sex jun 21, 2024
sexta-feira, junho 21, 2024

Aniversário do Massacre de Pacheco

Em 29 de maio de 1974, um grupo de 15 pessoas armadas, pertencentes à organização Triple A (Aliança Anticomunista Argentina) atacou as instalações do PST (Partido Socialista dos Trabalhadores) no bairro El Talar de Pacheco (na zona norte da Grande Buenos Aires), sequestraram seis militantes que ali estavam e depois assassinaram três. O evento ficou conhecido como o Massacre de Pacheco.

Por: Alejandro Iturbe

Os três militantes assassinados foram Oscar Meza (“Hijitus”), 26 anos e trabalhador da Astilleros Astarsa; Antonio Moses (“Toni”), 24 anos, operário metalúrgico de Wobron; e Mario Zidda (“Tano”), 22 anos, estudante, líder estudantil da Técnica 5 do Tigre e também operário de uma indústria da região.

Em 7 de maio de 1974, ou seja, três semanas antes, outro militante do PST havia sido assassinado: Inocencio Fernández (“Índio”), 26 anos, operário metalúrgico eleito delegado de base da fundição Cormasa, como adversário da burocracia sindical da UOM (Unión Obrera Metalúrgica), dirigida por Lorenzo Miguel.

A Triplo A

Um ano antes, em 1973, após quase duas décadas de proibição, o peronismo voltou a governar, através de processos eleitorais. Em setembro, o general Perón venceu as eleições presidenciais com 60% dos votos.

A volta de Perón e do peronismo ao governo foi uma política da burguesia argentina para deter a grande ascensão de trabalhadores e estudantes que começou em 1969, com o Cordobazo[1]. Eles vinham falhando nesta tarefa desde que, após as eleições, houve uma grande onda de greves que desafiaram a política do governo em favor da burguesia. Ao mesmo tempo, ao longo do processo do Córdobazo, surgiu uma grande vanguarda operário que ganhou peso “por baixo” e enfrentava duramente a burocracia sindical peronista.

Incapaz de travar o ascenso “de forma tranquila”, o governo Perón começou a tentar fazê-lo “de forma má”. A principal figura do seu governo foi José López Rega, um personagem obscuro que (do aparelho de Estado e com o consentimento de Perón) formou a Triple A, uma organização armada “não oficial” que atacou tanto os oponentes do governo como o ativismo operário. Esta organização estava intimamente ligada aos bandos de bandidos da burocracia sindical, especialmente a UOM.

No final de janeiro de 1974, a Triple A divulgou uma lista de pessoas classificadas como “inimigas” da “pátria peronista” que deveriam ser defendidas da “ameaça comunista”. No centro da lista estavam representantes da esquerda peronista (os Montoneros, que também tinham o seu “braço armado”), uma organização armada de esquerda (o PRT-ERP) e figuras públicas e sindicais que os apoiavam ou simpatizavam. Quando os assassinatos começaram a ocorrer, ficou claro que aqueles que constavam dessa lista haviam sido “condenados à morte”.

O PST

O PST era a organização morenista naqueles anos. Tinha conseguido legalizar-se e intervir nos processos eleitorais, mas o centro da sua atividade era o de uma organização trotskista ortodoxa: inserir-se e construir-se na classe trabalhadora, especialmente no proletariado industrial. Foi para isso que dirigiu seus maiores esforços militantes. Isso lhe permitiu incorporar representantes da vanguarda operária vinda de Córdobazo (como José Francisco Páez) e numerosos jovens ativistas operários, como Indio Fernández. Colocava essa força que acumulava a serviço da luta contra os patrões, o governo peronista e a burocracia sindical.

Nahuel Moreno, principal dirigente e orientador do PST, estava na lista Triple A. Juan Carlos Coral, seu candidato presidencial e principal figura pública, também recebeu diversas ameaças de morte. O PST como um todo foi considerado um “inimigo central” da Triple A devido a sua luta contra o governo e a burocracia sindical. Representou uma alternativa diferente, para a vanguarda operária e estudantil, à “luta de aparatos” isolados dos processos dos trabalhadores e das massas que impulsionavam as “organizações armadas”.

O PST, estrategicamente, era muito mais perigoso para a burguesia. Por esta razão, a Triple A começou a atacar duramente os seus militantes e moradores locais. Não é por acaso que o assassinato do índio e o Massacre de Pacheco ocorreram na área de maior concentração operária e industrial da Grande Buenos Aires e que os assassinados tenham sido jovens militantes operários.

Os ataques ao PST continuaram. Em novembro de 1974, enquanto o PST realizava um congresso (já em condições de funcionamento muito difíceis), César Robles, um dos principais dirigentes do partido, responsável pela Regional de Córdoba, uma das maiores do interior, foi assassinado em plena a rua. Um dia antes, dois militantes de base haviam sido sequestrados de suas casas e depois assassinados: o estudante Rubén Bouza e o jovem ativista operário Juan Carlos Nie.

Em setembro de 1975, a Triple A realizou o Massacre de La Plata no qual 8 militantes desta regional do PST foram sequestrados e assassinados quando realizavam tarefas de solidariedade com a greve da empresa Propulsora Siderúrgica[2].

Queremos destacar que, diante destes duríssimos ataques, o PST não baixou os braços: adaptou o seu funcionamento às novas condições, mas continuou na primeira fila das lutas operárias como o Rodrigazo, em junho 1975, ou a grande onda de greves independentes da burocracia, em fevereiro de 1976.

Como combater o fascismo?

Em 1974, a questão de como combater o projeto fascista promovido por López Rega desde o governo peronista e as ações das gangues fascistas contra a esquerda e os trabalhadores foi colocada de forma contundente.

Embora não seja o objetivo deste artigo, a situação que descrevemos mostra a grande confusão que têm aqueles que qualificam o governo Milei (e qualquer governo ultrarreacionário) como “fascista”. Em 1974 existia realmente um “perigo fascista” e a Triple A era o seu instrumento de choque e acção. Esta não é apenas uma diferenciação conceptual: uma verdadeira ameaça fascista requer um tipo específico de resposta dos trabalhadores e da esquerda.

Para impulsionar e tentar organizar esta resposta, no dia seguinte ao Massacre de Pacheco, o PST convocou um ato em frente à sua sede (situada no bairro Once) para o qual convidou todas as organizações que estavam sendo atacadas ou ameaçadas pela Triple A. . ou aquelas que manifestaram solidariedade com o partido, fossem eles de esquerda, da esquerda peronista, ou mesmo da Unión Cívica Radical (o outro partido burguês tradicional que se opunha ao peronismo). Cada organização pôde fazer a sua proposta da varanda da sede e dirigir-se aos milhares de participantes do ato.

Nahuel Moreno[3] falou pelo PST. Depois de homenagear os militantes assassinados e agradecer a participação das organizações presentes, Moreno foi muito claro: enfrentava um “perigo fascista” aninhado no próprio governo peronista. Diante deste perigo, ele apelou à mais ampla “unidade de ação”. Não para “acompanhar o nosso cortejo até ao cemitério”, mas sim “unidade de ação nas ruas para derrotar e esmagar a besta fascista […] Mas queremos evitar que o fascismo chegue e queremos impedi-lo agora!”, para não ter de sofrer muitos anos para derrotá-lo, como tinha acontecido na Itália ou na Alemanha.

Para propor a forma concreta de travar esta luta, Moreno recorreu à experiência histórica mundial e ao que tinha acontecido no ano anterior com o governo de Salvador Allende no Chile, derrubado pelo sangrento golpe do general Pinochet, que instalou uma longa ditadura [4]: “O fascismo não pode ser derrotado através de eleições! O fascismo não pode ser derrotado através de frentes eleitorais! […] O fascismo, camaradas, é destruído nas ruas, com os mesmos métodos que eles usam! […] Aprendamos que antes que nos matem, temos que detê-los!”

Neste sentido, a direção do PST convidou “todas as tendências aqui presentes e as que não estão” para uma reunião naquele local para “começar a formar as brigadas ou piquetes antifascistas, operários e populares, que serão a ferramenta com a qual reprimamos definitivamente as gangues fascistas em nosso país.”

Infelizmente, a maioria das organizações não concordou com a proposta do PST. Aqueles que estavam dispostos a agir foram as “organizações armadas”. Mas a sua visão do que fazer era muito diferente, pois propunham realizar ações por conta própria, totalmente isolados dos trabalhadores e das massas e dos seus reais processos de luta (o que já vinham fazendo desde a sua formação, há alguns anos). .

Com essa orientação, realizaram ataques e assassinatos contra altos dirigentes militares e policiais ou burocratas sindicais, e ações contra delegacias e quartéis. Entraram assim numa “guerra de dispositivos” que só gerou confusão entre os trabalhadores e as massas sobre o que estava acontecendo no país. Ao mesmo tempo, tiraram seus militantes das fábricas e empresas (mesmo que nelas fossem líderes reconhecidos) para que realizassem ações de seus aparatos. Com isto, enfraqueceram também a ação antifascista que os trabalhadores precisavam tomar.

Em fevereiro de 1976, ocorreu uma grande onda de greves contra o governo peronista, independente da burocracia sindical, com participação muito ativa do PST. Dado o grande perigo que representavam estas greves, a burguesia  argentinae o imperialismo decidiram realizar um golpe militar que derrubou o governo peronista. Instalou-se no poder uma sangrenta ditadura que sequestrou e assassinou mais de 30 mil pessoas[5]. Como parte desta repressão brutal, a ditadura cobrou caro esse papel do PST nas lutas operárias: o partido teve quase 100 militantes presos, sequestrados, torturados e assassinados; companheiros que não se curvaram diante da tortura e responderam com a firmeza que lhes dava a sua profunda convicção de militantes revolucionários.

Algumas considerações finais

Queríamos lembrar as vítimas do Massacre de Pacheco e, com elas, todos os militantes do PST assassinados durante o governo peronista e a ditadura militar que o sucedeu. Desde 1982, continuamos a exigir incansavelmente o julgamento e a punição dos seus assassinos e, em vários casos, conseguimos isso.

Hoje, redobramos o compromisso que assumimos há décadas: honramos a sua memória promovendo a luta operária e popular até chegar ao socialismo e ao poder dos trabalhadores, e construindo o partido pelo qual viveram e morreram, cuja continuidade histórica se expressa no PSTU e na LIT-QI.

________________________________________

[1] https://litci.org/es/asi-fue-el-cordobazo/

[2] https://litci.org/es/43-anos-la-masacre-la-plata/

[3] https://www.nahuelmoreno.org/ecriptas/Discurso-por-la-masacre-de-Pacheco.pdf

[4] https://litci.org/es/a-49-anos-del-golpe-en-chile-a-recuperar-las-lecciones-para-que-la-historia-no-se-repita/

[5] https://pstu.com.ar/el-24-de-marzo-todos-a-plaza-de-mayo/

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares