COMPARTILHAR

Crônica de uma paralisação viva e mobilização

Em 18 de junho de 2018, após o segundo turno da eleição presidencial que deu a vitória ao candidato de Uribe, Iván Duque Márquez, uma parte dos 8 milhões que votaram em Petro – Colômbia Humana (nós socialistas fizemos campanha de voto crítico a ele). , chamou à “resistência” civil ao governo, declarando-se em oposição e dispostos lutar contra ele.

Por: Daniel Briceño

De fato, após apenas 15 meses, o governo neo-Uribista teve que pilotar o navio em uma convulsiva luta de classes e cenário internacional. Com apenas dois meses de posse, o primeiro desafio foi contornar a Paralisação Nacional dos Estudantes Universitários pela Educação, que lembrou o pico de mobilização de 2011. Depois disso, ocorreu uma série de conflitos locais, setoriais e sindicais, mais específicos, mas não menos importantes e desgastantes, como a Paralisação do Pacífico colombiano, de onde veio a canto “el Pueblo no se rinde carajo”[1] (o povo não se rende, caramba).

A mídia e os analistas não pararam de falar sobre polarização, instabilidade e falta de governabilidade. A renúncia do Ministro da Defesa Botero e o bombardeio indiscriminado de um acampamento em Caquetá e a morte de pelo menos oito crianças indefesas recrutadas à força, bem como a corrupção do Ministro da Fazenda Carrasquilla, renúncia do ex-promotor corrupto Néstor Humberto Martínez e as reformas anunciadas por alguns dos ministros de Duque, foram a gota d água da indignação dos cidadãos e da perda de apoio de uma parte de seu eleitorado pragmático.

Chegou a quinta-feira 21N: uma data histórica que marca um antes e um depois, uma mudança irruptiva neste 2019, com um final de ano agitado e combativo. Foi uma greve política “Contra o pacote de Duque, a OCDE, o FMI e o Banco Mundial: pela vida e pela paz”, como foi chamado o chamado de três centrais sindicais e dezenas de organizações sociais aderentes, os milhares de panfletos e alguns cartazes e banners. Uma Paralisação Cívica Nacional de centenas de milhares (alguns dizem 2 milhões, outros 1 milhão, outros 500 mil ou menos) nas principais cidades (Bogotá, Medellín, Cali, Cartagena, Bucaramanga, Pasto, Cauca, Ibagué, Manizales, Neiva, etc.) .). Após o pico da Paralisação Agrária e Popular de 2013, o 21N conseguiu paralisar, em boa parte e de maneira relativa, os ritmos de normalidade do país e mostrou a revolta social acumulada com o governo e seus antecessores por inúmeras razões, um arco-íris de demandas sociais que se uniram para questionar o poder governamental de fato.

Colégios e universidades suspenderam atividades, muitas comércios, empresas e entidades públicas fecharam ou pararam de trabalhar mais cedo. Então, o fluxo de vias e a produção capitalista diminuíram significativamente, acima de tudo, de uma parte do setor público. A Paralisação foi sentida. No entanto, faltam muitos quilômetros para chegar a uma greve geral de classe, que paralise o país e as atividades econômicas estruturais, privadas e públicas, com os trabalhadores (industriais e não industriais) liderando os setores populares, com assembleias, comitês de greve, massividade e organicidade.

Uma greve geral massiva que nem mesmo a greve “mítica” de 14 de setembro de 1977 conseguiu, apesar dos contos chineses e dos esquemas de paralisação da velha guarda e de seu sectarismo, porque, segundo Trotsky e Moreno, para eles os grandes eventos não são uma oportunidade de intervir com ousadia, mas para comentar a realidade e lamentar o atraso das massas/direções (sem diferenciá-las) e ficar irritado porque o movimento não segue suas fórmulas organizacionais. Alguns, mesmo com seu formalismo, negam ou são céticos quanto se houve paralisação no dia 21N e estão localizados à direita da consigna de “a paralisação continua”, não sabendo diferenciar momentos de armadilha da burocracia de outras situações de luta aberta como esta. Quando o mais sensato é que a estratégia seja a mobilização permanente de massas pelo poder, a qual varia nas formas de luta social e de construção política dirigente para essa tarefa, que deve estar subordinada à situação concreta.

Ainda que a liderança burocrática sindical, social e política do centro-esquerda reformista estivesse apostando apenas em um dia rotineiro de mobilização e ações preventivas contra a reforma trabalhista, a previdência, tributária, educacional, regulamentação dos protestos sociais e assassinato de líderes sociais, salário mínimo, quebra de acordos de paz e política de segurança, corrupção e destruição ambiental, o descontentamento social literalmente os atropelou. Não apenas eles, mas também a força pública.

As ruas se encheram no 21N e se rechearam de cânticos e consignas, e no final do dia, surpreendentemente, uma panelaço noturno depois das 19h30 ressoou na capital e nas principais cidades, bairros, esquinas e ruas, que chegaram até a casa de Duque em Usaquén (onde houve concentração por pelo menos 4 dias). Foi significativo que aqueles que não pararam, apoiassem a paralisação e simpatizassem com os manifestantes, contra a repressão e pela justiça das demandas. Algo sem precedentes no país que mostrou o espírito de contágio e efeito dominó. Existem até vídeos virais de jovens do Exército Nacional da Colômbia, como Brandon Cely e Juan Mendieta, em apoio à Paralisação Nacional.

Mas as coisas não acabaram naquela noite fugaz, cheia de sonhos, união e luta, que começa a brotar um novo despertar, acontecimento histórico que muitos não esquecerão enquanto vivermos. Memória e orgulho. O elemento mais dinâmico da paralisação, os estudantes e a juventude, sem perspectivas de futuro e risco material, deram lição ao movimento social e a classe trabalhadora, influenciados pela onda latino-americana (Chile, Equador, Haiti, Bolívia e a bandeira de Whipala) , Porto Rico etc.) e mundial (França, Hong Kong etc.), sabiam que o conceito de greve não poderia se limitar a um dia glorioso de paralisação. Tinha que continuar alterando a normalidade do trabalho e social. Por esse motivo, com audácia, na sexta-feira 22, continuou a tentativa de paralisar os portões do Transmilenio (Sul, Américas, Norte, Suba, 20 de julho etc.), o bloqueio de estradas e as principais concentrações, juntamente com a continuidade da onda das panelaços, no centro do país e nas principais cidades urbanas.

O operário e o trabalhador colombianos devem aprender com a combatividade indígena, com a dinamicidade e criatividade do estudante, para derrotar a burocracia sindical e o governo, para superar o atraso organizacional, social e político em que se encontra o proletariado nacional. Por sua vez, os jovens devem aprender que, sem a aliança com os trabalhadores e o apoio da maior parte do povo, não há vitória estratégica possível, às vezes nem tática e sim muito desgaste, porque são eles que movem o mundo …

Devido a essa natureza perturbadora da Paralisação Nacional, na ocasião, houve alguns saques espontâneos de pobres e roubos criminais, ataques de vandalismo a símbolos de poder e confrontos com a força pública (Suba, Patio Bonito, centro da cidade etc.) ), o atentado guerrilheiro a uma delegacia de polícia em Santander e milicianos nos protestos e colaterais, infiltrados de um lado e de outro, etc. O establishment e a burguesia colombiana tiveram que desencadear um plano contraofensivo antiparalisação que começou a e forjar antes do 21N com invasões extrajudiciais de domicílios, o estado de aquartelamento e fechamento de fronteiras, entre outros. Paradoxalmente, essa campanha de constrangimento uribista ajudou a impulsionar a chama popular da paralisação, inclusive entre algumas personalidades públicas e democráticas (artistas, rainha da beleza etc.) e não poucos céticos da classe média e da intelectualidade.

Leia também:  Histórica greve geral na Colômbia

As cartas jogadas pelo regime e sua conspiração incluiu toque de recolher e lei seca (Bogotá, Cali, Faca, Soacha, outros) que não eram vistos desde 1977, a militarização das cidades e a restrição dos protestos e desocupação das praças centrais, as detenções e feridos, notícias desvirtuadas e ameaças, deportações de venezuelanos e xenofobia. Mas, acima de tudo, notícias falsas e uma psicologia do pânico social e medo baseados no roubo a casas de cidadãos e complexos residenciais, com mercenários pagos, para embaçar as razões da paralisação. Os de cima haviam cumprido sua missão. A população, céticos em relação à paralisação e agora encorajados, não contra o pacote do governo, mas contra o roubo de residências, sentiram ansiedade e se armaram à noite para enfrentar fantasmas e alguns grupos isolados, que procuravam aproveitar-se da situação.

A trama e a conspiração do monstro da Paralisação Nacional e seu efeito no dia 22 funcionou para os ricos apenas algumas horas. No sábado, 23, com o dobro da força, os panelaços, vigílias, marchas com tochas e concentrações, danças e algumas assembleias foram a reação massiva à política de tormento e terror (psicológico e real) do estado. Milhares novamente encheram as ruas e bairros. Assim, voltaram as motivações fundamentais da Paralisação e a violação dos direitos humanos, assim como o chamado a Duque para sentar-se com os empresários, para atender às reivindicações expressas de maneira distorcida no Comitê Nacional de Paralisação e a Bancada Alternativa de oposição parlamentar.

No domingo 24, os jovens fizeram manifestações em bicicleta, protestos na Plaza de Bolívar e vigília no hospital San Ignacio e panelaços nos bairros, devido ao estado crítico do jovem de 18 anos, Dilan Mauricio Cruz Medina, que havia se manifestado no sábado 23 no centro da cidade, quando uma munição letal não convencional do ESMAD (Esquadrão de Motim Antidistúrbios) atingiu sua cabeça, no altura da rua  19 com a 4. Na segunda-feira 25, mais uma vez houve protestos massivos por ocasião do dia da não violência contra as mulheres no Parque Nacional e na Plaza de la Hoja, além de outros pontos autônomos, especialmente no que diz respeito ao bombardeio de meninas indefesas pelo FFMM, o assédio sexual e no trabalho, os feminicídios, violência sexual e laboral do governo duquista e os empresários.

Na terça-feira 26 e quarta-feira 27, uma série de concentrações após o crime de estado contra a humanidade de Dilan e uma paralisação nacional de 24 horas ou mais, por parte da Federação Colombiana da Educação (Fecode) e outras sindicatos, estudantes e movimento popular. Enquanto o Comitê Nacional de Paralisação se levantou da Mesa pela intenção de dialogar com os “sindicatos” empresariais e não diretamente, vários líderes políticos reformistas (Petro, outros) se recusam a prestar-se ao jogo do diálogo duquista e há indignação por Dilan. Espera-se que em novembro e dezembro, eles aprofundem o caráter indefinido, escalonado ou continuado, de paralisação e várias mobilizações, até derrotar o pacote e, se possível, colocar a renuncia de Duque, ou pelo menos desgastá-lo politicamente.

Enquanto isso, a reação uribista e burguesa apresentarão: trabalhadores e estigma do movimento; assassinatos e acusação à oposição por crimes de Estado e incendiar o país, incendiários; diálogo governamental desmobilizador; contramarchas e marchas paralelas, grupos privados de resistência civil contra distúrbios; armadilhas, tais como dividir o comitê de negociação e brigas da mesa; pequenas concessões e reformas, promessas apresentadas como grandes reformas; discurso de novo rumo, ouvindo e cooptando, trocando gabinete, desgaste etc.

O lema mobilizador de “A paralisação continua”, que tem ecoado nas manifestações desses sete dias (uma semana inteira, que pode prever, pelo menos, esperançosamente, um mês ativo), é a expressão da disposição de luta e uma novo ciclo de protestos sociais de rua, que será cada vez mais recorrente e dinâmicos. Sem esquecer os momentos normais de refluxo e calma, inatividade e passividade, devido à desorganização e debilidade comparativa do movimento social colombiano, os limites do 21N.

A Colômbia está mudando

A pergunta que todo mundo faz é … e agora o que vem depois? Não há resposta única, uma vez que cada classe e fração (social e partidária) tem um diagnóstico diferente (consciente ou inconsciente) da situação nacional e, portanto, uma política diferente. Mesmo dentro de cada organização e a espontaneidade das massas, abundam diferentes opiniões individuais, grupais e coletivas das bases, quadros médios e dirigentes, com suas respectivas particularidades de idade, gênero, condição social, cultural e intelectual. Momentos inéditos geram o surgimento da democracia e das vozes polifônicas. Viva a paralisação, a discussão aberta e a unidade de ação!

Por parte dos socialistas revolucionários e dos defensores dos trabalhadores, se antes tínhamos alguma dúvida e desvalorização sobre a leve mudança superestrutural após o fim do conflito armado com as históricas FARC-EP e, em grande parte, da dinâmica conflitiva dos últimos 60 anos e seu papel negativo e determinação da luta de classes nacional. A relatividade desse fato ofuscado devido à contradição latente das guerrilhas residuais (ELN e EPL), o rearmamento de dissidentes (das FARC, etc.) e grupos criminosos e paramilitares armados, o narcotráfico, os assassinatos de líderes sociais, etc. Mas, acima de tudo, a abertura democrática nula, o sonho não realizado do pós-conflito, com a manutenção e o fortalecimento do regime político autoritário de sangue e fogo e o aprofundamento do modelo econômico neoliberal, depois de desarmar a maior e mais antiga guerrilha do mundo. Esta é a tese tradicional.

No entanto, a Paralisação do 21N é o melhor e mais impressionante mostra que começa a limpar esse manto equivocado de previsões e análises, para ver, agora sim, com os olhos bem abertos, que estamos transitando para uma nova etapa histórica da luta de classes nacional e, portanto, estamos entrando em um novo ciclo de protesto social na Colômbia, como vínhamos falando há dois anos.

Não é um mero fluxo mobilizador, ascenso ou conjuntura, descontentamento antiuribista pontual, nova situação, estamos diante de uma questão muito mais complexa e de médio prazo. Nada mais nem menos que uma magnitude qualitativa. Quem não entender esse processo histórico contraditório, do velho e do novo, de uma transição contraditória para uma nova etapa e ciclo, não poderá afrontar os desafios que virão e vai perecer. As direções atuais, reformistas, centristas, revolucionárias e contrarrevolucionárias não estão à altura, nem sequer no campo do diagnóstico, do pensamento. Daí a crise e as divisões dos partidos.

Qualquer tentativa de minimizar, subestimar, ignorar ou negar essa mudança histórica proporcional, com teses simplistas como a “continuidade do conflito armado estrutural” e a “violência estatal de dois séculos” e o “regime neoliberal bonapartista”, a “hegemonia cultural uribista” e “direitista”, “país de merda” etc. etc., digamos sem ambiguidade, parados no 21N, será uma expressão míope e negacionista, pessimista e sectária da realidade nacional que deve ser controversa.

O movimento operário-popular e a esquerda devem discutir em profundidade e com calma essa hipótese alternativa de uma nova etapa histórica e um novo ciclo, uma vez que não está descartado o erro de cair em posições ingênuas e impressionistas, igualmente unilaterais como de outras pessoas e não isentas de uma situação retórica ideológica É o caso dos ex-negociadores de paz, Juan Manuel Santos e Humberto de la Calle, sobre as “conquistas da paz imperfeita” e a “mudança incontrolável do centro” do fajardismo. De qualquer forma, são expressões contraditórias de uma mudança real de uma Colômbia diferente da de 60 anos atrás, mas que ainda tem muitos remanescentes de um passado conflituoso, por isso as combinações, os prazos peremptórios e as contratendências.

Leia também:  A Colômbia acordou: que os protestos continuem, que as centrais se retirem das mesas de conciliação

A Paralisação Nacional do 21N de 2019 faz parte do mesmo processo de mudança real, desigual e combinado, expresso em: a derrota eleitoral do Centro Democrático, o principal partido do governo, nas eleições regionais de 2019; os 11 milhões da Consulta Anticorrupção de 2018 e as vitoriosas Consultas Populares ambientais das comunidades; os 8 milhões para um candidato reformista de centro-esquerda e para a Bancada Alternativa. Antes, os 6 milhões de votos do SIM no plebiscito em 2016 e a assinatura do Acordo de Paz de Havana em 24 de novembro de 2016, que possibilitaram as cadeiras no parlamento das FARC e antes geraram marchas poderosas pós-plebiscito em favor de paz e saída política para o conflito armado; a investigação de Uribe perante a Suprema Corte e o descrédito cultural e a luta judicial do uribismo, entre outros, mostram isso.

O 21N reflete um pico de resistência à ofensiva da abertura neoliberal de três décadas e as contradições institucionais e desgaste do aparato estatal, resultado da constituinte de 91 (daí as propostas de nova constituinte, reformas constitucionais, da justiça e do sistema eleitoral e partidário, etc.). Os índices comparativos de mobilizações sociais e derrotas, pesquisas de percepção do cidadão, pequenos avanços na conscientização de alguns grupos populacionais (especialmente setores da classe média e juventude), expressam a passagem de uma nova etapa contraditória e ciclo.

Tarefas urgentes do movimento

No ambiente, se percebe a urgência para a ação social e política após a situação aberta da 21N. Respostas.

A política reativa e desmobilizadora de Iván Duque é uma “Grande Conversação Nacional” etérea e pomposa até março de 2020, para melhorar a governança e chegar ao fim de seu mandato tortuoso e garantir a continuidade da direita do próximo governo. Mas o povo mobilizado e boa parte da população não suporta outro presidente fantoche e indicado por Uribe.

Em seu terceiro discurso, Duque disse que essa metodologia começaria na quarta-feira, 27 de novembro, mas na verdade começou mais cedo. Primeiro com seu Conselho de Ministros e Segurança do FFMM e a força pública em geral. Depois, com os empresários da Andi, Fenalco, etc. Posteriormente, com governadores e prefeitos. Por fim, culminam com os representantes dos partidos, aqueles relacionados aos seus interesses e os mal chamados de independentes e opositores, bem como com os organizadores da paralisação e o povo trabalhador – os ninguém – em uma exaustiva fragmentação setorial e regional. As “forças representativas” que deram as costas à Paralisação Nacional e ao clamor popular, que não fizeram nada nem antem, nem depois do 21N – queriam que a paralisação fosse em janeiro e apenas um dia! -, sendo de longe, atropelados  O país das elites e burocracias, dissociado dos trabalhadores e das novas gerações.

Duque parece ser um bom aluno do presidente chileno, Sebastián Piñera, em relação à sua política de diálogo, incluindo Uribe com seus conselhos comunitários. Até o prefeito eleito de Medellín, Daniel Quintero Calle, em uma carta ao presidente, como tentativa de aparecer na mídia propôs “uma constituinte que resolva a polarização e permita encontrar-nos como sociedade” (1), como forma de conciliação de classes e reação democrática. A burguesia colombiana, como um todo, é tão reacionária que não permite nem um indício de reforma progressiva do regime e estruturais, nem mesmo pequenas.

A esquerda e o movimento social devem transcender a arrogância da mera e simples rejeição e inconveniência concreta de uma constituinte (posição correta, mas insuficiente) (2). Devem se esforçar para entender a complexidade do que expressa esse tipo de propostas e locais de enunciação de classe (3), quanto ao caráter e crise (ou não) do regime político colombiano e das lutas interburguesas e interclasses. Tanto amor e defesa reformista da Carta Política de 91 e o podre regime antidemocrático, medo da reação uribista e da direita, confundem os sentidos e adoecem a mente …

De qualquer forma, sem desviar o foco, imediatamente, o que está em jogo é o “acordo” do Salário Mínimo Legal Vigente de 2020 na comissão tripartida (governo, empregadores e centrais operárias), o “diálogo” sobre o modificação do pacote e aplicação harmoniosa e peremptória da Lei de Financiamento Fiscal e o “aprofundamento social” do Plano Nacional de Desenvolvimento, especialmente.

Além disso, em íntima relação com o 21N, uma série de demandas setoriais pendentes de trabalhadores, professores, estudantes e setores populares (indígenas e camponeses), acordos não cumpridos e deficitários, incluindo o Acordo de Paz de Havana coma outrora guerrilha camponesa e suas bases agrárias.

Toda essa expansão antimobilizadora da política de diálogo nacional está sendo usada por Duke e pelo establishment, para entrar com propriedade nos feriados de final de ano e fechar o mais rápido possível a dor de cabeça e a angústia da conjuntura da paralisação e do protesto iniciados no 21N que já completa uma semana. Conter a indignação e insatisfação com “promessas de mudança” e “mais do mesmo”.

Diante desse panorama, as tarefas urgentes do movimento social e a política revolucionária do momento histórico e do momento concreto consistem, na medida das possibilidades, oportunidades e o curso imprevisível dos acontecimentos, nos seguintes pontos:

1- Denunciar o “diálogo” do governo de Duque como uma armadilha. Exigir das Centrais Sindicais e o Comitê Nacional de Paralisação, especialmente a CUT, que não participem da Comissão Permanente de Negociação de Políticas Salariais e Trabalhistas, com o governo, para negociar a paralisação ou assuntos semelhantes. Rejeição categórica do pacote legislativo que o governo preparou para os próximos 3 anos, não há nada a negociar. Temos que derrotar os planos de Duque, sim ou sim.

Apresentar, isso sim, uma lista de reivindicações alternativa da paralisação (o atual Comitê Nacional de Paralisação levantou uma “agenda de 13 pontos” (4) emanada de um Encontro Nacional de Emergência e advertir sobre uma possível recessão econômica global e a ligação do governo ao descarregar a crise dos ricos nos ombros dos pobres e até dos setores médios. Preparar e organizar uma Paralisação Nacional Indefinido já, comitês setoriais e de bairros a favor da paralisação, uma negociação de pressão, e não um diálogo divisionista do governo. Continuar na rua e redobrar o protesto com controle democrático (operário, estudantil, popular e barrial) e democratização do comitê de negociação da paralisação.

Caso contrário, denunciar as direções burocráticas e os porta-vozes negociadores do Comitê e da Comissão, perante as bases, as massas participantes e o povo colombiano, como traidores da histórica Paralisação Nacional do 21N, ao ser pró-uribistas e governistas, funcionais ao capital , como Julio Roberto Gómez, presidente da CGT (que deve ser expulso do comitê e ter desfiliação massiva de sindicatos a esta e integração à CUT (5). O problema não são os sindicatos, o movimento operário e a classe trabalhadora, como pensa o populismo, mas sua direção e suas crises, em todos os níveis.

Exigir, sim, como parte da pauta de reivindicação popular, negociar um aumento geral e substancial do salário mínimo e melhorar o emprego e a estabilidade dos jovens, sem aceitar a cifra da patronal-governo, criticando a política demagógica de Duque sobre “mais empregos e mais salário” com o qual conquistou parte do eleitorado e se elegeu. Por menor que seja o aumento mínimo proposto pelas centrais operárias, chamar o povo a exigi-lo e impô-lo ao governo e aos empresários através de protestos sociais, como parte do 21N. Seguindo os ensinamentos socialistas de Nahuel Moreno, sobre o caso argentino, ele disse:

Leia também:  Colômbia |  “Terminou a horrível noite”...e a luta continua

“Aqui na Argentina, não me lembro exatamente do ano, a CGT levantou a consigna de um aumento de vinte por cento nos salários. Dissemos: “Ok, vamos fazer assembleias de fábrica e organizar piquetes de mobilização para obter esse aumento, mas nem um peso menos”. Política Obrera e os posadistas da Vos Proletária levantaram consignas [sectárias, pseudo-antiburocráticos e objetivistas] por aumentos muito maiores, eles acreditavam que quanto mais pediam, mais revolucionários eram. Naquela época, a inflação estava entre quinze e vinte por cento ao ano, então imagine o que significava pedir esse aumento. Mas eles se consideravam mais revolucionários do que a CGT por pedir mais.

Quando exigimos que a CGT lutasse por “seu” aumento, sem recuar em um único peso, e que fizesse assembleias e piquetes, fazíamos a verdadeira política trotskista [ou marxista revolucionária]. A posição infantil e ridícula dos posadistas e da OP é sua negação. A arte da política trotskista consiste em levantar consignas que desprendem das necessidades [objetivas] das massas e refletem seu verdadeiro nível [subjetivo] de consciência” (6).

2- Interpretar o sentimento de descontentamento operário e popular. Levantar consignas e propor a construção de uma lista de reivindicações e plano de luta, conquista de reformas arrancadas pelo governo, em assembleias e espaços de discussão externa e interna, em torno dos problemas centrais e programáticos da resistência e da revolução colombiana:

  • Liberdades democráticas, defesa da vida e direito a protestos (desmonte do ESMAD e das gangues neo-paramilitares, cessação de assassinatos e ameaças a líderes sociais, prisão a Uribe e impunidade de JEP, pelas vítimas de genocídio e desaparecimento forçado etc.). O caso simbólico de Dilan Cruz. Não ao terrorismo “legal” de estado e grupos ilegais. Autodefesa, mobilização e denúncia das comunidades.
  • Contra o pacote, plano de ajuste, contra reformas ou medidas antipopulares do governo. As reivindicações econômicas antipatronais e anti-imperialistas (aumento do SMMLV, proteção da estabilidade do trabalho, mais emprego, contra a OCDE e a OEA, não para privatizações, etc.). Demandas políticas (garantias políticas, redução de salário para parlamentares e burocracia estatal para meio salário de professor, terminando a reeleição, etc.). E reivindicações ambientais (não de fracking e proteção de florestas e Amazônia, não à caça de tubarões e touradas, consultas, transição energética e enfrentamento da crise climática etc.) contra o governo e o regime vigente. A perspectiva estratégica de um constituinte antiregime e um governo dos trabalhadores e do povo, conquistados pela mobilização e insurreição em massa. Abaixo o regime antidemocrático de 91 e sua carta neoliberal, o povo trabalhador não deve “respeitar” ou “aprofundar” um andaime institucional que os ameace, mas deve derrubá-lo e alcançar um processo destituinte.
  • Desgastar e focalizar centralmente o desacordo na cabeça política, o presidente Duque. Inclusive, é necessário propor que ele renuncie, revogação democrática e derrubá-lo através da mobilização social. Além da denúncia do pacote,  acompanhar em cada conflito e exigir o Fora Duque e Uribe, abaixo Duque, renuncie Duque, Duque Chao, Duque assassino, revocatória de Duque, prisão e investigação a Duque, (envolvido na corrupção da Odebrecht e responsável pela política de segurança), julgamento popular de Duque ou outras variantes antigovernamentais. Todo processo de resistência e revolução ocorre com o ataque frontal ao chefe do governo. O resto são abstrações e oportunismo. O 21N não foi uma marcha sindical de um setor, mas uma poderosa mobilização antigovernamental nacional com alguns sinais de greve política, como observa a análise política do El Espectador: “Há um profundo incômodo com o governo, que se materializou em um das poucas consignas que tinham unidade na massa: “Fora Duque”. A outra consigna que sintetizou a mensagem das várias vozes foi a do antiuribismo” (7). Em resumo, tudo o que as políticas tradicionais e alternativas não fazem deve ser feito. Devemos nos opor à política consciente de apoio da “oposição” burguesa (Roy Barreras, o Santismo e os liberais, os verdes e Fajardo, Cambio Radical) e a “oposição” pequeno-burguesa (Gustavo Petro, Gustavo Bolívar e sua Colombia humana, o Polo de Robledo e Iván Cepeda, etc.), as centrais operárias (CUT, CTC e CGT) e a mídia privada. Seu raciocínio é esperar até 2022 por um “novo governo de mudança” e pior do que assumir outra “substituição” de Duque de seus anfitriões (Marta Lucia), apaziguar o protesto e a raiva popular, “conter” e não derrotar o pacote, conselhos ao governo Duque para que deixe de ser um fantoche, “desuribize” e “retifique”.

3- Apoiar e promover, organizar, participar e dirigir protestos espontâneos ou organizados no final do ano e no primeiro e segundo semestres. Especialmente as assembleias de bairro e comitês pró-paralisação, concentrações, coberturas, relatórios, palestras, panelaços e vigílias, danças, reuniões, uso de redes e comunicações sociais, cultura, etc. Zero esquemas, audácia, audácia e mais audácia. Continuar a paralisação, os protestos sociais permanentes. Uma nova camada de pessoas desperta para a vida social e política. Existem milhares de Dilan procurando respostas.

4- Ao contrário da onda espontâneista e movimentista, molecular e descentralizada, autônoma, que a partir do olhar do populismo pequeno-burguês (8), desfigura a revolucionária marxista proletária e partidário revolucionário, Rosa Luxemburgo, e até mesmo Gramsci, devemos avançar para reconstruir, no calor da luta, as organizações democráticas, sindicais e recuperar as existentes das garras burocráticas.

Da mesma forma, devemos avançar na formação unitária e reagrupada de partidos de esquerda dos trabalhadores, revolucionários e internacionalistas, com síntese geracional, para a liderança disputada da preparação da revolução e mudança de regime, que começa com um longo período de resistência e ciclo surgido no 21N e na nova etapa. Rumo a segunda e definitiva independência da Colômbia, um despertar bicentenário e primavera de um novo colombianazo, pelo socialismo latino-americano e mundial.

Notas:

1- https://www.elcolombiano.com/antioquia/daniel-quintero-alcalde-electo-de-medellin-propone-a- president-ivan-duque-asa assembléia-nacional-constituyente-CC12015403

2- 4 razões para rejeitar a proposta do Constituinte, Alejandro Mantilla (24/11/2019): https://www.facebook.com/alejandro.m.quijano/posts/10157781243782959

3- Atores políticos e sociais heterogêneos que tiveram propostas constituintes no último período: a constituinte limitada e trapaceira de Uribe e Abelardo de la Espriella (2016); a constituinte social democrata de Petro (2018) e as FARC-EP (2013-2016) Segunda Marquetalia de Santrich e Iván Márquez (2019) a constituinte antiregime e opérária e popular do PST Colômbia (2016-2017); a constituinte popular do EPL, outras de Jaime Araujo Rentería, ex-Pdte. do Tribunal Constitucional, Serpa, Benedetti, Roy Barreras, Uribe, Montealegre, Álvaro Leyva Durán, Noemi Sanín, Marta Lucía Ramírez, Henry Acosta, etc.

4-https: //www.fecode.edu.co/images/CircularsPDF/circula_2019/PETICIONES_AL_GOBIERNO.pdf

5- https://www.lanacion.com.co/2019/11/22/sindicatos-del-huila-rompen-con-la-cgt/

6- http://www.geocities.ws/moreno_nahuel/45_nm.html

7- https://www.elespectador.com/noticias/politica/el-estallido-social-en-que-derivo-el-paro-articulo-892555

8- https://lasiniestra.com/el-paro-de-noviembre-y-las-politicas-del-entusiasmo/?fbclid=IwAR3Z-qKoxpzg6xmr0GJgdXzFvUHnLn6r27cF4NLIwvS1YOG9cniJiYepRJw

[1] https://www.eltiempo.com/archivo/documento/CMS-13760642 ou https://dle.rae.es/carajo

Tradução: Lena Souza