O general de Carabineiros Mario Rozas foi “destituído” por Piñera, o último fato escandaloso da instituição Carabineiros é que atiraram em dois menores do Serviço Nacional de Memores (SENAME) de Talcahuano. Uma das crianças em situação grave teve que ser submetida a uma intervenção cirúrgica.

Por: MIT-Chile

Este governo empresarial e assassino e os de cima ficaram “escandalizados” pelo fato, inclusive nas fileiras do partido Renovação Nacional (RN), através de Leonidas Romero, Jorge Durán e Francisco Eguiguren, que se localizaram oportunisticamente, o primeiro disse que “com esta situação , O General Rozas deve se afastar”. Uma atitude bastante hipócrita diante dos múltiplos atos de tortura, assassinato, estupro e abuso sexual que a instituição cometeu contra os lutadores, em particular, após 18 de outubro do ano passado. No entanto, devemos saber que a saída de Rozas responde à crise de carabineiros e que a crise se agravou e se tornou mais evidente após a pressão da revolução e da exigência que durante meses foi feita com a reivindicação “Fora Rozas”.

A substituição de Rozas-Yañez não diminuirá a repressão

Com certeza, a substituição de Rozas por Yáñez não melhora a situação dos que sofremos repressão, pois não se trata de uma cara mais ou uma cara menos, pois: há todo um plano de governo para “modernizar” os carabineiros com mais investimentos na repressão. Já existem mais de US $ 6,6 bilhões gastos durante 2020 em veículos lançadores de água e gás, um valor que não inclui os US $ 998 milhões desembolsados ​​para um novo lançador de água (guanaco) de 8 rodas que custa o mesmo que seis “guanacos” convencionais. Além disso, a lei de infraestrutura crítica está sendo discutida para ter militares permanentes em certas áreas; entre outros.

Mas vejamos a ficha de Yañez: entrou na escola dos Carabineiros durante a ditadura, em 1986 e em 1988 obteve o posto de segundo tenente. É conhecido como policial de campo e sempre vinculado a tarefas de “Ordem Pública”, ou seja, repressão na rua. Aliás, está na lista dos sete generais convocados pela Controladoria por sua possível responsabilidade administrativa em processos ocorridos no âmbito de os fortes protestos que começaram em 18 de outubro de 2019. É por isso que no governo, em particular na Subsecretaria do Interior o “assinaram” como seu favorito, já que ele sabia de cor os 27 procedimentos por minuto que os Carabineiros assumiam na rua.

Um artigo do La Tercera é nítido: “Com a última mudança de comando, o governo não se escondeu: o deixaram (Yañez) como vice-diretor dos Carabineiros, em uma zona preferencial caso Rozas saísse“, isto é, o Governo de Piñera já sabia que a figura de Rozas – devido à sua fraqueza e todo o questionamento dele – não serviria para o plano repressivo que se avizinha se novos protestos fortes voltem, portanto ele estava preparando sua substituição.

Piñera e todo o seu governo são os principais responsáveis ​​políticos pela repressão

O fato de que os de cima nos assassinam, torturam, estupram e nos reprimem para silenciar nossa luta é algo que não podemos deixar sem julgamento e punição. Houve processos contra Piñera, Chadwick, Blumel e todo o alto comando das forças repressivas por violações dos direitos humanos, mas caminham lentamente ou estão parados. 3 Ministros do Interior deixaram o cargo nos últimos meses devido à instabilidade política. Houve acusações constitucionais contra eles, nas quais apenas Chadwick deixou o ministério por este fato, mas a única impossibilidade de ocupar cargos públicos por 5 anos. Enquanto Blumel e Victor Pérez saíram sem nem mesmo punição política, durante a gestão Blumel houve mais de 2.700 feridos e mais de 300 feridos nos olhos, segundo relatórios do Instituto Nacional de Direitos Humanos, e agora este assassino “não descarta a candidatura no Processo Constituinte”.

Setores como a Frente Ampla e o Partido Comunista se contentam com a saída de Rozas em seu cargo, até Camila Vallejo diz que “não entende” as palavras de boa educação de Piñera a Rozas no discurso de seu afastamento. Evidente “não entende” por que não são nítidos ao dizer que Piñera é o principal responsável político pela repressão, muito menos dizem que a verdadeira justiça passa por continuar nossa luta para derrubar Piñera do poder e exigir a prisão para ele, Chadwick, Blumel, Pérez, Rozas, Yañez e todo o alto comando das forças repressivas!

Refundar ou reformar os carabineiros? A outra grande armadilha

Já o governo e todos os meios de comunicação falam da necessidade de enfrentar a repressão “refundando” carabineiros, aliás, a ex concertação, e mesmo a Frente Ampla e o PC falam de uma “intervenção” à instituição.

Por sua vez, o governo Piñera formou um Comitê para reformar a instituição dos Carabineiros, a “Unidade Coordenadora para a Reforma dos Carabineiros”. O governo apresenta essa Coordenadora como uma iniciativa quase “independente”. A Unidade Coordenadora terá na sua composição 6 representantes do Governo (3 do Ministério do Interior, 1 do Ministério das Finanças, 1 do Ministério da Justiça, 1 do Ministério da Mulher) e 5 intelectuais ditos “independentes”. Segundo Juan Francisco Galli, subsecretário do Interior, em entrevista publicada no El Mercurio (11/16), o governo quer dar a coordenação desta “Coordenadora” à Fundação Paz Cidadania, que supostamente teria grande experiência técnica em assuntos relacionados com a segurança. No entanto, os especialistas “independentes” propostos pelo governo são 5: Daniel Johnson, Catalina Mertz, Franz Vanderschueren, Antonio Frey e Alfredo Lagos Gana.

Os dois primeiros, Daniel Johnson e Catalina Mertz, são da Fundación Paz Cidadania. A Fundación Paz Cidadania possui os seguintes personagens em seu diretório:

Presidente: Agustín Edwards del Río

Vice-presidentes: Carlos Solari Donaggio e Jorge Burgos Varela

Diretor Secretário: Paola Luksic Fontbona

Entre os dirigentes estão Felipe Kast (Evópoli), Juan Antonio Coloma (União Democrática Independente-UDI), Felipe Harboe Bascuñán (Partido Pela Democracia – PPD), José Miguel Insulza (Partido Socialista – PS).

Entre os dirigentes da Fundação estão representantes de algumas das principais famílias burguesas do país – Luksic, Edwards e Solari. Entre os políticos estão representantes de 4 partidos importantes e também Jorge Burgos, o odiado ex-Ministro do Interior de Bachelet. Daniel Johnson e Catalina Mertz, as caras “independentes” que vão representar a Fundação Paz Cidadã na Coordenadora, também têm currículos interessantes. Daniel Johnson, além de já ter exercido cargos políticos, ocupou cargos de chefia em grandes empresas como CGE e Corpesca S.A. Catalina Mertz é economista, presidente da Associação Chilena de Supermercados, diretora suplente da AFP Capital e ocupou outros cargos no mundo empresarial. Esses são os personagens totalmente “imparciais” ou “independentes” que coordenarão o trabalho de reforma da polícia “em favor dos cidadãos”.

Além dos dois, existem 3 outros representantes “independentes” na Comissão: Franz Vanderschueren, professor do UAH, talvez o único que tem uma independência mais direta da burguesia e dos partidos, mas ocupa cargos na ONU, que sabemos muito bem que é uma instituição totalmente ao serviço das grandes potências imperialistas. Antonio Frey, ex-subsecretário de Prevenção ao Crime do Ministério do Interior do governo Bachelet; Alfredo Lagos Gana, general reformado dos Carabineiros.

Esta Coordenadora, totalmente “imparcial”, formado por 6 representantes do governo e 5 intelectuais da burguesia, seus partidos e militares é quem vai discutir a reforma dos Carabineiros para que a instituição se preocupe mais com os direitos humanos.

Isso é uma piada. Esta Coordenadora servirá para encontrar as melhores formas de endurecer a repressão contra os trabalhadores e jovens, fortalecendo as instituições policiais com uma máscara de “democracia” e “direitos humanos”.

Apelamos a todo o movimento social, organizações de direitos humanos, familiares de presos políticos e os partidos que se dizem aliados dos trabalhadores a rejeitar totalmente essa Coordenadora e os seus possíveis resultados com a “reforma” da polícia.

Não há reforma ou refundação possível nos Carabineiros, uma vez que esta Instituição esteve historicamente sob o comando das famílias mais ricas do país, dos partidos políticos do regime e da oficialidade corrupta. As instituições militares atuais (Carabineiros e Forças Armadas) não servem para defender o povo, mas para defender os interesses dos milionários e das empresas transnacionais. Para tanto, impuseram o conceito de “segurança”, mas os pobres e os moradores da classe trabalhadora sabem que essa segurança não está nos bairros onde vemos alianças de vários policiais com os narcotraficantes, mas sim é uma segurança acima de tudo para sustentar propriedade privada – empresas, bancos, fábricas – dos grandes empresários. Segurança para os ricos reprimindo os de baixo. Se os ricos, sendo uma minoria tão absurda, continuam a governar, é porque essas forças armadas repressivas são o seu grande apoio.

Por este motivo, o MIT defende:

  • Fora Piñera, e todos eles
  • Cadeia para Piñera, Chadwick, Blumel, Pérez e todos os responsáveis ​​por violações dos direitos humanos
  • Julgamento e punição exemplares de todos os corruptos em instituições militares; sejam eles altos oficiais ou soldados. As indenizações desses criminosos devem ser cortadas quando eles forem dispensados.
  • Avancemos em nossa organização para termos tribunais populares que garantam julgamento e punição, nenhuma confiança nessas instituições!
  • Exigimos o fim imediato do toque de recolher e que os militares retornem aos seus quartéis

Em relação aos Carabineiros e às forças repressivas, defendemos:

  • Dissolução imediata da FFEE. Desmilitarização de Carabineiros
  • Liberdade de expressão e organização para a tropa. Liberdade à tropa para não obedecer às ordens de reprimir o povo
  • Fim da Escola de Oficiais. Escala única e direito de eleger os dirigentes.
  • Acabar com todo o sistema de privilégios, bônus por desempenho e indenizações milionárias por ser dispensado por cometer crimes contra o povo
  • Que as tropas das forças repressivas rompam com o alto comando e se unam à luta em defesa dos trabalhadores, contra Piñera, os de cima e todos os corruptos.

Pelo direito à autodefesa dos trabalhadores. Propomos o armamento geral da população e a criação de brigadas armadas nos territórios e organizações de trabalhadores para defender nossa mobilização contra a repressão do Estado, cumprir o papel de vigilância, combate ao crime e ao narcotráfico. Estas Brigadas devem estar a serviço dos trabalhadores e não a favor dos patrões, empresários e transnacionais. Devemos fortalecer e expandir as Brigadas, coletivos e grupos da Primeira linha, aprofundando sua relação com as organizações da classe trabalhadora.

Somente com o triunfo da revolução colocando a classe operária no poder é que o julgamento correto e a punição podem ser garantidos contra os criminosos, enquanto isso devemos fortalecer nossa defesa e luta! Abaixo a polícia e os militares a serviço dos capitalistas! Pela destruição de todas as forças repressivas dos empresários (polícia, forças armadas, etc)! Viva aqueles que lutam!

Tradução: Lena Souza