O Congresso de Fundação do “La Voz de los Trabajadores” que aconteceu entre 15 e 16 de Junho deste ano, estabeleceu nossa posição sobre os principais temas da situação nacional, os princípios políticos de nossa organização e nossa estrutura interna.



Para os socialistas, o desafio mais importante da situação nacional é a maneira de superar as ilusões dos trabalhadores com a administração de Obama.



Mesmo depois do desgaste natural de um primeiro período turbulento, Obama continua com uma grande popularidade. A maioria dos trabalhadores acredita que ele está fazendo o melhor que pode para defender papel dos Estados Unidos em todo o mundo, recuperar a economia, criar empregos e melhorar os salários. Isso é ainda mais evidente quando falamos dos negros, latinos, LGBTs e outras minorias.



Obama governa para os ricos

 

A realidade é muito diferente. Ao se falar sobre o “sonho americano”, a recuperação econômica, plano de saúde acessível e outros temas populares, o que Obama está fazendo é aumentar a exploração dos trabalhadores e do povo, com o objetivo de garantir uma recuperação rentável para as empresas estadunidenses. Cada atitude do governo é guiada por esse objetivo.



Uma falsa cara democrática do Imperialismo dos Estados Unidos no mundo

 

Em nível internacional, Obama fala de democracia, mas implanta um projeto imperialista: impondo acordos com o FMI e um acordo de livre comércio na Europa, estabelecendo e apoiando regimes “fantoches” no Iraque e no Afeganistão, financiando exércitos assassinos no Egito e em Israel, tudo isso para garantir o controle político e econômico sobre regiões estratégicas.



Em casa, Austeridade e duplas reformas

 

Nacionalmente, Obama aposta nos planos de austeridade, a imposição dos cortes no orçamento, redução de pessoal e, inclusive, ameaça fechar as unidades de serviços públicos básicos, como o Community College de São Francisco, na Califórnia, e o Hospital Interfaith em Nova Iorque.



No setor privado, o governo empurra contratos trabalhistas de concessão, rebaixados, atacando os salários, a saúde e as aposentadorias dos trabalhadores.



As reformas que parecem ser progressivas, como a imigração, incluem medidas reacionárias, tais como, E-Verify[1], a vigilância da fronteira, controle de Visa (vistos de entrada no país) e os programas de trabalhadores temporários, com o objetivo de, a longo prazo, voltar a criar o infame programa "bracero"[2].



Liderança Operária Domesticada

 

A liderança do movimento operário está burocratizada e corrupta. Ela se acostumou a receber salários imoralmente elevados, extraídos das cotas dos trabalhadores da base, capitulando ao invés de lutar e, aceitando contratos concessionados no lugar de defender os direitos dos trabalhadores. A maioria das direções sindicais é controlada pelo Partido Democrata.

 

Uma esquerda frágil

 

Até o momento, a maioria das organizações de esquerda não tem sido capazes de fazer frente a essa situação. Elas temem que ao fazerem oposição direta a Obama, isso possa aumentar seu isolamento. Eles têm problemas para lutar pela liderança nas greves contra a burocracia e, na maioria das vezes, se mantém como espectadores que fazem, principalmente, propaganda. Muitos estão sucumbindo ao oportunismo ou ao sectarismo.



Onde se situa o “La Voz de los Trabajadores”?

 

O objetivo principal do “La Voz de los Trabajadores” é ajudar os trabalhadores a entender que o governo Obama não é um governo da classe trabalhadora e sim, dos banqueiros e das grandes empresas.



Fazemos oposição à política exterior imperialista de Obama, assim como a seu plano de austeridade no país, e lutamos para construir um movimento da classe operária que seja independente do governo.



Defendemos a luta democrática e sindicatos independentes, que defendam os direitos dos trabalhadores, em vez de vendê-los.



Acreditamos que é preciso que os sindicalistas, ativistas progressistas e a esquerda em geral rompam com o “Partido Democrata” e também com os republicanos e, construam seu próprio partido! Operário e independente!



Propomos uma ampla unidade de ação com todos os grupos de esquerda dispostos a lutar pelos direitos dos trabalhadores e contra os ataques do governo. Mas, também queremos construir uma organização de esquerda diferente, profundamente ligada à classe operária e suas lutas.



Por que se unir a uma organização política?

 

Muitos ativistas estão de acordo com a maior parte do que dizemos sobre o governo, os sindicatos e as lutas, das quais devemos participar.



Unem-se a grupos de oposição, imigrantes, mulheres, movimentos de negros ou ambientalistas e coalisões de todo o tipo.



Proclamam-se de esquerda, progressistas, anticapitalistas ou socialistas. Mas, na maioria das vezes, não querem se unir a uma organização política. E quando o fazem, querem que seja muito democrático, horizontal, e não hierárquica, o que se entende na prática, como uma organização multi-tendencial e muito fluída.



A primeira pergunta que cada trabalhador e ativista que luta por seus direitos deve fazer a si mesmo é: Qual é a minha estratégia? Se a sua estratégia é por fim à exploração, à opressão, ao sexismo, ao racismo, à guerra e à destruição do meio ambiente, a única maneira de fazê-lo é lutando contra o capitalismo em seu conjunto. Não há maneira de fazer isso dentro do sistema capitalista, porque o Capitalismo não pode ser transformado num sistema humanitário.



E, então, você poderia fazer uma segunda pergunta: Se quero lutar contra o capitalismo: que tipo de organização necessito? E você descobrirá muitas organizações que podem parecer muito democráticas e plurais, mas que são impotentes, quando se trata da luta de classes. Se você quer ajudar a dirigir a classe operária em sua emancipação, você precisa de um partido revolucionário.



É esse tipo de organização que o “La voz de los trabajadores” está disposto a construir: Um partido revolucionário, profundamente democrático em seu funcionamento interno, unido e disciplinado em suas ações.



Princípios aprovados no Congresso de Fundação:

 
1.      A luta por uma Revolução Socialista contra o capitalismo, como a única forma de acabar com a exploração e a opressão;


2.    A estratégia da Mobilização Permanente da classe operária, com o objetivo da revolução que queremos realizar;


3.    A luta contra todas as formas de Opressão, como o racismo, o Sexismo e a Xenofobia;


4.    A luta contra o Imperialismo, que é a dominação de todos os países capitalistas avançados e as multinacionais sobre o mundo inteiro;


5.     Internacionalismo – compreensão de que a luta de classes em todo o mundo parte da mesma luta contra o capitalismo,  e que devemos construir uma organização socialista internacional, a Liga Internacional dos Trabalhadores (LIT-CI).



6.    Por uma Moral Revolucionária, em oposição a moral degenerada e corrupta implementada pelo capitalismo.


Se você tem acordo com essas ideias, venha nos conhecer melhor!



Se junte à LA VOZ DE LOS TRABAJADORES!



(*)Henry Melo – da direção nacional do “La Voz De Los Trabajadores”.



Tradução: Beatriz Yoshida



[1] Lei dos EUA. exige que as empresas empregem apenas os indivíduos que podem trabalhar legalmente nos Estados Unidos – ou cidadãos dos EUA, ou cidadãos estrangeiros que tenham a autorização necessária.
[2] O programa bracero ( espanhol para  "trabalhador manual" [lit. "aquele que trabalha com os braços"]) foi uma série de leis e acordos diplomáticos, iniciada em   1942, entre os Estados Unidos e México, para a importação de trabalhadores temporários do México para os Estados Unidos