qui jul 18, 2024
quinta-feira, julho 18, 2024

Panamá: O povo continua resistindo

Desde a última quinta-feira, 7 de julho, começou uma série de ações de protesto na maioria das províncias do Panamá, desde passeatas, piquetes e bloqueio de ruas por educadores, estudantes, operários e movimento popular, devido ao aumento do combustível que encareceu os preços dos alimentos no país.

Por: Oscar Rivera e Jouseth Chaves

Só neste ano, os combustíveis mantiveram uma alta constante que já supera os 47% em relação aos preços de janeiro, mas o movimento de luta incorporou outros elementos como a situação dos gastos do governo, deficiências no sistema de saúde, educação e o problema do desemprego .

Organizações como a Aliança dos Povos Unidos pela Vida e a Aliança Nacional pelos Direitos do Povo Organizado (Anadepo), convocaram manifestações em nível nacional para exigir não apenas ações efetivas contra a alta dos preços, mas também a redução dos gastos do governo, o aumento do orçamento da educação e um aumento geral dos salários.

Como resultado dos bloqueios nas principais rodovias, já há desabastecimento na capital, Cidade do Panamá, enquanto a reação do governo tem sido muito repressiva, colocando as forças policiais nas ruas para tentar acabar com os bloqueios de estradas e as mobilizações.

A resposta do governo foi um deboche para o povo panamenho

O governo respondeu congelando o preço do combustível em 3,95 balboas e congelando dez produtos da cesta básica, o que para a população tem sido um escárnio por não resolver as necessidades dos panamenhos.

Além disso, o presidente Laurentino Cortizo anunciou na última terça-feira, 12, o plano de redução da folha de pagamento do estado em 10%, o que, longe de se acalmar, alimentou os protestos, especialmente das organizações sindicais dos funcionários públicos do Estado e, em geral, do povo mobilizado que entendem que a perda de empregos vai agravar a situação de miséria e desemprego que atinge todo o país.

O diálogo governamental é uma armadilha

Diante da impossibilidade de acabar com as mobilizações em todo o país, o governo de Cortizo passou a convocar uma mesa de diálogo encabeçada pela Igreja Católica em 14 de junho.

O uso de figuras da igreja para acalmar os ânimos do povo é uma manobra amplamente conhecida, e por isso o movimento popular deve rejeitar esse diálogo e continuar aprofundando as mobilizações para alcançar os objetivos da luta.

A mesa de diálogo acontece depois de dias de dura repressão contra os trabalhadores, depois de negligenciar as demandas das mobilizações e responder com gases e pancadas contra o povo, já que em várias partes do país tem havido batalhas e confrontos campais pelo controle das estradas tomadas pelos protestos, e depois de ameaçar 10% dos trabalhadores do Estado de mandá-los ao desemprego.

Mobilizar para impor o plano dos trabalhadores e do povo

Todos os sindicatos, sindicatos, organizações indígenas e em geral o povo mobilizado devem continuar com os protestos até vencer o governo e impor o plano de reivindicações que foi levantado nas ruas.

Os trabalhadores não devem confiar nas manobras do governo, nas autoridades da igreja que se prestam ao jogo da desmobilização através da mesa de diálogo, e continuar aprofundando um plano de luta que englobe todas as necessidades dos trabalhadores, a saber:

Redução e congelamento de combustível a 3,00 balboas por galão.

Rebaixa total dos preços dos alimentos e medicamentos

Por um aumento imediato do orçamento para saúde e educação pública

Por um aumento salarial para todos os trabalhadores em empresas privadas e no setor público

Proibição de demissão e eliminação de qualquer plano que busque a demissão de trabalhadores estatais e empresas privadas

Este plano deve ser alcançado através da mobilização independente dos trabalhadores, obtendo recursos da arrecadação de impostos dos grandes empresários do país, que gozam de enormes subsídios, e através da suspensão imediata dos pagamentos da dívida pública do Estado panamenho, que hoje ultrapassa os 40 bilhões de dólares e que não parou de crescer no governo de Cortizo e hoje afoga o país.

Um projeto político socialista e dos trabalhadores é urgente

A enorme crise que hoje afeta os trabalhadores e o povo e o despertar das mobilizações e a resistência, põe sobre a mesa a necessidade de construir uma ferramenta política da classe trabalhadora no Panamá, que consiga servir como espaço de organização política da vanguarda que sai para enfrentar o governo, para nos armar com um programa político construído a partir da classe trabalhadora, com uma visão socialista e com um método revolucionário de transformação da sociedade.

Para isso, consideramos urgente dar os primeiros passos na construção desse projeto político operário, socialista e revolucionário de mãos dadas com a Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT-QI) e seus diversos grupos que hoje buscam construir alternativas políticas para a classe trabalhadora em muitos países do mundo.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares