sáb jul 13, 2024
sábado, julho 13, 2024

LIT-QI: Por um 25N de luta e solidariedade, de classe e internacionalista

Quanto mais se aprofunda a decadência capitalista, mais as mulheres sofrem com o aumento da violência e dos feminicídios. Longe de pôr fim à desigualdade de gênero e ao machismo, este sistema de discriminação na exploração condena as mulheres trabalhadoras a uma vida de miséria e fome e também de violências múltiplas: agressões, violações, falta de direitos, feminicídios e transfeminicídios.

Por: Liga Internacional dos Trabalhadores – LIT-QI

Uma em cada três mulheres em todo o mundo já sofreu diretamente violência machista. A cada 11 minutos, uma mulher é assassinada por seu companheiro ou por um membro da sua família, quase sempre na sua própria casa, onde deveria estar mais segura. Os casamentos forçados multiplicam-se com as guerras e as mudanças climáticas. As redes de tráfico de seres humanos para exploração sexual não param de crescer.

As principais vítimas são mulheres e meninas (2 em cada 3 pessoas forçadas a casar e 71% das vítimas de tráfico são mulheres). E se não bastasse todas estas violências, muitas mulheres ainda têm que conviver com a perda de pais, maridos e filhos devido a guerras, racismo e/ou LGBTIfobia. Enquanto esse sistema continuar a existir, nenhum de nós terá paz.

Se os governos burgueses de direita e extrema-direita atingem especialmente os setores mais oprimidos da nossa classe, os governos de conciliação de classes, chamados “progressistas”, também não fazem muito para melhorar as nossas condições de vida. Todos eles são incapazes de acabar com a violência contra as mulheres porque apesar de suas leis e de seu aparato judicial e carcerário, governam para a burguesia, que precisa reproduzir a opressão e o machismo para continuar dividindo a classe e superexplorando as mulheres trabalhadoras.

Por todas estas razões, neste 25N temos que continuar incorporando fortemente a nossa denúncia e exigências a estes governos, apelando à organização e luta com independência de classe de toda a classe trabalhadora e juventude, contra todas as opressões.

Parar o genocídio em Gaza! Mulheres trabalhadoras com a resistência palestina, avante!

O aumento dos conflitos de guerra no mundo aumenta as dificuldades e o sofrimento das mulheres trabalhadoras e pobres. Este ano saímos mais uma vez às ruas em apoio àquelas que, na luta por maiores níveis de igualdade e contra a violência machista, enfrentam ditaduras ferozes ou fazem parte da resistência nas lutas de libertação nacional dos seus povos, como é o caso das mulheres na Ucrânia e na Palestina. Neste 25N, dia internacional contra toda a violência machista, a nossa luta se matiza com as cores da bandeira palestina para exigir o fim do genocídio israelense ao povo palestino. Não podemos imaginar uma violência pior contra as mulheres do que bombardear os seus filhos e filhas, expulsando-as das suas casas, destruindo as suas vidas.

Não é uma guerra entre o Hamas e Israel, mas uma limpeza étnica

 Apesar da propaganda dos governos, bombardear hospitais, centros de refugiados ou matar menores a cada dez minutos não tem nada a ver com o fim do Hamas, mas com o projeto sionista de realizar a limpeza étnica e expulsar os palestinos da Faixa de Gaza.

Num massacre, em que mulheres, menores e idosos são a maioria das mais de 16.000 pessoas que se estima terem sido mortas pelos ataques de Israel no momento em que se escreve estas linhas (milhares ainda sob os escombros), muitos bebês estão morrendo por falta de cuidados médicos e 50.000 mulheres grávidas lutam sem suficiente comida ou água potável com a possibilidade de dar à luz no chão, sem acesso a bens básicos ou pessoal de saúde para as ajudar. Os profissionais de saúde têm que realizar cesarianas sem anestesia. É um crime de guerra!

Israel não é uma democracia com igualdade, mas um regime racista e de apartheid social, que atinge especialmente as mulheres

Israel é um enclave militar colonial construído com o sangue de um povo colonizado e alimentado por potências imperialistas, para defender os seus interesses em territórios estratégicos. A campanha que Israel realiza há mais de uma década, para se apresentar como amigo dos LGTBI e um exemplo de igualdade devido à presença de mulheres nas Forças Armadas israelitas, é falsa e hipócrita.

É impossível enumerar todas as formas de violência que as mulheres e meninas palestinas sofrem durante a ocupação militar israelita e as suas políticas de exclusão. Tanto em Gaza como na Cisjordânia, são geralmente detidos em postos de controlo e em operações noturnas, passando vários dias ou meses na prisão. Muitas são vítimas de abuso sexual, bem como de espancamentos e tortura.

TOPSHOT – Israeli security forces try to detain a Palestinian woman in the east Jerusalem neighbourhood of Sheikh Jarrah, where looming evictions of Palestinian families have fuelled anger, on May 15, 2021, the day on which Palestinians mark the 73rd anniversary of the Nakba, the “catastrophe” of Israel’s creation in 1948. (Photo by EMMANUEL DUNAND / AFP)

As mulheres palestinas enfrentam um enorme fardo no cuidado e manutenção das suas famílias face às condições de vida extremas neste território, e devem lidar com maiores responsabilidades ligadas ao trabalho não remunerado e às tarefas domésticas, que aumenta o risco de sofrer violência machista.

Sofrem ataques violentos por parte dos colonos israelitas, vivendo em alerta constante com medo de ver as suas casas destruídas, de sofrer deslocamentos à força ou de verem os seus familiares presos, feridos ou mortos. Da mesma forma, o seu direito à saúde é afetado pelas consequências da ocupação e das políticas de bloqueio que sofrem há anos. Na sua tentativa de controlar o povo palestino, o regime sionista reforça estruturas familiares conservadoras e machistas.

As mulheres palestinas fazem parte da resistência

Porém as mulheres palestinas não são apenas vítimas do conflito, mas historicamente são protagonistas muito ativas na luta de libertação nacional do seu povo.

No final do século XIX já participavam na resistência contra os otomanos para defender as suas terras, como camponeses espoliadas das terras onde trabalhavam. Em 1936 participaram ativamente na greve nacional contra o colonialismo britânico que favorecia a migração israelita para o território palestino e desde então têm resistido. Muitas juntam-se aos protestos todos os anos no aniversário da Nakba, que Israel reprime violentamente e nos quais exigem o direito de retorno da população refugiada.

Um exemplo dessa resistência feminina é a jovem Ahed Tamimi, que com apenas 14 anos enfrentou os soldados israelenses, aos 17 anos ficou presa por 8 meses sob falsas acusações e foi presa novamente agora porque é um símbolo da luta palestina. Mas há mais exemplos de mulheres que lideram esta resistência dentro e fora da Palestina, na diáspora.

Na sua luta de libertação nacional, as mulheres palestinas não abdicam dos seus próprios direitos femininos. Um exemplo é a revolta que provocou o assassinato machista da jovem Israa Gharave. Milhares de mulheres saíram às ruas para exigir justiça para Israa e melhorias na proteção das vítimas da violência machista com leis paralisadas pelo governo da Autoridade Nacional Palestina. Como resultado da pressão popular, as autoridades judiciais acusaram formalmente três membros da família de Israa de serem responsáveis ​​pelo crime. Mas sem dúvida, hoje, o maior inimigo que as palestinas têm e a maior causa da sua opressão é o regime sionista. Não haverá paz sem justiça social nem haverá mulheres livres, sem uma Palestina livre!

Pelos nossos direitos democráticos, basta de repressão e islamofobia!

Nas mobilizações massivas de apoio ao povo palestino na Europa e nos Estados Unidos, muitas mulheres migrantes de primeira, segunda e terceira geração do Oriente Médio ou do Magreb, da Ásia e de África sentem que a causa palestina é sua. A criminalização da solidariedade com a Palestina pelos governos imperialistas é a continuidade das suas políticas racistas e islamofóbicas, que impedem estas mulheres migrantes de viver com dignidade.

Denunciamos o feminismo que condena as ações do Hamas contra mulheres e menores israelitas como “terroristas”, equiparando a violência do colonialismo opressivo à violência do povo oprimido na sua luta de libertação. Denunciamos mulheres como Ursula Von Der Layen, presidente da Comissão Europeia e todos os ministros dos governos imperialistas, que defendem o Estado de Israel, como cúmplices do genocídio sionista. Denunciamos a propaganda islamofóbica que o Ocidente vende, na qual a mulher muçulmana aparece como uma mulher submissa, sem instrução, oprimida, coberta com uma burca ou niqab, que deve ser resgatada.

Para que as mulheres palestinas tenham paz, liberdade e igualdade, a primeira tarefa é destruir o Estado de Israel.

Neste conflito, as mulheres trabalhadoras têm um lado. Defendemos a mais ampla unidade de ação com todas as organizações que, na Palestina e fora dela, exigem o fim do ataque militar de Israel e apoiam a luta palestina.

Como socialistas revolucionários, pensamos que devemos sair e repudiar a falsa solução de dois Estados, de que alguns governos voltam a falar. Uma política que apenas serviu nos últimos anos para encobrir o projeto sionista e que agora é mais inviável do que nunca. Uma Palestina livre não virá nem da ONU nem de negociações de paz promovidas por governos, que reconhecem a existência de Israel.

O massacre de Gaza mostra que não há possibilidade de se chegar a uma solução de dois Estados com Israel, cujo regime tem características nazifascistas e cujo objetivo é expulsar os palestinos sob a mira de uma arma. Defendemos o programa histórico abandonado pela OLP: uma Palestina laica, democrática e não racista. Mas não somos pacifistas. Sabemos que isso exigirá a derrota militar de Israel e, mais ainda, a sua destruição como Estado, sem a qual será impossível alcançar uma Palestina livre do rio ao mar, na qual as mulheres palestinas possam conseguir as suas reivindicações.

Nessa tarefa, defendemos a unidade militar com todas aquelas organizações que propõem a destruição de Israel. Conseguir isto é muito difícil porque Israel é a quarta potência militar do planeta. E tem o apoio direto do imperialismo norte-americano, bem como do imperialismo europeu.

A destruição de Israel exige combinar a luta militar com uma revolta das massas trabalhadoras árabes em toda a região, num processo revolucionário contra a burguesia e as suas organizações. A história ensina que é possível derrotar até mesmo uma potência imperialista hegemônica quando a mobilização de massas e a luta armada são combinadas. Um dos exemplos históricos mais recentes foi a Guerra do Vietnã, onde os Estados Unidos foram derrotados em 1975 como resultado da resistência heroica do Vietcongue, combinada com mobilizações de massas em todo o mundo, especialmente nos Estados Unidos.

A partir da LIT nos unimos ao apelo de milhares de mulheres no mundo, apelamos a toda a classe trabalhadora e à juventude para apoiarem as mobilizações convocadas no 25N e para saírem às ruas para exigir: Pela vida e dignidade das mulheres palestinas

• Acabar com o cerco e o genocídio contra Gaza!

• Não ao regime sionista do apartheid! Basta é basta!

• Exigimos que todos os governos que rompam as relações diplomáticas, comerciais e militares com o Estado Sionista assassino e fechem as suas embaixadas no país!

• Tropas imperialistas fora do Oriente Médio!

• Apelamos à classe trabalhadora e aos sindicatos do setor para que sabotem a fabricação e envio de armas para Israel!

• Pelo apoio popular e impulso à campanha de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) contra Israel!

• Pela derrota militar de Israel! Por uma Palestina livre, laica, democrática e não racista, do rio ao mar!

• Mulheres palestinas guerreiras sem igual, lutando pelo seu povo e pela sua liberdade!

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares