sex maio 24, 2024
sexta-feira, maio 24, 2024

Bolsonaro e Salles passam a boiada na Amazônia e no Pantanal

Recentemente, foi divulgada a taxa oficial de desmatamento. Entre agosto de 2019 e julho de 2020, 11.088 quilômetros quadrados de Floresta Amazônica foram perdidos, o equivalente a 1,58 milhão de campos de futebol. Já o Pantanal queimou como nunca antes em sua história e teve mais de 15% de sua área destruída.

Por: Jeferson Choma
Os responsáveis por essa tragédia são Bolsonaro e seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, um criminoso que defendeu, em reunião ministerial, que era preciso “passar a boiada” na legislação ambiental e praticamente liquidou a fiscalização ambiental.
A Amazônia e o Pantanal continuam queimando porque grandes latifundiários e grileiros viram uma grande oportunidade de se apropriar de grandes porções de terras públicas que compõem a maior parte desses dois biomas. “Vamos passar a boiada”, esfregam as mãos. Porém antes vem o desmatamento e o fogo, os primeiros atos do roubo dessas terras por essa corja que tem sua própria bancada – a bancada ruralista – no Congresso Nacional.
“E se tiver algum índio ou camponês na área, a gente passa fogo neles também”, pensam. Em seguida, vem o pasto, a cerca, o boi e a espera por alguma medida que regularize a grilagem por parte do governo. Que, aliás, já se comprometeu com isso.
Uma Espanha
Dados do “Atlas Amazônia Sob Pressão”, elaborado pela Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg) documentam o avanço das atividades extrativistas, projetos de infraestrutura e queimadas em toda a Amazônia sul-americana.
O relatório mostra que, entre 2000 e 2018, houve uma perda acumulada de 513.016 quilômetros quadrados de floresta nativa, um território equivalente à Espanha ou 8% de toda a floresta que existia em 2000. O Brasil, que tem 61,8% de todo território amazônico, responde por 82,8% do total (425.051 quilômetros quadrados), o equivalente à soma dos territórios da Alemanha e de Portugal.
Estamos próximos de um ponto em que a degradação da Amazônia poderá ser irreversível e alterar o bioma para sempre. Isso vai transformar a floresta numa savana degradada e na perda de regime de chuvas, provocando intensas secas nas regiões Sul e Sudeste. Também vai abrir novas caixas de pandora, liberar novos vírus e acelerar o aquecimento global. O capitalismo condena a humanidade à destruição. Morte ao capitalismo!
Em 2020, ficamos de frente para catástrofe ambiental
A atual pandemia do novo coronavírus é resultado direto da apropriação mercantil e destrutiva da natureza pelo capitalismo. Mais especificamente, pela criação de um mercado de carnes selvagens sustentado por fartos subsídios do governo capitalista chinês. O fato de ter surgido na China tem servido como munição a uma porção de lunáticos que propagam fake news, teorias da conspiração e racismo contra os chineses. Uma pandemia, porém, pode ser desencadeada em qualquer parte do mundo, inclusive no Brasil considerando a evolução das taxas de desmatamento da Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, que abriga uma quantidade incalculável de vírus mortais.
O avanço irresponsável sobre os recursos naturais têm sido o agente das epidemias recentes que tivemos. Todas elas são zoonoses, ou seja, têm origem animal. Isso aconteceu com ebola (1969), Nipah (1999), Sars (2002), H1N1 (2009), Mers (2012) e agora a COVID-19 (2019).
O vírus é produto da natureza, tem sua história natural e obedece a processos evolutivos. A destruição dos habitats de muitas espécies de animais, no entanto, oferece uma oportunidade fantástica para que vírus antes aprisionados na vida selvagem sofram mutações e sejam transmitidos aos seres humanos.
Natureza e sociedade
A natureza e as sociedades humanas estão em relações constantes. Desde que o ser humano surgiu na face da Terra, a natureza foi modificada de forma contínua pelo trabalho humano no decurso da nossa história. Isso não significa que os seres humanos têm, em essência, uma relação destrutiva com o meio ambiente. Basta ver a relação que os povos indígenas possuem com as florestas que, em parte, devem a sua atual biodiversidade à contínua ação de transformação que essas populações realizaram há milênios.
Sua relação com a floresta não é mediada pela propriedade privada, pela mercadoria, pelo dinheiro ou pelo lucro. Por isso, as terras indígenas na Amazônia são as áreas de maior preservação, como provam imagens de satélites.
Capitalismo e meio ambiente
O capitalismo, entretanto, transformou de forma radical a relação entre sociedade e natureza. Provocou um desequilíbrio brutal que provoca pandemia, aquecimento global e eventos climáticos extremos (secas, inundações, ciclones-bomba etc.), destruição da biodiversidade, poluição das águas e do solo.
No capitalismo, o que importa é o lucro. A natureza se transforma em mercadoria, sendo exaurida numa velocidade estonteante, necessária para a reprodução do capitalismo. Uma velocidade que é muito maior do que o tempo de recomposição da própria natureza. Todo o progresso técnico da indústria se fundamenta na ideia de se apropriar mais e mais dos recursos em menos tempo e de forma mais barata, deixando para trás um rastro de destruição.
É por isso que montanhas em Minas Gerais se transformam em horrendas crateras e barragens se rompem matando trabalhadores, destruindo comunidades e rios. É por esse motivo que a Amazônia e o Pantanal queimaram em 2020 e as terras indígenas estão sendo ameaçadas por madeireiros e pela mineração. Também é por essa razão que o capitalismo queima reservas de combustíveis fósseis milenares quase de forma simultânea, em apouco mais de um século (uma fração de segundo, diante do tempo geológico), acarretando no aquecimento global.
 

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares