COMPARTILHAR

1928. Stalin tinha tomado o controle da União Soviética, o primeiro estado governado pela classe operária, e começou sua degeneração. Para tanto, ele teve que desencadear uma campanha de falsas acusações e perseguições contra aqueles que defendiam as conquistas da Revolução Russa e o legado de Lenin no Partido Bolchevique. O mais importante de todos foi Leon Trotsky, que acabou sendo expulso do partido e exilado. Mas isso não o deteve.

Por: Leandro Aznar

Nesse ano, aconteceu o VI Congresso da Internacional Comunista, que votou o programa da Internacional. Trotsky enviou um documento criticando o programa apresentado pela direção de Stalin, que não permitiu que o texto chegasse ao congresso.Mas nem mesmo o mais contrarrevolucionário dos aparatos é todo-poderoso.

Duas cópias do escrito de Trotsky vazaram por engano. Um deles caiu nas mãos de James Cannon, dirigente do WPA (seção estadunidense da Internacional Comunista), que até então se recusava a tomar partido na campanha “antitrotskista”. A leitura do documento convence Cannon, que entra para as fileiras do trotskismo.

A luta pelo trotskismo norte-americano

Consciente de que lutar isoladamente dentro do congresso seria uma tentativa inútil e muito provavelmente um suicídio, Cannon mantém as aparências e leva escondido o documento para os EUA. E assim começa uma luta no interior do partido estadunidense, inicialmente de forma clandestina, até que é descoberto e expulso com seus aliados Abern e Schachtman. Esses “três generais sem exército”, como seus oponentes os chamavam, tinham previsto essa situação.

Dessa forma, juntamente com dezenas de militantes, fundaram a Liga Comunista da América e iniciaram a luta pelo trotskismo norte-americano. Quando a ascensão de Hitler ao poder expôs a traição do stalinismo, que se recusou a formar uma frente unificada com os socialistas para impedi-lo, Cannon e companhia se juntam ao chamado de Trotsky para construir a Quarta Internacional.

Leia também:  Argentina: Abaixo o orçamento de 2019!

A marginalidade a que foram submetidos, os ataques físicos por parte de gângsteres stalinistas, não foram suficientes para detê-los. Assim, em 1934 intervieram na greve de caminhoneiros de Minneapolis, na qual tiveram uma participação exemplar e saíram muito fortalecidos. Essa experiência seria registrada na história do trotskismo internacional.

Seguindo o conselho de Trotsky, em 1936 o partido entrou como grupo no Partido Socialista, deixando-o um ano depois, com um importante setor de militantes ganhos para seu programa. Isso se concretiza na fundação do SWP (Partido Socialista dos Trabalhadores), que foi, junto com o MAS argentino, um dos maiores partidos trotskistas da história, construído no coração do imperialismo.

A classe operária à frente do partido

 Cannon foi operário desde muito novo. E isso não é um detalhe. Para o marxismo, a classe operária é a única capaz de liderar a revolução que libertará toda a humanidade da miséria do capitalismo. Da mesma forma, o partido que tem que dirigir essa revolução, deve ter à cabeça, dirigentes que venham dessa classe. Isso, que é fácil de dizer, mas não de fazer, foi colocado em prática no partido fundado por Cannon.

Mas não sem resistências. Ao longo de toda a sua vida, Cannon enfrentou a resistência de grupos intelectuais, de profissões liberais que resistiram a aceitar esse papel da classe operária. Isso aconteceu tanto nos tempos do Partido Comunista quanto no interior do SWP.

Podemos também considerar que a origem de classe de Cannon é o que faz com que a grande maioria da esquerda mundial ignore ou minimize sua importância ao lado de outros grandes dirigentes revolucionários. Esta esquerda é a que hoje nega a importância da classe operária como motor da revolução socialista.

Leia também:  Argentina: Greve Ativa e Plano Nacional de Luta JÁ!

Cannon e o morenismo

A corrente que deu origem à LIT, fundada por Nahuel Moreno, foi formada quando Trotsky já havia sido assassinado.Mas havia um fio de conexão. Moreno encontrou no partido dos Estados Unidos e em seu principal dirigente (que eram discípulos diretos de Trotsky) os mestres que o formaram como o internacionalista revolucionário que ele foi.

A relação entre a corrente morenista e o SWP foi especialmente importante na luta contra as correntes oportunistas da Quarta Internacional, como o pablismo e o mandelismo.

Essa relação foi cortada quando o SWP, com uma nova direção proveniente dos setores estudantis que eram vanguarda nos EUA durante as décadas de 60 e 70, iniciou sua ruína oportunista.Mas isso não elimina a importância que esse partido teve na formação da corrente. A semelhança entre a política levada adiante na greve de caminhões de Minneapolis e a greve de Villa Constitución em 1974, ou a adoção do nome PST (tradução em espanhol do SWP), é prova disso.

Resgatar o legado de Cannon

A luta pelo programa revolucionário, o internacionalismo, a importância da classe operária, o combate contra as correntes oportunistas, são pilares que a LIT vem lutando para recuperar nos últimos anos. É por isso que reivindicar a James Cannon, 44 anos após sua morte, na mesma data do aniversário da morte de seu mestre Trotsky, se torna uma necessidade. Seu legado, como podemos ver, é uma expressão clara desses princípios.

O PSTU  e a LIT-QI continuarão defendendo esse legado como o único que pode guiar a classe operária para acabar com a exploração capitalista e construir sobre suas ruínas o reino da verdadeira liberdade.

Tradução: Nea Vieira