qua jul 24, 2024
quarta-feira, julho 24, 2024

Eleições de 2024: não há opções para os trabalhadores

As eleições de 2024 não oferecem opções reais para a classe trabalhadora. É o genocida Joe contra o mentiroso reacionário e racista Trump. Mesmo antes de seu desempenho medíocre no debate presidencial de 27 de junho, Biden parecia preparado para perder. Durante o debate, Biden teve problemas com suas respostas, reforçando as preocupações sobre se ele pode assumir o cargo. Um ativista democrata foi citado pelo Philadelphia Inquirer após o debate dizendo: “Mesmo que Trump estivesse falando bobagens o tempo todo, pelo menos ele estava falava com nitidez”.

Por: John Leslie

O leitor deve se perguntar se o que se oferece nestas eleições é realmente o melhor que a classe dirigente estadunidense pode apresentar para motivar o eleitorado.

De fato, após o debate, o pânico se espalhou nos círculos da classe dominante e na liderança do Partido Democrata. Um exemplo disso é o editorial do The New York Times publicado no dia seguinte, que afirmava que o presidente deveria se aposentar e abrir caminho para que os democratas proponham alguém mais capaz de servir no cargo. O Times escreveu: “O caminho mais nítido para os democratas derrotarem um candidato definido por suas mentiras é tratar o público americano com sinceridade: reconhecer que o Sr. Biden não pode continuar sua carreira e criar um processo para selecionar alguém mais capaz que ocupe seu lugar para derrotar o Sr. Trump em novembro.” Em 30 de junho, o Atlanta Journal-Constitution juntou-se ao NYT pedindo que Biden “passasse a tocha”.

A CNN, a rede que organizou o debate, colocou desta forma: “Se Joe Biden perder a eleição de novembro, a história registrará que bastaram 10 minutos para destruir uma presidência”.

Por outro lado, alguns dos apoiadores de Biden – da vice-presidente Harris ao senador da Pensilvânia Fetterman e ao Philadelphia Inquirer – passaram a defender o desempenho de Biden, com Harris alegando que, apesar de um “início lento”, Biden apresentou um “contraste muito nítido com Donald Trump em todas as questões que importam para o povo estadunidense”. Sim, houve um começo lento, mas foi um final forte. Enganar diretamente o eleitorado, em que os eleitores são informados de que não viram o comportamento distraído de Biden, lembra a piada de Richard Pryor: “Em quem você vai acreditar, em mim ou em seus olhos mentirosos?”

Biden não é alternativa

Biden, que passou sua carreira a serviço de Wall Street, não é amigo dos trabalhadores.  Continuou as políticas de imigração reacionárias, apesar da retórica do Partido Republicano que acusa os democratas de manter uma fronteira “aberta”. Um funcionário do governo Biden até se gabou de deportar “mais indivíduos do que em qualquer ano desde 2015”.

Biden mostrou-se incapaz de amenizar as preocupações da classe trabalhadora sobre a inflação, e ele e seu partido redobraram seu apoio ao estado de apartheid de Israel. No dia do debate, um grupo de 62 democratas no Congresso votou com o Partido Republicano para esconder o número de mortos em Gaza, impedindo o Departamento de Estado de citar estatísticas do Ministério da Saúde de Gaza.

O início da carreira de Biden se baseou na oposição à dessegregação escolar por meio do transporte de ônibus, e nunca devemos esquecer seu papel na aprovação da Lei do Crime de 1994, que ajudou a criar o regime de encarceramento em massa nos Estados Unidos.

Depois, há a maneira como os democratas, com Biden no comando, traíram os interesses dos ferroviários em meio às negociações por um contrato justo. Como A Voz dos Trabalhadores informou anteriormente, “Depois de se manifestar a favor do direito dos ferroviários a um contrato decente, os membros do chamado Esquadrão, que são vistos por muitos como democratas de ‘esquerda’, votaram na quarta-feira para impor o acordo podre apresentado pela liderança do Partido Democrata. Mostraram nitidamente que há uma contradição entre suas palavras de apoio e suas ações. O núcleo de sua política pró-capitalista se expressa em seus votos”.

Biden merece perder, mas Trump merece vencer?

A retórica de Trump na campanha às vezes é violenta quando ele ataca os trabalhadores imigrantes por “envenenar o sangue de nosso país”. No mundo de Trump, os trabalhadores imigrantes são criminosos, estupradores e assassinos, que estão aqui para tomar o lugar dos “verdadeiros”  estadunidenses. Durante o debate, ele disse: “Estão tomando os empregos dos negros e estão tomando os empregos dos hispânicos, e você ainda não viu, mas verá algo que será a pior coisa da nossa história …”

Trump repetiu um tema da “teoria da grande substituição” da supremacia branca, que afirma que as “elites” (muitas vezes judaicas) estão substituindo os trabalhadores estadunidenses por imigrantes da América Latina. As ideias nacionalistas brancas como a teoria da substituição, que anteriormente inspirava apenas milícias violentas e grupos neonazistas, fizeram mais incursões na corrente principal da política republicana nos anos Trump. O próprio Trump fez apelos ocultos à extrema direita em suas campanhas. Os defensores do Partido Republicano da teoria da substituição evitam a terminologia mais descarada, mas a mensagem é nítida: “eles” pretendem tirar o futuro dos estadunidenses brancos. Os reacionários às vezes se referem a isso como “genocídio branco”.

Trump também prometeu “erradicar os comunistas, marxistas, fascistas e bandidos da esquerda radical que vivem como vermes dentro dos limites de nosso país”. Ele prometeu um “banho de sangue” se não vencer as eleições de 2024.

Sob o primeiro governo Trump, as nomeações para a Suprema Corte e as nomeações para tribunais federais levaram a uma forte guinada para a direita por parte das decisões judiciais em todos os níveis. Trump no poder significou um ataque concertado aos direitos reprodutivos, direitos LGBTQ, ao meio ambiente e ao direito ao voto. E em 1º de julho, a Suprema Corte protegeu parcialmente Trump da acusação de 6 de janeiro, com uma decisão que torna os presidentes dos EUA imunes às acusações por atos potencialmente ilegais que ocorreram no curso de suas funções “oficiais”.

O projeto 2025

Em um nível institucional, um novo governo Trump seria mais eficaz em seus ataques à classe trabalhadora e aos oprimidos. O Projeto 2025, um plano detalhado de 900 páginas para governar no próximo período, promovido pela reacionária Heritage Foundation, expõe um programa que colocaria praticamente toda a burocracia federal sob controle presidencial. Eliminaria departamentos inteiros e se concentraria em funcionários federais que atualmente estão protegidos pelas regras do serviço público. Os empregos federais se tornariam nomeações políticas dadas a apoiadores leais do regime.

O projeto também tentaria “acabar com a guerra contra o petróleo e o gás natural”, cortando o financiamento para projetos de energia renovável e substituindo as metas de redução de carbono (embora limitadas) por planos para aumentar a produção de energia. Intensificaria as medidas anti-imigração e buscaria financiamento para um muro na fronteira com o México.

De acordo com o The Guardian, “juntamente com o documento, o grupo está criando um banco de dados de pessoal em potencial para uma nova administração Trump, além de treiná-los sobre como o governo deve funcionar como parte de uma ‘Academia de Administração Presidencial’. A etapa final será um manual de transição presidencial que busca ajudar o próximo presidente a dar o pontapé inicial assim que assumir o cargo”.

Junto com a Heritage, mais de 100 outras organizações de direita estão participando do Projeto 2025, que representa uma abordagem muito mais ampla para uma “revolução” de direita do que o reaganismo ou o Contrato com a América de Newt Gingrich. O diretor da Heritage Foundation, Kevin D. Roberts, explicou as quatro “amplas frentes que decidirão o futuro da América”. São eles: “1. Restaurar a família como o centro da vida estadunidense e proteger nossos filhos; 2. Desmantelar o estado administrativo e devolver o autogoverno ao povo estadunidense; 3. Defender a soberania, as fronteiras e a generosidade de nossa nação diante das ameaças globais; 4. Garantir os direitos individuais que Deus nos concedeu para viver livremente, o que nossa Constituição chama de ‘as Bênçãos da Liberdade'”.

Roberts afirma que “a inflação está causando estragos nos orçamentos familiares, as mortes por overdose de drogas continuam aumentando e as crianças sofrem com a normalização tóxica do transexualismo, com drag queens e pornografia invadindo suas bibliotecas escolares”.

Os capitalistas não têm soluções

O crescimento da extrema-direita é um sintoma da crise do sistema capitalista, da incapacidade da classe dominante e da subordinação que faz a “esquerda” reformista da independência de classe ao mal menor. Os eleitores podem escolher entre dois males e se espera que aceitem que as coisas são assim. Nenhum dos partidos capitalistas tem soluções para as múltiplas crises interconectadas do capitalismo. Dessa forma jogam com as guerras culturais e a indignação fabricada.

Uma parte da classe dominante está impaciente com a democracia burguesa, que sabemos que não é nada mais do que uma tela para a ditadura da classe capitalista. Enquanto isso, os chamados defensores da democracia burguesa, ao mesmo tempo em que denunciam Trump como uma ameaça às suas normas “democráticas”, dirigiram ataques neo-macarthistas contra aqueles que apoiam a libertação palestina. Longe de defender os direitos democráticos, como o direito de protestar ou a liberdade de expressão, os democratas, incluindo Biden, se juntaram ao coro que difamam os palestinos e seus apoiadores como antissemitas e “apoiadores do Hamas”.

As eleições não são o melhor método para derrotar o avanço da direita. A direita está travando um duplo ataque dentro e fora do Partido Republicano. Grupos de extrema-direita como os Proud Boys ou a Frente Patriota fingem ser pró-operários, mas na realidade representam uma agenda política que busca derrotar decisivamente a classe operária e os oprimidos. Derrotar a extrema-direita exigirá a mobilização em massa de todos os oprimidos e explorados, independentemente dos partidos dos patrões. As alianças eleitorais multiclassistas e o curvar-se ao mal menor não nos salvarão da extrema direita. Os tribunais capitalistas, a polícia e os políticos não estão do nosso lado.

Os reformistas tentarão canalizar a energia dos movimentos populares para o Partido Democrata. As campanhas de Bernie Sanders de 2016 e 2020 foram um exemplo desse tipo de política e da desorientação da esquerda. Os reformistas usaram as campanhas de Bernie para desviar a mera raiva contra o sistema para as águas calmas do Partido Democrata. Em vez de romper com os democratas e construir um novo partido da classe trabalhadora, a burocracia sindical, as grandes ONGs e os reformistas de todos os matizes subordinaram os interesses dos oprimidos e explorados às promessas defendidas por um dos dois grandes partidos de Wall Street.

O que fazer agora?

Em primeiro lugar, rejeitamos totalmente Biden e Trump. Ambos são inimigos da classe operária e dos oprimidos. Como disse o socialista francês do século 19 Jules Guesde: “Entre o cólera e a peste, você não escolhe”. Sem alternativas reais para oferecer, ambos os partidos alimentam o medo um do outro. O Partido Republicano afirma, sem evidências, que uma vitória democrata significaria a destruição do país. Os democratas afirmam que uma vitória do Partido Republicano significaria o fim da “democracia”, enquanto seus apologistas domesticados da “esquerda” ignoram os crimes de guerra de Biden e nos pedem para votar nos democratas para “deter o fascismo”.

Nenhum dos problemas que enfrentamos, incluindo um segundo governo Trump, pode ser resolvido votando nos democratas. As soluções estão em nossa capacidade de construir movimentos democráticos de massa contra os patrões e independentes de ambos os partidos burgueses. Nosso futuro depende da mera atividade da classe operária e dos oprimidos, não dos políticos ou dos tribunais.

Nestas eleições, é possível registrar um voto de protesto para candidatos socialistas independentes, romper com os democratas e começar o trabalho árduo de construir uma alternativa da classe operária digna desse nome.

Os trabalhadores e os oprimidos precisam de um partido próprio. Este partido deve se basear em uma ruptura nítida com os democratas, sem se adaptar ao mal menor. Tal partido lutaria pelos interesses dos oprimidos e explorados nas urnas e nas ruas. Em última análise, a verdadeira transformação social não virá por meios eleitorais, mas pela mobilização independente e pela organização da classe operária e seus aliados.

Tradução: Lílian Enck

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares