sáb fev 24, 2024
sábado, fevereiro 24, 2024

Existe uma alternativa ao plano de Milei

Javier Milei diz que não existe “Plano B”. Isso é uma “loucura” do presidente? O que ele quer dizer? Porque é que os sectores mais concentrados da economia – mineração, petróleo, finanças, agricultura – o apoiam, mesmo sabendo do risco de que a sua “motosserra” provoque grandes lutas e instabilidade?

Por: PSTU-Argentina

Nos anos 80, os centros financeiros internacionais e os países centrais – que viram a crise econômica do início deste século aproximar-se – se colocaram de acordo para um giro econômico global, que ficou conhecido como “neoliberalismo” e depois “globalização”.

Estes acordos, posteriormente expressos no Consenso de Washington (“fundamentalismo de mercado”), consistiram na abertura total dos mercados, na mais completa colonização, privatização e desindustrialização dos países subdesenvolvidos e dos antigos Estados Operários (China, Rússia, etc.), no controle de todas as matérias-primas, flexibilização trabalhista absoluta e assim por diante. Uma verdadeira “motosserra” mundial.

Todos os governos entreguistas dos países semicoloniais (incluindo a Argentina) começaram a cumprir os deveres que lhes eram impostos por esses centros internacionais, que exerciam pressão através da força da dívida externa e de outros mecanismos.

Alguns, como o Chile sob o regime de Pinochet ou o Peru sob Fujimori, com ditaduras, conseguiram impor praticamente toda a agenda, transformando os seus países e povos em reservas de negócios ao serviço das multinacionais.

Outros, como a Argentina, tentaram fazê-lo em “democracia”. No nosso país, foi a década menemista, com todas as suas medidas e a Constituição de 1994, negociada com o radical Alfonsín, que abriu o país à pilhagem dos recursos naturais pelas empresas imperialistas mineiras e petrolíferas.

Mas a resistência da classe operária e do povo estabeleceu limites. Menem não conseguiu cumprir, de forma alguma, os ditames do Consenso de Washington. A luta popular abriu o processo que levou ao Governo De La Rúa e à sua queda.

Os Kirchner continuaram aplicando esse plano. Pagando a dívida, respeitando a grande maioria das privatizações menemistas, favorecendo a entrada de mais empresas mineiras que saqueiam os nossos recursos e destroem o ambiente. O percurso traçado pelo Consenso de Washington não parou um minuto. Porém, devido a 2001, eles tiveram que fazer uma pausa.

A grande crise mundial de 2008-9, juntamente com a luta imperialista global (agora com a entrada em cena da poderosa China), forçou-os a acelerar o processo. Colocaram a “motosserra” na velocidade máxima.

A encruzilhada capitalista

Macri 2015 pretendia completar o que o Chile ou o Peru tinham aplicado 20 anos antes. Era a necessidade absoluta da classe capitalista internacional e nacional para o nosso país. Ele propôs realizar suas famosas “Reformas” (previdenciária, trabalhista, tributária).

Fez muitos progressos, mas estava longe de alcançar seu objetivo. As greves gerais e os dias de luta do 18 de dezembro de 2017 (pelos quais o nosso partido sofreu pena de prisão para alguns dos seus dirigentes e perseguições até hoje) deram o “golpe de misericórdia” à tentativa. Macri reconheceu publicamente que naquele dia “o seu governo quebrou”.

O Governo Peronista continuou (ao seu próprio ritmo) as modificações, mas a grande tarefa permaneceu incompleta. A magnitude da crise econômica no nosso país é o produto destas contradições. Isto, somado ao aprofundamento da crise mundial, não deixou espaço para meias medidas. O capitalismo está pagando o preço por não ter conseguido impor toda a agenda neoliberal há muito tempo.

A posição que o sistema imperialista confere à Argentina na divisão internacional do trabalho é a de fornecedora de matérias-primas, cada vez mais desindustrializada e com padrões de vida próximos de países como o Peru ou o Chile (ou seja, bem abaixo dos nossos níveis históricos). Eles têm que conseguir isso já.

Por isso não existe Plano B. O Governo teve que cortar o seu pacote inicial, para que fosse aprovado no Congresso. Manteve os aspectos nodais centrais (Reforma Trabalhista, pilhagem de recursos naturais, cerceamento de liberdades). E voltará à briga com os demais, como os poderes votados para ele fazer o que quiser.

Enfrentar isso com um projeto oposto

Temos que derrotar o projeto de Milei. Ou seja, derrotar o próprio Governo, que não vai desistir de seu plano.

Mas não se trata de destruir a “motosserra”, para voltar à “tesoura”. Por um lado, porque o peronismo seguiu o mesmo plano, ao seu ritmo. Da mesma forma, a encruzilhada capitalista os obrigaria, se fossem o Governo, a aplicar um ajuste semelhante ao de Milei.

Para acabar com a decadência do nosso país e o declínio constante do nível de vida, é necessária outra política: expropriar todas as multinacionais e os grandes capitalistas nacionais, parar de pagar a dívida fraudulenta e colocar todos os recursos ao serviço de um plano económico operário e popular.

Isso se chama socialismo, a única solução de fundo para a crise em favor da classe operária. Essa é a razão da campanha de Milei contra o socialismo.

Qualquer um que defenda o capitalismo (como fazem desde Cristina e Massa até Grabois), defende essencialmente a mesma coisa que Milei.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares