qui jul 18, 2024
quinta-feira, julho 18, 2024

Recuperar o 8M como um dia de luta, organização e combate!

Depois de dez anos de cortes, ajustes e uma crise econômica impenitente e sem trégua, no dia 8 de março de 2018, o movimento feminista, com o apoio dos sindicatos de classe e combativos, convocou uma greve feminista que se tornou capitalizadora da indignação social. Em 2019, o 8M, que foi referência mundial, foi mais uma vez um grande dia de luta estatal com greves, paralisações e mobilizações em todo o território. o que aconteceu desde então?

Por: Laura Requena

Esse enorme ascenso da luta das mulheres, que teve como pano de fundo o 15M ou as mobilizações de 2014 que derrotaram os planos de Rajoy para restringir ainda mais o nosso direito ao aborto, expressou o descontentamento dos sectores mais oprimidos dentro deste sistema. E não há dúvida de que ajudou a aumentar a consciência coletiva que ainda permanece, da qual o caso Rubiales foi um exemplo. Não é por acaso que a extrema direita fez do antifeminismo e do discurso lgtbifóbico parte da sua identidade. Um discurso que, pela polarização social que existe, acaba penetrando também em um setor da classe operária.

Os partidos do regime e a burocracia sindical aprenderam uma boa lição com esse ascenso. Cada um a partir de sua posição, agiu para tirar a luta das ruas e desviar as demandas para os lados das instituições. Já então, a Corriente Roja, alertou para o perigo que a “greve feminista”, na qual muitas trabalhadoras não se sentiram desafiadas a parar, pela simples razão de que as greves não são decretadas ou impostas, mas devem ser construídas a partir de baixo, acabasse se convertendo em um dia lúdico. Um dia em que os governos responsáveis ​​pela nossa situação lideram as mobilizações com batucada, enquanto os empresários da hotelaria aproveitam o dia para ganhar dinheiro.

Depois veio a pandemia e o agravamento da crise, cujas consequências catastróficas ainda estamos pagando. À medida que a crise capitalista, que também é política, social e ambiental, se aprofunda, a situação das mulheres trabalhadoras e pobres torna-se cada vez mais dramática. Basta ver que continuamos encabeçando os números da pobreza, do desemprego e do emprego temporário. Ou o fluxo de despejos, as listas de espera na Saúde e Dependência ou as sinistras estatísticas de mulheres assassinadas. No meio deste panorama desolador, outro 8M, governos e instituições; todos eles ao serviço dos negócios da burguesia, aproveitarão a sua gestão, em favor da igualdade.

Se para o PP e o Vox o caminho passa por reivindicar a “feminilidade” da ideologia católica, encolhendo o Estado e deixando as nossas vidas nas mãos do mercado, as ministras deste governo dito progressista voltarão a empertigar-se e a gabar-se das leis, pactos e medidas feministas que aprovaram ou “planejam aprovar”, sem orçamentos ou recursos de qualquer espécie. Falam-nos de “cuidados” enquanto a despesa militar aumenta estratosfericamente em detrimento dos Serviços Sociais que estão saturados, de uma Educação subfinanciada que permanece, em grande parte, nas mãos da Igreja e de um Sistema de Saúde que sangra por todos os lados. Vão se declarar mais uma vez solidarias com a Palestina, enquanto o seu governo vende armas a Israel para continuar a assassinar mulheres e meninas palestinas.

Tanto faz. No dia seguinte a tanta folia, fotos de capa e declarações pomposas, os cuidados aos menores, aos idosos, aos doentes ou às pessoas em situação de dependência continuarão a recair sobre nós. Milhões de mulheres tomarão o café da manhã enquanto anunciam na televisão uma nova vítima da violência machista e algumas de nós correremos para o trabalho, dominadas pela enésima reforma trabalhista da “muito feminista” senhora Díaz, que desencadeou uma insegurança laboral que, para nós, sempre foi a norma.

Enquanto isso, o movimento feminista em Madrid volta às ruas dividido pela transfobia de um setor e como expressão de que o feminismo se tornou um território de disputa institucional e na Catalunha convocam uma greve feminista com a cobertura legal da CGT estatal. Sem dúvida, existem muitas razões para isso. Mas como dissemos no início, a greve é ​​uma ferramenta poderosa da classe (na verdade, as mulheres lideraram mais de metade das greves que ocorreram em 2023), desde que seja decidida democraticamente, convocando assembleias de decisão nos locais de trabalho, centros de estudo, etc. Caso contrário, é distorcido e reduzido a pouco mais do que um slogan cheio de significados vazios. Os cartazes da CGT deste ano apelam a uma greve feminista “para abalar o patriarcado e o capital” ou “liberar a sua energia vital primordial”.

Um exemplo do que defendemos é a greve geral feminista convocada em Euskadi em 30 de novembro, para exigir dos governos basco e navarro um sistema de cuidados com condições de trabalho dignas, público e universal, greve que conquistou o apoio de mais de 1.500 comitês de empresas. Reivindicamos a greve geral pelos direitos das mulheres, quando esta for construída de forma unitária e fizer parte de uma jornada estatal de luta que denuncie também a situação laboral daqueles que não podem parar, como os imigrantes sem documentos ou os trabalhadores da economia subterrânea.

Não há saída para a violência machista e a desigualdade sem a luta operária! Devemos mudar as regras do jogo deste sistema capitalista e deste regime antidemocrático!

A partir de Corriente Roja reivindicamos um 8M de solidariedade internacionalista, de classe e combativo. Em que saiamos às ruas para exigir o fim do genocídio israelita, para mostrar a nossa solidariedade com as mulheres ucranianas que resistem à invasão de Putin ou com os trabalhadores argentinos que enfrentam o plano de Milei de apagar do mapa as conquistas das mulheres.

Um 8M que sirva para unificar muitas lutas. A dos estudantes, que têm cada vez mais dificuldade em estudar e que o seu futuro laboral é muito sombrio. A dos trabalhadores da SAD de Alcalá del Río contra a privatização do serviço e a de muitos outros, em trânsito contínuo entre o desemprego e a precariedade. A dos pensionistas em risco de pobreza. Acima de tudo, na ausência de recursos suficientes para acabar com a violência machista diária e pôr fim às instituições que a perpetuam. E a luta de todes, para acabar com os ataques às nossas condições de vida, venham de onde quer que venham e de quem governe.

Somente através da mobilização as mulheres poderão derrotar a tentativa de reverter os nossos direitos e avançar naqueles que ainda não temos. A luta por medidas concretas, urgentes, obrigatórias e, acima de tudo, dotadas de recursos para alcançar empregos e salários dignos alinhados com a inflação, para acabar com a disparidade salarial e de aposentadorias/pensões, ou para que o Estado assuma a responsabilidade pelo trabalho de cuidados. Estas medidas têm de ser defendidas por toda a classe trabalhadora, com as mulheres na linha da frente como parte da batalha estratégica para acabar com o capitalismo. Porque não é possível acabar com a opressão sem destruir os fundamentos da exploração através da tomada do poder pela classe trabalhadora e da construção de uma sociedade socialista em todo o mundo. E para que isto seja uma realidade, uma tarefa central hoje é a construção de um partido socialista e revolucionário internacional.

Retirado de http://corrienteroja.net 06/03/2024

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares