dom jul 14, 2024
domingo, julho 14, 2024

Chile: Reflexões e tarefas para o momento atual

Nos últimos quatro anos perdemos a conta de quantas vezes fomos às urnas. Foram 2 plebiscitos, eleições para deputados/as constituintes, vereadores constituintes, prefeitos, vereadores, governadores, presidente, deputados, senadores, etc. Agora votamos mais uma vez a nova proposta de Constituição. Independentemente do que aconteça neste domingo (17/12/23), a maioria de nós, trabalhadores, sabemos que muito pouco vai mudar, assim como muito pouco mudou depois das últimas 10 eleições.

Por: MIT – Chile

Por outro lado, os problemas que levaram milhões de pessoas a sair às ruas em 2019 continuam os mesmos ou piores. O desemprego aumentou; a situação da saúde continua caótica; a crise educacional aprofundou. A inflação nos últimos 2 anos corroeu os salários das famílias trabalhadoras e as doenças relacionadas com o trabalho aumentaram exponencialmente. Junto com isso, a violência e a insegurança nas grandes cidades também aumentaram.

Vamos examinar mais de perto algumas dessas questões.

Demissões e fechamentos de empresas

Nos últimos meses houve demissões significativas e fechamentos de empresas. No comércio, setor que mais emprega no país, milhares de empregos foram perdidos. Somente em algumas das grandes lojas (ABCDin, Tricot, Ripley, La Polar e Falabella) mais de 5.000 trabalhadores foram demitidos, especialmente a Falabella, que atravessa uma grave crise e já demitiu mais de 3.000 trabalhadores no Chile. 1

A situação no setor da construção, por exemplo, é ainda mais dramática. Muitos economistas burgueses falam da “pior crise em décadas”. A crise tem características típicas do capitalismo: há muitas casas construídas, mas não há quem as compre. Estima-se que existam hoje entre 20 e 25 mil casas já construídas ou em vias de conclusão que não têm compradores.2 Isto porque os empréstimos para comprar casa, aliados à baixa remuneração dos trabalhadores, impedem a maioria dos classe trabalhadora de ter acesso à sua própria casa. Assim, os investimentos para novos projetos estão diminuindo e muitas empresas do setor estão falindo. Para 2024, estima-se uma queda de até 300 mil empregos, um número incrível que terá um enorme impacto na situação da classe trabalhadora. Isto ocorre numa situação em que o déficit habitacional no país tem aumentado exponencialmente, com mais de 640 mil famílias sem onde viver ou vivendo em condições muito precárias.3

Por outro lado, também há graves notícias no setor industrial. Nos últimos meses, várias empresas nacionais anunciaram a intenção de fechar portas. Em vários casos, os fechamentos estão relacionados com a incapacidade destas empresas de competir com produtos importados, principalmente da China. É o caso da emblemática Siderúrgica de Huachipato, que poderá fechar portas nos próximos meses. O presidente do sindicato explica que a desaceleração da economia chinesa faz com que este país exporte, a preços muito baixos, produtos que antes consumia no seu mercado interno. Assim, o aço chinês entra no mercado chileno sem qualquer controle, competindo “injustamente” com o produto nacional.4 O possível fechamento de Huachipato deixaria mais de 20 mil famílias, que dependem direta ou indiretamente da indústria, em uma situação muito difícil e geraria um enorme impacto numa região com elevadas taxas de desemprego. Outro problema é que o fechamento de Huachipato aumentaria a dependência do país de produtos estratégicos produzidos em potências capitalistas como a China e os Estados Unidos e aprofundaria o carácter semicolonial da economia chilena, dependente da exportação de matérias-primas como o cobre, privatizado durante os governos da Concertação. Os trabalhadores da siderúrgica denunciam que o governo não tomou quaisquer medidas para proteger a indústria.5

Situação muito semelhante acontece com outras empresas, que já fecharam suas fábricas. É o caso da cimenteira Polpaico, que fechou recentemente duas fábricas, e também da fábrica de móveis Temuco Magasa.

O governo de Gabriel Boric, que prometeu em sua campanha proteger a indústria nacional, hoje esquece completamente suas promessas e mantém a abertura total da economia, sem qualquer medida de enfrentamento à colonização do país. O aumento do desemprego, da informalidade laboral, das demissões massivas e do fechamento de empresas significarão uma situação ainda mais dramática para a classe trabalhadora, num país onde praticamente tudo está privatizado e o custo de vida é muito elevado.

Estas demissões andam de mãos dadas com as taxas crescentes de informalidade e de emprego com salários cada vez mais baixos, funcionando em conjunto como uma tendência geral para a precariedade e intensificação da exploração da classe trabalhadora no país. Segundo os próprios registos oficiais, a informalidade atingiria os 27% (INE, Março de 2023). Aqueles que conseguem emprego são trabalhadores sem qualquer tipo de direitos ou segurança social. Portanto, não se trata apenas de um problema de obtenção de emprego, mas também de como os empregadores respondem à tendência geral do capitalismo chileno de proporcionar empregos precários abaixo do limiar da pobreza.

Os problemas sociais estão piorando

Além do problema do emprego, central na vida dos trabalhadores, muitos problemas sociais agravaram-se nos últimos meses. A crise na educação pública continua. A expressão mais forte recentemente foi na região do Atacama, onde a comunidade educativa esteve em greve durante 83 dias devido à precariedade das condições de trabalho. Os trabalhadores denunciam as más condições das escolas; salas pequenas com muitos alunos, infestações de ratos e um longo etc.6 Em Santiago e outras cidades a situação não é muito diferente, o que leva a frequentes fechamentos de escolas.

Na saúde a situação também é trágica. Aumentam as filas de pacientes que aguardam atendimento médico e cirúrgico na saúde pública, enquanto o governo demite milhares de trabalhadores que haviam sido contratados durante a pandemia, piorando ainda mais a qualidade do serviço público. Por outro lado, a recusa das Isapres em devolver o dinheiro que roubou aos seus usuários nos últimos anos gerou uma enorme crise no setor privado da saúde, que ameaça deixar milhões de pessoas sem cuidados médicos.7 É muito provável que o governo acabe por salvar as seguradoras de saúde privadas, deixando-as impunes depois de literalmente roubarem dinheiro aos seus afiliados.

Em relação à habitação, como escrevemos anteriormente, não só não há solução para o défice habitacional, como hoje há forte perseguição aos que lutam pelo direito à habitação, com despejos de acampamentos e casas ocupadas.

Boric, Partido Comunista e a direita juntos contra o povo

Quase 2 anos após o início do governo de Gabriel Boric, podemos constatar que muitas das coisas que escrevemos foram confirmadas pela realidade.8 Boric, juntamente com a Concertação e o Partido Comunista, governam o país para manter os negócios das famílias mais ricas. As suas tímidas propostas de reforma (principalmente as reformas fiscal e previdenciária) não saíram do papel e o governo já abandonou qualquer ideia de cobrar mais impostos dos ricos ou acabar com o negócio das AFPs (Administradoras de Fundos de Pensões). Por outro lado, os anúncios macroeconômicos do governo vão no sentido de aprofundar o saque ao país, como o Plano Nacional do Lítio, que entregará lítio a grandes empresas transnacionais.

Isto porque o principal objetivo do governo de Gabriel Boric nunca foi fazer reformas estruturais no país. A sua principal “missão” era canalizar, juntamente com a fracassada Convenção Constitucional, o descontentamento social para a democracia burguesa, realizando reformas na medida do possível. Boric foi aceito pelos grandes empresários (que controlam o seu governo através dos políticos da antiga Concertação) para o enterrar o 18 de outubro. Para isso, o governo tem utilizado duas estratégias permanentes: 1) criminalizar as formas mais radicalizadas de luta social; 2) cooptar as direções do movimento sindical e social.

Para manter o saque do país e conter o descontentamento social, o governo aumentou a repressão e a criminalização da luta social, seguindo a agenda imposta pelos partidos de direita. O governo Boric aproveita um problema real – o aumento da violência e do tráfico de drogas – para fortalecer o aparato repressivo do Estado. O verdadeiro objetivo da direita e do governo Boric não é combater o tráfico de drogas ou acabar com a criminalidade. O seu verdadeiro objetivo é fortalecer a polícia e as Forças Armadas para reprimir o descontentamento social que continuará a ser manifestado e poderá até, em algum momento, gerar outra explosão social. Vejamos alguns exemplos. A Lei Naín-Retamal, aprovada pelo governo com o apoio de setores de direita, garante a impunidade aos policiais envolvidos em assassinatos e crimes cometidos durante a explosão revolucionária. Outro exemplo é a militarização da Araucanía, com a renovação permanente do Estado de Exceção, com apoio, inclusive, do Partido Comunista, para proteger a propriedade de grandes empresas florestais e dos latifundiários. Um terceiro exemplo é a Lei Antiocupação recentemente aprovada pelo Congresso com apoio até da extrema direita republicana. Esta Lei visa criminalizar as ocupações de terras pelo Povo Mapuche e pelos movimentos do povo pobre, além de possibilitar a criminalização de paralisações e greves com ocupações de locais de trabalho ou estudo. Outro exemplo é a lei de Infraestrutura crítica, aprovada em fevereiro de 2023,9 que permite ao governo utilizar as Forças Armadas para “proteger” infraestruturas “críticas” como instalações de gás, eletricidade, água, plantas de produção em geral, estradas, metrôs. portos, serviços de utilidade pública como saúde, etc. O principal objetivo desta lei é autorizar o uso das Forças Armadas contra o movimento de trabalhadores em possíveis greves que paralisem a produção, cortem rotas, etc. Em suma, estas leis e medidas não servem para combater o crime organizado, o tráfico de drogas e a delinquência comum. Eles servem para criminalizar a luta social.

Enquanto o Partido Comunista e os dirigentes da Frente Ampla dizem que Kast e os Republicanos são fascistas e que a sua proposta de uma Nova Constituição é um grande retrocesso (o que é verdade), no Parlamento aprovam leis contra os trabalhadores juntamente com os “fascistas “. No fundo, existe um grande acordo nacional que vai do Partido Republicano ao PC/FA. Este acordo é que tem que manter o saque do país ao serviço de 10 famílias multimilionárias e de algumas transnacionais e para isso tem que desorganizar, confundir e reprimir o movimento popular e operário.

A criminalização é um aspecto importante para conter o descontentamento social, porém não é o único. O segundo aspecto, como já mencionamos, é o papel que os partidos do governo jogam nas organizações de massas da classe trabalhadora.

O papel das direções

Para evitar que os trabalhadores se organizem e lutem, os partidos do governo mantêm as organizações mais importantes da classe trabalhadora e da juventude completamente domesticadas. O maior exemplo hoje é a CUT.

Desde o início do governo Boric, a CUT priorizou estar nas mesas de negociação com o governo e o grande capital em vez de organizar os trabalhadores com base nas suas necessidades específicas. Basta acessar o site da Central para ver suas prioridades. Em nota publicada sobre a reunião do Conselho Superior do Trabalho, grupo de trabalho formado pelo governo, pela Câmara de Produção e Comércio (maior sindicato empresarial do país) e pela CUT, os dirigentes da CUT “saúdam” a propostas empresariais, dizendo que estas “fazem bem ao país”.10 As reuniões permanentes da CUT com o grande capital respondem a uma estratégia governamental, orientada por Mario Marcel (Fazenda) e implementada por Jeannette Jara (Trabalho, PC), para aumentar a produtividade do trabalho ao serviço dos lucros empresariais.11 A CUT, pela política da sua direção, que são dos mesmos partidos do governo, está completamente subordinada aos interesses dos grandes capitalistas.

Ao mesmo tempo que se reúne diariamente com o empresariado, a CUT convoca mobilizações simbólicas, durante o horário de trabalho, para dizer que está fazendo alguma coisa e que a Central se opõe à direita e ao empresariado. Um exemplo foi a “mobilização” convocada em frente ao Conselho Constitucional no dia 3 de outubro, que reuniu algumas dezenas de dirigentes sindicais. Algumas semanas antes, a CUT havia publicado uma nota pedindo a criação de um “plano de mobilização” e a formação de uma “frente comum” ante a “sabotagem do processo constituinte” pela direita.12 Nenhum trabalhador viu tal “plano” nem houve apelo à formação de “uma frente comum” para gerar mobilizações importantes. O que a direção da CUT faz é tentar enganar os trabalhadores, dizendo que estão lutando, enquanto os seus dirigentes estão sentados em salas confortáveis, tomando café e comendo biscoitos com o grande empresariado e o governo, movimentando enormes quantias de dinheiro em “cursos de formação” para seus sócios. Assim, o governo e os empresários fazem algumas concessões à cúpula da burocracia sindical enquanto esta cumpre o seu papel de manter os trabalhadores quietos sob o chicote dos patrões. A direção da CUT transformou-se numa burocracia desastrosa, que precisa ser varrida por uma rebelião de suas bases. Por outro lado, alguns sindicatos e federações associados à CUT, que têm dirigentes honestos e combativos, seguem as orientações da Central, gastando horas e horas em reuniões com ministros e secretários que prometem levar as suas reivindicações ao Parlamento para aprovação. Esta forma de “fazer política” é utilizada pelos partidos da antiga Concertação e do PC há 30 anos. O seu “roteiro” é conhecido: prometem fazer reformas, passam meses preparando projetos, apresentam seus projetos no Parlamento e no final os projetos são rejeitados pela direita ou aprovados completamente transfigurados, como a lei das 40 horas. Assim, ganham tempo prendendo os líderes sindicais em reuniões de alto nível enquanto as bases permanecem desorganizadas.

Entendemos que muitos dirigentes sindicais estejam fazendo esta experiência com as direções do PS-PC na CUT e no governo, porém, dizemos-lhes abertamente que não conseguirão vitórias para a classe trabalhadora com essa estratégia. Estão caindo na armadilha do regime democrático burguês que soube manejar os filhos dos dirigentes sindicais, nos últimos 30 anos, para mantê-los sob controlo.

Um processo semelhante ocorre no movimento estudantil. O Partido Comunista e as organizações da Frente Ampla enfraqueceram fortemente as organizações estudantis, como a Confech, na última década, transformando-as quase em conchas vazias. Por outro lado, muitos estudantes insatisfeitos com a liderança burocrática destes partidos procuram alternativas mais radicais. E o caso de secundaristas de escolas emblemáticas é um exemplo. Infelizmente, muitos estudantes acabam seguindo organizações de ultraesquerda que tudo o que sabem fazer é entregar os jovens à repressão estatal. As organizações de ultraesquerda que atuam nas emblemáticas escolas secundárias não têm um plano de luta e não procuram organizar e unificar os estudantes para alcançarem as suas reivindicações. O que procuram é a adrenalina do confronto permanente com os Carabineiros, que faz inclusive com que setores da sociedade reprovem e acabem por apoiar a repressão estatal contra os secundaristas. É necessário construir uma nova direção no movimento estudantil, uma direção revolucionária que visa massificar as lutas estudantis, organizá-las e unificá-las com as lutas dos trabalhadores.

Se falamos do movimento de moradores dos bairros pobres, a situação não é muito diferente. O movimento UKAMAU, por exemplo, que desempenhou um papel importante na mobilização e organização de um sector da população, faz hoje parte do governo Boric. Seu principal dirigente, Doris González, assumiu cargo no Ministério da Habitação. Isto levou muitos moradores a serem orientados a apoiar o governo, realizando ações vergonhosas, como a última manifestação de apoio ao ministro Carlos Montes (PS), acusado de corrupção.13 Enquanto o governo e a extrema direita aprovam uma lei para criminalizar as ocupações de terreno, Doris González passeia por reuniões com grandes empresários e pelos corredores de ministérios luxuosos.14

É preciso acabar com a imobilismo! Por um plano geral de luta!

Neste domingo, 17 de dezembro, a classe trabalhadora e a juventude devem votar CONTRA a Constituição dos Republicanos, o que é um retrocesso para o país, como explicamos em outro artigo. No entanto, como já dissemos repetidamente, apenas votar não é suficiente. É preciso acabar com o imobilismo da classe trabalhadora e da juventude. É preciso pressionar as lideranças sindicais, estudantis e populares para que rompam as mesas de diálogo com o governo e o empresariado e priorizem a organização e a luta popular.

Devemos trabalhar numa lista de reivindicações baseadas nas necessidades reais e concretas da classe trabalhadora e da juventude, com o objetivo de criar um plano de mobilização que nos permita avançar na concretização dessas reivindicações. A CUT deve organizar uma campanha nacional contra o fechamento de empresas da indústria nacional e garantir trabalho estável para todos. Não podemos permitir que mais empresas fechem, que ocorram demissões em massa. O trabalho que garante a subsistência das famílias é a condição básica de vida de qualquer trabalhador. Devemos exigir que o governo nacionalize as empresas ameaçadas de falência, como a Siderúrgica Huachipato e a cimenteira Polpaico, tomando medidas para garantir o emprego dos trabalhadores e a defesa da indústria nacional. No caso das demissões em massa, a CUT e os sindicatos têm o dever de convocar mobilizações em defesa do emprego e da precariedade de vida.

Para acabar com o desemprego é necessário criar um Plano de Obras Públicas que permita a construção de centenas de milhares de habitações para acabar com o déficit habitacional e gerar emprego para os trabalhadores da construção e informais. Por outro lado, é necessário reduzir imediatamente a jornada de trabalho para 40 horas, sem reduzir salários, para que mais pessoas possam trabalhar, aumentando imediatamente o salário mínimo para 700 mil pesos.

Para defender a saúde pública e a educação é necessário nacionalizar o cobre e o lítio e colocá-los sob o controle da classe trabalhadora e do povo, para que possam decidir democraticamente o que fazer com os recursos gerados pela exploração mineral. Os Isapres devem desaparecer e as clínicas privadas e laboratórios que não conseguem continuar a funcionar devem passar a fazer parte do sistema de saúde público.

As organizações da classe trabalhadora e da juventude devem rejeitar todas as medidas criminalizadoras do governo Boric, tais como a lei antiocupação, a lei Naín-Retamal e o Estado de Exceção na Araucanía. Pela liberdade de todos os presos políticos chilenos e mapuches! Pela liberdade de Héctor Llaitul! e pela Anulação de todos os julgamentos-Montagem contra Membros da Comunidade!

Por último, mas não menos importante, está hoje em curso um genocídio na Palestina que deve ser repudiado por todas as organizações da classe trabalhadora. É fundamental que a CUT, os sindicatos, as federações, as organizações estudantis e os movimentos sociais em geral se juntem à luta em solidariedade com a Palestina e pela ruptura das relações comerciais, políticas e militares do Chile com Israel.

É preciso construir um partido revolucionário no Chile

Para levar este programa aos sindicatos, organizações comunitárias, mulheres e juventude, é necessário construir um partido revolucionário com os melhores ativistas de cada setor. Os partidos reformistas e a direita demonstram todos os dias que são incapazes de resolver os problemas dos trabalhadores. No Chile é necessário realizar uma revolução que varra os políticos corruptos ao serviço do empresariado e coloque o poder nas mãos da classe trabalhadora e do povo pobre. Só com uma revolução socialista será possível acabar com o saque do país, colocando a riqueza nacional ao serviço da maioria da população trabalhadora e planificando a economia para acabar com a lógica irracional do mercado capitalista, que só serve para enriquecer os bilionários.

Hoje mais do que nunca devemos tirar conclusões do que aconteceu no nosso país desde 18 de outubro. Realizamos enormes mobilizações de massas que acabaram sendo canalizadas para o lado da democracia burguesa, que é totalmente controlada pelas famílias mais ricas do país. Não temos dúvidas de que o Chile voltará a explodir mais cedo ou mais tarde, devido às contradições sociais que se acumulam. Porém, nesse momento, devemos ter um forte partido revolucionário com inserção nos principais setores da classe trabalhadora e da juventude que nos permita liderar as mobilizações em direção à derrubada dos governos capitalistas e da sua democracia.

Convidamos os ativistas que acreditam neste programa para virem construir o Movimento Internacional dos Trabalhadores!

1 Ver: https://www.latercera.com/pulso/noticia/grandes-del-retail-disminuyen-en-5702-sus-dotaciones-de-trabajadores-en-chile-en-el-ultimo-ano/SYYLZZKD6ZBHLMLJ2KZCBHSF7Y /

2 Veja: https://www.youtube.com/watch?v=cRsJGBV1xRk&ab_channel=CNNChile

3 Veja: https://deficitcero.cl/uploads/biblioteca/Minuta_EstimaciondelDeficit.pdf

4 Veja: https://www.youtube.com/watch?v=SNPHVQKbpJ4&ab_channel=CNNChile

5 Assista: https://www.youtube.com/watch?v=FibzYSfBtkA&ab_channel=CNNChile

6 https://www.infinita.cl/infinita-te-explica/2023/10/25/crisis-educacional-que-esta-pasando-en-la-region-de-atacama.html

7 Desenvolvemos esse tema em outro artigo. Veja https://www.vozdelostrabajadores.cl/crisis-en-las-isapre-la-enredada-madeja-del-negocio-privado-que-hace-tambalear-todo-el-sistema-de-salud-i-parte

8 Ver https://www.vozdelostrabajadores.cl/que-podemos-esperar-del-gobierno-boric

9 Ver https://www.diarioconstitucional.cl/2023/02/04/ley-n-21-542-sobre-infraestructura-critica-fue-publicada-en-el-diario-oficial/

10 Ver: https://cut.cl/propuestas-del-consejo-superior-laboral-le-hacen-bien-al-pais/

11 Ver https://www.gob.cl/noticias/conozca-los-alcances-de-la-agenda-de-producttividad-anunciada-por-el-gobierno-para-impulsar-el-crecimiento-y-dinamizacion- da economia/

12 Ver https://cut.cl/declaracion-publica-27-de-septiembre-central-unitaria-de-trabajadores-as-cut-chile/

13 Ver https://www.cnnchile.com/pais/montes-megafono-apoyo-manifestacion-caso-convenios_20231205/

14 Ver https://www.cgai.cl/home/2023/11/22/doris-gonzalez-secretaria-ejecutiva-de-condominios-del-ministerio-de-la-vivienda-conversa-con-el-colegio- desadministradores/

Publicado em 16 de dezembro de 2023 em http://vozdelostrabajadores.cl

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares