sex jun 14, 2024
sexta-feira, junho 14, 2024

É verdade que acabaram os privilégios fiscais da igreja no Estado espanhol?

Se algo caracterizou o governo de coalizão PSOE-Unidas Podemos ao longo de sua legislatura, foi a enorme publicidade e propaganda que envolveu cada uma das medidas anunciadas.

Por: Antonio Rodríguez / Corriente Roja

Em 29 de maio de 2020, foi aprovado a Renda (Ingreso) Vital Mínima (IMV), descrito pelo ex-vice-presidente Pablo Iglesias e pela ministra do Trabalho Yolanda Díaz como “o maior avanço em direitos sociais desde a lei de dependência“. Mas alguns meses depois, a realidade desmentiu a propaganda. A UGT, sindicato nada suspeito de posições antigovernamentais, declarou que das quase 715 mil solicitações apresentadas, apenas 32.629 foram resolvidas e, destes últimos, mais de 28 mil foram indeferidas.

Em dezembro do mesmo ano, foi acordada a nova Reforma Trabalhista, que nas palavras de Yolanda Díaz não foi “um retoque”, mas sim “uma mudança fundamental de paradigma”. “Conseguimos em um ano de Reforma Trabalhista o que não conseguimos nos 40 anos anteriores.” Com a nova Reforma (que acabou por não ser revogada apesar de fazer parte do acordo de posse) tentaram convencer-nos de que a precariedade e o trabalho temporário iriam desaparecer. No entanto, com o passar do tempo ficou amplamente demonstrado que as empresas continuam a ter em mãos diferentes mecanismos para continuar a perpetuar esse carácter temporário sob a máscara de um contrato fixo: os contratos fixos descontínuos. Este tipo de modalidade, embora seja considerada indefinida por não ter data de término, na realidade não é. Na prática, exercem uma atividade sazonal por alguns meses e ficam sem trabalho durante grande parte do ano. Outra conclusão que podemos tirar desta reforma é que aumentou a segunda causa da pobreza no emprego: a parcialidade. O que nos leva a pensar, mais uma vez, que a precariedade no trabalho é simplesmente passar de uma modalidade para outra.

A Lei da Memória Democrática, que, segundo o Ministro Félix Bolaños, “Virava definitivamente a página do período mais sombrio da nossa história, da Ditadura e da Guerra Civil, e abraçamos e reivindicamos o melhor da nossa história, as pessoas que lutaram pela democracia, pela Transição, pela Lei de Anistia e pela Constituição”. E que, na opinião da maioria dos coletivos memorialistas, o principal obstáculo continua sem solução: a revogação da Lei de Anistia, que foi a lei definitiva para absolver os crimes da ditadura e proteger os criminosos que hoje continuam em cargos de enorme poder. Uma lei que até hoje continua sendo um dos principais obstáculos para facilitar a verdade, a justiça e a reparação das vítimas da Guerra Civil e do franquismo.

Ou a Lei da Habitação e o aumento do SMI que também foram vendidos como um grande avanço para a classe trabalhadora e não passaram de migalhas e uma nova quebra de outra de suas promessas estrela como a questão da moradia onde o número de despejos não parou de crescer.

Nesse sentido, e como parte desse balanço triunfalista do governo, nos últimos dias assistimos a um novo pacto firmado entre o ministro da Presidência, Félix Bolaños, e o núncio apostólico para acabar com os privilégios fiscais da Igreja na Estado espanhol: “Ninguém mais poderá dizer que a Igreja está em situação privilegiada”, declarou o vice-secretário para Assuntos Econômicos da Conferência Episcopal, Fernando Giménez Barriocanal.

Mas, é verdade que acabaram os privilégios fiscais da Igreja no Estado espanhol? Ou, pelo contrário, estamos a assistir mais uma vez a uma nova campanha de autopromoção a que já estamos habituados/as? Vamos ver:

O governo prometeu no seu programa rever a tributação da Igreja e retirar a isenção do IBI nos edifícios não dedicados ao culto, mas longe desse compromisso, o que o governo e a instituição católica acordaram é a renúncia da isenção de dois pequenos impostos locais que são na verdade «o chocolate do papagaio» (1). Para Juanjo Picó, porta-voz da Europa Laica, é “uma cortina de fumaça para esconder outras questões mais importantes a serem resolvidas sobre a relação Igreja-Estado”. Sua organização exige a revogação de todos os Acordos de 1979 com a Santa Sé “como condição indesculpável e democrática para promover a liberdade de consciência e a laicidade do Estado”.

Na realidade, a Igreja passará a pagar dois impostos dos quais esteve isenta nas últimas décadas:  o de Construções, Instalações e Obras (ICIO) e de Contribuições Especiais, que segundo cálculos do governo, vão contribuir para os cofres com cerca de 16 milhões euros por ano. Em outras palavras, a Igreja terá de pagar a taxa correspondente quando realizar obras nos seus imóveis de sua propriedade ou em áreas ou elementos de propriedade municipal, mas que são exclusivos desta entidade. O cenário feito pela Igreja e pelo Governo onde destacavam que agora vai ser pago o imposto ICIO, esconde o fato de esta matéria já ter sido questionada pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), numa sentença de 2017 que obrigou os bispos a pagar a referida taxa devido a algumas obras de ampliação de uma escola em Getafe após uma reclamação do próprio conselho.

Por outro lado, a Igreja continuará sem pagar impostos sobre os seus bens imóveis como o Imposto sobre Imóveis e Imóveis (IBI), o das Heranças, Doações e Transmissões Patrimoniais, o que atesta que a Igreja continua a manter enormes vantagens fiscais no Estado espanhol. Algo que o Executivo considerou modificar em 2018, mas que não foi realizado ao longo de seu governo. Para a Europa Secular, só do IBI, restam mais de 700 milhões de euros anuais para entrar nos cofres públicos, incluindo bens rurais e urbanos, destinados ao culto ou não. Concretamente, nas cinco maiores cidades espanholas, segundo dados das próprias câmaras municipais, ultrapassam os 15 milhões por ano. Deve-se levar em conta que entre 1998 e 2015, os registros de bens realizados pela Igreja foram 34.961. Destes, 20.014 eram templos ou dependências complementares e 14.947 de outras características (terrenos, lotes, casas, dependências, etc.). A grande maioria (30.335) foi realizada unicamente com “a fé da autoridade eclesiástica correspondente”. Ou seja, atestar a titularidade de qualquer bem sem a necessidade de título de propriedade.

A Igreja esconde-se atrás do facto de todas as entidades sem fins lucrativos beneficiarem de um regime fiscal especial estabelecido na famosa Lei do Mecenato (2), considerando que prestam um serviço à sociedade e contribuem para o bem comum. Um argumento que carece de peso, já que o imenso patrimônio da Igreja em todo o território espanhol não pode ser equiparado ao de organizações sem fins lucrativos, fundações partidárias ou sindicatos, que também gozam dessa vantagem. A Igreja ainda é atualmente um dos maiores proprietários de imóveis do Estado espanhol.

Por último, destacar que no passado mês de fevereiro a Conferência Episcopal comunicou que o montante total atribuído à Igreja através da Declaração de Renda de 2022 ascendeu a 320.723.062 euros, 8,5% mais do que no ano anterior. O IRPF é um privilégio que a Igreja Católica continua a ter contra a natureza não confessional do Estado.

(1) “O chocolate do papagaio”

É uma expressão que se usa para designar aquela situação em que tentam equilibrar a economia doméstica dispensando apenas pequenas despesas, sem entrar nas grandes.

Na Madri do século XVIII, uma guloseima não existia se não houvesse uma xícara de chocolate como parte dela. O produto era caro e assim, habitualmente, os indianos ostentavam sua riqueza. Alguns desses indianos trouxeram um papagaio de sua época na América, que eles exibiram com orgulho em sua sala de estar. O papagaio, dentro de sua luxuosa gaiola, tinha um recipiente com chocolate para bicar, apesar do custo da iguaria.

Quando uma dessas pessoas ricas que ofereciam chocolate em todos os lugares, até para seu papagaio, começou a declinar financeiramente, eles privaram o pobre animal do capricho. Mas continuaram a oferecer chocolate aos convidados de suas festas, pois senão sua penúria seria revelada.

(2) Lei de Mecenato. O objetivo desta Lei é regular o regime tributário das entidades sem fins lucrativos nela definidas, em atenção à sua função social, atividades e características. Da mesma forma, tem por objetivo regulamentar os incentivos fiscais ao mecenato.

É verdade que acabaram os privilégios fiscais da igreja no Estado espanhol?

Se algo caracterizou o governo de coalizão PSOE-Unidas Podemos ao longo de sua legislatura, foi a enorme publicidade e propaganda que envolveu cada uma das medidas anunciadas.

Por: Antonio Rodríguez / Corrente Vermelha

Em 29 de maio de 2020, foi aprovado a Renda (Ingreso) Vital Mínima (IMV), descrito pelo ex-vice-presidente Pablo Iglesias e pela ministra do Trabalho Yolanda Díaz como “o maior avanço em direitos sociais desde a lei de dependência“. Mas alguns meses depois, a realidade desmentiu a propaganda. A UGT, sindicato nada suspeito de posições antigovernamentais, declarou que das quase 715 mil solicitações apresentadas, apenas 32.629 foram resolvidas e, destes últimos, mais de 28 mil foram indeferidas.

Em dezembro do mesmo ano, foi acordada a nova Reforma Trabalhista, que nas palavras de Yolanda Díaz não foi “um retoque”, mas sim “uma mudança fundamental de paradigma”. “Conseguimos em um ano de Reforma Trabalhista o que não conseguimos nos 40 anos anteriores.” Com a nova Reforma (que acabou por não ser revogada apesar de fazer parte do acordo de posse) tentaram convencer-nos de que a precariedade e o trabalho temporário iriam desaparecer. No entanto, com o passar do tempo ficou amplamente demonstrado que as empresas continuam a ter em mãos diferentes mecanismos para continuar a perpetuar esse carácter temporário sob a máscara de um contrato fixo: os contratos fixos descontínuos. Este tipo de modalidade, embora seja considerada indefinida por não ter data de término, na realidade não é. Na prática, exercem uma atividade sazonal por alguns meses e ficam sem trabalho durante grande parte do ano. Outra conclusão que podemos tirar desta reforma é que aumentou a segunda causa da pobreza no emprego: a parcialidade. O que nos leva a pensar, mais uma vez, que a precariedade no trabalho é simplesmente passar de uma modalidade para outra.

A Lei da Memória Democrática, que, segundo o Ministro Félix Bolaños, “Virava definitivamente a página do período mais sombrio da nossa história, da Ditadura e da Guerra Civil, e abraçamos e reivindicamos o melhor da nossa história, as pessoas que lutaram pela democracia, pela Transição, pela Lei de Anistia e pela Constituição”. E que, na opinião da maioria dos coletivos memorialistas, o principal obstáculo continua sem solução: a revogação da Lei de Anistia, que foi a lei definitiva para absolver os crimes da ditadura e proteger os criminosos que hoje continuam em cargos de enorme poder. Uma lei que até hoje continua sendo um dos principais obstáculos para facilitar a verdade, a justiça e a reparação das vítimas da Guerra Civil e do franquismo.

Ou a Lei da Habitação e o aumento do SMI que também foram vendidos como um grande avanço para a classe trabalhadora e não passaram de migalhas e uma nova quebra de outra de suas promessas estrela como a questão da moradia onde o número de despejos não parou de crescer.

Nesse sentido, e como parte desse balanço triunfalista do governo, nos últimos dias assistimos a um novo pacto firmado entre o ministro da Presidência, Félix Bolaños, e o núncio apostólico para acabar com os privilégios fiscais da Igreja na Estado espanhol: “Ninguém mais poderá dizer que a Igreja está em situação privilegiada”, declarou o vice-secretário para Assuntos Econômicos da Conferência Episcopal, Fernando Giménez Barriocanal.

Mas, é verdade que acabaram os privilégios fiscais da Igreja no Estado espanhol? Ou, pelo contrário, estamos a assistir mais uma vez a uma nova campanha de autopromoção a que já estamos habituados/as? Vamos ver:

O governo prometeu no seu programa rever a tributação da Igreja e retirar a isenção do IBI nos edifícios não dedicados ao culto, mas longe desse compromisso, o que o governo e a instituição católica acordaram é a renúncia da isenção de dois pequenos impostos locais que são na verdade «o chocolate do papagaio» (1). Para Juanjo Picó, porta-voz da Europa Laica, é “uma cortina de fumaça para esconder outras questões mais importantes a serem resolvidas sobre a relação Igreja-Estado”. Sua organização exige a revogação de todos os Acordos de 1979 com a Santa Sé “como condição indesculpável e democrática para promover a liberdade de consciência e a laicidade do Estado”.

Na realidade, a Igreja passará a pagar dois impostos dos quais esteve isenta nas últimas décadas:  o de Construções, Instalações e Obras (ICIO) e de Contribuições Especiais, que segundo cálculos do governo, vão contribuir para os cofres com cerca de 16 milhões euros por ano. Em outras palavras, a Igreja terá de pagar a taxa correspondente quando realizar obras nos seus imóveis de sua propriedade ou em áreas ou elementos de propriedade municipal, mas que são exclusivos desta entidade. O cenário feito pela Igreja e pelo Governo onde destacavam que agora vai ser pago o imposto ICIO, esconde o fato de esta matéria já ter sido questionada pelo Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE), numa sentença de 2017 que obrigou os bispos a pagar a referida taxa devido a algumas obras de ampliação de uma escola em Getafe após uma reclamação do próprio conselho.

Por outro lado, a Igreja continuará sem pagar impostos sobre os seus bens imóveis como o Imposto sobre Imóveis e Imóveis (IBI), o das Heranças, Doações e Transmissões Patrimoniais, o que atesta que a Igreja continua a manter enormes vantagens fiscais no Estado espanhol. Algo que o Executivo considerou modificar em 2018, mas que não foi realizado ao longo de seu governo. Para a Europa Secular, só do IBI, restam mais de 700 milhões de euros anuais para entrar nos cofres públicos, incluindo bens rurais e urbanos, destinados ao culto ou não. Concretamente, nas cinco maiores cidades espanholas, segundo dados das próprias câmaras municipais, ultrapassam os 15 milhões por ano. Deve-se levar em conta que entre 1998 e 2015, os registros de bens realizados pela Igreja foram 34.961. Destes, 20.014 eram templos ou dependências complementares e 14.947 de outras características (terrenos, lotes, casas, dependências, etc.). A grande maioria (30.335) foi realizada unicamente com “a fé da autoridade eclesiástica correspondente”. Ou seja, atestar a titularidade de qualquer bem sem a necessidade de título de propriedade.

A Igreja esconde-se atrás do facto de todas as entidades sem fins lucrativos beneficiarem de um regime fiscal especial estabelecido na famosa Lei do Mecenato (2), considerando que prestam um serviço à sociedade e contribuem para o bem comum. Um argumento que carece de peso, já que o imenso patrimônio da Igreja em todo o território espanhol não pode ser equiparado ao de organizações sem fins lucrativos, fundações partidárias ou sindicatos, que também gozam dessa vantagem. A Igreja ainda é atualmente um dos maiores proprietários de imóveis do Estado espanhol.

Por último, destacar que no passado mês de fevereiro a Conferência Episcopal comunicou que o montante total atribuído à Igreja através da Declaração de Renda de 2022 ascendeu a 320.723.062 euros, 8,5% mais do que no ano anterior. O IRPF é um privilégio que a Igreja Católica continua a ter contra a natureza não confessional do Estado.

(1) “O chocolate do papagaio”

É uma expressão que se usa para designar aquela situação em que tentam equilibrar a economia doméstica dispensando apenas pequenas despesas, sem entrar nas grandes.

Na Madri do século XVIII, uma guloseima não existia se não houvesse uma xícara de chocolate como parte dela. O produto era caro e assim, habitualmente, os indianos ostentavam sua riqueza. Alguns desses indianos trouxeram um papagaio de sua época na América, que eles exibiram com orgulho em sua sala de estar. O papagaio, dentro de sua luxuosa gaiola, tinha um recipiente com chocolate para bicar, apesar do custo da iguaria.

Quando uma dessas pessoas ricas que ofereciam chocolate em todos os lugares, até para seu papagaio, começou a declinar financeiramente, eles privaram o pobre animal do capricho. Mas continuaram a oferecer chocolate aos convidados de suas festas, pois senão sua penúria seria revelada.

(2) Lei de Mecenato. O objetivo desta Lei é regular o regime tributário das entidades sem fins lucrativos nela definidas, em atenção à sua função social, atividades e características. Da mesma forma, tem por objetivo regulamentar os incentivos fiscais ao mecenato.

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares