Celebramos a vitória que considerou culpado o policial assassino de George Floyd, mas não devemos deixar a euforia dessa conquista confundir a realidade do país. Pois o racismo, o sistema judicial corrupto, a militarização da polícia e a repressão constante continuam, em todos os aspectos, contra as minorias de cor e classe trabalhadora.

Por: Corriente Obrera

Minutos antes de dar o veredicto de culpado ao policial assassino em Minneapolis, a adolescente afro-americana de 16 anos, Ma’khia Bryant, foi assassinada em Columbus, capital do estado de Ohio, por outro policial. Bem como Duante Wright , um afro-americano de 20 anos, também assassinado em 11 de abril por um policial branco, exatamente na mesma cidade em que o policial Dereck Chauvin estava sendo julgado e a apenas aproximadamente 24 km de onde ocorreu a morte de Floyd.

Enviamos nossas condolências e solidariedade aos familiares e amigos, por sua luta que também é a nossa.

Ambos os casos geraram protestos comunitários com a participação do movimento BLM- Black Lives Matter (Vidas Negras Importam). Esses dois fatos são apenas uma pequena parte do motivo pelo qual dizemos que a vitória do veredicto é pequena, uma vez que todos os assassinatos cometidos até o momento, e aqueles que continuarão perdendo a vida nas mãos da polícia, bem como pela violência exercida de muitas outras formas pelo opressor sistema capitalista, não acabou, e acreditamos que enquanto existir nunca haverá justiça verdadeira.

A começar pelo fato de não querermos que nenhuma outra pessoa seja agredida nem por balas, nem por discriminação, nem pelo sistema de saúde, salários de fome e nem por todo o conjunto de mecanismos que constituem este sistema repressivo que a classe capitalista estabeleceu, para garantir bem-estar e riqueza apenas para a burguesia imperialista, e que sempre foi dirigido por democratas e republicanos igualmente, cada um em seu próprio estilo.

Esta vitória, e que se destaca que é histórica, tem certa semelhança com a vitória presidencial de Obama, também considerada histórica, e ambas são utilizadas para garantir a influência do regime democrático burguês nas comunidades de cor, pobres e operárias. O veredito é utilizado para chamar a população a continuar acreditando na justiça institucional, focando em confiar que por meio de julgamentos e tribunais, de forma paciente e ordeira, é possível fazer justiça, sem esclarecer que se trata apenas de um caso ganho entre milhares perdidos, nem o quão caro é montar uma boa defesa legal. Além de não saber quantos anos de prisão lhe darão, resta saber quais privilégios poderiam lhe dar seus companheiros carcereiros, e que são membros do Ku Klux Clan e das milícias trampistas de direita, para quem Chauvin é um herói. E não saber se poderá ser perdoado quando um republicano se tornar presidente.

No caso da vitória presidencial de Obama, serviu para mostrar que não há tanto racismo no país e que tanto os afro-americanos quanto outras minorias também têm a oportunidade de alcançar cargos importantes no governo. E que todos os afro-americanos e latinos do país podem alcançar todos os objetivos que se propõem. Sem explicar que Obama não chegou à presidência em nome dos afro-americanos pobres e da classe trabalhadora, mas que chegou a essa posição em nome da classe corporativa , dos racistas e opressores brancos mais ricos dos Estados Unidos. Não é por acaso que o governo Obama chegou para resgatar da falência e salvar de possíveis processos judiciais as grandes corporações financeiras, responsáveis ​​pela crise econômica que produziram em 2007-2008,

O efeito Obama foi usado para arrastar minorias de cor de volta ao sistema político eleitoral e parlamentar, o qual rejeitaram como sendo dominado exclusivamente por brancos privilegiados. Essa elite branca e milionária foi obrigada a usar elementos que na aparência poderiam ser identificados como representantes de minorias, mas que na realidade pertencem aos partidos corporativos no poder, querendo dizer com isso que são 100% contra as populações de cor e das minorias em geral. E, particularmente, contra os pobres e a classe trabalhadora, e isso não tem nada a ver com solidariedade dentro da raça negra e muito menos tem a ver com um governo progressista, principalmente porque reprimiu a mais de 3 milhões de outra minoria também abusada e discriminada como é o caso dos imigrantes, entre os quais muitas mulheres, pessoas de raça negra e menores.

Portanto, embora seja bom que o veredicto tenha considerado culpado o policial assassino de George Floyd, devemos manter os pés firmes no chão e perceber que nem tudo foi dito e que certamente não se sabe como tudo isso vai se desenrolar tudo que ainda está pendente neste caso. E, mais do que qualquer coisa, perceber que a mobilização massiva e politicamente aberta, contra o sistema opressor das corporações defendido e dirigido por democratas e republicanos, é o caminho correto para continuar esta e todas as lutas que ocorrem, espalhadas por diferentes pontos e causas em todo o país, e que temos que nos unir para criar um grande movimento que lute por profundas transformações sociais, ou seja: por uma revolução socialista.

QUE O VERDITO DE CULPADO SEJA REFLETIDO TAMBÉM NA CONDENAÇÃO!

JULGAMENTO E PUNIÇÃO DE TODOS OS POLICIAIS ASSASSINOS!

NÃO SÃO SÓ OS TRIBUNAIS E A POLÍCIA QUE NÃO FUNCIONAM, É TODO O SISTEMA!

TODOS A LUTAR POR UMA REVOLUÇÃO SOCIAL PROFUNDA!