ter maio 21, 2024
terça-feira, maio 21, 2024

Connecticut: 3.000 marcham por uma Palestina livre

Cerca de 3.000 pessoas manifestaram-se e marcharam por uma Palestina livre em New Haven, Connecticut, no domingo, 28 de abril. A Coligação de Solidariedade à Palestina de Connecticut organizou a maior manifestação pacífica de massas desde o início da invasão israelita de Gaza. As principais exigências da marcha incluíam o fim do apoio americano a Israel e o fim do cerco a Gaza.

Por: Ernie Gotta

A marcha começou em New Haven Town Green às 12h. Faixas, cartazes e bonecos expressavam a necessidade urgente de construir a solidariedade internacional com a luta palestina. A marcha também mostrou a criatividade dos artistas do movimento de massas, que organizaram pinturas públicas de faixas antes da marcha.

Dezenas de famílias com crianças de todas as idades também compareceram. A atmosfera era calorosa e acolhedora. Uma guarda popular voluntária ajudou a responder perguntas e acalmou pacificamente as tensões com aqueles que tentavam interromper a marcha. Para muitos foi a primeira vez que participaram num protesto de rua.

Esta marcha demonstrou nitidamente que o apoio aos palestinianos não se limita ao dinâmico movimento dos estudantes universitários. No dia 28 de abril vimos que a causa palestina tem amplo apoio em todo o Estado e na região. Palestinos da diáspora, ativistas muçulmanos, judeus e cristãos, ativistas estudantis de Yale, Columbia, UMass, UConn, ativistas LGBTQ+, veteranos militares, ativistas da independência de Porto Rico, trabalhadores imigrantes e muitos outros marcharam com as suas próprias bandeiras.

Um contingente de sindicalistas marchou atrás de uma faixa que dizia “CT Labor 4 Palestine”. O contingente trabalhista foi reforçado por membros do sindicato UConn GEU Local 6950 (UAW), que votou por dar total apoio à marcha. Os profissionais de saúde e os educadores também marcharam com grandes faixas expressando solidariedade com a luta palestina.

Cantos intensos ecoaram no parque. Os ativistas fizeram discursos ao longo do dia e cada um deles foi recebido com aplausos estrondosos. Entre os oradores estava Javier Villatoro, do Colectivo Semilla, que relacionou a luta dos trabalhadores imigrantes com a libertação da Palestina. Milly Guzmán falou em nome do Partido da Independência de Porto Rico e destacou a luta contra o colonialismo de Porto Rico até Gaza. Laith, um advogado palestino de direitos humanos internacionais, e Abdul Osmanu, membro do Conselho Legislativo de Hamden, falaram junto a estudantes de todo o estado que haviam organizado acampamentos de solidariedade nos seus campus. Kelsey, estudante de doutorado em química na Universidade de Columbia e membro do sindicato SWC Local 2710 (UAW), falou sobre sua detençaõ e expulsão da universidade por seu trabalho de solidariedade com os palestinos. Ele enfatizou a necessidade de lutar firmemente pelas liberdades civis.

A marcha fez o caminho de volta em direção a New Haven Green com cantos que acusavam o presidente Joe Biden de cometer genocídio e fazendo a pergunta: “Quantas crianças ele matou hoje?” Um dos organizadores da marcha e membro da Voz dos Trabalhadores, Dan Piper, relata que os voluntários coletaram mais de 350 nomes de pessoas interessadas em participar ativamente da Coalizão de Solidariedade CT Palestina. Num movimento que adoptou uma grande diversidade de táticas, um grande afluxo de novos ativistas interessados ​​em construir um protesto pacífico massivo poderia proporcionar uma faísca que leve mais dezenas de milhares às ruas para exigir o fim do genocídio.

Os membros da Voz dos Trabalhadores juntaram-se a outros voluntários para ajudar a distribuir folhetos da Coalizão, inscrever novas pessoas, organizar e carregar cartazes. Os nossos esforços coletivos mostraram o potencial para construir um movimento de massas duradouro e dinâmico, dirigido por uma coligação estatal que funcione democraticamente. Esperamos que você se junte a nós na construção deste movimento. Envie uma mensagem para a Voz dos Trabalhadores em nosso site (https://workersvoiceus.org/) e nas redes sociais ou entre em contato diretamente com o CT da Coalizão de Solidariedade da Palestina nas redes sociais.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares