COMPARTILHAR

O sítio de notícias “Middle East Eye” publicou informações sobre o Firqat el Nemr (Esquadrão do Tigre em árabe).

Por: Fabio Bosco, de São Paulo

Em seu artigo “The Saudi Death Squad MBS Uses To Silence Dissent[i]” de 22/10/2018, o jornalista Mustafa Abu Sneineh faz um relato sobre o Esquadrão do Tigre cuja missão é eliminar dissidentes sauditas dentro e fora do país de forma eficiente e discreta.

Segundo o artigo, o Esquadrão do Tigre foi formado há pouco mais de um ano com 50 integrantes selecionados das forças armadas e dos serviços de inteligência sauditas.

O nome vem do General Ahmed al-Assiri também chamado de Tigre do Sul. Entre seus líderes estão pessoas da mais estrita confiança do príncipe saudita Mohammad Bin Salman como Saoud al-Qahtani e Maher Abdulaziz Mutrib.

A execução do jornalista Jamal al-Khashoggi não foi a primeira efetuada pelo Esquadrão. Eles também estão por trás da morte do príncipe saudita Mansour bin Moqren cujo helicóptero foi derrubado por um míssil no sul do país, e do Sheikh Suliman Abdul Rahman al Thuniyan, envenenado num hospital em Riyad.

No exterior o Esquadrão trabalhou sem sucesso para eliminar o dissidente saudita Omar Abdulaziz em seu exílio no Canadá.

Serviços de Inteligência e as operações para eliminar inimigos

Eliminar inimigos através de equipes especiais não é exclusividade dos sauditas.

Osama Bin Laden foi assassinato no Paquistão por uma equipe de 25 SEALS da marinha americana. Orlando Letelier teve seu carro explodido na capital americana por uma equipe da DINA a mando do ditador chileno Augusto Pinochet. Mordechai Vanunu, que revelou os planos nucleares israelenses, foi sequestrado pelo MOSSAD em pleno território europeu.

O MI6 britânico, popularizados pelo fictício agente 007 – James Bond participou ativamente dos planos para enfraquecer o Hamas elaborados em conjunto com o serviço de segurança da Autoridade Palestina e o Mossad israelense segundo denúncia da própria imprensa britânica.[ii]

Outro caso famoso foi o assassinato do irmão mais velho do ditador Kim Jong Un com armas químicas na Malásia.

A luta pelo desmantelamento desses serviços de inteligência e forças de repressão é uma luta por liberdades democráticas, as quais a classe trabalhadora se utiliza para se organizar e lutar pelos seus direitos e pela transformação de toda a sociedade.

[i] https://www.middleeasteye.net/tiger-squad-saudi-hitmen-khashoggi-mbs

[ii] https://www.theguardian.com/world/2011/jan/25/palestine-papers-mi6-hamas-crackdownde