COMPARTILHAR

Foram realizados os Congressos do PTS e do PO, que definiram as propostas de candidaturas da aliança.

Por: PSTU-Argentina

O PSTU votará na Frente de Izquierda de los Trabajadores – FIT nas próximas eleições nacionais, assim como fizemos em Neuquén, Santa Fé, Río Negro e Chubut. Nesse contexto, acreditamos que é necessário debater como esse programa se expressa nas candidaturas da Frente. A política eleitoral da esquerda deve responder à realidade em cada momento concreto.

Sempre defendemos que os principais candidatos deveriam ser os dirigentes operários mais reconhecidos das forças da Frente, tais como “Pollo” Sobrero, Alejandro Crespo (dirigente do sindicato SUTNA), Claudio Dellacarbonara (dirigente do metrô) ou Raúl Godoy (de Zanón). Como eles, há muitos outros, que dariam à FIT um perfil muito mais próximo à classe operária e seus setores mais explorados. Além de companheiras referências da luta das mulheres e da juventude. As candidaturas propostas pelo PTS e PO, sendo reconhecidos companheiros, expressam um perfil mais próximo aos setores médios da classe trabalhadora e da classe média.

Estamos convencidos que uma localização central dos dirigentes operários dos partidos da FIT seria fundamental para mostrar uma oposição frontal contra os candidatos patronais.

A campanha eleitoral, os presos e os processados

Mas nestas eleições, deveria expressar-se com muito mais força o principal fato da luta operária que se deu contra Macri: a luta contra a Reforma da Previdência em 14 e 18 de dezembro de 2017. As consequências dessa luta foram enormes, a ponto de paralisar o governo em relação ao seu projeto de reforma trabalhista, e estão na base da crise da aliança Cambiemos.

Por causa dela, estão processados os companheiros César Arakaki e Dimas Ponce, militantes do PO, está perseguido Sebastián Romero, do PSTU, e preso Daniel Ruiz, também do nosso partido. Eles são as principais figuras da principal luta contra o governo de Macri. E eles deveriam ter um lugar destacado nas listas da FIT. Seria a expressão do conteúdo rebelde da proposta da FIT.

Leia também:  O PSTU exige seu direito a réplica: La Nación e #LANATA se somam à campanha de mentiras contra Daniel Ruiz

Daniel Ruiz deve ser candidato a Deputado Nacional pela FIT Chubut

Esses companheiros devem ter presença central nas listas. Arakaki e Ponce em seus respectivos distritos, fortaleceriam a FIT. E reivindicamos, sobretudo, a candidatura a Deputado Nacional pela província de Chubut de Daniel Ruiz, preso há quase 8 meses, que é um reconhecido dirigente operário petroleiro de Comodoro Rivadavia, descendente de povos originários e lutador social e político desde sua adolescência. Em Chubut serão escolhidos dois deputados nacionais titulares e dois suplentes. Entendemos que Daniel deveria ter seu lugar garantido nessa lista e acreditamos que é um caso diferente, mais urgente, porque hoje precisamos arrancá-lo das garras de nosso inimigo de classe.

No mesmo sentido, a FIT poderia oferecer candidaturas aos petroleiros de Las Heras ou aos trabalhadores da Línea Este de coletivos de La Plata.

É necessário que tanto o PO, que tem a legalidade em Chubut, como os demais partidos se pronunciem sobre esta proposta, e abram as listas aos companheiros que estão presos e processados.

Uma campanha a serviço da liberdade e do desprocessamento

Isto permitiria visibilizar muito mais a situação desses companheiros. A defesa no terreno da justiça do regime é importante. Mas a tradição dos partidos que se reclamam da classe operária, é que a principal defesa é política.

Com muito esforço e solidariedade de muitas organizações de DDHH, sindicais, sociais e políticas, a situação de Daniel Ruiz vai sendo conhecida e se localizando nas lutas operárias e antirrepressivas. Achamos que a campanha pelo desprocessamento de Arakaki e Ponce perdeu força. Sabemos que o regime não nos perdoa a luta de 14 e 18 de dezembro, e que a principal defesa é a solidariedade e o reconhecimento massivo dos lutadores.

Assim como mantemos a luta pela liberdade de Daniel, e reclamamos sua candidatura para fazê-la ainda mais conhecida, nos colocamos a serviço de unir a ela, a campanha pelo desprocessamento de Arakaki e Ponce. Estamos à disposição dos companheiros da FIT em geral, e do PO em particular, para desenvolver uma forte campanha política nacional e internacional por todos os presos e processados.

Leia também:  O livro “La Guerra contra la Triple Alianza en debate”, de Ronald León Núñez é lançado em Assunção

Tradução: Lilian Enck