qui jul 25, 2024
quinta-feira, julho 25, 2024

Argentina| 213 anos da Revolução de Maio: é preciso outra revolução e outra independência

Comemora-se mais um aniversário de 25 de maio de 1810, e nos encontramos com os políticos patronais competindo para ver quem é o mais vende pátria: de Javier Milei com sua dolarização, ao ministro Sergio Massa permanentemente de joelhos diante do FMI. Todos eles demonstram a vontade das classes dominantes de entregar o país ao capital estrangeiro -do qual sempre foram sócios minoritários-, e aprofundar o saque brutal, levando-nos novamente a ser uma colônia. Diante de tal situação, os trabalhadores e o povo devem assumir o controle do país para mudar esse destino.

Por: Neto-PSTU Argentina

Em 1810, os setores que sofreram por séculos com a opressão espanhola aproveitaram os conflitos europeus para se livrar do jugo colonial. Que gaúchos, nativos ou mulheres tenham sido protagonistas dos quatorze anos de guerra de libertação não é por acaso: Juana Azurduy ou María Remedios del Valle não foram simples exceções, mas a demonstração de que a revolução que conquistou a independência, assim como a que nos resta fazer não pode ser feito sem as mulheres, povos originários e afrodescendentes.

O principal sacrifício foi feito pelos setores populares, os intelectuais e profissionais, como Moreno, Belgrano ou o próprio San Martín -que viam como o atraso das instituições do império e da nobreza os impedia de desenvolver suas carreiras- colocaram seu bravo brilhantismo. No entanto, foram os setores mais ricos que acabaram ocupando o lugar deixado pelo poder colonial.

Desses setores, após décadas de guerras civis, surgiu a já unificada classe dominante que criou uma Argentina produtora de agricultura e receptora de bens e investimentos, subordinando o desenvolvimento do país às necessidades do capital estrangeiro, primeiro inglês e depois ianque, ao qual se ligou perpetuamente. Dessa forma, nada mais fez do que reproduzir as condições que se viviam sob o domínio espanhol, condenando nosso país ao atraso e os setores populares a viverem ameaçados pela fome e pela miséria. Mas os patrões fazendeiros e a oligarquia agrícola não puderam aproveitar muito sua vitória, porque o desenvolvimento econômico fez com que seus negócios precisassem de trabalhadores livres para fazê-los funcionar, o que deu origem a um novo ator social: a classe operária.

Os trabalhadores devem retomar a tarefa

À medida que o capital estrangeiro ganhava força no país, as classes dominantes se tornavam seus apêndices, fiadores de seu domínio, enquanto a classe operária ganhava força e coesão, derrotando repetidamente os ataques dos patrões e do imperialismo. E embora a exploração e o saque permanente do capital estrangeiro só tenham se aprofundado, avançando sobre nossos direitos, a força política e social da classe operária e suas lutas faz com que atualmente os políticos patronais não possam governar o país sem construir acordos com seus dirigentes e organizações.

Precisamente, se o capital nacional e estrangeiro que nos domina continua de pé, é graças à traição permanente daqueles dirigentes, que fizeram do monopólio dos seus cargos uma profissão, um modo de vida. Assim, fica evidente como os setores que vivem de cargos nas instituições (sejam sindicais, políticos ou legislativos) se transformaram no oposto do que eram em 1810: de setor revolucionário a setor conservador.

A classe trabalhadora tem o dever histórico de retomar a luta para libertar nosso país e nosso continente do domínio do capital estrangeiro, acabando com o capitalismo e a ordem patronal, da qual só podemos esperar a subjugação nacional e a miséria para os trabalhadores/as e o povo. Para isso é preciso recuperar nossas organizações como ferramentas de luta, varrendo os setores alheios à classe que ao viver de seus cargos necessitam sustentar o capitalismo colonial que nos subjuga, e impondo a democracia operária para que os dirigentes sejam controlados pelas bases.  E, sobretudo, forjando com seus melhores lutadores uma organização política cujo programa responda a essas tarefas históricas. O PSTU se dedica à construção dessa organização, e convida aqueles que querem acabar com o domínio do capital nacional e estrangeiro sobre nosso país e nossa classe para se juntarem à tarefa.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares