ter abr 23, 2024
terça-feira, abril 23, 2024

Críticas ao apoio dos sindicatos a Biden

Tem havido resistência contra os apoios sindicais ao Presidente Biden, centrada principalmente nas duras críticas ao apoio de Biden aos ataques genocidas de Israel aos palestinianos em Gaza e na Cisjordânia. A Associação Nacional de Educação (NEA) está tentando anular o apoio do sindicato. Os membros do United Auto Workers (UAW) ficaram desapontados pelo respaldo do seu sindicato e estão pedindo que seja reconsiderado, já que Biden continua a não avaliar a possibilidade de pedir um cessar-fogo em Gaza.

Por: John Leslie

O presidente do UAW, Shawn Fain, justificou o apoio do sindicato dizendo: “Precisamos saber quem vai ocupar o assento mais poderoso do mundo e nos vai ajudar a ganhar como classe trabalhadora unida. Portanto, se o nosso apoio precisa ser conquistado, Joe Biden o ganhou.”

Em 24 de janeiro, membros pró-palestinos do UAW interromperam o discurso de Biden na conferência do Programa de Ação Comunitária (CAP) do UAW em Washington, D.C., que aceitou o respaldo do sindicato. Eles gritaram “Libertem Gaza!” e desfraldaram uma bandeira palestina. A organização UAW Labor for Palestine divulgou um comunicado junto com um vídeo mostrando membros de sindicatos, favoráveis à Palestina, sendo arrastados da conferência do CAP. Alguns membros do UAW presentes na sala tentaram abafar os manifestantes gritando “UAW, UAW!” No dia anterior, manifestantes em solidariedade com a Palestina interromperam um discurso de Biden numa manifestação pelo direito ao aborto na Virgínia.

A postagem em X (antes Twitter) afirmava: “Não aceitamos que a Junta Executiva Internacional (JIE) da @UAW respalde ao ativista do genocídio @joebiden, agora conhecido em todo o mundo como o Genocidero Joe.  Fomos informados deste respaldo depois que nossos líderes democraticamente eleitos da UAW votaram secretamente para respaldá-lo. Rejeitamos veementemente o respaldo do IEB da UAW ao Genocidero Joe e nos organizaremos como trabalhadores de base da UAW para derrubar esse respaldo. Também continuaremos a nos organizar para atender ao apelo dos sindicatos palestinos (@WorkersinPales1) e para… concretizar o chamado da UAW por um cessar-fogo permanente, uma posição da UAW informada por milhares de membros de base da UAW que se organizam em todo o país, ao contrário deste apoio ao Genocidero Joe.”

Merwan Beyoun, membro de 29 anos da Unidade Siderúrgica da Região 1A da UAW, Local 600, declarou: “Estou retirando minha contribuição para o PAC da UAW, com efeito imediato. …A minha principal preocupação é a atual crise humanitária e a falta de atenção dada a um cessar-fogo imediato e permanente em Gaza. Acredito firmemente que é crucial que os indivíduos e as organizações tomem posição contra qualquer forma de genocídio. Infelizmente, não testemunhei o PAC da UAW tomar medidas suficientes para resolver esta questão urgente.”

Johannah King-Slutzky, ativista da UAW Local 2710 e membro do Student Workers of Columbia, disse: “Independentemente do respaldo oficial do meu sindicato, não votarei em Joe Biden a menos que ele ganhe nosso voto honrando o longo legado de justiça do movimento social da UAW usando o seu poder para pedir um cessar-fogo e defender as vítimas do genocídio, cujos irmãos e irmãs palestinos e árabes são o coração da nossa família da UAW”.

Mais de 600 membros do UAW assinaram uma petição instando os membros do CAP a apoiarem apenas candidatos que apoiem um cessar-fogo permanente em Gaza.

Em 1º de fevereiro, a aparição de Biden em um salão sindical da UAW em Warren, Michigan, foi recebida por um protesto pró-palestino do lado de fora. Os manifestantes marcharam por uma rua em direção à sede da UAW, gritando “Genocidero Joe tem que ir” e agitando bandeiras palestinas, e entraram em confronto com dezenas de policiais de choque. Membros da grande comunidade árabe-americana de Michigan estão se recusando a se reunir com a campanha de Biden no estado.

Educadores pela Palestina-NEA está instando o sindicato a revogar seu apoio a Biden e fazendo circular uma petição entre seus membros. Em uma postagem em X, Educadores por Palestina escreveu: “Educadores da NEA: aqui têm uma oportunidade para que a NEA saiba quais são suas prioridades! Chega de massacres de crianças e bombardeios de escolas com o dinheiro dos nossos impostos. “Nem cessar-fogo, nem apoio.” Rahaf Othman, um professor de estudos sociais palestino-americano de 45 anos, disse ao The Nation: “Nosso sindicato tem se concentrado muito na justiça racial e social e apoiá-lo quando não está apenas financiando, mas enviando armas que matam meu povo, me envia a mensagem de que não importamos, que somos danos colaterais e que está tudo bem.”

Outro dos maiores sindicatos do país, o Sindicato Internacional dos Empregados de Serviços (SEIU) respaldou a candidatura de Biden à reeleição, apesar do próprio sindicato pedir um cessar-fogo imediato.

O histórico de Biden

Biden gosta de se referir a si mesmo como “o presidente mais pró-sindicalista da história americana”, citando sua própria infância em uma família operária. Apesar das suas origens de classe, a carreira de Biden tem sido ao serviço da classe capitalista.

Durante a greve do UAW do ano passado, Biden juntou-se aos trabalhadores em greve nos piquetes. Durante a sua candidatura eleitoral de 2020, Biden prometeu aos sindicatos o seu total apoio, mas retribuiu o favor apunhalando os sindicatos pelas costas ao romper os esforços dos trabalhadores ferroviários para obter um contrato justo. Em novembro de 2022, a Câmara aprovou o HJR100 em votação bipartidária, com 290 votos a favor e 137 votos contra, para impor um novo contrato aos trabalhadores ferroviários. O Senado rapidamente seguiu o exemplo, votando 80-15 a favor da medida da Câmara para impor o acordo provisório entre transportadores ferroviários de mercadorias e os sindicatos ferroviários. Até os membros do chamado esquadrão de “esquerda” democrática votaram a favor desta legislação podre, com excepção de Rashida Tlaib (D-Mich.).

Apesar das suas muitas promessas de combater as mudanças climáticas e do seu compromisso de não aprovar novos arrendamentos petrolíferos em terras federais, a administração aprovou mais de 6.400 novos arrendamentos petrolíferos ao serviço das grandes empresas petrolíferas. Esta traição contra o meio ambiente inclui a continuação do oleoduto Mountain Valley e do projeto Willow.

A administração Biden suspendeu recentemente a construção de novos terminais de gás natural liquefeito (GNL) depois de ter aprovado anteriormente à medida que aumentavam as exportações de GNL em meio à guerra russo-ucraniana. Segundo Time “a pausa terá efeitos imediatos no abastecimento de gás estadunidense a Europa ou Ásia … Na atualidade operam nos EUA sete terminais de GNL, a maioria em Luisiana e Texas, e se espera nos próximos anos entrem em funcionamento mais cinco”. A ação de Biden não afetaria esses projetos, mas poderia atrasar uma dúzia ou mais de projetos de GNL pendentes ou em várias fases de planeamento.”

Como senador democrata, Biden foi um dos arquitetos do encarceramento em massa com o projeto de lei anticrime que patrocinou em 1994. De acordo com o The Intercept, Biden “foi um dos principais e primeiros impulsionadores da agenda política que se tornaria a guerra contra drogas e encarceramento em massa, e ele fez isso apesar da relutância inicial do próprio presidente Ronald Reagan.” Na verdade, Reagan até vetou uma lei emblemática de Biden, que ele escreveu com o senador segregacionista Strom Thurmond, da Carolina do Sul, para criar um “czar antidrogas” federal.

Biden apoiou totalmente as desventuras imperialistas dos EUA no Iraque e no Afeganistão. Como senador, ajudou a estabelecer os planos de Bush para a invasão do Iraque no Congresso. A sua declaração em dezembro de 2021 de que “estive contra a guerra no Afeganistão desde o início” é uma mentira. Biden votou a favor da invasão do Afeganistão no Congresso. Também apoiou a invasão do Iraque no Congresso. Só mais tarde ele expressou críticas a alguns aspectos destas guerras e ocupações.

Biden há muito apoia o Estado de Israel e ignorou as violações dos direitos humanos cometidas por Israel contra os palestinos. Num discurso perante o Senado em 1986, Biden disse que a ajuda a Israel é “o melhor investimento de 3 bilhões de dólares que fazemos. Se Israel não existisse, os Estados Unidos teriam de inventar um Israel para proteger os seus interesses na região.” Ele expressou os mesmos sentimentos no meio do ataque genocida a Gaza, ao mesmo tempo que ofereceu um aumento sem precedentes na ajuda ao estado sionista do apartheid, apesar da crescente oposição às políticas de Israel dentro das fileiras do seu próprio partido. Biden recusou-se a pedir um cessar-fogo permanente e só tardiamente expressou preocupação com “bombardeios indiscriminados”. O enviado de Biden às Nações Unidas votou contra uma resolução de cessar-fogo, para consternação de muitos simpatizantes liberais.

Romper com os Democratas!

Nos recentes protestos de solidariedade com a Palestina, os palestinos e os seus partidários gritaram: “Vamos lembrar em Novembro.” Alguns expressaram sentimentos a favor de um terceiro partido, mas de que tipo de partido necessitamos? Em primeiro lugar, os socialistas, rejeitamos a ideia de que a mudança fundamental ocorre através de eleições. Embora apresentemos candidatos para dar a conhecer o nosso programa aos trabalhadores, acreditamos que a ação independente das massas oprimidas e exploradas nas ruas e nos locais de trabalho é o verdadeiro motor da mudança. Rejeitamos o apoio aos partidos gêmeos (fraternais, não idênticos) do capitalismo americano, os Democratas e os Republicanos. Os Democratas oferecem a ilusão de que a mudança pode passar pelo voto nos “progressistas”, mas depois a realidade se impõe quando os chamados progressistas votam para acabar com as greves e enviar ajuda ao genocídio de Israel em Gaza.

É claro que os reformistas nos dirão que devemos ignorar os crimes de Biden em Gaza em nome da derrota de Trump em 2024. Sam Webb, antigo presidente do disque Partido Comunista dos EUA, publicou no Facebook que os jovens eleitores precisam de “chegar ao entendimento” que a reeleição de Biden é absolutamente necessária se quisermos “quebrar a magia” de Trump e do movimento MAGA. Acreditar que ficar de fora da tempestade ou votar em um candidato de um terceiro partido é o melhor curso de ação é um engano pernicioso e perigoso.

“Esperamos que sejamos mais inteligentes”, alertou Webb. “Sem Biden não há influência. Não existe uma agenda progressista. Estaremos lutando sobre nossos calcanhares, para dizer o mínimo, para evitar o deslizamento para uma era sombria e autoritária. E quando chegarmos a esse lugar, a subida de volta será íngreme, provavelmente longa e perigosa.”

Da mesma forma, Alexandria Ocasio-Cortez, membro da DSA e deputada dos EUA, apoiou a reeleição de Biden em julho de 2023, dizendo: “Acho que ele se saiu muito bem, dadas as limitações que temos. Eu realmente acho que há altos e baixos, como acontece com qualquer presidente, em qualquer presidência.”

Mais recentemente, repetiu o seu apoio apesar da situação em Gaza. Na sua aparição no podcast “I’ve Had It”, AOC reafirmou o seu apoio a Biden apesar do massacre de Gaza e deixando de lado os seus votos a favor de armar a entidade sionista até os dentes. Afirmou: “Há muitas coisas que o presidente faz com as quais não concordo. Penso que, neste momento, o que está a acontecer em Gaza, simplesmente não posso continuar a ver isto todos os dias. Eu não me associo ao que está acontecendo.” No entanto, ela racionaliza o seu apoio a Biden como um voto antifascista, dizendo: “Mas no final das contas, temos de reconhecer que simplesmente não podemos permitir que este movimento fascista cresça neste país”.

O veterano ativista sindical Bill Fletcher Jr. também expressou seu apoio a Biden durante um episódio do podcast “Bad Faith”. Quando questionado sobre o apoio da UAW apesar do seu apelo a um cessar-fogo, ele disse: “Aplaudo o seu apelo [de Fain] a um cessar-fogo. “Acho que provavelmente está dizendo que não há nenhum candidato anti-imperialista concorrendo à presidência que tenha chance de vencer, e que temos que descobrir como derrotaremos Trump”.

Os socialistas deveriam lutar pela independência política da classe trabalhadora e argumentar contra a armadilha do mal menor. A cada dois ou quatro anos, os reformistas dizem-nos que não há alternativa a não ser votar num candidato capitalista para derrotar o outro, e cada vez as opções pioram. A armadilha do mal menor ignora o poder real da classe trabalhadora e dos seus aliados, tanto nas ruas como potencialmente nas urnas. A verdade é que os democratas não podem vencer sem as operações sindicais de captação de votos. Isto levanta a questão: porque não usamos esta maquinaria para apresentar candidatos sindicais e vencer?

Atualmente, há uma grande raiva popular contra Biden e o apoio dos Democratas às políticas genocidas de Israel e um sentimento considerável a favor de um terceiro partido, mas que tipo de partido? Partidos reformistas liberais e multiclassistas como os Verdes estão longe de ser a resposta. O que é necessário é um partido enraizado na classe operária e nas suas organizações de massas, os sindicatos. Isto exigirá uma luta para reconstruir os sindicatos com base na luta de classes.

Sem independência de classe, somos forçados a depender da boa vontade dos políticos que respondem a Wall Street. Um partido dos trabalhadores, ou partido operário, deve emergir das lutas de massas para defender os interesses e o padrão de vida da classe operária, proteger o meio ambiente e apoiar todos os oprimidos – negros, mulheres, imigrantes, LGBT, etc.- que lutam por seus direitos.

Tal partido não teria de ser um partido burocrático e pró-capitalista como os partidos social-democratas na Europa. Nem seria um partido que se limitasse a apresentar candidatos na arena eleitoral. Um partido operário que emergisse de uma renovada ascensão da luta de classes nos Estados Unidos continuaria sendo, acima de tudo, um partido de ação de massas, organizando pessoas que lutam nos seus locais de trabalho e nas ruas.

Foto: Biden fala na sede regional do UAW em Warren, Michigan, durante sua campanha em setembro de 2020. (Chip Somodevilla/Getty Images)

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares