sáb fev 24, 2024
sábado, fevereiro 24, 2024

Incêndios no Chile: uma enorme tragédia, previsível e evitável

Raiva, dor, angústia, estupefação, mais uma vez as chamas se espalham incontrolavelmente, ameaçando nossa família, nossos amigos, a nós mesmos. As chamas, a fumaça e as cinzas que envolvem tudo nos trazem a lembrança ainda fresca do Mega Incêndio de Valparaíso em 2014 e do Mega Incêndio no Sul em 2017.

Por: MIT- Chile / Valparaíso

A cada hora que passa, o número de mortos aumenta. Já são mais de 99, com mais de 4.000 casas destruídas, centenas de pessoas desaparecidas, espaços patrimoniais, como o Jardim Botânico de Viña del Mar, completamente destruídos. Estamos enfrentando uma das maiores tragédias da nossa história recente. Os mais afetados, como sempre, são os trabalhadores. Mais de 70% das casas consumidas até agora eram ocupações irregulares ou acampamentos, casas de trabalhadores pobres que se aglomeram em morros e quebradas porque não têm como pagar o aluguel ou comprar uma casa.

Se o fogo faz parte da natureza desenfreada que se devora, a causa do fogo não é natural. Em primeiro lugar, tudo indica que os focos são causados ​​por pessoas, seja pela indiferença ao atirar pontas de cigarro nos campos ou diretamente para fins criminosos (que devem ser investigados e os responsáveis ​​punidos). Em segundo lugar, esta tragédia só atinge esta magnitude devido às atuais condições climáticas e sociais.

As atuais condições climáticas, causadas pelo aquecimento global gerado pela grande indústria capitalista e pela superexploração dos combustíveis fósseis e dos solos, criam maiores possibilidades de incêndios, com temperaturas recordes e secas. Incêndios massivos como o que vemos na Vª Região estão acontecendo com mais frequência em todo o mundo.

Por outro lado, no Chile, os planos regulatórios da maioria das cidades estão completamente desatualizados. Não há planejamento urbano. O planejamento das cidades é ditado pelo mercado e pela especulação imobiliária. As políticas habitacionais são totalmente insuficientes, o que faz com que centenas de milhares de pessoas vivam em zonas de risco (hoje mais de 80 mil pessoas no país vivem em acampamentos e o défice habitacional é estimado em mais de 640 mil habitações) e as medidas de prevenção de incêndios são completamente ineficazes. Ano após ano as mesmas tragédias se repetem.

Em diversas regiões do país, a existência de enormes monoculturas de pinus e eucaliptos são um combustível “natural” para a multiplicação dos incêndios. No entanto, os proprietários destas grandes empresas nunca são responsabilizados ou obrigados a tomar medidas para mitigar os efeitos dos incêndios cada vez mais frequentes. O setor imobiliário é outro que acaba se beneficiando de tragédias como a atual, pois se aproveitam delas para construir empreendimentos imobiliários em terrenos devastados.

As respostas do Estado, independentemente de serem governos de “esquerda” ou de “direita”, são as mesmas: esperar que as catástrofes ocorram sem quaisquer medidas sérias de prevenção. A situação é tão patética que até hoje nossos bombeiros têm que mendigar nos pedágios e praças para poder financiar a instituição. Catástrofes como a que estamos assistindo seriam totalmente evitáveis, mas para isso seria necessário reorganizar as prioridades do Estado.

Enquanto isso acontece, vemos como o grande capital aumenta e aumenta os seus lucros, saqueando o cobre, o lítio, as florestas, o mar e lucrando com a especulação imobiliária. Tudo isso para concentrar a riqueza nas mãos de algumas famílias bilionárias e empresários estrangeiros. É por isso que não há dinheiro para construir casas, planejar cidades, investir em aviões de combate a incêndios e um longo etc.

Medidas urgentes precisam ser tomadas

A auto-organização do povo chileno (“o povo ajuda o povo”) é fundamental. Apelamos a todos que apoiem as iniciativas de recolhimento que se multiplicam por todo o país, e aos trabalhadores/as das regiões afetadas que demonstrem solidariedade para com as vítimas.

No entanto, estas medidas são insuficientes face à catástrofe. Exigimos do governo Gabriel Boric investimento imediato em bombeiros e locação/compra de aeronaves de combate a incêndios. Para isso, é necessário aplicar um imposto extraordinário às maiores fortunas do país, que durante décadas lucraram com a destruição ambiental e a exploração do nosso povo.

Exigimos também que o governo compense as famílias das vítimas e elabore um plano para construir novas casas para compensar as perdas. Financie subsídios de aluguel para vítimas dos incêndios enquanto suas casas são construídas. Para isso, é necessário tomar medidas de fundo que permitam ao Estado obter recursos, como a nacionalização de bens naturais como o cobre e o lítio.

Por outro lado, a classe trabalhadora deve compreender que no capitalismo este tipo de problemas continuará a acontecer com maior frequência e magnitude. A economia capitalista é uma máquina de destruição social e ambiental para a acumulação de riqueza nas mãos de uma pequena minoria da sociedade. Não há planejamento urbano, ambiental ou econômica no capitalismo. Portanto, é necessário que a classe trabalhadora construa um projeto alternativo de sociedade. É necessário que façamos uma revolução contra os capitalistas que controlam o Chile e o mundo. Uma revolução que coloque a classe trabalhadora e o povo no poder, para que possamos planificar a economia com base nas necessidades da maioria da população e da natureza e não na acumulação de riqueza nas mãos dos capitalistas.

Retirado de https://www.vozdelostrabajadores.cl/ 4 de fevereiro de 2024

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares