sex fev 23, 2024
sexta-feira, fevereiro 23, 2024

Urgente: CSP-Conlutas divulga nova nota em apoio ao povo palestino

Diante dos crimes de guerra cometidos por Israel nos últimos dias, a CSP-Conlutas divulga uma nova nota em solidariedade ao povo palestino e cobra que o governo Lula rompa com Israel em repúdio ao genocídio do povo palestino

ROMPER COM ISRAEL, JÁ! CHEGA DE CUMPLICIDADE COM OS CRIMES DE GUERRA E COM O MASSACRE DE CIVIS NA PALESTINA

Israel intensificou o banho de sangue praticado contra o povo palestino, nas últimas duas semanas. O genocídio iniciado com a criação do estado sionista, em 1948, vive, hoje, um dos capítulos mais sangrentos da história recente.

Apoiando-se na mentira de combate ao suposto terrorismo do Hamas, Israel nos últimos dias assassinou ao menos quatro mil civis na Palestina. Destes, mil e quinhentas são crianças e mil e quatrocentas, mulheres.

A escalada de violência na Palestina produz cenas condenadas pelo Direito Internacional Humanitário. O cerco a Gaza deixando a população pobre sem água, energia elétrica e atendimento a socorro humanitário caracterizam crimes de guerra. O uso de fósforo branco em explosivos, bombardeios de escolas, equipes médicas de resgate, campo de refugiados e, mais recentemente, o Hospital Batista Al Ahli explicitam a intenção genocida de Israel em cenas vistas na história recente somente durante o cerco nazista ao gueto de Varsóvia na perseguição nazista aos judeus.

Aproveitando-se das atenções em Gaza, Israel também avançou na Cisjordânia, onde mais de 70 civis palestinos já foram mortos. Em sua maioria, assassinado pelas milícias de colonos judeus que são apoiadas pelo estado sionista.

Estas breves linhas antecedem nossa atenção ao esforço realizado por Israel, em comunhão com a imprensa burguesa e imperialista, para justificar suas ações e assim esconder o fato de que o terrorismo é prática própria daquele estado.

Ciente de que está cada vez mais difícil manter o apoio da opinião pública frente aos inúmeros crimes de guerra que tem praticado, o governo de Benjamin Netanyahu apela ao apoio de seu maior aliado e financiador: os Estados Unidos da América.

A visita de Joe Biden cumpriu este papel e foi além, com as declarações catastróficas do presidente americano, comparando o Hamas e a justa causa palestina como sendo piores que o Estado Islâmico, grupo fundamentalista que assombrou o mundo entre 2013 e 2019.

A ONU avaliza o genocídio ao apoiar Israel e não condenar o massacre do povo palestino, nem sancionar o estado terrorista de Israel.

Governo Lula deve romper com Israel

Frente a mudança no cenário mundial em relação à causa Palestina e o fato de estarmos à beira de uma invasão de Israel por terra em Gaza, o que escalaria ainda mais o massacre e genocídio do povo palestino, urge alguns posicionamentos.

A CSP-Conlutas e demais entidades filiadas possuem os pilares da solidariedade internacionalista da classe trabalhadora e do justo direito garantido aos povos oprimidos de se defenderem de forças invasoras.

Por isso, é necessário condenar o atual posicionamento do governo brasileiro. Lula, que já se disse “amigo dos palestinos”, contudo atua apresentando um verniz pacifista, que na realidade, lava as mãos perante a concretude do genocídio virando as costas para a opressão sionista e seus crimes de guerra. Fato que fica ainda mais grave quando o Brasil está presidindo o Conselho de Segurança da ONU.

Também no Congresso Nacional corre um texto de nítido apoio à Israel. Por sua vez, parte da esquerda reformista que acompanha o governo oscila em não exigir o apoio incondicional aos palestinos. Tal capitulação, enquanto milhares de vidas são massacradas em Gaza é inadmissível.

Desta maneira, a CSP-Conlutas propõe respostas concretas.

As organizações da classe trabalhadora brasileira têm a obrigação de exigir o rompimento imediato das relações do governo Lula com o Estado terrorista de Israel.

Economicamente, isso significa o cancelamento de todos os acordos, em especial a compra das armas que também são utilizadas aqui para matar inocentes nas periferias do Brasil.

Politicamente, a primeira expressão do fim das relações deve ser a expulsão imediata do embaixador de Israel do território brasileiro, como fez o governo colombiano recentemente.

A luta do povo palestino precisa de nossa solidariedade. A CSP-Conlutas convoca a todos os oprimidos e explorados a se manifestarem de forma unitária. As ações como as desenvolvidas pela campanha do BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) a Israel serão fundamentais.

Somente as manifestações dos povos do mundo podem parar o genocídio. Já aconteceram grandes protestos em Nova York, Londres, Berlim, judeus no Capitólio, no Brasil, além das manifestações grandiosas nos países árabes.

A causa Palestina é de toda a classe trabalhadora no mundo que luta por autodeterminação, liberdade, direitos, dignidade humana contra o colonialismo opressor e explorador chamado capitalismo.

– Palestina livre do rio ao mar. Única, laica, democrática e não racista!

– Viva a resistência heroica do povo palestino!

– Lula, rompas as relações econômicas e diplomáticas com Israel!

– Condenação e prisão de Benjamin Netanyahu por crimes de guerra!

 21 de outubro de 2023

CSP-Conlutas | Central Sindical e Popular

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares