sex abr 19, 2024
sexta-feira, abril 19, 2024

Uma proposta revolucionária para combater o narcotráfico

Há anos que a cidade de Rosário, na província de Santa Fé, vive uma escalada de violência devido aos confrontos entre quadrilhas de narcotraficantes. Os diferentes governos municipais, provinciais e nacionais que passaram, seja do Partido Socialista (PS), do Partido Justicialista (PJ-Peronistas), do Macrismo (PRO), da União Cívica Radical (UCR) ou agora de La Libertad Avanza ( LLA) de Javier Milei, não deram solução.

Por: PSTU Argentina

Na tentativa de ganhar legitimidade, o Governador Maximiliano Pullaro começou a realizar confisco do tipo “Nayib Bukele” (Presidente de El Salvador) em prisões de segurança máxima. Isto provocou uma resposta unificada de todas as gangues, que para deixar uma mensagem ao Governo Provincial, desencadearam uma onda de assassinatos e ameaças mafiosas que paralisaram a cidade.

A resposta dos governos nacional e provincial tem sido reforçar as forças de segurança. Agora preparam uma série de medidas para facilitar a intervenção das forças armadas. Mas será esta a solução? Como chegou a este ponto? Neste artigo tentaremos responder a algumas dessas perguntas.

Agronegócio, hidrovia e tráfico de drogas

Na Grande Rosário está o principal complexo oleaginoso do mundo e o maior entreposto portuário exportador de soja. Através de Rosário são canalizados 47% dos grãos do país e principalmente 57% da soja.

90% das exportações circulam pela Hidrovia Paraná-Paraguai. As empresas COFCO (China), Cargill (EUA), ADM (EUA), BUNGE (EUA), Glencore (Suíça/Inglaterra), Louis Dreyfus (França), AGD (Argentina) e Vincentin (Argentina), são proprietárias dos portos que estão na bacia. Dos 21 terminais portuários existentes, 16 estão em mãos de capital estrangeiro.

O que isso tem a ver com o tráfico de drogas, você pode perguntar? É precisamente esta estrutura totalmente controlada pelas mãos das multinacionais que favorece as máfias. A Hidrovía é hoje a principal rota de saída do tráfico de drogas para a Europa. Por exemplo, em setembro de 2022, foram apreendidos 1.400 quilos de cocaína no Brasil e na Holanda, provenientes do porto de Rosário.

Pedro Peretti, ex-chefe da Federação Agrária Argentina, fornece um dado que nos dá uma ideia de como influi a privatização dos portos: “Acabamos de ver ontem que um cidadão que não sabemos quem é vai realizar um investimento de 550 milhões de dólares num porto em Timbúes. Chama muita atenção.”

Agora, o Governo Nacional autoriza a presença do exército “ianque” na Hidrovia com a desculpa de assessoria técnica para dragagem. Mas provavelmente também justificarão esta medida, disfarçando-a com “a guerra ao tráfico de drogas” que os EUA levam a cabo há décadas. “Guerra” que, sendo apenas uma desculpa para aumentar a sua ingerência e controle político na América Latina, fracassou e favoreceu a consolidação de “narcoestados” em países como o México e a Colômbia.

A crise social é combustível

O quadro nacional que vivemos, com aumentos exorbitantes de preços, deterioração dos salários, demissões ou fechamento de empresas, com a pobreza a quase 60% e a indigência a 15%, agravam esta situação.

Nos bairros populares, grupos mafiosos encontram terreno fértil para recrutar “soldadinhos” entre jovens que já não têm absolutamente nada a perder. Com mais de 55% do emprego em condições precárias e em situação de total desespero, muitas vezes somado ao consumo problemático de substâncias que aumenta constantemente face à crise, o negócio do “narco” acaba por ter muito mais coisas para oferecer do que a miséria de Rappi ou Pedidos Ya.

Tudo isto é amplificado pelo ataque do Governo à cultura e ao desporto. Os clubes de bairro e os centros culturais são a última linha de defesa contra o recrutamento pelas máfias. Mas no meio de um ataque direto a estes setores, e indireto (através, por exemplo, de aumento das taxas), este papel deteriora-se.

A “Bukelização” não é a saída

O modelo de Nayib Bukele surge como a solução para o problema do narcotráfico, devido ao seu modelo prisional e à sua “tolerância zero” para com as gangues. Isto, em princípio, faria muito sentido, já que Bukele conseguiu baixar substancialmente a taxa de homicídios no país, pelo menos, segundo dados oficiais, de 38 por 100 mil habitantes, para 2,4.

Mas o que Bukele fez foi substituir um estado de exceção (o das maras e das gangues) por outro, o do próprio Estado. Há relatos de prisões arbitrárias, tortura e perseguição de líderes de direitos humanos, políticos da oposição e dirigentes sindicais. Até mesmo um menino com Síndrome de Down. Ao mesmo tempo, a pobreza extrema em El Salvador aumentou de 5% para 8% de 2019 até agora. É evidente que a saída não pode ser escolher entre violência de gangues e maras, ou do Governo, que, além disso, mata de fome.

Para acabar com o negócio

A “mão dura” não é a saída, e muito menos com a fortuna dos mafiosos intacta. Para acabar com o narcotráfico é necessário nacionalizar os bancos e o comércio exterior, controlar e confiscar o fluxo das cifras milionárias que movimentam. Acabar com os negócios privados na Hidrovia e estabelecer o controle, através de assembleias de trabalhadores, do que é exportado e importado. Expulsar as multinacionais do rio Paraná e “apropriar-nos” dos portos que, além disso, levam para fora a riqueza do nosso país

Temos de acabar com os bancos privados e expropriar as fortunas dos traficantes de droga. Acabar com o sigilo comercial e bancário, para que uma comissão de vítimas do tráfico de drogas veja os livros e transações bancárias dos últimos 10 anos, não só dos bancos ou financeiras, mas também das cuevas[1] (cavernas), aplicações como o mercado pago ou ualá (fintech) e as criptomoedas. Aí encontraremos não só o capital dos traficantes de drogas, mas também os seus cúmplices.

O mesmo deve ser investigado contra todos os políticos, juízes, promotores e membros da polícia ou das forças federais, aí também há culpados e sócios do narcotráfico.

Contra o narcotráfico nos bairros, organização e autodefesa

Não podemos confiar em Forças de Segurança como a Polícia, incluindo as Forças Armadas, se forem convocadas, pois fazem parte do negócio. Pelo menos dois dos últimos homicídios foram cometidos com munições policiais, demonstrando a cumplicidade e/ou ineficácia das Forças de Segurança.

Temos que tomar o problema em nossas mãos. E formar grupos de autodefesa nos bairros para combater os traficantes. Eles têm as armas. Mas a classe operária argentina derrotou a ditadura militar em 1982, golpeando-a até com moedas.

Temos que expulsar os traficantes de nossos bairros. E tomar suas armas para garantir que eles não voltem.

Que sejam ministradas instruções de defesa pessoal, do uso de armas brancas ou armas de fogo em cada fábrica, associação, centro estudantil e local de trabalho, em coordenação com sindicatos, movimentos sociais, organizações juvenis, de mulheres ou LGBT. Nenhum trabalhador de Rosário deve ficar indefeso, a organização popular é a única forma de combater o narcotráfico.

Por uma saída diante da miséria social

Não podemos acabar com as máfias se não cortarmos a cadeia que lhes permite continuar a recrutar jovens nos nossos bairros.

É preciso garantir emprego digno, de qualidade e com salário adequado às necessidades. Por exemplo, um plano de obras públicas poderia ser promovido para gerar empregos. Ao mesmo tempo, estabelecer um salário que cubra a cesta familiar, automaticamente indexada à inflação, e proibir o emprego informal, mesmo através de truques como o golpe do “monotributo”, que é usado por todos os empregadores, como plataformas como Uber ou PedidosYa.

Ao mesmo tempo, legalizar as drogas para desferir um golpe decisivo nos negócios. E produzi-los em laboratórios estatais como o de Santa Fé. Assim poderemos acabar com as drogas “sintéticas” que são muito mais prejudiciais à saúde e exercer o controle social sobre o consumo.

E junto com isso, com a atribuição de recursos (não pagamento da dívida fraudulenta), promoção e criação de centros de desintoxicação e reabilitação, mais clubes desportivos, centros culturais, cinemas, e muito mais nos bairros. Reduzir a jornada de trabalho para dar mais espaço ao lazer, à cultura e ao esporte.

O primeiro governo de Perón alcançou os níveis mais baixos de criminalidade, graças ao pleno emprego e à criação de mais de 100 clubes desportivos nos bairros. Como isso terminou e por que não prosperou não é o assunto deste artigo, não discutiremos aqui nossas diferenças históricas com o peronismo. Mas queremos salientar que nenhum governo subsequente que reivindique ter feito, não fez sequer uma parte mínima disso.

Por um governo dos trabalhadores

O sistema capitalista, através da sua lógica de “tudo por fins lucrativos”, é o principal responsável pelo desenvolvimento do tráfico de drogas, do tráfico de pessoas e de todos os tipos de máfias. Não podem ser tomadas medidas substantivas, se não rompemos com o capitalismo.

Os trabalhadores e o povo devem liderar uma Revolução Socialista, que imponha um governo dos trabalhadores. Temos que recuperar toda a riqueza do nosso país, os recursos naturais, as grandes empresas, a agricultura, ao serviço das nossas necessidades e não das fortunas de poucos. Só se controlarmos a economia teremos o necessário para acabar com este ciclo de morte.


[1] O que atualmente se denomina “cueva financeira” refere-se a uma empresa financeira (ou espaço dentro de outro tipo de entidade financeira ou comercial) que oferece serviços de intermediação financeira dispensados ​​de todas as formalidades legais para funcionar, sem qualquer tipo de registro ou tributação.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares