sex abr 19, 2024
sexta-feira, abril 19, 2024

Mentiras e realidade sobre as “eleições” de Putin

Por POI, Partido Internacionalista dos Trabalhadores

À primeira vista,  a “vitória esmagadora” de Putin  nas eleições, anunciada pela imprensa controlada pelo regime, pode dar a aparência de apoio e unidade dos russos em torno do presidente. No entanto, na realidade, trata-se de uma falsa ilusão, como tudo o que a propaganda diz na Federação Russa e na mídia mundial e figuras públicas associadas ao Putinismo e satélites do stalinismo.

A realidade é que a Rússia está em guerra, uma guerra de agressão, ocupação e pilhagem que “não é vitoriosa”, mas prolongada e sangrenta. E isso determina tudo o que acontece no nosso país. Inclusive as chamadas “eleições”, porque não havia nada nem ninguém para eleger.

Em nosso país, há mais de 24 anos que os  serviços de segurança do Estado  – o FSB, sucessor da KGB – estão no centro do poder. Eles estrangularam qualquer indignação e protesto, realizando “operações especiais” contra qualquer movimento de descontentamento. E agora, após o início da “Operação Militar Especial” (SVO-na sigla em russo), estabelecendo abertamente uma ditadura feroz, que pune qualquer um que ouse expressar dúvidas sobre a política do ditador. Inclusive, por exemplo,  chamando a SVO para a guerra! Em nosso país, as eleições foram apenas mais uma “operação especial” para enganar seus cidadãos e o mundo inteiro sobre o “poder sólido de Putin”.

“Eleições” que não foram eleições

A campanha, a nomeação de candidatos e a votação foram completamente controladas e restritas. A Comissão Eleitoral Central (CEC), subordinada ao Kremlin, selecionou apenas quatro candidatos, três dos quais eram uma imitação embaraçosa da oposição. Sob condições de guerra e profunda divisão na sociedade russa sobre a questão da necessidade ou legitimidade da SVO, todas as tentativas de nomear um candidato que criticasse a guerra foram cortadas pela raiz.

Em janeiro, Ekaterina Duntsova, uma jovem ativista da região de Tver, teve a nomeação negada. E no início deste ano, o famoso ativista liberal Boris Nadezhdin apresentou sua candidatura, que indireta e muito debilmente criticou a SVO e algumas leis ditatoriais, quase como insinuações de que “o que está acontecendo está incorreto”. Isso foi suficiente para que várias centenas de milhares de russos descontentes formassem enormes filas em todo o país para assinar, com seus próprios detalhes de passaporte, em apoio a Nadezhdin. Havia muito mais pessoas que tinham medo de deixar seus dados com as autoridades. Apesar da submissão a uma ditadura de guerra não declarada, esta foi uma nítida manifestação de profundo descontentamento entre um setor bastante grande das massas e ameaçou o espetáculo das “eleições” com “apoio nacional esmagador”.

Nadezhdin não foi autorizado a registrar sua candidatura para estar na cédula de votação sob o “argumento” de que uma certa porcentagem de assinaturas teria sido falsificada. Poder-se-ia supor que seria vantajoso para o regime se esse candidato timidamente “pacifista” obtivesse um percentual insignificante de votos para desacreditar e zombar daqueles que discordam. Mas o regime temia até mesmo uma opção de oposição tão pacífica e tímida quanto Nadezhdin. Como resultado, a Comissão Eleitoral Central apresentou aos 145 milhões de russos um patético pedaço de papel dando instruções rigorosas sobre como votar.

Três candidatos – todos atuais deputados da Duma – que concorreram “contra” Putin foram condecorados com o registro. O populista de direita Leonid Slutsky, do Partido Liberal Democrático  – fundado pelo falecido ex-coronel da KGB Zhirinovsky –, o desconhecido charlatão liberal Vyacheslav Davankov,  do  partido Novo Povo,  e Nikolay Kharitonov, um partido comunista decrépito e rançoso da Federação Russa. Eles não tiveram nenhum debate entre os candidatos ou com Putin. Ninguém tinha intenção de debater. E também não podiam oferecer nada diferente da propaganda de Putin. Afinal, na questão da SVO, principal divisor de águas do país, todos concordam. Fazem parte integrante do mesmo regime. Além disso, Putin há muito superou todos eles em seu chauvinismo extremo e ambição imperial.

O regime teme Navalny mesmo após sua morte

Um mês antes da eleição, o opositor mais famoso de Putin, Alexey Navalny, foi assassinado. Ele era um opositor que era considerado por muitos como o líder do protesto, embora, na verdade, haja muitos ativistas da oposição no país que são mais coerentes e com princípios do que o assassinado Navalny. Seu significado foi formulado na pergunta: “Se não Putin, então Navalny?”, expressado tanto por opositores quanto por apoiadores do regime.

Ele foi reconhecido como líder da oposição por figuras-chave do imperialismo, de Biden à ex-parceira de Putin, Angela Merkel. Em uma eleição limpa, ele seria, sem dúvida, o principal rival de Putin. E no caso de uma queda da ditadura, ele seria a figura mais conveniente para setores da burguesia russa e do imperialismo dos EUA e da UE. E, além disso, popular o suficiente entre as grandes massas para preservar o aparato estatal e o domínio do capital na Rússia. Navalny passou os últimos dois anos em uma prisão com restrições rígidas, quase em confinamento solitário, sua pena foi aumentada. E foi assassinado às vésperas da eleição.

A perversidade desse crime é mais uma manifestação da profunda fraqueza do regime, que teme seu colapso e, assim, elimina qualquer adversário, mesmo aqueles que estavam completamente sob o controle de seu poder. O funeral de Navalny em Moscou transformou-se numa manifestação aberta. Durante duas semanas em muitas cidades do país, dezenas de milhares de pessoas – cerca de 100 mil – carregaram flores em homenagem ao político assassinado em frente a monumentos em memória das vítimas da repressão política. A perda do medo é percebida em alguns setores. Apesar da ditadura, perseguição e vigilância, dezenas de milhares compareceram ao funeral de Navalny e marcharam pelos arredores da capital atrás do caixão da igreja ao cemitério. Às vezes, expressam em voz alta seu protesto com palavras de ordem contra a guerra e a ditadura: “Não à guerra!”, “Os ucranianos são boas pessoas!”

“Não há guerra”?

As eleições decorreram sob o estrondo, não de fogos de artifício, mas de bombardeamentos. Há dois anos, o poderoso líder disse aos russos que lançaria uma operação militar especial “para o bem e a segurança do país”. Ele mentiu como sempre: hoje há uma guerra acontecendo na própria Rússia. Uma semana antes da eleição, ataques maciços de drones ucranianos a grandes refinarias de petróleo levaram a uma queda de 10% na produção de produtos petrolíferos. Em apenas uma semana! Empresas localizadas a centenas ou mais de mil quilômetros da linha de frente foram atacadas: regiões de Ryazan, Leningrado, Nizhny Novgorod e Samara, ao longo do Volga, Oryol e da região de Krasnodar. Os ataques continuam. Um bombardeio ocorre em Belgorod, cidade de 300 mil habitantes, capital da região de mesmo nome, na fronteira com a Ucrânia – a 80 quilômetros de Kharkiv.

A ofensiva ucraniana no país é tão dura que instituições educacionais e culturais e shoppings foram fechados. Há mortos, feridos e destruição. Durante dias as sirenes tocaram a todo o volume. E em meio a esse uivo, os cidadãos são instados a votar por “estabilidade”, “segurança” e “prosperidade”. Além disso, nas regiões de Belgorod e Kursk, territórios russos próximos à fronteira com a Ucrânia, começaram confrontos militares – as aldeias de Tëtkino e Spodaryushino, além da cidade de Grayvoron. São verdadeiras batalhas com equipamentos pesados, travadas pelas forças da chamada “Legião Russa Livre” e do “Corpo de Voluntários Russos”. Segundo esses combatentes, eles estão libertando seu país das forças do regime de Putin. No dia anterior aos ataques, eles emitiram repetidamente avisos abertos pedindo aos civis que deixassem suas casas. E tudo isso está acontecendo em plena eleição. Confrontos militares na fronteira, bombardeios de cidades e vilas, incêndios de fábricas e depósitos de petróleo. Este é um indicador real da fragilidade do regime do Kremlin, encarnado por genocidas com ambições imperiais.

Dois anos de guerra em grande escala

Pelo segundo ano, o país vive em condições de alistamento militar. Desde outubro de 2022, além de dezenas de milhares de presos condenados contratados como mercenários pela companhia “Wagner” e outras empresas militares privadas, trezentos mil habitantes da Rússia foram arrancados da vida pacífica e enviados compulsoriamente para a guerra na Ucrânia. O recrutamento tinha características brutais: invasões, visitas policiais, vigilância por câmeras. Isso afetou particularmente as províncias. Por exemplo, em Yakutia e Buryatia na Sibéria. Lá, nas condições do Extremo Norte, homens capazes foram retirados das aldeias e famílias ficaram sem seus arrimos de família. Houve casos em que, antes da chegada dos comissários militares, todos os homens simplesmente escaparam e entraram na enorme Taiga. No Daguestão , no norte do Cáucaso, os protestos contra a mobilização continuaram por vários dias.  Nesses comícios, moradores locais indignados gritavam diretamente na cara das autoridades que esta era uma guerra que ninguém precisava.

Dois meses antes das eleições, protestos em massa ocorreram no Bascortostão, onde Fail Alsynov, ativista de Bashkir, lutador dos direitos nacionais e defensor do meio ambiente, foi julgado. Cerca de 15.000 pessoas em um pequeno vilarejo nos Urais saíram em apoio a Fail, e quando ele foi condenado, distúrbios e confrontos com a polícia começaram. Esse protesto sob a ditadura levou a dezenas de prisões e até à morte de dois ativistas. Isso mostra a tensão dentro do país causada pela violação dos direitos das nações oprimidas em um país multinacional.

A opressão nacional se intensificou especialmente sob o Putinismo. Alguns exemplos gritantes são: a Chechênia, destruída por duas guerras, e o estabelecimento de um regime colaboracionista lacaio do Kremlin, liderado pelo clã criminoso de Kadyrov. Em todo o Cáucaso, um regime especial de forças de segurança. A entrada em vigor de uma lei, aprovada há vários anos, sobre a NÃO obrigação de ensinar línguas nacionais em cada república “autônoma” da Rússia. Um salto na opressão dos tártaros da Crimeia, após a ocupação e anexação da península em 2014. A SVO reforçou ainda mais a opressão nacional do Kremlin em todo o imenso território e se expressa em medidas de limpeza étnica com recrutamento para a frente extremamente desigual.

O rei está nu

Como vimos, o fracasso da blitzkrieg de Putin em 2022 enfraqueceu o regime político da Rússia. Os fracassos no front, os avanços quase imperceptíveis no território da Ucrânia com baixas colossais não fortalecem o poder, mas o enfraquecem. Ver e compreender o enfraquecimento do regime político na Federação Russa é uma tarefa importante para ativistas e pessoas solidárias em todo o mundo e, acima de tudo, para a classe trabalhadora e todos os trabalhadores de base. Apesar da propaganda insana sobre uma guerra “vitoriosa” por parte da mídia russa e figuras públicas associadas ao putin-stalinismo em todo o mundo. Apesar dos parabéns pela “retumbante” vitória de Putin nas eleições, assistimos a uma guerra de desgaste que se arrastou e se tornou a maior derrota política para Putin durante todo o seu reinado.

O regime teme sua queda. Seu apoio entre o povo está mais fraco do que nunca. Seu apoio entre o aparato burocrático “monolítico” é ilusório – como demonstrou a rebelião de Prigozhin e da Wagner no ano passado, quando o aparato congelou e paralisou à espera de um resultado. O imperialismo norte-americano e a UE temem tal queda nada menos que o próprio Putin. Afinal, durante duas décadas esse assassino da KGB foi um fiel parceiro da CIA a partir do FSB, mantendo a ordem repressiva na Rússia e nos países vizinhos da ex-URSS para poder negociar recursos e pechinchar esferas de poder no âmbito da ordem mundial em crise. Hoje, o imperialismo ocidental não sabe o que fazer com o gendarme euroasiático, mas continua a preservá-lo da derrota na guerra. Enquanto isso, continua a enganar os ucranianos com promessas de lhes fornecer armas suficientes ou futuras “garantias de segurança”.

O regime, ainda mais brutalizado por esta guerra fracassada, ainda pode causar muitas mortes, destruição e repressão. Mas está cada vez mais vulnerável. A resistência armada, principalmente dos trabalhadores da Ucrânia, apesar da escassez de munição e da falta de aeronaves e armas ofensivas, está até agora conseguindo deter as forças armadas invasoras do Kremlin. Mas eles próprios suportam sacrifícios e perdas colossais. Trabalhadores de todo o mundo, ativistas e todos os setores sociais sensíveis dão exemplos de solidariedade ao povo ucraniano nesta difícil luta. Há também uma crescente rejeição ao Putinismo entre os trabalhadores e todos os oprimidos, penetrando com seus tentáculos venenosos em todo o mundo, recrutando agentes das elites burguesas, dos partidos stalinistas e da mídia.

Pela derrota da Federação Russa

O povo da Rússia está dividido. É difícil dizer quantos opositores de Putin, da guerra e da ditadura existem. A maioria das pessoas está calada. Foram amordaçadas com leis ditatoriais contra críticas à SVO ou às autoridades, especialmente as Forças Armadas, com repressão sangrenta e prisão para milhares de ativistas. E a propaganda raivosa e chauvinista manipula persistentemente a consciência de milhões de russos. Mas a vida e a realidade da guerra são muito mais fortes e duras do que a propaganda mais sofisticada. Os caixões dos russos mortos na linha de frente estão chegando para cada vez mais famílias. A possibilidade de uma nova onda de alistamento militar – que foi interrompida até depois das eleições – que poderia destruir os planos de vida de centenas de milhares de homens da Federação Russa a qualquer momento, é uma preocupação constante. A maioria das pessoas sente a futilidade da guerra. Ansiedade, estresse, preocupação, pobreza progressiva e sangue… Esta é a realidade da Rússia de Putin, “uma potência estável em desenvolvimento respeitada por todos”, de acordo com o slogan oficial.

Nós, russos, não precisamos desse massacre. Não traz nada além de perdas para o país. Isso já ficou evidente. O regime está se devorando a si próprio com uma guerra imperial messiânica. As eleições têm sido uma farsa. A Constituição foi mutilada apenas para que Putin pudesse permanecer no poder. As Forças Armadas estão degradadas pelo fluxo de criminosos que saem dos presídios por contratos e pelas graves perdas militares na invasão. Os governadores não conseguem lidar com as tarefas básicas de limpar as ruas, garantir eletricidade e aquecimento, ou gerenciar a infraestrutura de habitação e serviços comunitários.

A Igreja Ortodoxa Russa está rapidamente se tornando uma seita a serviço da guerra. Os oligarcas e elites russas, que emergiram da nomenklatura (“burocracia”ou “casta dirigente”) soviética, criaram um Estado chamado Federação Russa em 1991, e hoje o regime de Putin está destruindo metodicamente as instituições de seu próprio Estado. Vale a pena se arrepender? Claro que não. Durante os 30 anos de existência deste Estado, a situação das massas exploradas e oprimidas só se deteriorou. Foram 30 anos de guerras, pobreza, opressão a serviço da acumulação das imensas fortunas de diferentes camadas de oligarcas e da nova nomeklatura do FSB. Especialmente a opressão nacional, a opressão dos povos não russos. Com  o chauvinismo gran-russo, o Putinismo engana e envenena o povo e os próprios trabalhadores russos, que na realidade, devido às expedições imperiais das elites, recebem apenas a morte, a pobreza e a degeneração.

A Rússia precisa de mudanças fundamentais. É tempo do povo trabalhador russo se libertar de uma vez por todas das ideias da Grande Potência, a fim de deixar de ser forragem para ditadores imperiais. O povo russo precisa pôr fim à opressão de outros povos o mais rapidamente possível. As elites burguesas russas não são capazes de criar um Estado sem opressão e guerras. Mas os trabalhadores e as massas trabalhadoras não têm nada contra os quais lutar, uns contra os outros.

Portanto, os trabalhadores da Rússia, a classe trabalhadora multinacional do nosso país, tomando o poder em suas próprias mãos, podem garantir a todas as nações e povos o direito à autodeterminação para criar uma união de Estados operários, unidos pela solidariedade e pela verdadeira liberdade, em prol do progresso e da justiça social. As massas oprimidas, com a classe trabalhadora à frente, porão fim à exploração e à opressão. Para começar nesse caminho, o regime de Putin deve ser derrotado!

Não à guerra! Pela derrota da Federação Russa!

Combate a todos os agentes do Putinismo!

Solidariedade com a resistência ucraniana!

Tradução: Lilian Enck

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares