escondido o fato de que ele queria que o poder político caísse de volta em Versalhes para melhor contra-atacar e tomar Paris esmagando os insurgentes. Ele havia sugerido o mesmo plano em 1848, mas ele não foi seguido então. Mas este velho burguês teve a previsão: em 18 de março, ele rapidamente compreendeu que isto era o que podia e devia fazer, daí sua ordem de transferir imediatamente o executivo e toda a administração do país para Versailles. Em segundo lugar, a morte de poucos milhares de trabalhadores em junho de 1848 poderia ter servido como um lembrete de que a burguesia, mesmo “republicana”, não hesitou em recorrer a uma carnificina para pôr fim à insubordinação dos trabalhadores. No campo dos trabalhadores e do povo, notamos aqui tanto uma trágica magnanimidade, uma falta de compreensão do que são as classes dominantes, de sua determinação em manter sua ordem por qualquer meio, como uma falha em aprender as lições da história. Naturalmente, em 1871, os pontos históricos de referência nesta área remontam a junho de 1848. As famílias se lembravam disso, mas muito poucos indivíduos foram capazes de aprender com aquilo completamente e de retê-lo.

É justamente neste nível que faltava uma organização partidária da classe e, ao mesmo tempo, um partido-memória: um partido voltado para a ação revolucionária, tendo aprendido as lições da história, entendendo as leis da luta de classes, sabendo como avaliar o inimigo, seus planos e seus projetos. Um partido que teria entendido o jogo que as classes dirigentes estavam jogando e teria sido capaz de explicar que o interesse de Thiers era ganhar tempo para reorganizar seu aparato militar, e que o tempo perdido pelo povo insurgente parisiense era tempo oferecido a Thiers. Se o Comitê Central tivesse estado sob uma influência maior de revolucionários treinados e experientes, estas explicações poderiam ter tido um eco maior. Pertence aos muitos méritos de Eugene Varlin ter pressionado os internacionais parisienses a investir maciçamente no Comitê Central da Guarda Nacional, uma organização que alguns de seus camaradas inicialmente perceberam com indiferença ou desconfiança. Mas se a influência de Varlin tornou possível que um certo número de militantes da AIT fossem eleitos para o Comitê Central, sua presença não foi suficiente para influenciar a decisão de 19 de março na direção da ofensiva contra os fugitivos reacionários. Isto também nos permite verificar que a AIL tinha muitos méritos, mas não tinha tido tempo para se tornar o partido coerente e determinado do proletariado que, de fato, estava faltando. Além disso, após a revolução de 4 de setembro de 1870, Marx e o próprio Varlin foram cautelosos: longe de pressionar pela insurreição, eles duvidaram das possibilidades da AIT de desempenhar plenamente seu papel, e queriam, acima de tudo, organizar e construir a Internacional.

Thiers, que estava preocupado logo após sua fuga para Versalhes sobre uma possível caça por parte dos parisienses, pôde assim aproveitar sua retirada para a cidade real para reorganizar o exército e recuperar unidades militares de outras regiões, negociar com Bismarck a libertação dos soldados que a Alemanha ainda mantinha prisioneiros e a incorporação destes no vasto campo militar em expansão que era Versalhes, treinar todos estes homens armados, retirando-os das influências deletérias da imprensa comunarda, sujeitando-os em vez disso à lavagem cerebral da ideologia dominante. Na verdade, os 72 dias do épico comunardo foram um período em que o equilíbrio de poder continuou se deteriorando para o povo e melhorando para as forças de Versalhes. Em 2 de abril, os Versaillais já atacaram Courbevoie de surpresa, e iniciaram a prática – que só seria interrompida após o final da Semana Sangrenta – da execução sumária dos prisioneiros. A partir daquele momento, os parisienses ouviriam o som dos tiros de canhão todos os dias. A guerra civil tinha começado com a ação de 18 de março. Começou de novo para valer nesta ocasião. Imediatamente depois, em 3 e 4 de abril, os comunardos indignados decidiram deixar Paris e atacar Versalhes. Mas o ataque não preparado teve a infeliz surpresa de ser bombardeado pelo forte de Mont Valérien, que estava nas mãos dos Versaillais, ao contrário do que Charles Lullier, que havia sido nomeado comandante-chefe da Guarda Nacional de Paris pelo Comitê Central em 19 de março (mas demitido pouco depois), havia deixado que acreditassem. Por último, mas não menos importante, os Versaillais já haviam melhorado muito em termos de número e organização durante as últimas duas semanas. A derrota militar comunarda de 4 de abril teve um efeito bastante devastador no moral e ajudou a manter vários guardas nacionais longe da luta. O período que começou então, e que levou à Semana Sangrenta, viu um aumento no número de parisienses mortos por bombardeio e viu as posições de Versalhes se fortalecerem, ganhando progressivamente terreno na direção de Paris, antes da irrupção de 21 de maio.

Quais poderiam ter sido as consequências de uma escolha ofensiva contra Versalhes imediatamente após 18 de março? Trotsky, altamente experiente em assuntos de insurreição e estratégia militar, escreveu:

O inimigo havia fugido para Versailles. Isso não foi uma vitória? Naquele momento, poderíamos ter esmagado a quadrilha do governo quase sem derramamento de sangue. Em Paris, todos os ministros poderiam ter sido feitos prisioneiros, com Thiers à frente. Ninguém teria levantado sua mão para defendê-los. Isto não foi feito. Não havia uma organização partidária centralizada, com uma visão geral das coisas e órgãos especiais para realizar estas decisões. Os remanescentes da infantaria não queriam se retirar para Versailles. O fio que ligava os oficiais e os soldados era muito fino. E se houvesse um importante centro partidário em Paris, ele teria incorporado aos exércitos em retirada – já que havia a possibilidade de retirada – algumas centenas ou mesmo algumas dezenas de trabalhadores dedicados, dando-lhes as seguintes instruções: para excitar o descontentamento dos soldados contra os oficiais e aproveitar o primeiro momento psicológico favorável para libertar os soldados dos oficiais e trazê-los de volta a Paris para se unirem ao povo. Isto poderia ser feito facilmente, de acordo com a opinião até mesmo dos apoiadores de Thiers. Ninguém pensou nisso[26].

  1. Rougerie parece ter tomado partido a favor da moderação e criticado a abordagem ofensiva defendida por Eudes e Duval, e apoiada por Marx e depois por Trotsky. Para ele, a maioria do Comitê Central pensou o seguinte, e o historiador parece provar que ele tinha razão:

Versalhes talvez caísse. Mas então, a que guerra civil atroz seríamos levados, sob os olhos do ocupante? Antes de mais nada, era necessário consolidar a situação na capital[27].

Quem está certo? Estamos entrando no reino da ficção histórica aqui, por isso é melhor não tomar um tom peremptório. Vou fazer apenas algumas observações. Em 19 de março, a Guarda Nacional parisiense tinha um equilíbrio de poder claramente favorável contra Versalhes. Em todo caso, este equilíbrio de poder nunca mais foi tão favorável. Thiers sabia disso, que temia uma ofensiva comunarda naquele momento. Teria sido possível, a nível militar, infligir efetivamente uma derrota na reação burguesa e aristocrática. É claro, o ocupante alemão estava às portas de Paris. Qual teria sido a atitude de Bismarck em relação aos comunardos triunfando sobre os Versailianos? E a dos soldados alemães? É difícil dizer, mas podemos imaginar que o topo do Estado alemão teria hesitado em combater uma insurreição vitoriosa de Paris contra Versalhes, nem que fosse por medo de uma confraternização revolucionária: não teriam os soldados alemães corrido o risco de serem “contaminados” pelos “vermelhos”? Em tal contexto, poderia ter sido melhor fazer a viagem de retorno à Alemanha. É, pelo menos, certo que esta preocupação teria pesado nos pensamentos de Guilherme e Bismarck. Quanto aos outros corpos do exército francês dispersos no país, pode-se pensar também que as chances de confraternização com a Comuna teriam aumentado após o desmantelamento dos aparelhos reacionários, políticos e militares derrotados em Versalhes. Pode-se então imaginar que isto teria fortalecido as insurreições comunalistas das cidades provinciais, enquanto, mais fracas do que em Paris, estas pararam no início de abril.

É impossível, portanto, afirmar algo sobre este ponto. Mas com base nestas poucas reflexões, é possível dizer que a “guerra civil atroz” temida no contexto nacional e na presença do inimigo alemão às portas de Paris poderia não ter sido tão atroz quanto a verdadeira guerra civil, a guerra de classes que terminou na Semana Sangrenta e o esmagamento da Comuna em 28 de maio. Em qualquer caso, se os insurgentes parisienses tivessem triunfado imediatamente sobre Versalhes, eles teriam se encontrado em uma posição consolidada e teriam tido uma ascendência mais forte sobre a província e suas cidades. É por isso que eu acho que a posição defendida por Eudes e Duval, depois por Marx e finalmente por Trotsky segura o mar.

A questão do Banco da França

Este é o outro ponto frequentemente criticado como um grande erro dos Comunas, notadamente por Marx e seus sucessores. Mas esta crítica veio mais tarde, após o esmagamento da Comuna. P.O. Lissagaray, em particular, foi virulento sobre este assunto quando escreveu sua história publicada em 1876:

Todas as insurreições sérias começaram com a apreensão do nervo do inimigo: a caixa de dinheiro. A Comuna é a única que recusou. Suprimiu o orçamento dos cultos que estava em Versalhes e permaneceu em êxtase diante da caixa de dinheiro da alta burguesia que tinha em mãos[28].

No calor do momento, a posição adotada em nome da Comuna foi moderada e respeitosa da propriedade. Mas além da discordância de Varlin, talvez de alguns outros, ela dificilmente foi combatida. É necessário medir que esta questão não pôde ser pensada com antecedência, e que coube aos líderes da revolução como um problema a ser resolvido com urgência, mas para o qual ninguém estava preparado. Além dos dados puramente financeiros, quais são os principais atores, mas também as preocupações, os modos de pensar, as concepções ideológicas em jogo?

Enquanto o executivo e suas administrações tinham fugido para Versalhes, o Banco d França não podia fazer o mesmo. Ele permaneceu preso em Paris, incapaz de transportar ou colocar em perigo todo o seu ouro, seus cofres e seus arquivos em tal movimento. Já no dia 19 de março, o Comitê Central da Guarda Nacional se deparou com o problema do financiamento das despesas da cidade, a começar pela Guarda Nacional, cujo pagamento diário de 1,50 francos tinha que ser feito. E isto, em um contexto de vazio administrativo. É assim, mesmo antes da eleição da Comuna, que a questão das relações com o Banco da França foi colocada. Segundo os números fornecidos por Lissagaray, o Banco da França tinha cerca de três bilhões de francos, dos quais ele dá os seguintes detalhes: “numerário 77 milhões, notas de 166 milhões, carteira 899 milhões, títulos em garantia de adiantamento 120 milhões, lingotes 11 milhões, joias em depósito 7 milhões, títulos depositados 900 milhões, ou seja, dois bilhões 180 milhões. Oitocentos milhões em cédulas estavam apenas esperando pela assinatura do caixa, o que era fácil de fazer[29].

François Jourde, um contador de profissão, e Eugène Varlin, como delegados financeiros do Comitê Central, foram os primeiros encarregados do assunto. Eles intervieram em um quadro já definido como temporário, antes que uma Comuna legitimamente eleita fizesse as escolhas fundamentais. Ao negociar com Rouland, o governador do Banco, e depois com o vice-governador De Plœuc após a partida do primeiro para Versalhes em 23 de março, eles obtiveram seis adiantamentos totalizando 2,5 milhões de francos, “para completar o pagamento das indenizações devidas aos guardas nacionais, suas esposas e filhos[30]. Após a proclamação da Comuna, o contato número um do Banco da França tornou-se Charles Beslay. Ele era um ex-patrão, muito próximo de Proudhon, apoiador da associação do capital e do trabalho, tendo aderido à AIT em 1866. Ele foi o membro mais idoso do Conselho da Comuna e se juntou ao seu Comitê de Finanças, tornando-se delegado ao Banco da França. Muitas vezes apresentado como “o burguês da Comuna”, ele pretendia respeitar a legalidade e se opôs à apreensão do Banco pela Comuna. Ele conhecia muito bem os líderes do Banco da França que dizem estar felizes em lidar com ele. A Comissão de Finanças foi chefiada por François Jourde, que também foi eleito em 26 de março e nomeado Delegado de Finanças pelo Conselho da Comuna. Ele foi um gerente honesto e escrupuloso, também respeitoso com a lei e com o Banco da França. Na Comissão de Finanças, Beslay e Jourde estão cercados por Varlin, Victor Clément, e Dominique Régère.

Para Beslay, Jourde e a maioria dos funcionários eleitos da Comuna, Paris não é o país inteiro e, portanto, não seria correto apreender o Banco da França. De forma coerente com o paradigma federalista, trata-se de abordar as cidades da França para criar uma federação de comunas que possa então tecer relações com o Banco da França. Em uma entrevista com o diário de direita Le Figaro publicada em 13 de março de 1873, Beslay declarou:

Fui ao Banco com a intenção de protegê-lo de qualquer violência do partido exagerado da Comuna, e tenho a convicção de ter preservado para meu país o estabelecimento que constituiu nosso último recurso financeiro[31].

Quanto a Jourde, ele declarou durante seu julgamento perante o Conselho de Guerra: “Eu defendi, lá como em outros lugares, os mesmos princípios, o respeito à propriedade e aos direitos privados[32]. De acordo com o historiador N. Delalande:

Esta moderação financeira foi, para Jourde e muitos outros, uma das condições da “salvação da Comuna e da República”. Todas as medidas que poderiam ter enfraquecido o crédito do Banco da França teriam sido contraproducentes, em particular porque o governo parisiense teve que tranquilizar o resto da Europa se quisesse poder se abastecer[33].

Esta não era a posição da Varlin. Já no dia 19 de março, ele havia proposto a apreensão do Banco da França perante o Comitê Central, dado o atraso no pagamento da Guarda Nacional. Esta ideia foi descartada, em favor da ideia de um empréstimo de dois milhões de francos. Depois disso, Varlin, sempre ansioso para defender uma linha de massa, deixou sua proposta de lado. De acordo com P. Lejeune:

Esta proposta de Varlin está de acordo com todas as suas ideias; anteriormente, em reuniões da AIT, ele havia se pronunciado a favor da abolição do monopólio do Banco da França. E no entanto, ele terá uma atitude legalista no dia 19 de março e nos dias seguintes. Por que esta moderação, este legalismo? Varlin estava preocupado com a aceleração dos acontecimentos de 19 de março, ele conhecia as massas parisienses, sabia que elas não estavam prontas para tomar o poder. A própria rejeição de sua proposta de confiscar o Banco da França lhe prova que o próprio Comitê Central permanece em posições legalistas (sua intenção, imediatamente declarada, de proceder às eleições também o comprova)[34].

O problema que a Comuna deve resolver é, portanto, de vários tipos. Em nível político-ideológico, entendemos o paradoxo: o que deve fazer um poder que quer ser estritamente municipal quando confrontado com uma colossal fonte de financiamento, mas cuja atividade é de âmbito nacional? É evidente aqui que existe um conflito entre os princípios reivindicados de autonomia comunal e a simples exigência de sobrevivência de Paris e sua população. O respeito à legalidade – uma legalidade burguesa, mas que não era claramente percebida como tal – prevaleceu, e a Comuna deixou adormecido dentro de seus muros um tesouro que poderia ter contribuído muito para demolir seu inimigo, e que em vez disso permitiu que este último triunfasse ao realizar um massacre sem nome.

Ao não apreender o Banco da França, a Comuna permitiu que a instituição financeira continuasse a operar de acordo com suas regras e escolhas e, em particular, para financiar a operação de reconquista de Paris por Thiers e seus capangas. O campo de Versalhes entendeu isso muito bem. Eis o que disse o autor anticomunardo Maxime Du Camp: “enquanto a Comuna assediava o Banco de Paris para obter algumas milhares de notas francas, o Banco da França deu milhões ao governo de legalidade. As tropas se derramaram, tomaram forma, se organizaram e não faltou pagamento[35]. Ele acrescenta: “Quando M. Thiers precisou de dinheiro, ele informou M. Rouland, que enviou um despacho telegráfico para a pessoa certa, e o dinheiro chegou[36].

Se tivesse colocado suas mãos no Banco da França – em termos militares, um assunto fácil para a Guarda Nacional – a Comuna, por outro lado, teria colocado problemas de financiamento para os Versaillais e seu exército. Os recursos financeiros apreendidos teriam permitido ao povo de Paris viver melhor, e o reforço militar da capital. Como respeitar os princípios federalistas e não prejudicar as províncias? Uma solução revolucionária e democrática poderia ter sido dar a Paris uma cota de acesso à riqueza do Banco, enquanto explicava esta posição em escala nacional e se engajava no diálogo com a província e suas cidades. Isto poderia ter reavivado a dinâmica comunalista e a solidariedade com a capital. Escusado será dizer que este tipo de reflexão é infinitamente mais fácil de realizar com 150 anos de visão a posteriori e com calma! Mas também devemos entender que as confusões ideológicas sobre a propriedade desempenharam um grande papel nesta questão crucial. O debate sobre o socialismo, seus objetivos e meios, não havia ido suficientemente longe em 1871 para permitir que a proposta inicial da Varlin se tornasse uma decisão do poder revolucionário em construção.

No final, de acordo com J. Rougerie:

As despesas da Comuna foram estimadas em 42 milhões de francos: três quartos foram para a guerra, o que deixou muito pouco para qualquer tipo de reforma […] O Banco [da França] pagou, voluntariamente, a zero, uns vinte milhões. Ao mesmo tempo, os avanços que fez para Versalhes totalizaram 257 milhões de francos[37].

Isso significa que a quantidade de dinheiro que foi retirada pelos assassinos de Versalhes para se armar e esmagar a Comuna foi mais de doze vezes maior do que o montante usado por estes últimos para sobreviver no dia-a-dia. O legalismo majoritário entre os comunardos eleitos custou caro.

Que lições para hoje?

Além destas duas grandes questões, a Comuna certamente teve que sofrer com outros erros e revelou outras limitações. Sua estratégia militar e o funcionamento de sua defesa foram deficientes, apesar da valentia de alguns de seus líderes – Duval, Dombrowski e Wroblewski vêm à mente – e apesar do heroísmo de muitos Guardas Nacionais e do povo de Paris. Muitos simpatizantes da Comuna a reprovaram por desperdiçar uma quantidade infinita de tempo em debates estéreis enquanto ela estava em perigo de morte. Estava dividida sobre a questão do Comitê de Salvação Pública (5 membros nomeados pelo Conselho da Comuna) criado por sua maioria em 1º de maio e supostamente para remediar sua relativa paralisia, mas sem conseguir fazê-lo; mas a minoria e a maioria se encontraram nas batalhas da Semana Sangrenta. Outras fraquezas comunardas também foram observadas, a começar pela insuficiente energia gasta na conquista política do apoio da província, uma questão crucial. Além disso, embora tenham se mostrado internacionalistas, em particular ao oferecerem altas responsabilidades a estrangeiros, poloneses, italianos, húngaros, etc., os comunardos ignoraram as possíveis solidariedades com os eventos insurrecionais ocorridos na época na Argélia[38]. Poderíamos também acrescentar a ausência de qualquer ênfase no direito de voto das mulheres, mesmo que elas tenham desempenhado um grande papel na Comuna, falando em clubes, organizando-se em particular na União de Mulheres para a Defesa de Paris e o cuidado com os feridos, exigindo armas – muitas vezes, apreendendo-as – e defendendo as barricadas. Todas estas deficiências são reais, mas se devem aos limites estabelecidos pela época e seu ambiente ideológico.

Mas tudo isso não deve abafar o profundo sentimento de admiração que se sente ao testemunhar a imensa coragem e criatividade do povo, dos trabalhadores e de sua Comuna. Sua obra foi naturalmente limitada pela brevidade de sua existência, mas escavou certos sulcos que mesmo a república burguesa nascida de seu esmagamento usou mais tarde: este é o caso da separação da Igreja e do Estado, ou da educação obrigatória (mesmo se o conteúdo da escola de Jules Ferry diferisse profundamente das escolhas pedagógicas da Comuna). Sua abundância libertadora em favor das artes também mereceria mais desenvolvimento. Suas incursões no campo da propriedade e do poder patronal foram raras, hesitantes – como vimos – mas significativas: proibição do trabalho noturno para os trabalhadores das padarias; requisição de unidades de produção abandonadas. Em outras áreas, por outro lado, a Comuna apenas teve tempo para preparar o terreno para um mundo que ainda não tem surgido: estamos pensando aqui em seu projeto educacional para todos, secular, integral e livre, baseado na confiança na curiosidade e inteligência da criança, e que se opunha à necessidade de seleção que a instrução tinha que satisfazer do ponto de vista da burguesia. Finalmente e acima de tudo, é sua própria existência, com seu grande desejo de democracia, direta, popular, a partir de baixo, o que obriga o interesse e a admiração, com a vontade do povo trabalhador de controlar seus representantes eleitos, de limitar sua renda e de revogá-los se necessário.

Hoje, portanto, a Comuna continua sendo uma referência popular, um marco para as lutas e perspectivas políticas. Que sua busca por uma democracia autenticamente popular e sua sede de emancipação permaneçam fontes de inspiração para nós mesmos e para as gerações futuras. É claro que os tempos são diferentes, as classes sociais e suas ideologias mudaram, e dado o grau de interconexão do mundo de hoje, uma revolução deve procurar coordenar não apenas as cidades dentro de um país, mas os países entre eles.

Mas que a dura derrota da Comuna sirva de lição para todos nós: o inimigo, o moloch capitalista, é ganancioso, impiedoso e bárbaro. Não é possível fazer concessões com ele. Deve ser tratado impiedosamente: expropriado economicamente, quebrado política e militarmente, e jogado no caixote do lixo da história. Para isso, não apenas é necessária a mais ampla liberdade política e auto-organização possível, mas um partido revolucionário, enraizado na classe trabalhadora, democrático e portador das lições da história, é indispensável. Depois de muitas esperanças frustradas, tal partido ainda falta hoje, tanto a nível nacional como internacional.

[1] L. Trotsky, « Les leçons de la Commune », in L’Anticapitaliste n°122, janvier 2021, p. 25.

[2] Idem.

[3] J. Rougerie : Paris insurgé. La Commune de 1871, Gallimard 1995, p. 69.

[4] J. Rougerie : Paris insurgé. La Commune de 1871, Gallimard 1995, p. 69.

[5] L. Godineau : La Commune de Paris par ceux qui l’ont vécue, Parigramme 2010, p. 50.

[6] L. Bantigny : La Commune au présent. Une correspondance par-delà le temps, La Découverte 2021, p. 160.

[7] Idem, p. 34.

[8] J. Rougerie : La Commune, PUF 1988, p.12.

[9] Idem.

[10] L. Robert : « La Commune, révolution socialiste », in M. Cordillot (coord.) : La Commune de Paris 1871. Les acteurs, l’évènement, les lieux. Editions de l’Atelier 2021, p. 931-933.

[11] Idem p. 931.

[12] H. Lefèbvre : La proclamation de la Commune. 26 mars 1871, La Fabrique 2018, p. 135.

[13] D. Gluckstein : The Paris Commune. A Revolution in Democracy. Haymarket 2018, p. 61.

[14] K. Marx & F. Engels : Inventer l’inconnu. Textes et correspondances autour de la Commune, La Fabrique 2008, p. 277.

[15] H. Lefèbvre, op. cit. p. 144.

[16] D. Gluckstein ; op. cit. p. 70. Minha tradução.

[17] Federados : assim são chamados os Guardas Nacionais parisienses, reunidos por uma Federação criada em fevereiro e março de 1871, onde todos os oficiais eleitos, soldados ou oficiais, da Guarda Nacional parisiense, desde a companhia até o nível de batalhão, da legião e da federação parisiense, são mandatados e revogáveis.

[18] M. Cordillot : « Le 18 mars : du soulèvement à la révolution », in M. Cordillot (coord.) op. cit. p. 200.

[19] Idem.

[20] P.O. Lissagaray : 1871. Editions de Delphes, p. 86

[21] Idem.

[22] C. Talès : La Commune de 1871. Spartacus 1998, p. 53.

[23] P.O. Lissagaray, op. cit. p. 86.

[24] Karl Marx : La guerre civile en France. 1871. Editions sociales 1975, p. 57.

[25] Idem.

[26] Trostsky, op. cit. p.25-26.

[27] J. Rougerie : La Commune, PUF 1988, p.55.

[28] P.O. Lissagaray, op. cit. p. 160.

[29] Idem.

[30] E. Cavaterra, La Banque de France et la Commune de Paris (1871), L’Harmattan 1998, p. 56.

[31] E. Toussaint, « La Commune de Paris, la banque et la dette », in Les Utopiques, La Commune de Paris. Mémoires, horizons, Sylllepse 2021, p. 270.

[32] N. Delalande : “Les finances de la Commune”, in M. Cordillot (coord.) op. cit. p. 484.

[33] Idem, p. 485.

[34] P. Lejeune : Pratique militante & écrits d’un ouvrier communard. Eugène Varlin. L’Harmattan 2002, p. 159.

[35] Citado em E. Toussaint, art. cit., p. 271.

[36] Idem.

[37] J. Rougerie : La Commune et les Communards. Gallimard 2018, p. 44.

[38] Veja em particular sobre este assunto Q. Deluermoz: Commune(s) 1870-1871, Une traversée des mondes au XIXe siècle, Seuil 2021, p. 67 e seguintes.