dom jul 14, 2024
domingo, julho 14, 2024

Mulheres pelo socialismo! Acabar com a violência, a exploração e a catástrofe ambiental deste sistema capitalista!

Apresentação

Por ocasião de um novo 8 de março, Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, temos muito orgulho de publicar este novo número da Correio Internacional (em espanhol), dedicado exclusivamente a analisar a situação das mulheres trabalhadoras e explicar a solução revolucionária que defendemos para a sua libertação.

À medida que a crise capitalista, que também é política, social e ambiental, se aprofunda, a situação das mulheres trabalhadoras e pobres torna-se cada vez mais dramática. Basta olhar para as estatísticas sinistras de mulheres estupradas, espancadas e assassinadas em todo o mundo e como as trabalhadoras continuam a liderar os números da pobreza, do desemprego e do emprego temporário.

Os artigos que encontrará nesta revista baseiam-se numa visão de mundo segundo a qual a luta das mulheres não é algo diferente, mas parte da luta de classes para derrubar este sistema capitalista de opressão e exploração. Um sistema injusto e cada vez mais predatório da natureza, que gera, sustenta e reproduz todas as opressões.

Isto com o objetivo de superexplorar os setores mais oprimidos dentro dela e cortar os gastos sociais necessários à reprodução da força de trabalho, graças ao trabalho gratuito e invisível que as mulheres realizam na esfera privada do lar. Desta forma, a burguesia consegue dividir a nossa classe, baixar o nível de vida do conjunto e garantir o seu domínio mundial.

Iniciamos a revista reivindicando a visão leninista na luta contra a opressão posta em prática pelo Partido Bolchevique antes, durante e depois da tomada do poder na Rússia em 1917.

Dedicamos um artigo a analisar o movimento feminista nos últimos anos e a desenvolver as implicações e a importância da organização dos trabalhadores a partir de uma perspectiva de classe.

Da mesma forma, queremos fazer um balanço da luta pela justiça reprodutiva que a classe trabalhadora liderada pelas mulheres tem realizado em diferentes lugares do mundo.

No artigo Uma declaração de guerra contra a classe trabalhadora, suas mulheres e diversidades, analisamos a situação das mulheres na Argentina, o conteúdo do ataque de Milei aos setores oprimidos e a solução operária e socialista que defendemos

O genocídio que Israel está levando a cabo sobre a Palestina continua a ser um fato que desperta sensibilidade e solidariedade, especialmente entre as mulheres, dados os números de mulheres e menores massacrados. É por isso que dedicamos um artigo para explicar porque é que a libertação das mulheres palestinas faz parte da libertação do seu povo.

Também constatamos como nestes anos a catástrofe ambiental se agrava em sintonia com a crise capitalista. É por isso que a revista contém vários artigos para analisar as dimensões de gênero, raça e classe da luta pela justiça ambiental e as implicações das alterações climáticas na reprodução social.

Na seção de polêmicas teóricas, debatemos com o movimento feminista na Itália sobre o significado do patriarcado. Além disso, a posição sobre a prostituição é uma questão que atualmente divide as águas no movimento feminista. Publicamos o artigo Uma Visão Marxista sobre a Prostituição, escrito originalmente em 2015 com algumas atualizações até o momento, com o objetivo de estimular o tão necessário debate sobre esta questão.

A revista se completa com mais duas matérias: uma importante campanha na Colômbia contra a violência machista no local de trabalho e o especial dedicado à nossa querida companheira Carolina Garzón, cujo desaparecimento já faz 12 anos e para quem continuamos exigindo investigação, justiça e reparação.

Esperamos que este material se torne uma ferramenta útil para todas aquelas pessoas que, no seu dia a dia, lutam contra a violência, a desigualdade e a discriminação que sofrem os setores oprimidos neste sistema e que se torna cada vez mais urgente.

E que sirva também a todos os grupos e partidos da LIT, na tarefa de incorporar cada vez mais mulheres na construção da nossa Internacional. Uma internacional, a LIT QI, que, seguindo a tradição do marxismo revolucionário, luta há mais de 40 anos pela libertação das mulheres, numa perspectiva classista, socialista e revolucionária.

As editoras

Acesse aqui a revista em espanhol

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares