dom abr 21, 2024
domingo, abril 21, 2024

Stellantis (antiga Fiat): Uma análise de classe

Entrevista realizada pela equipe editorial do site do PdAC

A situação das fábricas de automóveis na Itália é dramática. Toda semana vem a notícia de um novo fechamento ou deslocamento, destinado a se transformar em centenas de demissões: além do caso da Marelli de Crevalcore, que já falamos em artigo anterior – e do qual hoje se fala em contratar 152 dos 299 trabalhadores (1)–; agora é a vez da fábrica da Marelli em Venaria (Turim), onde pelo menos 320 empregos estão em risco (2). Emblemática é a ação do grupo Stellantis (ex-Fiat) que, além de colocar grande parte dos trabalhadores do grupo em situação de demissão (de Mirafiori a Pomigliano e Maserati em Modena), atinge duramente ativistas sindicais combativos, na tentativa de impedir ações de luta dos trabalhadores: os operários Delio (Cub, fábrica de Cassino) e Francesca (Slai Cobas, Atessa) foram demitidos por motivos falsos. A resposta dos trabalhadores foi rápida: em 8 de março, por ocasião da greve pelo Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, foi organizado um protesto em Atessa, em frente à fábrica, com a presença de uma delegação de trabalhadores da fábrica de Cassino. Nossos militantes presentes na fábrica também foram seus promotores e nosso camarada Diego Bossi, operário da Pirelli, se pronunciou trazendo a solidariedade de todo o Partido Alternativo Comunista (3). A solidariedade a Francesca, uma mulher e trabalhadora que foi demitida na véspera de 8 de março, também foi gritada em outras praças em 8 de março, por exemplo em Modena, em um dos discursos de abertura da marcha na cidade (4). Relatamos aqui uma entrevista com Roberto, militante do Slai Cobas de Chieti e do PdAC, operário da Stellantis, que explica a situação das fábricas do grupo. Também republicamos um artigo de profundidade histórica, de Fabiana Stefanoni, que reconstrói alguns dos momentos mais importantes das lutas operárias na Fiat nas últimas décadas: as greves dos anos 1970 que culminaram com a ocupação de Mirafiori em 1973. É bom, aliás, não esquecer que as lutas dos trabalhadores da Fiat – juntamente com as dos trabalhadores da Pirelli, Fincantieri, etc. – marcaram o destino do nosso país: uma demonstração de força dos trabalhadores que devemos lembrar hoje em contraste com as dos burocratas sindicais que convidam os trabalhadores à demissão e à entrega.

Antes de entrar em detalhes mais específicos sobre a fábrica de Atessa, o que você pode nos dizer sobre a situação geral do grupo, à luz das recentes declarações de Tavares, de que ele está se aproveitando do governo como seu antecessor, enquanto as fábricas italianas estão quase todas em um impasse (veja as demissões em Mirafiori, contra as quais os trabalhadores também entraram em greve, e na Maserati em Modena)? E o que a transição elétrica significará para os trabalhadores?

Em primeiro lugar, seria útil enquadrar a situação financeira do grupo Stellantis, bem como contextualizar as palavras de Tavares. 2023 foi um ano recorde para a gigante nascida em 2021 da fusão (!) entre FCA e PSA, com receitas de 189,5 bilhões de euros e um lucro líquido de 18,6 bilhões de euros, números que não param de crescer há três anos. Estes números sublinham a solidez financeira do grupo e a sua capacidade de gerar lucros para os acionistas, que receberão 6,6 bilhões de euros em dividendos. As vendas de veículos elétricos e híbridos tiveram aumentos percentuais de dois dígitos em comparação com o ano passado, e as estimativas para 2024 seguem a mesma tendência. Esses dados devem ser lidos a partir de uma perspectiva global e indicam uma multinacional presente em todo o mundo que produz muito e arrecada muito, mas, vistos sob a ótica das realidades nacionais, emergem as consequências desastrosas, especialmente sociais, da globalização mais extrema. Portanto, devemos lembrar, como já fizemos em inúmeras ocasiões, que os processos de fusões e aquisições entre grupos industriais têm como único objetivo otimizar recursos e se apropriar de novos segmentos de mercado para aumentar os lucros. No caso em apreço, a parte franco-francesa (PSA) adquiriu a contraparte ítalo-americana (FCA), principalmente para entrar no mercado norte-americano, o mais rentável, e eliminar ou, pelo menos, reduzir drasticamente um concorrente interno. A troca foi obviamente desigual: as rédeas estão nas mãos dos franceses, basta ver o conselho de administração e os principais cargos de gestão, enquanto o lado italiano, apoiado nas cinzas da Fiat, perdeu toda a capacidade de decisão e estratégica. Além disso, o próprio John Elkann, depois de ter vendido a FCA à Peugeot e embolsado bilhões, declarou laconicamente “já não podemos ocupar-nos da Itália”. As consequências estão aí para todos verem. O desmantelamento das fábricas italianas está em curso, mas o processo começou há muito tempo, em nome dessa otimização de recursos que mencionei anteriormente, ou seja, transferir a produção para locais mais rentáveis e onde há poucos ou nenhuma limitação legislativa ou ambiental: os novos alvos do grupo são o Norte de África e a Europa do Leste.  onde as fábricas já atingiram quotas de produção consideráveis. É fácil, neste momento, para Tavares, com operários com verbas rescisórias e fábricas fechadas, ameaçar se movimentar para conseguir recursos públicos na forma de incentivos e redução de direitos trabalhistas para operar sem problemas. Por outro lado, o pedido de fundos públicos é uma história antiga: estima-se que, de 1975 até hoje, primeiro a Fiat, depois a FCA e agora a Stellantis tenham recebido 220 bilhões de euros sob várias formas, incluindo incentivos, reformas antecipadas, desmantelamento e financiamento para a abertura de novas fábricas. Quanto à transição elétrica, não tem nada a ver com a questão ambiental porque é guiada por uma lógica capitalista. As verdadeiras razões são a necessidade de recriar um mercado automóvel saturado e a redução da mão-de-obra necessária para aumentar os lucros.

A antiga fábrica da Sevel é atualmente a única na órbita da Stellantis que produz com alguma continuidade na Itália. No entanto, também aqui, após a aquisição da Psa, surgiram dúvidas sobre o futuro da fábrica, apesar das garantias verbais de Tavares. O que mudou sob a liderança francesa?

Há mais de 40 anos, a fábrica de Atessa produz veículos comerciais de forma contínua e crescente, graças à especificidade do produto, mas sobretudo graças à dedicação e sacrifício de milhares de trabalhadores. No entanto, com o nascimento da Stellantis, a fábrica sofre o mesmo destino de outras fábricas italianas, ou seja, está imersa em uma lógica competitiva descendente que tem os trabalhadores como as únicas vítimas. Pela primeira vez, a produção de veículos comerciais é compartilhada com outra fábrica, a Gliwice, na Polônia, que anteriormente montava carros. A fábrica polaca se beneficia das mais recentes tecnologias (robotização) e de um regime fiscal preferencial, bem como de custos de mão-de-obra muito baixos, todos vantajosos para a exploração patronal. É evidente que a comparação agora é Gliwice, por isso o mantra de Tavares é cortar custos, o que tem levado a condições de trabalho cada vez mais extremas e a repercussões sombrias para os trabalhadores de empresas contratadas e indústrias afins, desde empresas de limpeza a fabricantes de componentes, que o CEO português aconselhou explicitamente a transferir a produção para o polo polaco, mais rentável (para ele). Em suma, além do desastroso CCSL, Tavares pode contar com a ameaça de realocação para impor as suas condições aos trabalhadores.

Como Slai Cobas, vocês são promotores, juntamente com Usb, de uma série de lutas contra o ritmo e a carga de trabalho e contra medidas disciplinares falsas contra trabalhadores militantes. Quais são especificamente os problemas nas linhas de montagem?

Sempre fomos promotores de lutas contra ritmos e cargas de trabalho, obviamente porque elas são necessárias para contrapor o lucro dos patrões em detrimento da saúde e dos bolsos da classe operária. A estipulação do CCSL e as estratégias atuais da Stellantis exacerbaram a luta; as reduções de custos preconizadas por Tavares traduzem-se em condições de trabalho cada vez mais difíceis que comprometem a saúde e a segurança dos trabalhadores. Trabalhar em uma linha mecanizada envolve uma varredura de tempos e uma análise de movimentos e posturas que, se não forem devidamente controlados, levam a um aumento da velocidade (mais produção, ou seja, mais lucro para o empregador) de operações individuais e riscos concretos de danos musculoesqueléticos para os trabalhadores. Estamos lutando contra as cláusulas de vínculo de um contrato de trabalho abusivo e contra aqueles que o lideram, incluindo os dirigentes sindicais signatários. Essas condições de trabalho exasperantes criam um clima de descontentamento entre os operários e tensões nas linhas de produção: a resposta dos patrões é a repressão da dissidência por meio de medidas disciplinares falsas contra os trabalhadores combativos que não baixam a cabeça. Emblemáticos são as recentes demissões ilegítimas e discriminatórias impostas ao camarada Delio da Flmu-Cub de Cassino e à camarada Francesca da Slai Cobas de Chieti, “culpados” de exercerem uma atividade sindical coerente e determinada. Uma coisa é certa: defenderemos aqueles que são atacados com todos os meios possíveis.

Você acha que lutas sindicais como a sua podem se espalhar e se conectar com as outras fábricas do grupo? Na linha do que fez com os companheiros do Filhote de Cassino, na ex – Sevel, para denunciar o deslocamento forçado de trabalhadores.

Com certeza as recentes respostas disciplinares, bem como a contínua transferência de operários de uma fábrica para outra e as condições de trabalho na fábrica, tornam auspiciosa e necessária uma resposta unívoca dos trabalhadores do grupo; vamos trabalhar para que isso aconteça para combater as estratégias de lucro e exploração por parte dos patrões.

1 https://www.partitodialtracomunista.org/articoli/sindacato/marelli-di-crevalcore-non-si-svende-la-lotta. Aqui estão as últimas notícias, que confirmam nossa análise: https://www.ilpost.it/2024/03/12/vendita-marelli-crevalcore/

2 https://torinocronaca.it/news/cronaca/312582/si-spegne-anche-la-marelli-a-rischio-320-lavoro.html

3 https://fb.watch/qSG8qs3jSt/

4 https://fb.watch/qSGfUIwBMN/

Artigo publicado em www.partitodialternativacomunista.org, 19/3/2024.-

Traduzido do italiano ao espanhol por: Natalia Estrada.

Traduzido do espanhol para o português: Lilian Enck

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares