qui abr 25, 2024
quinta-feira, abril 25, 2024

Ucrânia| Chaves para uma verdadeira contraofensiva

Aqueles de nós que apoiam com todas as nossas forças a resistência ucraniana contra a invasão e pilhagem1 do regime de Putin e acompanham de perto a situação nas frentes de batalha, recebemos notícias muito encorajadoras nas últimas semanas da Frente Sul na região de Kherson. As forças armadas ucranianas conseguiram estabelecer uma pequena, mas sólida cabeça de praia[1] na margem esquerda do rio Dnieper. Não devemos exagerar a magnitude deste progresso nem tirar conclusões precipitadas. Mas também não podemos ignorar a sua importância. Porque este avanço foi acompanhado por uma retirada das forças de ocupação russas em direção ao leste desta região e pelo movimento de navios da base de Sebastopol na Crimeia em direção ao porto de Novorossisk. Por outro lado, porém, as agências de notícias têm divulgado amplamente a rejeição do Congresso dos Estados Unidos ao envio de ajuda militar no valor de 60 bilhões de dólares. Estes factos mostram de forma mais nítida os fatores-chave da situação e quais podem ser as perspectivas possíveis.

Por: Taras Schevchuk

Há um mês, a chegada antecipada do inverno e a ausência de avanços qualitativos na contraofensiva ucraniana durante o verão-outono deram origem a muitas especulações e polêmicas no regime ucraniano sobre as possibilidades e dificuldades de continuar libertando o território do país, que foram amplificadas e distorcidas pelos meios de comunicação imperialistas. O comandante das Forças Armadas da Ucrânia, Valery Zaluzhny, falou sobre o assunto num artigo no “The Economist”, onde mencionou um “beco sem saída tecnológico” da ofensiva, uma transição para uma “guerra de posições, de desgaste” e sublinhou a falta de armas e tecnologia na Ucrânia. Zelensky respondeu publicamente que está muito “confiante na vitória”, que não há “situação de impasse”, que “o Ocidente dará aviões à Ucrânia” e que tudo ficará bem. Zelensky declarou que os militares deveriam “abster-se de fazer declarações políticas”. A partir daí, multiplicaram-se as versões jornalísticas das contradições entre ambos e dentro do regime. Inclusive se insinuou a “possível demissão do General”. Ainda que isto pareça mais um “balão de ensaio”, já que nas sondagens de opinião Zaluzhny tem duas vezes mais aceitação que Zelensky.

A principal causa das contradições no regime é a submissão ao imperialismo

É a mesma causa que produziu e produz as dificuldades e obstáculos na contraofensiva. O próprio Zaluzhny falou da escassez de armas e listou as que são necessárias. É um fato óbvio que “o Ocidente” não forneceu armas suficientes a tempo. Isso deu aos ocupantes russos nove meses de vantagem para cavar trincheiras blindadas, colocar três barreiras antitanque e campos minados em territórios ocupados ao longo da frente de mais de mil quilômetros.

É evidente que, apesar da retórica hipócrita de Biden e Blinken, os EUA não querem uma vitória retumbante para a Ucrânia. Todos vimos como em três dias Israel recebeu dos Estados Unidos as armas que a Ucrânia pedia há um ano e meio. Todos testemunhámos a nervosa apreensão das potências quando o regime de Putin cambaleou com o motim de Prigozhin e dos seus mercenários da Wagner. Porque? Porque a derrota do regime Putin-FSB causaria o seu colapso e a ameaça de desintegração da Federação Russa, que é uma imensa prisão para povos e nações oprimidas. A queda desse regime também levaria à instabilidade nas Repúblicas da Ásia Central. E também temem a falta de controle sobre o seu enorme arsenal nuclear. Por isso preferem negociar com o carcereiro Putin, ainda que debilitado.

Com esse objetivo chantageiam, combinando a retenção das armas necessárias com a campanha mediática do “fracasso da contraofensiva” e a pressão crescente sobre o governo ucraniano para iniciar “negociações de paz”… Com anexações! Isto é, a divisão da Ucrânia, como desde o início da invasão e descaradamente propôs o decrépito Henry Kissinger – o velho imperialista, agora morto – cujo último serviço à contrarrevolução foi insistir que o chacal Putin ficasse com a Crimeia e o Donbass.

Entretanto, a política do governo Zelensky visa entusiasmar o povo com as promessas sedutoras das potências: ser “candidatos à entrar na UE” ou “receber garantias de segurança da OTAN”. E em troca condenam o povo trabalhador a seguir os ditames dos usurários do capital imperialista, como o FMI, que já endividou a Ucrânia durante várias gerações. E o parlamento “Rada” é um “covil de bandidos” onde dominam os agentes legislativos das corporações transnacionais e dos oligarcas locais, votando a favor de leis contra os sindicatos, os estudantes e o povo simples.

É evidente que durante a guerra a desigualdade social cresceu. Estatísticas oficiais do Banco Nacional da Ucrânia mostra que o setor da população que mal consegue comprar alimentos duplicou e que o sector que pode comprar qualquer alimento mais do que triplicou (de 0,5% para 1,7% da população). Assim a sociedade ucraniana está se polarizando. A renda de 40 mil milhões de dólares do exterior para as finanças do Estado é controlada pelos mesmos grupos minoritários parasitas, que enriquecem no meio da pobreza crescente da maioria das massas. Ou seja, à oligarquia formada que monopolizou grandes empresas e capitais nas décadas de 1990-2000, somam-se novos grupos financeiros que controlam os créditos estrangeiros.

A conclusão é nítida: enquanto o presidente, o seu regime político e os comandantes militares ucranianos estão sujeitos às potências ocidentais, dependendo das suas armas e aguardando a sua vez de serem “abrigados” pela OTAN e integrados na UE, não apenas a contraofensiva. está ameaçada, mas toda a Ucrânia estará condenada à capitulação e a uma nova e maior colonização. E a independência nacional será uma frase vazia.

Mudar pela raiz a política e a economia: colocá-la ao serviço da libertação da Ucrânia

É necessário mobilizar o potencial de produção para a libertação do país, e não para o lucro dos grupos capitalistas, como está acontecendo agora. É necessário definir uma estratégia e táticas militares que correspondam às armas disponíveis, e não às prometidas, mas não fornecidas pelo Ocidente. O próprio Zaluzhny considera os drones uma arma prioritária indispensável. É uma arma bastante simples, fácil de produzir e barata, para a qual a Ucrânia tem absolutamente todas as condições. Contudo, a produção atual é realizada por empresas privadas, de acordo com as “leis do mercado”. Esta produção é “limitada e não dura mais de 20 dias”, segundo o perito militar e coronel da reserva Román Svitán.

Mas isto se choca com o caráter do governo de Zelensky. Porque em termos de armas aposta em contar com a ajuda do Ocidente, cujo único objetivo é colonizar a Ucrânia e negociar com Putin a sua parte. A economia funciona em prol dos lucros dos oligarcas e sofre com o roubo sistemático da “ajuda humanitária” e do orçamento da defesa por parte de funcionários e capitalistas.

Com base neste objetivo, os imperialistas dos EUA, da UE e os grupos oligárquicos consideram muito perigoso treinar trabalhadores no uso de armas e armá-los, porque essas habilidades e armas podem ser usadas contra o seu próprio poder capitalista. E desse poder, em plena invasão russa, atacam com novas leis contra os trabalhadores. Indignam e desmoralizam o povo com as evidências de filhos de funcionários que vão para o estrangeiro, quando isso não está permitido para homens maiores de idade com obrigações militares. Indignação popular ainda maior face aos roubos a todos os níveis e ao desprezo pelas pessoas comuns – como o não pagamento pelas lesões e incapacidades dos soldados e o negócio com a água nos territórios afetados pela destruição da barragem de Kajovka.

Como resultado, o governo Zelensky está a minando a defesa a partir de dentro e apostando na dependência colonial dos Estados Unidos e da UE. Isto se deve ao seu caráter de classe capitalista. Nacionalizar a economia para colocá-la em pé de guerra vai contra os lucros dos capitalistas. A suposta luta contra a corrupção significa assumir que os oligarcas e os seus representantes políticos lutam contra si próprios, porque a corrupção faz parte do seu negócio.

Em suma, a mobilização de todas as forças sociais para a libertação nacional é rentável do ponto de vista financeiro e é politicamente perigosa para as empresas e para o governo oligárquico de Zelensky. É por isso que condena os trabalhadores a maiores dificuldades e o país à dependência colonial absoluta dos Estados Unidos e da UE.

Quem pode realizar esta mudança?

Conclusão: o “beco sem saída” não é tecnológico nem militar, mas político e de classe. E isso se expressa no prolongamento da guerra de desgaste e nas vidas sacrificadas da classe operária. O povo da Ucrânia tem tudo o que precisa para vencer. Mas, assim como a luta de libertação nacional não pode depender da ajuda de governos estrangeiros, os trabalhadores nesta luta não podem depender das empresas e do seu poder.

É fundamental orientar toda a produção militar e industrial nas mãos do Estado e controlada pelos próprios trabalhadores. Porque a classe operária ucraniana é 99% dos que estão na linha da frente, oferecendo as suas vidas pela soberania e integridade do país. E também, fazendo sacrifícios na retaguarda para sustentar a economia. Mas a quem pertencem os frutos dessa economia e de todo o país? A quem serve o poder do Estado ucraniano? Os operários continuarão lutando para que a Ucrânia seja verdadeiramente independente! E isso só será possível com um governo dos trabalhadores e não dos oligarcas, associados às potências, que negociam com Putin a divisão da Ucrânia!

Produzir armas e organizar o povo em armas para a libertação da Ucrânia

O problema das armas mais modernas, embora de grande importância, não é um fator absoluto. Mesmo que as armas mais poderosas não estejam disponíveis, há muitos exemplos de grandes exércitos que foram derrotados por uma resistência popular tecnologicamente menos avançada – os Estados Unidos no Vietnã, no Iraque e no Afeganistão, a Rússia na primeira guerra da Chechénia e até agora teve que recuar na própria Ucrânia – graças a métodos de guerra assimétricos.

E isto foi demonstrado em março de 2022 pela resistência popular no aeródromo de Gostomel e na região de Kiev. A organização voluntária massiva e o armamento da população trabalhadora foram a força decisiva que conseguiu repelir os ocupantes. E isso foi conseguido com armas rudimentares e não graças às supostas “armas ocidentais modernas”. Por outro lado, e a um nível diferente, as hábeis táticas dos defensores de Avdeevka, como os de Bakhmut antes ou aqueles que libertaram Kharkov ou a região de Kherson e estabeleceram um posto avançado na margem esquerda do Dnieper, ou o generalizado movimento partisano nos territórios ocupados, que chega a fazer incursões e atos de sabotagem em regiões distantes da fronteira com a Ucrânia no território da Federação Russa. Este processo é demonstrado pelos ataques que provocaram as explosões no túnel ferroviário transiberiano Baykal-Amur, na Buriácia.

Embora as atuais reservas humanas da Ucrânia não sejam ilimitadas e as baixas sejam sentidas, também não são pequenas. E desde o início da invasão e, apesar de todo o sofrimento, até agora o moral dos nossos combatentes é muito superior ao das tropas ocupantes. Muitos deles são imigrantes ou de povos e nações oprimidos pela Rússia, que são carregados e empurrados como “bucha de canhão” sem motivação. Precisamente neste momento, enquanto o ditador Putin anunciava a sua candidatura a um novo mandato presidencial, os protestos das esposas dos soldados crescem cada vez mais em diversas regiões da Federação Russa e embora não ousem repudiar a guerra do Kremlin, exigem defensivamente “Traga nossos maridos para casa.”

Para derrotar a ocupação e libertar a Ucrânia, é essencial treinar toda a população para manusear vários tipos de armas modernas. Então não haverá necessidade de falar sobre “becos sem saída” ou “impasses”. A contraofensiva ucraniana está sendo dificultada não só e não tanto pelo exército de Putin a partir do exterior, mas pelo seu próprio poder capitalista a partir do interior.

Medidas vitais para a Vitória

Nacionalização da economia ao serviço da defesa. Organizar a produção de armas e materiais necessários à guerra. Controle operário e popular na distribuição de produtos. Fornecer aos trabalhadores e às pessoas comuns tudo o que é necessário para um armamento generalizado. O treinamento e a capacitação só podem ser garantidos pelos trabalhadores. Para que isso seja possível, para derrotar a ocupação de Putin na frente externa, é necessário construir uma alternativa da classe operária, independente do poder oligárquico.


[1] Posição ocupada por uma força militar em território litoral inimigo, para assegurar acesso, avanço ou desembarque.https://dicionario.priberam.org/cabe%C3%A7a%20de%20praia.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares