qua jul 24, 2024
quarta-feira, julho 24, 2024

Eleições europeias de 2024: um voto contra os regimes burgueses, capitalizado pela direita

Declaração do Executivo do Partido de Alternativa Comunista (PdAC) – Itália

Em termos gerais, pode resumir-se da seguinte forma: as eleições europeias confirmam e aprofundam a crise, que já dura há anos, dos regimes burgueses da Europa dos banqueiros e põem em evidência a desconexão entre um setor crescente das massas populares e a forças políticas burguesas, que estão (ou parecem) mais comprometidas com as políticas antipopulares do grande capital.

Na ausência de partidos comunistas e de classe com raízes de massa, isto resulta, em primeiro lugar, especialmente em Itália, num crescimento exponencial da abstenção eleitoral (no sentido do protesto passivo) e, em segundo lugar, no crescimento percentual, e em alguns casos até numérico, da direita, particularmente das extremas que se apresentam como antissistema: Le Pen na França, AfD na Alemanha, etc. Partidos de direita que, recorrendo à demagogia populista, têm facilidade em apresentar-se como uma suposta alternativa às políticas antioperárias dos grupos de centro-esquerda mais comprometidos com a União Europeia dos banqueiros. Isto se combina também com o mecanismo de “pêndulo”, de alternância, segundo o qual entre os eleitores (um número cada vez menor), o partido que governou por último e cujos delitos foram mais recentes é penalizado principalmente: veja o resultado da votação na Alemanha e França (neste último caso, o Presidente Macron convocou eleições políticas dentro de um mês, numa tentativa de recuperação na segunda volta recorrendo ao habitual apelo “democrático” e “antifascista”).

Meloni: berradora “do povo”

O caso italiano, apesar das suas particularidades, não difere desta tendência geral.

Fratelli d’Italia, que também pode ostentar uma vitória política pelo crescimento percentual após dois anos de governo de Meloni, perde em números absolutos 700 mil votos (provavelmente por abstenção), apenas parcialmente substituídos pelo esgotamento do eleitorado da Liga de Salvini em colapso vertical. Portanto, em geral, mesmo na Itália o governo perde em votos absolutos, embora isso não se reflita no quadro geral. Na verdade, o resultado é compensado pelo efeito parcialmente negativo da liderança do governo (que, no entanto, ainda não mostrou com toda a sua brutalidade as medidas que prepara) e pelo perfil (pelo menos por enquanto) da força “pela mudança”, “popular”, até paradoxalmente “de oposição”, liderada pela berradora “popular” Meloni (que mais tarde usa tons muito diferentes nos salões europeus ou quando oferece a testa ao beijo de Biden).

A demagogia de Schlein (Partido Democrata)

O Partido Democrata capitaliza, no imediato (com um crescimento também em votos absolutos), a atual colocação na oposição e a aparentemente “nova” face do secretário do partido Schlein, que pode permitir-se, não estando no governo nacional, fazer uso extensivo de uma defesa demagógica do bem-estar (afundado no passado pelos anteriores governos de centro-esquerda e hoje pelos conselhos regionais em que governa o Partido Democrata) e uma defesa ostensiva dos direitos civis e de setores duplamente oprimidos, em particular mulheres e LGBT+. Schlein, fazendo uso amplo da personalização, também gosta de se apresentar como a iniciadora de uma “nova temporada” (a enésima) do Partido Democrata, orientada para a esquerda. Graças a tudo isto, absorve também parte dos dois milhões de votos perdidos por Conte e pelo Movimento Cinco Estrelas, cujo perfil “antissistema” está agora manchado.

Avs, roda auxiliar do Partido Democrata

À “esquerda” (por assim dizer) do Partido Democrata, cresce a Avs [Aliança Verde e Esquerda] de Fratoianni e Bonelli, em percentagem mas também em votos absolutos, o que (de acordo com os dados disponíveis no momento) é também em parte devido ao colapso do Conte (Movimento 5 Estrelas), mas também e sobretudo devido à abstenção, dos vários esquerdistas que, ao não comparecerem para votar, deram sinais de votar nos Avs juntamente com setores do movimento, jovens e estudantes, ativistas antifascistas, centros sociais e até anarquistas (tradicionalmente abstencionistas) que só foram votar para apoiar a candidatura de Salis [anarquista presa na prisão de Orbán] e em parte também a outros rostos populares como o presidente da Câmara Mimmo Lucano.

Não é um fato que seja uma verdadeira contratendência ao colapso de toda a esquerda mais ou menos reformista na Europa (Die Linke, o que resta da Refundação, Podemos, etc.). Pelo contrário, parece ser um resultado aleatório ligado principalmente à candidatura de Salis.

A eventual e provável libertação de Salis das cadeias de Orban é, evidentemente, um fato positivo que também saudamos. Infelizmente, é preciso dizer com nitidez, isto é contrabalançado pelo uso cínico que Fratoianni e Bonelli farão dos quase 7% obtidos, já generosos com declarações de apoio à unidade com o Partido Democrático de Schlein e dos banqueiros. Continuando a longa carreira de roda de auxílio do Partido Democrata que tem caracterizado esta formação que, nos últimos anos, nunca deixou de apoiar não só as políticas antioperárias do centro-esquerda, mas também (para além das declarações) as medidas de repressão dos movimentos iniciados ou prolongados por vários governos (como o de Conte 2). Portanto, as expectativas de quem vê o voto dos Avs como uma espécie de âncora à esquerda do Partido Democrata serão em breve frustradas.

Não é por acaso que Schlein tenha saudado o resultado do Avs, que, longe de constituir um obstáculo, considera precisamente como uma espécie de estrutura contratada do Partido Democrata, uma dependência daquele que continua a ser o principal partido de referência para os setores centrais. da grande burguesia italiana por ter conseguido, nas últimas décadas, garantir melhor do que qualquer outro grupo político os lucros dos patrões em detrimento dos trabalhadores e trabalhadoras.

O enésimo fracasso da Refoundación (com Santoro)

Resta dizer algo sobre o resultado de Paz, Tierra y Dignidad, ou seja, a lista da jornalista Michele Santoro, para a qual a Refundação Comunista atuou como transportadora de água. A invocação da “paz” (associada à confirmação de querer refugiar-se sob aquele “guarda-chuva da OTAN” que também utilizou o Berlinguer, que alguns hoje lamentam e elogiam) não foi suficiente para garantir desta vez o passaporte para o palácio.

Nem desta vez (perdemos a conta) funcionou a enésima tentativa da direção do partido, em detrimento do sacrifício de ativistas e militantes, internamente divididos sobre qual a melhor táctica para encontrar um atalho que lhes permita regressar à níveis inferiores de poder. A lista de Santoro e do secretário da Refundación Acerbo (que pelo caminho perdeu a aliança com Potere al Popolo [Poder ao Povo]), além de permanecer na metade do quórum para eleger deputados, soma uma série de votos provavelmente insuficientes para dar credibilidade à oferta de apoio às ambições governativas do Partido Democrata, que pode contar, ainda mais, depois destas eleições, com a ajuda mais consistente dos Avs. de Fratoianni.

Construir lutas e uma alternativa real ao sistema

Não estando em condições de concorrer às eleições europeias, que teríamos utilizado como plataforma de propaganda para um programa revolucionário, não nos candidatamos. Mas as eleições são apenas um momento na batalha política e certamente não o mais importante.

Para realmente fechar o caminho aos ventos da direita, é necessário construir, unificar e relançar as lutas dos trabalhadores e dos jovens, a partir das instâncias e dos lugares que também foram ocupados nos últimos meses (especialmente para apoiar a causa Palestina): lugares e demandas que não tiveram contrapartida nestas eleições e que não serão encontrados em nenhuma das forças que se apresentaram: nem nos Avs de Fratoianni nem (se não for dissolvido) na lista Santoro-Acerbo.

Há uma necessidade urgente de algo mais: construir o partido comunista e revolucionário que ainda não existe, baseado na independência de classe de todas as facções burguesas, com um programa de alternativa real ao sistema capitalista, parte de uma internacional revolucionária. Este é o caminho que continuaremos a percorrer, procurando nas praças, nos locais de trabalho e nas escolas o apoio de um número crescente de trabalhadores/as em luta e de jovens. Artigo publicado em www.partitodialternativacomunista.org, 13/06/2024.-

Tradução italiano/espanhol: Natalia Estrada.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares