seg maio 20, 2024
segunda-feira, maio 20, 2024

A Ucrânia diante da invasão russa: atacada por um imperialismo e chantageada por outros

Tal como definimos desde o início, a Ucrânia está travando uma guerra de libertação nacional partindo de sua condição de país semicolonial. Por isso objetivamente enfrenta todos os imperialismos e ao sistema capitalista como um todo. E as massas ucranianas – especialmente a classe operária – se chocam cada vez mais com a sua direção política e militar burguesa, pró-imperialista e pró-sionista, que também serve aos interesses dos vários clãs de oligarcas locais. Dois anos após o início da guerra de resistência à invasão e ocupação, as classes exploradas vivem uma experiência dolorosa e enfrentam o grande desafio de superar as falsas ilusões no apoio do “Ocidente” e avançar para a revolução social, embora o significado de “socialismo” para a maioria dos que resistem ao invasor está envenenado pela memória do stalinismo, que degenerou e finalmente derrubou a URSS e que novamente traiu através dos partidos herdeiros do PCUS, como o PCU, PSPU e outros satélites., que em 2014 apoiaram a anexação russa da Crimeia ou atuaram como agentes da invasão e divisão do Donbass. Em suma, a guerra da Rússia contra a Ucrânia já dura 10 anos.

Por: Taras Schevchuk

A classe operária armada e a heroica resistência das massas foram o fator essencial que permitiu à Ucrânia resistir dois anos à agressão de uma das maiores potências militares. Foi a iniciativa e a auto-organização das massas que conseguiram rechaçar a invasão da cidade e região de Kiev e fazer os ocupantes, que invadiram a partir da fronteira norte, a retroceder. Na região de Kiev e noutras cidades, o povo mobilizou-se exigindo a entrega das armas. A princípio o governo tentou controlar a entrega. Mas dezenas de milhares foram tomadas por voluntários. Isto forçou a Rada a emitir uma lei sobre a posse de armas devido à emergência da guerra. Desde março de 2022, a classe operária, alistada massiva e voluntariamente, constituiu o sujeito social fundamental das tropas em combate. No início era a organização das brigadas de Defesa Territorial. Mais tarde foram centralizados e disciplinados sob o comando militar da FDU. Mesmo com estas transformações e distorções, nestes dois anos assistimos a um imenso sacrifício de vidas para defender a causa da liberdade, o que já representa um feito histórico.

Todo este processo enorme e extraordinariamente progressista esbarra num primeiro obstáculo: o governo Zelensky, que é o agente da colonização imperialista. Este governo tomou posse em 2019 e foi o segundo – o primeiro foi o magnata Poroshenko – que surgiu da política de reação “democrática” aplicada pela burguesia imperialista para desviar a imensa ascensão de massas que levou à insurgência Maydan, que derrotou a tentativa bonapartista .do Presidente Yanukovych e forçou-o a fugir e a refugiar-se na Rússia. Nos meses anteriores à invasão, Zelensky e o seu partido “Servidor do Povo” já tinham ficado profundamente desacreditados pelas suas políticas neoliberais e pela perda da soberania do país. Quando a invasão começou, ele só recebeu um crédito temporário quando decidiu ficar no país e não fugir. Mas com o passar destes anos e os duros testes que a Ucrânia enfrenta, estão surgindo questões cada vez mais profundas sobre o seu papel como chefe de Estado de um país em guerra e muita desconfiança nas suas políticas internas e internacionais. É evidente que este governo, agente da colonização do país, é incapaz de garantir a sua integridade territorial.

Além disso, o apoio aberto de Zelensky à ocupação genocida sionista da Palestina isolou ainda mais a luta do povo ucraniano contra a agressão e ocupação russa, causando uma onda de rejeição entre os povos do Cáucaso que tinham expressaram solidariedade ativa com a resistência ucraniana e até com destacados combatentes voluntários.

Por outro lado, desde outubro passado, a nova evidência do tradicional papel assassino do imperialismo ianque e da OTAN, com o seu incondicional apoio prioritário ao carrasco sionista Netanyahu, colocam o chacal Putin e os seus crimes de guerra e bombardeios permanentes da população civil ucraniana, em um segundo plano. E esta realidade é aproveitada pelo aparelho mediático internacional financiado pelo regime russo.

A renúncia de Avdiivka e Zaluzhny

A chantagem do imperialismo dos EUA e da UE está no centro das causas e fatores que geraram e detonaram a demissão de Zaluzhny e, semanas depois, forçaram a retirada caótica das tropas ucranianas de Avdiivka. Ambos os fatos estão intimamente ligados. Porque Zaluzhny, com as suas entrevistas ressonantes aos meios de comunicação imperialistas, revelou ao mundo que a tão mencionada “contraofensiva” de Outono no Sul não poderia ser realizada sem aviões e uma mudança qualitativa no armamento. E justificou a sua permanente maior cautela em frentes como Bakhmut ou Avdiivka para salvar vidas e minimizar as baixas face à permanente falta de munições, armamentos com novas tecnologias e artilharia de longo alcance. Com a demissão de Zaluzhny, um número significativo de generais foi substituído. O mal-estar nas forças armadas foi sentida. A figura política de Zaluzhny é uma das mais populares na Ucrânia. A sua demissão sem uma nova posição nítida no regime alimenta mais especulações. A crise continua no comando militar em meio a uma guerra que exige um moral de combate cada vez mais elevado. E esse moral em toda a cadeia de comando está hoje em declínio permanente.

Para ilustrar a indignação dos veteranos militares, reproduzo literalmente as duras expressões de Roman Svitan, um coronel da aviação reformado, que lutou durante anos desde 2014, defendendo a Ucrânia da agressão russa no Donbass:

“Há duas semanas que venho dizendo que se abandonarmos Avdiivka será apenas porque não há munição suficiente. Isto é um truísmo. Só se poderia abandonar assim uma área bem fortificada por motivos de força maior. O primeiro e fundamental componente: a ausência da aviação. Segundo: a ausência total de projéteis, de balas. Esta escassez é agora sentida na linha da frente. Naturalmente, a nossa direção político-militar é a culpada por isso. Ainda não temos projéteis de artilharia. E durante os 30 anos de independência da Ucrânia, toda a “liderança” política nem sequer criou reservas sérias! E os governantes permitiram que fossem detonados sem substituí-los. E em dois anos de guerra, ainda não foi criada a produção de projéteis dos calibres necessários.

A segunda razão é a falta de assistência que os nossos “fiadores” estavam obrigados a prestar-nos em virtude do Memorando de Budapeste. O problema deles é que assumiram certas obrigações que não cumpriram. Escondendo-se atrás de jogos políticos internos dos EUA, praticamente entregaram Avdiivka a Putin antes das eleições, criando-lhe condições fáceis para mais uma “reeleição”. Mas muito provavelmente, tudo isto é uma espécie de acordo entre Biden e Putin, através de Burns (Diretor da CIA) e Sullivan (Secretário de Segurança), grandes amantes da vodca russa!

E no final perdemos território, perdemos uma zona fortificada poderosa e séria e um trampolim para uma maior libertação do Donbass. O importante é que perdemos a vida dos nossos combatentes defensores, que poderiam ter mantido esta cabeça de ponte e, em princípio, realizado outras ações. Agora tudo está muito pior: perdemos território e vidas, e depois perderemos 10 vezes mais forças e recursos para libertar as posições perdidas”…

O novo chefe militar Oleksandr Sirsky é chamado de “carniceiro” porque para atingir objetivos militares dá ordens com mão de ferro, sacrificando vidas e equipamentos bélicos, com um exército em condições de escassez de armas impostas pelo imperialismo. Nesse sentido, tal como Zelensky, Sirsky parece adaptar-se melhor à perversa política imperialista, expressa nos meios de comunicação internacionais, de acentuar os retrocessos militares da Ucrânia – como Avdiivka – por um lado e esconder que estes se devem à suspensão do fornecimento de equipamentos militares. E assim continua há meses, na esperança de conseguir que uma parte significativa das massas concorde em negociar as concessões territoriais à Rússia pelas quais vem pressionando há um ano. Mas até agora mais de 75% dos ucranianos em quase todas as regiões rejeitam essa possibilidade.

A classe operária é a vanguarda na defesa armada da independência do país. Mas vemos o oposto no aparato repressivo do Estado burguês! É o caso do quartel-general da polícia antimotim da cidade de Dnipro, capital da região de Dniepropetrovsk, cujas tropas se recusaram a ir para a frente de batalha sob o argumento de “não terem treino de combate”, quando esses profissionais “guardiões da ordem pública” portam armas e treinam no combate para enfrentar violentamente as manifestações operárias e populares. E este não é um caso isolado.

A colonização imperialista agrava a crise do regime ucraniano

As pressões dos EUA, da UE e do FMI não produzem crises apenas na esfera militar, mas em todas as instituições do regime já que a crise, desde a revolução Maydan em 2014, foi desviada e amortecida, mas não finalizada. E tudo parece indicar que entramos numa nova exacerbação desde a demissão de Zaluzhny como chefe da FDU-Forças de Defesa da Ucrânia. E essa agudização é influenciado pelo agravamento das condições de vida e pelo aumento da desigualdade econômica e social nestes dois anos. Crise na frente e crise na retaguarda. E aumento ilimitado da pilhagem imperialista, especialmente de recursos naturais e terras férteis. Uma informação sobre este saque: uma quantidade de 2,8 milhões de hectares de terras férteis, equivalente a um terço do território ocupado pela Rússia, são propriedade e exploradas por corporações imperialistas: Kernel e Indusrial Lacteos MMK do Luxemburgo, TNA Corporate Solution e NCH Capital dos EUA, Astarta Holding dos Países Baixos, PIF Saudi da Arábia Saudita e várias empresas com sede em Chipre, cujos capitais podem ser associados com oligarcas ucranianos.

Federação Russa: A falsa imagem de solidez do regime FSB-Putin

A cumplicidade do imperialismo com a agressão do regime de Putin contra a Ucrânia ficou evidente em 2014, quando anexaram a Crimeia com uma operação de comando e fingiram que “era uma decisão democrática da maioria russa”. Continuou com as negociações e os “acordos de Minsk” que também legitimaram a divisão do Donbass. Agora, face à invasão russa em grande escala que provocou a maior guerra na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, essa cumplicidade fica duplamente exposta. A começar pelas constantes violações das “sanções” decretadas pelas instituições imperialistas, pelas suas próprias corporações e empresas subsidiárias, que continuaram e até aumentaram os seus negócios com a Rússia. Mas também, pela falsa imagem de força do invasor e ocupante da Ucrânia, que é veiculada em todos os meios de comunicação mundiais, apesar da fragilidade revelada no estrito campo militar. E a preocupação e o cuidado que todos os poderes tiveram em junho de 2023, quando eclodiu o motim militar de Prigozhin e dos seus mercenários, que abalou o regime de Putin.

O regime policialesco do FSB que prevalece na Federação Russa se recuperou relativamente daquele momento de extrema fragilidade. Prigozhin oficialmente “morreu num acidente de avião”, a sua companhia militar “Wagner” foi dissolvida e muitos dos líderes militares, suspeitos de estarem envolvidos na rebelião, tiveram um destino incerto. Mas a instabilidade exprime-se no fato de, dada a proximidade das eleições presidenciais, nas quais Putin concorre a um novo mandato até 2030, todas as candidaturas presidenciais que poderiam representar um certo canal “não oficial” para expressar o descontentamento dentro do regime foram impedidas. E o assassinato do principal líder da oposição, Alexey Navalny, que cumpria uma longa pena no Círculo Polar, representa uma “mensagem brutal” que reflete mais a fraqueza do que a força desse regime.

Poucos dias depois desse acontecimento, quando a mídia mundial ainda debatia a morte repentina de Navalny, Ivan Sechin, aos 35 anos. Foi diagnosticado o motivo da morte: “trombose”, paradoxalmente o mesmo que Navalny. Quem é esse jovem que morreu em sua “dacha” (casa de campo, ndt.) localizada numa seleta região reservada apenas às elites? Ele é filho de Igor Sechin, diretor da petrolífera Rosneft e um dos oligarcas do círculo íntimo de Putin. Igor Sechin negou-lhe todo o acesso aos serviços do Estado e confiou a investigação da morte do seu filho aos serviços de segurança da petrolífera. Mais uma vez o regime putinista revela o seu “canibalismo político”.

No campo das massas, as adversidades deste inverno multiplicaram-se. Apesar das imensas receitas em divisas provenientes das exportações de gás, petróleo, fertilizantes químicos e da colheita de cereais, grande parte delas saqueadas da Ucrânia, estes recursos são dedicados ao orçamento da enorme máquina e da indústria militares. Isto produz pobreza e privação crescentes, enormes deficiências nas dotações para a saúde pública e a educação. E também houve problemas graves com o abastecimento de alimentos básicos neste inverno, como a “crise dos ovos”, que trouxe inquietação. Por outro lado, a deterioração das infraestruturas deixou dezenas de milhares de pessoas em áreas residenciais sem aquecimento e se congelando. Portanto, mesmo tendo em conta o regime de repressão prevalecente, ocorreram protestos relativamente numerosos em grandes centros, como o extenso e populoso subúrbio de Moscou. Embora não possamos falar de mobilizações generalizadas, a crise e o incipiente protesto social têm raízes no fato de a guerra ter ceifado 350.000 vidas – sem contar os milhares de mercenários mortos – e outras centenas de milhares de pessoas mutiladas. São fatos que já não podem ser ocultados sob o perverso pseudônimo de operação militar especial. Às vésperas das eleições, o regime evita falar em recrutamento em massa e prioriza a caça aos trabalhadores migrantes e regiões periféricas na forma de contratos.

A opressão Gran Rússia sobre numerosas outras nacionalidades é o fator mais dinâmico que aponta para um dos pontos mais vulneráveis ​​da Federação Russa. A guerra aguçou ao extremo a opressão histórica de dezenas de povos e nacionalidades não russas da RF, com o envio massivo de homens para a frente que em alguns casos constituiu um extermínio étnico. A fadiga e o ódio crescentes manifestaram-se de forma aguda em diferentes partes da extensa geografia da Rússia. Em 2022 foi o Daguestão, depois Yakutia e outros. A explosão mais recente foram os confrontos na república autónoma de Bashkortostan, a leste dos Urais, uma grande nacionalidade conhecida como Bashkiria, maioritariamente de religião muçulmana. Houve manifestações de vários milhares de pessoas e confrontos sangrentos com a OMON (força de choque federal) no meio da estepe congelada devido à prisão e condenação num julgamento fraudulento de um ativista nacional bashkir, que denunciou a profanação, por megaprojetos extrativos, de montanhas que são tradicionais santuários religiosos.

Não vemos, como o mais provável no curto prazo, um processo generalizado de mobilizações. No entanto, o regime FSB-Putin enfrenta uma crise profunda, que aparece quase escondida da maioria do mundo devido à cumplicidade de todos os imperialistas por motivações internas e geopolíticas diversas e até contraditórias.

O jogo de interesses no contexto da crise da ordem mundial

Não é objetivo deste artigo detalhá-los. Mas os motivos dos EUA foram enunciados há muito tempo pelo decrépito ideólogo contrarrevolucionário Henry Kissinger. Ele alertou que uma derrota retumbante de Putin poderia produzir uma desestabilização do imenso espaço euroasiático, o que tornaria ainda mais difícil a manutenção da hegemonia ianque. A ocupação sionista de Gaza e o genocídio na Palestina desencadeado desde outubro passado afeta todo o domínio do Oriente Médio e isto agrava a crise do regime bipartidário ianque, enfraquece ainda mais a pretendida reeleição de Biden e dá maiores margens à chantagem republicana que paralisam a ajuda à Ucrânia e dar vazão às aspirações de Trump. Os imperialismos da UE continuam dependendo da energia e dos combustíveis russos e do seu comércio com a China. Por outro lado, uma parte significativa dos estados da UE boicota as importações agrícolas e da indústria básica da Ucrânia. E para a China, a permanência do regime de Putin representa a oportunidade de importar petróleo e gás a preços vantajosos e expandir os seus mercados por todo o território da FR e avançar na colonização das antigas repúblicas soviéticas da Ásia Central.

Em suma, a Rússia não é invulnerável a uma guerra prolongada. Esta guerra é um confronto entre duas fraquezas e NÃO entre duas forças. Ou seja, quem é capaz de suportar o sacrifício prolongado.

Os imperialistas ocidentais, pressionando o fantoche de Kiev, esperam desmoralizar a resistência ucraniana.

Aqueles de nós que conhecem e combatem a hipocrisia ilimitada dos imperialistas denunciamos desde o início da invasão que o suposto “apoio à Ucrânia” do “Ocidente democrático” estava subordinado às suas propostas para a ordem mundial em crise de hegemonia e ao objetivo de colonizar a Ucrânia ou o que resta dela. Nesse sentido, a doutrina Kissinger de divisão da Ucrânia foi imposta para evitar o colapso do regime Putinista.

Washington e a OTAN boicotaram, sob as desculpas mais absurdas, o fornecimento de aviões F-16 e de armas ofensivas de longo alcance. E, a partir de Kiev, eles aplicam sua parte da doutrina. Os ataques do regime (governo e parlamento) às condições de vida da classe operária e aos direitos sindicais na Ucrânia, com o projeto do Novo KZoT, Código de Leis Trabalhistas. E a nova lei do serviço militar na FDU.

A resposta das massas a esta situação não pode mais ser esperada.

Crescem as mobilizações e a organização das famílias de soldados, exigindo rotatividade dos que combatem e que o tempo de serviço na frente seja reduzido para 18 meses (atualmente é de 36 meses), para dar lugar a outros militares que lutem na frente de batalha. Os especialistas, que conhecem, garantem que se o rodízio for feito sem privilégios que causem irritação, a quantidade total do efetivo permitiria que isso fosse feito. As ações de protesto por parte de estudantes e residentes das cidades aumentaram devido às exigências econômicas e sociais derivadas das adversidades da guerra. Também ocorreram atos desesperados de violência individual nas instalações de uma Câmara Municipal, que recebeu muitas expressões de solidariedade. O que expressa a crescente da tensão social.

Entretanto, dentro das fábricas e empresas, as requisições para o recrutamento de operários tornam-se mais frequentes e rigorosas. E, ao mesmo tempo, eclodem escândalos de corrupção devido a casos de evasão remunerada por parte dos setores sociais mais ricos.

Os diversos setores das massas resistem como podem, por enquanto dispersos. Das fileiras sindicais destaca-se a KVPU, Confederação dos Sindicatos Livres da Ucrânia, que inclui o Sindicato Independente dos Mineiros da Ucrânia, NPGU e os seus combativos mineiros do carvão, ferro e urânio, que embora em número reduzido devido aos fechamentos de minas e empresas de processamento mineral mantêm uma tradição de luta porque enfrentaram as privatizações dos anos 90. E também já enfrentaram Zelensky com greves e mobilizações em 2020. O Sindicato Livre dos Ferroviários da Ucrânia, VPZU, também está agrupado no KVPU, que desempenha um papel muito importante no transporte de passageiros e de cargas. Todos denunciam frontalmente que esta nova lei implica a submissão a um Código de Escravatura, o que contradiz todas as convenções internacionais da OIT e as leis da Europa “democrática” às quais o governo Zelensky aspira aderir.

Lições dos anos de guerra: Somente a classe operária pode levar à vitória

O que Leon Trotsky afirmou há 85 anos com absoluta nitidez sobre a questão ucraniana é confirmado mais uma vez:

“A Quarta Internacional deve compreender abertamente a enorme importância da questão ucraniana, não apenas no destino do Leste e Sudeste europeus, mas da Europa como um todo. É um povo que demonstrou a sua viabilidade, numericamente igual à população de França e que ocupa um território excepcionalmente rico e, além disso, da maior importância estratégica. A questão do destino da Ucrânia está colocada em todo o seu âmbito. É necessário um consigna nítida e definida, que corresponda à nova situação. Na minha opinião, existe atualmente apenas um consigna: Por uma Ucrânia Soviética de operários e camponeses, unida, livre e independente”….

Nessa perspectiva, precisamos de combinar a guerra de libertação nacional com a luta pela independência política da classe operária para a sua libertação social. E esta combinação é o que Putin e todos os outros imperialistas temem. Porque a história mostrou que o período da Ucrânia Independente começou com a revolução dos sovietes em 1917. E a verdadeira independência – a única conhecida na história do país – só tomou forma com o poder nas mãos da classe operária e dos camponeses. ucranianos armados e por uma política nítida de autodeterminação nacional dos bolcheviques.

Programa de ação para avançar em direção à vitória

Esta guerra visa libertar o país e expulsar os ocupantes. Se a classe operária está na frente de batalha, é ela que deve decidir o poder em Kiev. Rejeitamos que a guerra se tenha tornado um negócio para oligarcas e corporações estrangeiras. Chega de privilégios! Que se sacrifiquem todos! Centenas de milhares de trabalhadores congelam nas trincheiras na frente, enquanto as empresas dispensam trabalhadores e cortam os seus salários pela metade na retaguarda. Enquanto isso, ministros e deputados elaboram leis para obter mais lucros capitalistas.

Alocar todos os recursos do país ao serviço da vitória militar contra os ocupantes! Prioridade de recursos para soldados e brigadas de Defesa Territorial! Salários integrais e direcionar toda a força de trabalho disponível no setor para a defesa! Nacionalização de todas as empresas ligadas à defesa nacional, sob o controlo dos trabalhadores!

Parar com a arbitrariedade dos comandos militares! Respeito às tropas que arriscam a vida nas trincheiras com poucas munições! Abastecer igualmente as brigadas de defesa territorial! Até agora, as vitórias militares ucranianas devem-se apenas ao sacrifício e ao esforço dos trabalhadores. O povo sabe que “o Ocidente” decepcionou. Apenas algumas armas prometidas chegaram, atrasadas, escassas e a maioria delas defeituosas. Exigimos aviões de combate e armas para a Ucrânia!

Combater a corrupção daqueles que estão na linha de frente! Todas as compras das Forças Armadas sob o controle de comitês de militares eleitos nos próprios regimentos! Os recursos para a guerra contra os ocupantes, tanto externos como internos, são desperdiçados com lucros, corrupção e pilhagem de propriedade estatal! O governo falha na luta contra a corrupção porque faz parte da corrupção. Demite alguns funcionários e os substitui por outros igualmente corruptos ou incapazes. Existem recursos. O povo arrecadou massivamente fundos para o Exército. Pensão urgente às famílias dos caídos e assistência gratuita aos feridos e suas famílias!

Não ao pagamento da dívida externa! A Ucrânia está em guerra contra uma invasão imperialista e a ocupação genocida de uma ditadura. Exijamos que o FMI e o Banco Europeu perdoem a sua dívida externa! Fica exposta a hipocrisia das potências imperialistas que declaram apoio e se preparam para cobrar a conta como usurários.

Não à adesão à OTAN ou à UE! Ao longo da guerra, a OTAN deixou evidente que a “ajuda material” não correspondeu nem respondeu às necessidades urgentes da resistência ucraniana, e isso porque essa “ajuda” é, na verdade, uma resposta aos interesses da União Europeia e imperialismo Americano, e visa substituir o domínio do regime Russo sobre a parte não ocupada da Ucrânia pelo domínio da UE. Os planos de “reconstrução” acordados entre Zelensky, a UE e o FMI aprofundarão a dominação colonial do Estado ucraniano. É por isso que é importante defender a integridade territorial de uma Ucrânia verdadeiramente unida, independente e livre.

Expropriação de todos os bens dos oligarcas russos e das empresas associadas ao regime de Putin na Ucrânia! É um paradoxo escandaloso que, com a Ucrânia invadida pela Rússia, nem todos os bens consideráveis ​​dos seus numerosos oligarcas no país tenham sido expropriados. Isto permitiria obter os recursos necessários sem ficar mais endividados com o estrangeiro e conseguir condições dignas para os soldados na frente de batalha e para o povo na retaguarda.

Pela organização política independente da classe operária! Só a classe operária ucraniana, aliada ao resto do proletariado europeu e mundial – e apelando especialmente à solidariedade dos operários da Belarus e também da Rússia – pode assegurar estas tarefas de defesa nacional nas suas próprias mãos e conduzi-las à vitória.

Solidariedade operária e popular internacional

É o único apoio eficaz e consequente para a resolução positiva desta guerra e para evitar a desmoralização. O nosso objetivo é que a classe operária, que é o principal sujeito social da guerra de libertação, alimente a construção do sujeito político, o partido operário revolucionário de uma Ucrânia independente com um governo dos trabalhadores das cidades e do campo.

Para fortalecer a resistência dos operários ucranianos, devemos continuar a desenvolver e coordenar todas as atuais iniciativas de solidariedade da classe trabalhadora internacional, como as da Rede Internacional de Solidariedade Sindical RSISL, da Rede Europeia de Solidariedade com a Ucrânia e da Rede de Solidariedade com a Ucrânia. nos EUA.

E esta solidariedade de classe internacional está mostrando que não é o nacionalismo (de qualquer signo) que demonstrou a sua capacidade, mas sim a sua impotência, uma vez que apenas contribui com o seu projeto de submissão a outras potências e instituições imperialistas.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares