COMPARTILHAR

Joseph Goebbels, ex-ministro de Propaganda de Hitler, dizia assim:

 “Minta, minta, minta que alguma coisa permanecerá, quanto maior for uma mentira mais pessoas acreditarão”.

 “Como regra geral a propaganda opera sempre a partir de um substrato pré-existente, seja uma mitologia nacional ou um complexo de ódios e preconceitos tradicionais; trata-se de difundir argumentos que possam arraigar em atitudes primitivas”.

 “Toda propaganda deve ser popular, adaptando seu nível ao menos inteligente dos indivíduos aos quais é dirigida”.

Por: Víctor Alai

Abascal e sua quadrilha aplicam fielmente estes conselhos de seu admirado hierarca nazista em seu discurso contra os imigrantes e o movimento pela igualdade das mulheres ou do coletivo LGTBI. Com dados falsos ou fora do contexto que foram denunciados por numerosos investigadores sociais e que a própria realidade desmente, manipulam toscamente, martelando repetidamente as mesmas mentiras para convertê-las em algo aprendido de forma visceral.

Também não duvidam em usar o assédio, os insultos, as ameaças e as coações como estratégia para ganhar espaço público, ou contra aqueles que enfrentam suas idéias.

Qual é o programa do Vox em relação às mulheres?

Resumidamente podemos dizer que a ultradireita está contra o aborto que não consideram um direito. Querem suprimir a lei da violência machista que negam, substituindo-a por outra de violência intrafamiliar. Defendem a custódia compartilhada como regra geral, inclusive em casos de violência machista, expondo assim os menores à mesma. Para o Vox a esmagadora maioria das denúncias por violência de gênero são falsas e são feitas para conseguir vantagens nos processos de divórcio.

Negam também qualquer discriminação da mulher que consideram algo «natural», fruto da “livre escolha” e dos “gostos pessoais das mulheres”. Dizem que lutar contra a discriminação é “priorizar o entre pernas frente à preparação e o mérito” (Alicia Rubio, vice-secretária de Mobilização do Vox).

Leia também:  Estado Espanhol| Por que não se superou a pandemia? Porque assim nossa vida se vai: saúde 100% pública

Rocío Monasterio resume assim as medidas do Vox para as mulheres: “nenhuma, porque nós mulheres não precisamos de cotas, nem que nada nos proteja. Não somos vítimas”.

O mais reacionário da sociedade

A ultradireita de Abascal representa as forças mais reacionárias da sociedade. Encarna o setor mais retrógrado dos aparatos de Estado franquistas que a Transição preservou sem depuração alguma (juízes, militares, policiais e guardas civis). Está ligado com o segmento mais próximo da reacionária Igreja Católica. Está vinculado a um setor de latifundiários e empresários, sem escrúpulo algum em explorar selvagemente @s trabalhador@s imigrantes.

Capta eleitoralmente alguns setores operários particularmente atingidos pela crise e degradação capitalistas, com o argumento de que “os imigrantes vem e nos tiram as ajudas e o trabalho”.  Recorre também a um setor de homens que culpam as mulheres pelo seu fracasso em não deixarem-se dominar e lutar por seus direitos.

Mas a força do Vox não seria tal sem a cumplicidade do PP, que o legitima, assume como próprio grande parte de seu discurso e onde quer que governe, leva na prática suas propostas, como o «pin parental» em Murcia. O PP e Vox, afinal, tem a mesma origem e servem aos mesmos amos.

Como fazer frente à ultradireita e à direita

PSOE-UP nos dizem que seu governo é o grande baluarte frente à direita. Mas não se derrota a direita com discursos de «patriotismo social», e sim com medidas enérgicas, com orçamento real e com uma poderosa mobilização massiva e auto-organizada. Em tudo isto é onde se demonstra a falência do PSOE-UP.

Neste 8M vamos às ruas para denunciar o discurso mentiroso e de ódio dos que negam a desigualdade de gênero e a violência machista, o direito dos menores de receber uma educação em valores de igualdade e se empenham em associar delinqüência com imigração. E vamos continuar nas ruas até derrotar seus planos.

Leia também:  Brasil| A fala de Weintraub e o projeto eugenista e racista do governo Bolsonaro

Mas também para exigir do novo governo as medidas prometidas e recursos efetivos para colocá-las em marcha. E continuemos nas ruas até conseguir tudo aquilo que precisamos, para que a igualdade deixe de ser simples literatura.

Esta e não outra é a única maneira efetiva de combater a direita e a ultradireita.

Tradução: Lilian Enck