qua maio 22, 2024
quarta-feira, maio 22, 2024

Relatório do Terceiro Comboio Internacional de Apoio à Resistência Operária Ucraniana

Desde a primavera de 2022, a ILNSS tem mantido contato regular com sindicatos e movimentos sociais ucranianos

O Terceiro Comboio de Apoio à Resistência Ucraniana foi organizado pela Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas entre 14 e 20 de junho de 2023. Durante essa visita de quase uma semana, realizamos uma série de reuniões nas quais aprendemos sobre a situação dos trabalhadores ucranianos no período de guerra e discutimos a possibilidade de fortalecer nossa cooperação e desenvolver o apoio internacional aos sindicatos ucranianos. Expressamos nossa sincera solidariedade aos nossos irmãos e irmãs ucranianos e doamos dinheiro (para as atividades diárias e o desenvolvimento de organizações trabalhistas independentes), equipamentos técnicos e táticos (para os membros do sindicato que servem nas forças armadas), além de alimentos e produtos de higiene. O comboio visitou as cidades de Lviv, Kropivnytskyi, Krivyi Rih e Kiev.

Desde a primavera de 2022, a ILNSS tem mantido contato regular com sindicatos e movimentos sociais ucranianos. A ideia dos comboios foi iniciada por organizações do Brasil (CSP Conlutas), França (Solidaires), Itália (ADL Cobas) e Polônia (IP). Em vários estágios, a iniciativa contou com a participação de organizações de outros países: Co.Bas (Estado Espanhol), TUC (Liverpool, Inglaterra), G1PS (Lituânia), STASA (Portugal). A última caravana também recebeu apoio financeiro do sindicato SAC Syndikalisterna da Suécia e de doadores individuais de todo o mundo.

Nosso grupo internacional realiza reuniões regulares, organiza a arrecadação de fundos e realiza eventos para promover o conhecimento sobre a situação da classe trabalhadora da Ucrânia e as atividades sindicais no país devastado pela guerra. É aqui que as decisões são tomadas e os planos futuros são feitos. O objetivo da iniciativa é demonstrar apoio internacional à resistência da classe contra a invasão imperialista da Rússia e as reformas antioperárias e antissociais do governo ucraniano durante a guerra. 

Na Ucrânia, nossos parceiros são os sindicatos independentes, alguns dos quais são afiliados à Confederação de Sindicatos Livres da Ucrânia (Ukr. Konfederatsiya Vilnykh Profspilok Ukraiiny – KVPU) e outros operam de forma independente. Esses são: Sindicato Independente dos Mineiros da Ucrânia na cidade de Krivyi Rih (ukr. Nezalezhna Profspilka Hirnykiv Ukraiiny – NPGU), o sindicato estudantil Ação Direta (ukr. Priama Dia), que opera principalmente em Lviv e Kyivv, o Sindicato dos Trabalhadores Médicos e Trabalhadores da Indústria Médica da Região de Lviv (ukr. Lvivska Oblasna Profpilka Medychnykh Pratsivnykiv ta Pratsivnykiv Medychnoi Haluuzi) juntamente com o movimento social “Be Like Nina” (Bud’ yak Nina), o Sindicato Livre de Educação e Ciência da Ucrânia na cidade de Kropivnitskyi (ukr. Vilna profspilka osvity i nauky Ukraiiny) e o Sindicato Livre dos Trabalhadores Ferroviários da Ucrânia (Vilna Profspilka Zaliznychnykiv Ukraiiny – VPZU). 


A ideia dos comboios é considerada algo mais do que apenas a entrega de mercadorias essenciais. Significa também fortalecer os contatos e a cooperação com a classe trabalhadora ucraniana, tentar entender a situação enfrentada pelos membros do sindicato e abordar o assunto internacionalmente.


Lviv – reunião com enfermeiras e estudantes
Em 14 de junho, a delegação composta por membros do IP e do Solidaires partiu de Varsóvia. Nossa primeira parada, após a passagem pela fronteira e os procedimentos de transporte humanitário, foi Lviv. Parte de nossa delegação se reuniu lá com representantes dos profissionais de saúde e outra parte com os estudantes.

Oksana Slobodiana, enfermeira e organizadora sindical, e a jornalista Yulia Lipich nos falaram sobre as condições de trabalho no setor de saúde ucraniano e sobre o estado geral da saúde. O nome do movimento Be Like Nina refere-se à sua iniciadora, a enfermeira Nina Kozlovskaya, que em 2019 lançou uma campanha sobre os baixos salários da equipe médica em Lviv. Com base na iniciativa informal, uma organização não governamental foi registrada (o que, por si só, facilita a ação e a solicitação de financiamento), e sindicatos independentes começaram a se formar em torno dela. Agora, a associação do movimento funciona como um guarda-chuva organizacional e uma plataforma para o desenvolvimento de organizações trabalhistas em todo o país. As organizações estão funcionando em Lviv, Poltava, Chernihiv, Kiev, e outras estão sendo formadas em Krivyi Rih e Dnipro. No futuro, está planejada uma unificação nacional de novos sindicatos independentes do setor. Como aprendemos com Oksana e Yulia, sua organização está aberta a todos os trabalhadores da área médica: médicos, enfermeiros, assistentes médicos e cuidadores. Sua atividade está centrada em três princípios principais: igualdade de gênero, direitos das mulheres e envolvimento direto dos membros. Somente em Lviv, cerca de 200 pessoas pertencem ao sindicato, mas a situação está evoluindo. O sindicato é totalmente independente dos empregadores, do Estado e dos partidos políticos. 

Inicialmente, os enfermeiros entraram em contato com os grandes sindicatos que já existiam no setor, mas eles tinham pouca ou nenhuma atividade.

O principal problema para os profissionais de saúde são os baixos salários, para muitos deles ainda mais reduzidos pela obrigação de trabalhar em tempo parcial, imposta de cima para baixo. Outros, por sua vez, enfrentam longas escalas de plantão e excesso de trabalho. Dependendo do cargo, da forma de emprego, da antiguidade e dos subsídios (ou da falta deles), os salários variam entre €50 e €300 por mês. Em comparação, os preços dos produtos e serviços em Lviv são bastante semelhantes aos dos países da UE, e o custo do aluguel de um apartamento é de cerca de 400 euros por mês. Os baixos salários também significam problemas para o sindicato. Todos os “ativos” do sindicato vêm das taxas de filiação, que equivalem a 1% dos salários.

Entre as necessidades mais urgentes estão as finanças necessárias para um maior desenvolvimento. Os sindicalistas precisam de dinheiro para viajar pelo país, alugar salas para reuniões ou comprar equipamentos eletrônicos para participar de reuniões on-line. No entanto, as necessidades estão mudando devido à situação dinâmica no setor de saúde e à situação na linha de frente. Para os profissionais de saúde, a guerra significa serviços de emergência na linha de frente, tratamento e transporte de feridos, hospitais e ambulatórios sobrecarregados (devido aos feridos e refugiados das áreas ocupadas e da linha de frente), escassez de medicamentos e equipamentos e aumento da carga de trabalho.  Paradoxalmente, o acesso à assistência médica também é limitado para aqueles que trabalham nela. Oficialmente, o Estado fornece assistência médica, mas, na prática, pouco é fornecido. Além disso, nem todas as doenças, especialmente as crônicas, são cobertas pelo programa de tratamento público. Muitos tratamentos são realizados apenas em clínicas particulares, que poucos podem pagar.

O Sindicato dos Trabalhadores Médicos recebeu um convite oficial para participar da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas e para participar de uma reunião internacional em São Paulo, Brasil, em setembro deste ano. Fizemos doações em dinheiro para as atividades na conta da organização, e mais coletas estão planejadas. 

A reunião com a organização estudantil Direct Action contou com a participação de um grupo de estudantes da Ucrânia, Polônia e França. Os organizadores da reunião foram Katya Gritseva e Maxim Shumakov. Maksym nos contou sobre as gerações do movimento Ação Direta. A primeira geração do movimento foi formada logo após o colapso da URSS, a segunda geração foi formada na segunda década do século XXI e participou dos eventos em Maidan, em Kiev, no final de 2013 e início de 2014. A terceira geração foi formada mais recentemente e tem cerca de 40 membros até o momento, e se distingue pelo fato de trabalhar em estreita colaboração com os sindicatos nos locais de trabalho. Além da Ação Direta, há também um sindicato estudantil oficial, que é totalmente inativo politicamente, apenas socioculturalmente, e é coordenado de perto com a universidade. No entanto, muitas pessoas pertencem formalmente ao sindicato, pois a universidade recebe dinheiro pelo número correspondente de membros do sindicato estudantil. É importante ressaltar que estudar na Ucrânia é pago, a menos que você se qualifique para uma bolsa de estudos, portanto, muitos homens e mulheres ucranianos não podem se dar ao luxo de estudar. Também vale a pena observar que o aluguel de apartamentos em Lviv durante a guerra ficou muito caro, além disso, o aluguel é pago em dólares. Durante a reunião, Katya também nos contou sobre a condição trágica das casas de estudantes em Lviv e em toda a Ucrânia: mofo onipresente, reboco caindo das paredes, a maioria dos quartos tem várias camas e alguns são habitados até por gatos de rua. Os jovens tiveram a oportunidade de trocar experiências sobre as atividades universitárias e encontrar pontos em comum.

A Direct Action recebeu dinheiro da International Trade Union Solidarity and Struggle Network para suas operações contínuas.

Kropivnytskyi – reunião com professores e entrega de equipamentos para os mineiros
Em 15 de junho, ao amanhecer, partimos para a cidade de Kropivnytskyi, no centro da Ucrânia, onde fomos recebidos por Volodymyr Fundovnyi e Valentina Nahod, do Sindicato Livre de Educação e Ciência da região de Kirovohrad (Kropivnytskyi é o centro administrativo da região). Nós nos reunimos com eles na escola onde funciona o escritório do sindicato. A pedido de nossos anfitriões, levamos um gerador de energia, um kit de energia de emergência, um mastro telescópico, um repetidor GSM, telefones e um conjunto de plugues e adaptadores. O equipamento foi destinado aos mineiros de urânio que servem no exército, cujo sindicato pertence à mesma confederação (KVPU).

O Sindicato Livre de Educação e Ciência da Ucrânia foi criado em 2003 em resposta a uma onda de protestos e descontentamento público acompanhada pela inação e conciliação dos sindicatos existentes no setor. 

O sindicato é ativo em todo o país, é independente de partidos políticos e pertence à Confederação de Sindicatos Livres da Ucrânia, da qual Volodymyr é presidente regional. Há 10.000 membros na região. Além dos professores (5.000 pessoas), há aqueles que trabalham na administração, nas cantinas, na equipe técnica e de limpeza. Um pequeno grupo de professores da universidade local também pertence ao sindicato. Com 60 membros, eles também são o único sindicato na escola onde nos reunimos.
 Os trabalhadores da educação estão lutando com salários baixos. A renda média dos professores é de 170 euros, um pouco acima do salário mínimo. Os ganhos dos professores em treinamento são ainda menores. Os aumentos salariais estavam programados para 2022, mas foram congelados quando a guerra estourou. Como parte de uma política de austeridade, muitos recebem um salário base sem vários subsídios.

Devido à forte feminização, poucas pessoas do sindicato foram mobilizadas para o exército. Portanto, os professores apoiam os mineiros locais que servem no exército na seção de Kherson.

Krivyi Rih – a cidade da indústria e da resistência dos trabalhadores
Chegamos a Krivyi Rih antes do anoitecer de 15 de junho. A cidade é um centro de mineração, metalurgia e protestos sociais radicais. Nosso principal parceiro nessa cidade é o Sindicato Independente dos Mineiros da Ucrânia (NPGU), que faz parte da Confederação dos Sindicatos Livres da Ucrânia (KVPU). Há 2.500 membros do NPGU na cidade, incluindo cerca de 800 mulheres.

Em 16 de junho, em uma das instalações do sindicato, nos reunimos com representantes do NPGU de várias minas. A reunião foi organizada pelo presidente Yuri Samoilov e pela secretária do sindicato, Natalia Shubenko. Conversamos sobre a realidade do trabalho em minas e usinas metalúrgicas e sobre a vida cotidiana de uma cidade industrial à sombra da guerra em curso. Os principais investidores e acionistas da cidade são: a gigante global Arcelor Mittal e os oligarcas ucranianos: Ihor Kolomoisky, Rinat Akhmetov e Oleksandr Yaroslavsky. Este último, uma semana antes da agressão russa, ficou famoso por sua fuga espetacular do país a bordo de um avião particular. No caminho para o aeroporto de Kharkiv, um dos carros que viajava em sua coluna atropelou fatalmente um pedestre. Para nossos anfitriões, Yaroslavsky tornou-se um símbolo dos “batalhões de voluntários de Mônaco” – proprietários e acionistas dos meios de produção que se refugiaram da guerra em resorts e paraísos fiscais europeus. É nesses lugares seguros, inacessíveis aos “meros mortais”, que são tomadas as decisões das quais dependem agora as condições de trabalho e de vida em Krivyi Rih. 

Atualmente, as fábricas locais não estão usando toda a sua capacidade. Muitos trabalhadores estão servindo no exército (alguns se ofereceram como voluntários, outros foram mobilizados). A cidade enfrenta problemas periódicos de fornecimento de energia e água, com foguetes e drones russos (ou estilhaços após serem abatidos pela defesa antiaérea ucraniana) caindo sobre a infraestrutura industrial.  As operações das usinas siderúrgicas e das minas estão ligadas às cadeias de suprimentos globais, que são interrompidas pelo bloqueio dos portos do Mar Negro (cuja alternativa é o transporte ferroviário sobrecarregado). Alguns trabalhadores são empregados em regime de meio período, sem garantia de horas de trabalho ou salários que atendam ao nível mínimo de subsistência, e alguns estão paralisados. As reformas introduzidas durante a guerra eliminaram a obrigação dos empregadores de pagar uma paralisação, oferecer tempo mínimo de trabalho remunerado ou pagar salários a funcionários que estejam servindo nas forças armadas. Entretanto, em algumas empresas, os sindicatos conseguem lutar para que essas garantias sejam mantidas.  

O sindicato apóia regularmente os membros que servem nas forças armadas, enviando-lhes equipamentos que não são fornecidos pelo Estado. De acordo com Yuri Samoilov, “todos estão pedindo drones e monóculos de visão térmica”, mas botas, sacos de dormir e outros equipamentos para atividades ao ar livre também são necessários. Para os que permanecem “na vida civil”, o sindicato compra lanternas (as luzes das ruas laterais não funcionam, o que é particularmente problemático no outono e no inverno) e spray de pimenta (os pequenos crimes aumentaram na cidade devido à recessão da guerra e às luzes das ruas inoperantes). No entanto, essas são despesas pequenas em comparação com o equipamento tático que está na lista de prioridades. Nosso comboio forneceu aos mineiros e metalúrgicos drones, dispositivos de imagem térmica, sacos de dormir, almofadas para dormir e tendas.

A reunião enfatizou a importância da cooperação e da solidariedade internacionais. O presidente Samoilov expressou a intenção de aderir à Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas, que a Confederação apresentou quando retornamos da Ucrânia.

No dia seguinte, nos reunimos com Vyacheslav Fedorenko, do Sindicato Livre dos Trabalhadores Ferroviários da Ucrânia (VPZU), que nos mostrou o depósito de locomotivas e compartilhou informações sobre as condições de trabalho na ferrovia. Com a proibição de greves e ações industriais, os sindicalistas estão se concentrando em esferas legais de atividade e regularmente ganham processos judiciais contra a Ukrainian Railways[1] por salários atrasados e subsídios não pagos. Como outros grupos trabalhistas, os ferroviários apoiam seus membros nas forças armadas. Além de fichários de documentos, as instalações do sindicato continham caixas de equipamentos táticos, roupas especiais e calçados.

No mesmo dia, fizemos um tour pela cidade e pelos depósitos de resíduos da mina, durante o qual Gleb Kozlov, um entusiasta da história local e filho de um mineiro, nos contou sobre as peculiaridades da indústria local e seu impacto no meio ambiente.

Em 18 de junho, visitamos o bairro de Sotsmisto, que em 1963 foi palco de protestos e revoltas de trabalhadores contra a polícia e as autoridades locais. Também nos foi mostrado o local onde o líder do movimento revolucionário e camponês Nestor Makhno discursou em 1917. No mesmo dia, também nos reunimos com o antropólogo Denys Shatalov, que nos fez um tour pelos locais e memoriais relacionados à revolução de 1917-1920 e aos monumentos culturais judaicos. Denys também nos contou sobre sua pesquisa sobre as percepções públicas da guerra.

Kiev – encontro com trabalhadores ferroviários e retorno a Varsóvia 
Em 19 de junho, partimos para Kiev, onde nos encontramos com Volodymyr Kozelskyi e Valery Petrovskyi, do Sindicato Livre dos Trabalhadores Ferroviários da Ucrânia. O sindicato está ativo em todo o país. Em Kiev, ele reúne 300 trabalhadores ferroviários e de transporte urbano. Com a ocupação russa da Crimeia e de partes das regiões de Donetsk e Luhansk, as atividades do sindicato nessas áreas foram paralisadas. Com a eclosão da guerra, os maquinistas dirigiram trens de evacuação e entregas de ajuda humanitária nas áreas da linha de frente (muitas vezes diretamente sob bombardeios). Atualmente, muitos ferroviários do sexo masculino estão servindo nas forças armadas e cada vez mais tarefas técnicas estão sendo assumidas por mulheres. Até recentemente, elas trabalhavam quase que exclusivamente como condutoras e no atendimento ao cliente. Como em Krivyi Rih, em Kiev, o sindicato está lutando pelo pagamento de salários atrasados e subsídios não pagos, e se opõe à carga de trabalho excessiva. Valery, técnico em um depósito de trens de passageiros, está atualmente servindo em uma unidade militar estacionada no centro da Ucrânia, de onde veio para nos encontrar. Sua esposa, condutora e membro do sindicato, e um grupo de doze homens e mulheres que trabalham na ferrovia servem na mesma unidade.

Durante a reunião, doamos alimentos e materiais de limpeza para nossos anfitriões, destinados em parte para a frente de batalha e em parte para os membros do sindicato com salários mais baixos. Tivemos a oportunidade de nos encontrar com Valery e sua esposa Luba em breve em Varsóvia.

À noite, tivemos uma breve reunião com Serhiy Movchan, da Solidarity Collectives, uma organização que fornece ajuda humanitária nas áreas de linha de frente e entrega equipamentos a membros de sindicatos e ativistas sociais que servem no exército. Pela manhã, tivemos uma breve reunião com Denys Pilash, da organização Social Movement (Sotsialnyi Rukh), e partimos para Varsóvia. No caminho de volta, visitamos Bucha e Borodianka, as cidades que foram particularmente afetadas pelas forças de ocupação russas na primavera de 2022.

Cooperação contínua – luta contínua
A cooperação com os sindicatos ucranianos não se limita às visitas do comboio. Após nosso retorno, a Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas doou dinheiro para o Sindicato dos Trabalhadores Médicos. Com os fundos da French Solidaires, os membros da IP compraram uma cadeira de rodas, que foi enviada a Lviv. No final de junho e início de julho, Valery e Luba, do Independent Railway Workers Union of Ukraine, visitaram a Polônia e a Itália. Na Itália, eles se reuniram com representantes da ADL Cobas e da CUB Transport. Na Polônia, eles receberam termovisores comprados de um fundo internacional.

Uma onda de protestos e greves tomou conta da Ucrânia, apesar da proibição oficial. Em 23 de junho, um protesto da equipe médica do vilarejo de Velikyi Lubyn, na região de Lviv, bloqueou a estrada entre as cidades de Sambor e Turka. Os manifestantes exigiram a renúncia do diretor de uma clínica, acusado por seus subordinados de corrupção e má administração. Em 15 de julho de 2023, uma manifestação de profissionais de saúde ocorreu em Krivyi Rih, exigindo o pagamento de salários atrasados. Várias centenas de pessoas se reuniram em frente ao prédio do conselho municipal, de onde saíram em passeata pela cidade gritando “Salário!”. Ao mesmo tempo, na cidade vizinha de Zhovti Vody, os mineiros de urânio se recusaram a ir para o subsolo até receberem seus salários atrasados. A lista de protestos e campanhas é muito maior e merece uma publicação separada.

Algumas observações finais
Desde março de 2022, a sociedade ucraniana vem lidando com políticas de cortes sociais e desregulamentação do código trabalhista. Ao mesmo tempo, é a classe trabalhadora que mantém o país funcionando, fornecendo infraestrutura, produtos e serviços funcionais. Esses são os trabalhadores que lutam e morrem na linha de frente. Nessas circunstâncias trágicas, estamos testemunhando uma mobilização de base sem precedentes da sociedade, na qual os sindicatos desempenham um papel importante. Essa mobilização social preenche o vazio deixado pelas autoridades. É de se esperar que, quando a guerra terminar (esperamos que com a vitória ucraniana), a reconstrução do país tenha um formato neoliberal. As autoridades ucranianas já estão convidando investidores internacionais e prometendo lucros enormes. Os sindicatos certamente terão muito trabalho e precisarão de apoio internacional. Há muitos indícios de crescente descontentamento social no país devastado pela guerra e economicamente deprimido. Conforme relatamos mais de uma vez, os trabalhadores ucranianos estão atualmente travando uma batalha em duas frentes. A primeira é a frente de resistência armada contra os invasores do Kremlin. A segunda é a frente dos direitos trabalhistas e sociais em face da desregulamentação das leis trabalhistas e dos cortes nos gastos sociais. A solidariedade internacional é necessária em ambas as frentes!  

[1] Apesar da privatização parcial, a ferrovia ucraniana conseguiu evitar ser dividida em empresas separadas.

Artigo publicado em: https://laboursolidarity.org/pt/n/2833/relatorio-do-terceiro-comboio-internacional-de-apoio-a-resistencia-operaria-ucraniana

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares