qui jun 20, 2024
quinta-feira, junho 20, 2024

Na Grã-Bretanha, a classe trabalhadora entra em cena

Vamos construir sindicatos democráticos de base

A onda de greves começou em junho de 2022. As greves, sejam locais ou regionais, inclusive algumas por fora da legislação de greve, conquistaram aumentos salariais substanciais e, em muitos casos, melhores condições de trabalho, como entre motoristas de ônibus e estivadores em Liverpool. As greves continuam, assim como a solidariedade generalizada de trabalhadores e bairros populares. Até maio de 2023, a menos que o governo mude sua ofensiva, 750.000 trabalhadores podem estar em greve.

Por: Danny James RCN, Margaret McAdam Unite, Martin Ralph UCU, Eraldo Strumiello UVW, Ashley Walker USDAW/LGBTQI+, Matt Prittlewell PCS, Membros da Liga Socialista Internacional (Grã-Bretanha)

O contexto da recente onda de greves

O aumento dos preços de energia, habitação, casa, alimentos e bebidas não alcoólicas atingiu duramente os trabalhadores e, apesar das previsões de recuperação econômica, a inflação de alimentos e bebidas não alcoólicas saltou para 19,1% ao ano em março, e a inflação nominal foi de 10,1 %. Assim, em alguns setores, devido a muitos motivos, inclusive especulação, os lucros subiram. O Banco da Inglaterra aumentou a taxa de juros 11 vezes seguidas, para 4,25%, supostamente para controlar a inflação, com a repetida afirmação diária de que aumentos salariais causam inflação. No entanto, esses aumentos de taxas afetam hipotecas e empréstimos pessoais e para pequenas empresas.

Como Karl Marx mostrou no panfleto “Salário, Preço e Lucro”, um discurso de Marx à Associação Internacional dos Trabalhadores em junho de 1865, o capitalismo não funciona pela vontade dos capitalistas. A capacidade de extrair mais-valia dos trabalhadores é constantemente interrompida pelas lutas dos trabalhadores e dificultada cada vez mais pelas leis da produção capitalista, como Marx mostrará mais adiante em “O Capital”. O capitalismo leva intrinsecamente a crises cíclicas, ao desequilíbrio entre produção e consumo e à destruição do meio ambiente. Além disso, suas contradições internas levam o sistema a aumentar constantemente a taxa de exploração e a atacar os lucros dos trabalhadores para lidar com sua crise de lucratividade. É fundamental estudar e não se deixar enganar pelo capitalismo de gangsters. Existe outro tipo de capitalismo no Reino Unido?

Em 2023, o Reino Unido pode ser o único país com contração econômica entre todas as economias avançadas e emergentes. Nos últimos dois anos, o custo de vida aumentou 17,2%.

No final de 2022, o salário médio em termos reais na Grã-Bretanha sofre a queda mais intensa em mais de duas décadas, desde 2001.

Sindicatos do setor público lideram onda de greves

A atual luta sindical está centrada no financiamento para os serviços públicos. O Governo recusa-se a aumentar o financiamento do Tesouro para pagar melhores salários. Todo mundo sabe que essa tem sido uma tática para encolher o NHS (Serviço Nacional de Saúde), a educação e outros setores públicos há anos. Ao mesmo tempo, o governo conservador pressionou pela privatização.

À medida que as greves continuam, aumenta a tensão entre a base sindical e seus dirigentes. Em abril, enfermeiras da base do RCN (Royal College of Nurses) tiveram que lutar contra seus líderes nacionais, que defenderam uma proposta lamentável; 54% dos trabalhadores votaram contra, concordando com o grupo de trabalhadores de base “NHS Workers Say NO!”. Eles têm 30.000 seguidores em diferentes sindicatos de saúde. A votação foi uma conquista extraordinária. Oficialmente, a reivindicação salarial do RCN é de 5% acima da inflação, porque os enfermeiros perderam £ 10.000 desde 2008 por não manter os salários alinhados com a inflação.

O resultado da votação no conflito do NHS, em que o UNISON aceitou a oferta do governo e o RCN a rejeitou, aguçou um debate que se alastrou entre os ativistas do RCN durante a votação da “Agenda for Change” que é um sistema de classificação salarial que abrange praticamente todos os trabalhadores – mais de um milhão – do SNS. Existe uma crença crescente nas fileiras do RCN de que os enfermeiros devem tentar deixar a “Agenda for Change” para negociar salários e condições independentemente do resto do NHS.

Isso se deve à crescente tensão entre os membros do RCN e o UNISON à medida que esse conflito se desenvolveu. O UNISON é o maior sindicato do NHS, com mais de 400.000 profissionais de saúde afiliados. No entanto, essas filiais estão concentradas principalmente nas categorias salariais mais baixas de funcionários administrativos, restaurantes e domésticos. Os ativistas do RCN previram (corretamente) que os membros do UNISON aceitariam qualquer oferta rebaixada do governo assim que fosse apresentada. Isso ocorre porque os escalões mais baixos são tão mal pagos que assumem uma atitude de “risco zero” para qualquer oferta feita a eles. Eles são aceitos simplesmente porque seu salário é muito baixo.

No entanto, isso deixa a profissão de enfermagem em uma posição difícil. O RCN continua de pé, mas não pode lutar isoladamente pelos enfermeiros; o sistema os obriga a lutar por todos devido ao sistema “Agenda for Change”. No entanto, agora que o UNISON deixou a luta, a força dos que permaneceram diminuiu seriamente. A base tem que construir a luta em todos os sindicatos da saúde. Ao mesmo tempo, é necessário construir a ação conjunta com todos os sindicatos em luta apesar de que a direção do RCN se opõe à unidade, até mesmo com médicos juniores em greve.

A British Medical Association (BMA) é um órgão profissional e também um sindicato, mas não é conhecida por sua combatividade. Eles estão realizando repetidos dias de greve para exigir um aumento salarial de 35% para retornar o salário dos médicos juniores aos níveis de 2008, tendo perdido £ 35.000 desde então devido a aumentos salariais abaixo da inflação.

O Sindicato Nacional da Educação (NEU), que representa cerca de 450.000 professores e pessoal de apoio, conquistou 57.000 membros desde janeiro após vários dias de luta salarial. Seus membros acabaram de rejeitar outra oferta insignificante e anunciaram mais greves nas próximas semanas. Tudo isso em um cenário de escassez de professores, prédios escolares em ruínas e subfinanciamento crônico da educação infantil no setor público.

O sindicato dos Serviços Públicos e Comerciais (PCS), que representa cerca de 193 mil trabalhadores dos setores público e privado, também cresceu graças às greves salariais e por condições de trabalho em ministérios e órgãos associados. Várias greves gerais de um dia foram convocadas, com o NEU e UCU em primeiro lugar, mas um programa contínuo de ações direcionadas mais sustentadas e de longo prazo também foi lançado em áreas onde o impacto imediato é mais sentido. Foi introduzida uma taxa de adesão para financiar o pagamento dos grevistas que participam nos períodos mais longos de ação, particularmente os com menores salários.

Ofertas de melhorias foram feitas na Escócia, mas o governo britânico não ofereceu nenhuma aos trabalhadores ingleses. Embora o programa até agora tenha sido uma melhoria em relação às greves nacionais anteriores de “bater e esperar”, resta saber se ele pode produzir resultados. A ação não foi ampla o suficiente, por um período sustentado e houve falta de coordenação com outros sindicatos.

O PCS está mais uma vez submetendo paralisações a referendo, conforme exigido pela última versão das leis antissindicais, e o resultado fornecerá um veredicto dos membros sobre se a atual estratégia seguida pela atual liderança do PCS está à altura da tarefa.

Os ferroviários da linha principal da Network Rail (representados pelo sindicato RMT) conquistaram um acordo de dois anos com reajuste salarial de 14% para os salários mais baixos e 9 % para os mais altos, índices abaixo da inflação, mas sem cláusulas antissindicais de trens sem operadores (driverless trains) ou de fechamento de bilheterias no primeiro ano (no segundo ano volta a disputa sobre estas cláusulas). Os trabalhadores da RMT votaram 76% a favor. A disputa salarial foi longa e o apoio vinha diminuindo em alguns setores, mas os trabalhadores da manutenção estão perdendo com as mudanças nas condições de trabalho. O RMT foi à votação sem recomendação da direção nacional, então a decisão do voto ficou nas mãos de cada membro do RMT, o que enfureceu os ativistas, já que a direção transmitiu aos setores da base um sentimento de impotência recusando-se a apresentar um plano real para intensificar e expandir a greve que incluísse dias de greve mais coordenados e a constante exigência do TUC de uma greve geral para conquistar todas as reivindicações.

Agora, uma nova batalha de longo prazo dos trabalhadores da limpeza do RMT significará greves nacionais em seu setor.

O RMT também está discutindo a ameaça de novas tecnologias aos trabalhadores ferroviários, incluindo o uso de trens e ônibus sem condutor. Um paralelo com o momento em que os trabalhadores portuários enfrentaram a conteinerização. O ponto principal é que, sem o controle dos trabalhadores sobre a nova tecnologia, seus ganhos serão prejudicados. É necessário desenvolver um programa para lidar com esta questão. Enquanto isso, os recursos dos contribuintes são convertidos diretamente em dividendos para os acionistas, já que é com dinheiro público que as empresas ferroviárias são indenizadas por perdas de greve, seguido por £ 82 milhões em dividendos.

A UCU (Sindicato dos Trabalhadores em Universidades) está em conflito há mais de seis meses e acaba de obter um novo mandato para continuar a greve com participação recorde. Como na disputa das enfermeiras, os primeiros seis meses de ação frustraram muitos membros de base, pois a administração regularmente adotava uma abordagem que minava as estruturas democráticas do sindicato e desmobilizava a greve. Entre outras coisas, cédulas eletrônicas foram enviadas a todos os membros com perguntas importantes sobre se a greve deveria ou não continuar, acompanhadas de transmissões paternalistas e de propaganda que promoviam a narrativa da administração e davam a entender que os trabalhadores estavam com medo de entrar em greve. Felizmente, os filiados voltaram a rejeitá-lo, mostrando que não perderam o apetite pela ação e que estão dispostos a lutar contra a direção da UCU e seus patrões para obter suas demandas.

A próxima fase da ação consiste em um boicote nacional de notas e avaliações, que tem se mostrado uma estratégia de grande sucesso nos conflitos locais, pois efetivamente estanca a cadeia de produção de diplomas universitários. Parece que, pelo menos por enquanto, a força da campanha de base fez com que a liderança abandonasse suas táticas antidemocráticas de cima para baixo e voltasse à ação.

O boicote começou em 20 de abril e os donos das universidades já estão assustados com as ameaças de deduções de multa de 50% a 100% se os trabalhadores participarem. No entanto, enquanto a liderança da UCU continuar a confiar nos afiliados para dirigir seu conflito, há uma possibilidade muito real de que as demandas da UCU sejam atendidas e uma vitória decisiva para o setor seja alcançada.

Um exemplo típico de ação militante

Mais de 3.000 trabalhadores da National Express (NX) afiliados ao sindicato Unite iniciaram uma greve por tempo indeterminado em 20 de março de 2023. Foi a primeira greve de ônibus da região em trinta anos em West Midlands (incluindo Birmingham, Coventry e Wolverhampton). Apenas funcionou um serviço esquelético para hospitais locais. Os salários dos trabalhadores do NX caíram em termos reais 6% entre 2018-2021. Apesar dos lucros antes dos impostos de £ 146 milhões em 2022, a NX se recusou a pagar salários vinculados à inflação ou abordar sérias questões de segurança e condições de trabalho, pois os trabalhadores estavam zangados. O sindicato Unite os apoiou e uma proposta inicial de 11% (mais um pagamento único de 2,3%) passou para 14,3%. No entanto, eles rejeitaram a oferta melhorada em uma segunda votação.

No início da greve houve intimidação nos piquetes, os ônibus foram impedidos de sair das garagens e a polícia foi acionada pelo menos uma vez. E os piquetes em muitas cidades receberam forte apoio de ativistas e outros trabalhadores em greve.

Em seguida, foi feita uma oferta de aumento de 16,2% na tarifa básica para todos os motoristas atuais, além de melhores condições, o que foi aceito pelos trabalhadores. Este não é o único exemplo; no ano passado diferentes formas de greve por tempo indeterminado foram realizadas com sucesso em muitas áreas do setor privado.

Trabalhadores precários entram na onda grevista

Existem dois sindicatos de base para trabalhadores mal pagos, imigrantes e precários que não estão no TUC. Um deles, o UVW (Vozes Unidas do Mundo) convocou uma votação simultânea em abril em 16 locais de trabalho, de nove empresas diferentes, para participar de uma greve coordenada neste verão.

Essa “greve de massa coordenada” inclui armazéns da Amazon, showrooms da Mercedes, a London School of Economics, o Ministério da Educação, uma prestigiosa escola particular do sul de Londres, a casa de repouso Sage, apartamentos de luxo e grandes blocos de escritórios. Está programada para ser a maior greve do UVW até hoje. Em 21 de abril, trabalhadores imigrantes do setor de limpeza em duas concessionárias da Mercedes ganharam 19,5% pouco antes do início da votação.

Algumas primeiras lições: precisamos de uma ação coordenada e de uma greve geral

Os sindicatos RCN, BMA, NEU, RMT, PCS continuam a organizar greves nacionais, e greves regionais e locais ocorrerão em maio. No entanto, podemos extrair algumas primeiras lições de um ano de luta. A primeira, e mais óbvia, é que a greve combativa compensa, pois os trabalhadores que lutaram ganharam aumentos drásticos nas ofertas salariais do governo.

A segunda lição é que o poder da classe trabalhadora britânica ainda não foi desencadeado e plenamente desenvolvido, pois as direções sindicais até agora não conseguiram organizar uma greve geral coordenada nacionalmente, envolvendo todos os setores ao mesmo tempo, e que promova os espaços sindicais de auto-organização das bases para assumir a direção da greve. Por isso é fundamental que os elementos combativos da luta de classes no movimento operário se unam e unam suas forças para exigir mais e melhor plano de luta de seus dirigentes sindicais. Em 1º de fevereiro de 2023, o TUC convocou um dia de ação contra a proposta de lei antissindical. Cinco grandes sindicatos coordenaram suas ações grevistas naquele dia acima de todas as questões particulares. Muitas cidades coordenaram ações às vezes por meio de TUCs locais. O impacto daquela greve foi imenso e pôde ser visto pela forma como os meios de comunicação de massa cobriram as manifestações e comícios, mas isso foi tudo. Naquele dia vislumbrou-se o poder da classe trabalhadora e deveria ter continuado com mais e maiores jornadas de ação conjunta para unir todos os setores em greve.

Os líderes sindicais não lutaram contra o TUC de maneira significativa para aumentar o número de dias de greve coordenada e a demanda por uma greve geral é inexistente, embora o líder do RMT, Mick Lynch, tenha dito que deve haver progresso em direção a uma greve geral para derrotar as leis antissindicais. Mas houve apenas alguns exemplos de campanhas de líderes de base para construir um movimento para uma greve geral.

Por fim, essa onda de greves mostrou que por trás das demandas econômicas está uma questão política: quais são as prioridades do atual governo? Como é possível que haja dinheiro para as grandes empresas e para a OTAN, e não o suficiente para os trabalhadores que mal conseguem sobreviver? A onda de greves também destaca a necessidade de construir uma alternativa política no país em que os trabalhadores tenham voz na política e na economia, um governo dos trabalhadores.

Solidariedade internacional

A onda de greves ganhou atenção e apoio mundial. Um grande exemplo é a luta dos trabalhadores das docas de Liverpool, que conseguiram aumentos salariais acima da inflação e melhores condições. Representantes dos estivadores viajaram do Chile e de Barcelona para mostrar sua solidariedade. E muitas centenas gritaram “No Pasarán” quando os piquetes foram informados de que nenhum navio relacionado a Liverpool seria embarcado ou desembarcado na Espanha.

Muitos sindicatos ligados à Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas enviaram mensagens de solidariedade, inclusive da Europa, América Latina, Paquistão e Índia.

Ataques paralelos à saúde, à educação e aos direitos dos trabalhadores estão ocorrendo em todo o mundo. Os trabalhadores de todos os países enfrentam um inimigo comum. Nossos camaradas, irmãos e irmãs têm uma chance melhor do que antes de construir organizações sindicais internacionais verdadeiramente eficazes enquanto lutamos.

Os trabalhadores britânicos estão aprendendo com as lutas de classe em outros países, como a França. Como disse Eraldo, membro do Comitê Executivo da UVW, sobre o movimento grevista francês: “Pouco a pouco a auto-organização dos trabalhadores está avançando para tornar efetivas as greves existentes e liderá-las de baixo para cima. Os trabalhadores também estão começando a discutir como estender a greve a mais setores, há setores que começaram a declarar greves sem sequer seguir o processo legal necessário, como é o caso dos ferroviários do centro técnico da SNCF em Châtillon, que inspiraram outro centro ferroviário em Lyon.”

Sindicatos contra-atacam ataques anti-LGBTQI+

Há um apoio significativo para as greves de grupos LGBTQI+. Em Liverpool, por exemplo, eles organizaram o apoio ao RMT desenhando e vendendo uma camiseta e arrecadando £ 1.000 para o fundo dos grevistas, graças ao seu apoio ativo, eles falaram várias vezes nas plataformas de greve. Eles também defenderam os direitos das pessoas trans e a reivindicação de uma greve geral em seus discursos, recebendo muitos aplausos.

O governo do Reino Unido tem lançado vários ataques contra a comunidade transgênero, desde impedir o governo escocês de tornar a vida mais fácil para as pessoas trans, até reestruturar serviços para jovens trans por apoiá-los demais de forma a reforçar incessantemente o preconceito injusto.

Esses ataques são motivados por vários motivos: em primeiro lugar, o atual partido conservador no comando do governo britânico sempre foi um bastião do fanatismo conservador; Em segundo lugar, está claro que os conservadores, mal sucedidos na sua “especialidade” – a economia – estão se concentrando na intolerância.

Os trabalhistas do candidato a primeiro-ministro Keir Starmer estão seguindo a mesma linha, mas usando uma linguagem mais suave. Ao mesmo tempo, Starmer não apóia piquetes nem promete um aumento real de salário para enfermeiras.

Entre os grevistas também há amplo apoio às comunidades imigrantes. E eles se mobilizaram contra os ataques racistas e de extrema direita aos requerentes de asilo que se espalharam pelo Reino Unido.

Governo culpa imigrantes e dá asas à extrema-direita

Este governo conservador está estimulando intencionalmente sentimentos anti-imigrantes, apoiados por uma mídia alegremente indolente, usando bodes expiatórios para desviar a atenção de uma crise econômica criada pelos próprios governantes. Temos uma ministra do Interior racista e cruel, Suella Braverman, apoiada pelo primeiro-ministro Rishi Sunak, que usa linguagem racista conscientemente incendiária e termos racistas banais sobre o estado em que nos encontramos: “invasão”, “enxames”, “criminosos albaneses”.

Ao mesmo tempo, Braverman castiga qualquer um que esteja do lado da humanidade, da decência ou da igualdade de direitos: “uma massa amorfa de advogados de esquerda”, “esquerdistas fora da caixinha”, comparados aos “patrióticos, advogados da lei” que disse ‘basta'”. Referindo-se aos 100 milhões de deslocados em todo o mundo, ela faz a sugestão absurda de que todos estão “vindo aqui”, sabendo que o Reino Unido está na verdade hospedando menos de 1% do total mundial.

A Lei da Imigração Ilegal, actualmente em tramitação no parlamento e que o Ministério do Interior reconhece ser incompatível com a Convenção Europeia dos Direitos Humanos, pretende eliminar o direito de pedir asilo ao Reino Unido a quem chega “irregularmente”, por exemplo atravessando o Canal em um pequeno barco. Qualquer um que chegar “irregularmente” enfrentará prisão imediata e deportação para o local de onde fugiu ou para um terceiro país, como Ruanda, que recebe £ 120 milhões em ajuda em troca. Este projeto de lei atinge novos patamares de crueldade e opressão no tratamento dos requerentes de asilo, com um primeiro-ministro cúmplice a fazer uma das suas cinco promessas pré-eleitorais de impedir que homens, mulheres e crianças atravessem o Canal da Mancha para pedir asilo sem pôr em prática qualquer rota segura e “legal”.

A crise migratória é um desastre, o sistema de asilo é intencionalmente ineficaz e caótico em um sistema econômico em crise. Em dezembro de 2022, havia 161.000 pessoas aguardando uma decisão inicial e mais de 4.000 aguardando a revisão de seu pedido de asilo. Há 51.000 pessoas hospedadas em hotéis em todo o país. Agora, o governo quer usar acomodações alternativas em quartéis militares e prisões abandonadas e em uma gigantesca barcaça de metal, com 220 quartos individuais para acomodar 500 requerentes de asilo.

Os migrantes estão fugindo da guerra, do trauma e da tortura, e milhares perderam suas vidas atravessando o Canal da Mancha e o Mediterrâneo; eles enfrentam abusos e condições terríveis em acomodações onde houve surtos de difteria; enquanto esperam por uma decisão, eles definham e não conseguem trabalhar ou continuar com suas vidas já traumatizadas.

As políticas de imigração do governo são desumanas, mas a oposição trabalhista está apenas argumentando que pode fazer o que os conservadores fazem, mas com mais eficácia. Tinha que ser um popular apresentador do “Match of the Day”, Gary Lineker, que assumiu uma posição moral e usou sua voz para se opor publicamente à linguagem racista usada e condenar o projeto de lei como imensuravelmente cruel e desproporcional.

O uso de linguagem violenta e inflamatória por Braverman e Sunak encoraja os partidos de extrema direita a espalhar seu ódio e discórdia, jogando com os medos de bairros empobrecidos. As manifestações, muitas delas organizadas pela extrema direita, têm como alvo o alojamento em hotéis para asilados por todo o país, com intimidação e violência coletiva. Em resposta, os sindicatos estão instando os trabalhadores a se mobilizarem contra a extrema direita, culpando altos funcionários conservadores por atiçar as chamas do ódio e da discórdia ao concordar com os protestos, seu uso de retórica racista e suas políticas racistas.

As pessoas não vão parar de fugir da guerra e da perseguição em busca de segurança e continuarão a viajar para o Reino Unido por todos os meios que puderem. O projeto de lei, como o acordo com Ruanda, provavelmente enfrentará muitos desafios legais antes de mudar alguma coisa, se é que alguma coisa, como muitos especialistas afirmaram, é inviável. O que estamos vendo é uma política performática, uma distração de um governo cruel que apela aos eleitores dos chamados cinturões vermelhos (trabalhistas) e fabrica uma crise de imigração com os olhos postos nas próximas eleições.

Leis antissindicais e antiprotestos

A nova legislação antissindical de Rishi Sunak visa destruir as greves, mas as leis antissindicais existentes até agora fracassaram em impedir as greves. A crise conservadora é tamanha que as ações dos trabalhadores (e o agravamento da crise econômica) derrubaram Boris Johnson no verão passado.

Sunak quer introduzir uma Lei de Greve (Níveis Mínimos de Serviço) para colocar mais obstáculos aos sindicatos antes que sua posição como primeiro-ministro seja seriamente ameaçada. Os principais advogados trabalhistas alegaram que isso tornará o Reino Unido “um dos países mais difíceis do mundo democrático para entrar em greve e pode estar violando as obrigações do tratado”.

A lei dá aos empregadores a capacidade de forçar os sindicatos a requisitar trabalhadores em greve se seu setor estiver coberto por restrições mínimas de nível de serviço, por exemplo, em ferrovias, saúde ou educação. Uma lei desse tipo obrigaria os sindicatos a nomear os filiados para quebrar a greve que eles próprios votaram.

Isso segue a Lei de Polícia, Crime, Sentença e Tribunais (PCSC), que foi sancionada em setembro de 2022. Ela impõe muitas restrições ao direito de protestar. A polícia pode interromper as manifestações se, entre outras coisas, considerar que são muito barulhentas ou se um protesto pacífico estiver interrompendo a atividade comercial normal.

A ação unificada de greves e manifestações é a única forma de derrotar este ataque, mas o TUC não está organizando nenhuma grande ofensiva. Isso significa que a base tem que construir e exigir um plano de ação nacional para desafiar as lideranças a lutar contra as leis antissindicais e antigreves.

O governo conservador deve sair

Os conservadores estão tentando encontrar uma maneira de desviar e parar a onda de greves. Além das leis anti-sindicais, eles estão legislando contra os imigrantes. Eles estão exacerbando os problemas que os imigrantes enfrentam enquanto aumentam a retórica para desviar a culpa pela atual crise do custo de vida. Esta é também a razão da atual “guerra cultural” travada pelas figuras mais odiosas da direita, dentro e fora do Partido Conservador. Eles também estão dando uma mão aos fascistas. É por isso que a onda de greves e os trabalhadores em geral devem tomar a iniciativa de defender todos os imigrantes, lutar contra os controles de imigração e a ascensão da extrema direita. Isso também inclui a mobilização sindical e organização comunitária para construir solidariedade ativa com a resistência ucraniana à invasão russa de forma independente.

O movimento grevista precisa coordenar a ação e construir uma greve geral. Muitos trabalhadores dos piquetes concordaram com essa ideia, mas, como as enfermeiras do RCN, é preciso haver luta e organização de base contra as direções nacionais que nunca mencionam ou se opõem à greve geral unitária.

O grande desafio das bases é construir uma organização combativa, democrática, internacionalista e permanente para lutar por salários, condições de trabalho e eliminar todas as privatizações. E construir junto com todos os oprimidos e os bairros operários para unificar as questões importantes que levam os trabalhadores a lutar contra um governo odiado.

Uma característica do ascenso na luta dos trabalhadores em todos os continentes é o contexto internacional em que se desenvolvem. Hoje, mais do que nunca em sua história, a evolução da exploração capitalista levanta questões internacionais para todas as lutas sérias dos trabalhadores. As transnacionais exploram o planeta. Em todos os lugares, as classes dominantes e seus governos, tanto no Oriente quanto no Ocidente, estão atacando as conquistas da classe trabalhadora. Os ataques à saúde, educação e bem-estar são globais. Flexibilidade trabalhista, jornada de trabalho incerta, contratos restritivos estão por toda parte, com a repressão aos direitos da classe trabalhadora apoiada na maioria dos países por restrições legais às organizações e lutas trabalhistas.

Apoiemos a ação coordenada e a greve geral

Vamos nos mobilizar para derrotar as leis anti-sindicais e anti-imigração.

Trabalhadores nativos e estrangeiros são uma só classe trabalhadora!

BAIXE A REVISTA AQUI

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares