dom abr 21, 2024
domingo, abril 21, 2024

Irã | Apesar de Bani Sadr, a revolução iraniana continua [1980]

Depois que o camarada Ernesto González terminou seu artigo sobre o Irã, ocorreu algo que chamou a atenção de toda a imprensa burguesa: a eleição de Bani Sadr à presidência. O mesmo que alguns meses antes teve que renunciar ao cargo de ministro das relações exteriores denunciado pelos estudantes que ocupavam a embaixada dos EUA, por sua política de acordo com o imperialismo.

Por: Júlio Valentim

Revista Correspondência Internacional No. 2, abril de 1980, pp. 47-51

Toda a imprensa burguesa viu na eleição de Bani Sadr uma manifestação do que chamavam de “cansaço da população iraniana pela desordem e anarquia”. Isso quer dizer, na linguagem particular dos jornalistas burgueses, retrocesso da revolução nesse país e nessa região fundamental para a ordem imperialista. Nos editoriais desses jornais havia unanimidade em saudar “o retorno do Irã ao concerto das nações civilizadas”. Colunistas que só usavam vermelho e preto para pintar a situação no Irã imediatamente começaram a sonhar com a possibilidade de ver uma “república islâmica” instalada no Irã que estabilizaria a revolução.

Nos dias que se seguiram à sua eleição, Bani Sadr acumulou um número impressionante de declarações: a ordem iria voltar a Teerão em poucos dias, os poderes “paralelos” iriam desaparecer, os “reféns” seriam libertados, as guerrilhas direitistas do Afeganistão iriam receber uma ajuda maciça.

No início, o imperialismo ianque fez alguns gestos para ajudar Bani Sadr: algumas das medidas adotadas pelo imperialismo dos Estados Unidos contra o povo e a revolução iraniana foram suprimidas. Em poucas semanas, porém, uma nova mudança de atitude: a satisfação dos círculos imperialistas transformou-se em cautela e, mais tarde, a cautela em franca decepção. Hodding Carter, que semanas atrás se declarava satisfeito com a situação no Irã, começou a declarar: “Não parece útil, neste momento, comentar a evolução da situação”.

Mas a mudança mais espetacular ocorreu no próprio Bani Sadr. O homem que anunciava o fim do duplo poder, teve que começar a reconhecer: “… eu só fui nomeado presidente do Conselho da Revolução, que continua a exercer os seus poderes legislativo e executivo…” O homem que anunciava que os “reféns” seriam libertados em apenas alguns dias sem pedir a opinião dos estudantes e das massas iranianas que apoiavam os estudantes, teve que declarar “… nunca recorreremos à força contra os jovens patriotas sinceramente revolucionários e cujos sentimentos revolucionários não podem ser colocados em dúvida…” O mesmo Bani Sadr que anunciava o início de uma guerra santa contra as tropas soviéticas no Afeganistão, teve que voltar e declarar “… não começamos a dar ajuda, porque antes de tudo, temos que distinguir os grupos afegãos ligados aos Estados Unidos e ao Paquistão e aqueles que combatem sinceramente pela independência nacional…”

Bani Sadr é o homem do acordo com o imperialismo. É através dele que o regime de Carter tentará uma nova fase da ofensiva contrarrevolucionária contra as massas iranianas. No entanto, esses “retrocessos” do até pouco tempo arrogante presidente, traduzem bem um fato fundamental: a revolução no Irã está em marcha; não retrocedeu. Nesse sentido, os novos acontecimentos confirmam totalmente a análise do camarada Ernesto González: o Irã continua sendo o centro de uma grande revolução que está apenas começando.

O povo iraniano exige a extradição do Xá; Bani Sadr se opõe a essa reivindicação. O artigo que o leitor lerá a seguir enfatiza a luta pela extradição do Xá como parte da defesa da revolução iraniana contra as ameaças do imperialismo e do próprio governo de Bani Sadr.

Há um ano, a revolução iraniana

Um ano após a fuga do Xá, em 16 de janeiro de 1980, J. M. Durand-Soufland, no Le Monde, tentou apresentar um balanço desmoralizante da revolução iraniana, recuperando algumas versões e encerrando seu artigo com as seguintes referências: “Estamos administrando a anarquia”, confessou a um compatriota nosso, um funcionário da polícia de uma cidade provinciana; “obedecemos a vários ministérios”, lamentou outro; “O Irã está doente, muito doente”, disse-nos um professor universitário; e um estudante rapidamente concluía: “O Irã está perdido”, há apenas uma pequena chance de saída: renunciar à “república islâmica” em favor de uma república verdadeiramente democrática, sem Mohllas nem turbantes: “triste constatação para um primeiro aniversário” (os destacados são nossos).

Essa anarquia que preocupa o editorialista do Le Monde é a revolução iraniana que continua sendo hoje o ponto mais ardente da luta de classes em escala mundial. São as massas que estão na ofensiva e não permitem que se estabilize o novo regime burguês e nacionalista dirigido por Khomeini.

A provocação desavergonhada do imperialismo ianque, de receber o Xá, serviu de estímulo a essas massas para abrir um novo período de mobilizações que se centraram na ocupação da embaixada dos Estados Unidos em Teerã e que culminaram no processo aberto dos reféns, acusado de espionagem. Sim, a revolução iraniana continua viva. Apesar de ainda não haver um partido revolucionário para dirigi-la, a revolução não foi domada nem desviada e, portanto, precisa do apoio incondicional de todo o movimento operário e popular do mundo para evitar que seja derrotada.

Mas a constatação dessa vitalidade revolucionária da classe trabalhadora iraniana e de outros setores populares não significa que ignoremos ou minimizemos os perigos que espreitam o processo. O imperialismo norte-americano, castigado após a derrota no Vietnã, recebeu um novo golpe no Irã, mas não se transformou em um tigre “de papel”, como gostavam de dizer os seguidores de Mao. Carter e seus associados estão usando o argumento dos “reféns” para orquestrar, em escala global, uma ofensiva de todos os tipos, começando pela propaganda e pela diplomacia, mas que já tem efeitos econômicos e militares, embora estes não tenham se materializado em uma invasão direta como no Vietnã. Isso é um fato, e os revolucionários de todo o mundo não podem ter dúvidas sobre de que lado da barricada se posicionar.

Diante dos ataques e provocações do imperialismo, os marxistas revolucionários, os trotskistas, estamos com as massas e os povos iranianos e fazemos nossas as palavras de ordem fundamentais que os mobilizam hoje. O direito democrático de julgar o ditador mais sangrento dos últimos tempos é um direito mínimo que ninguém pode negar-lhes. E é por isso que a exigência de extradição do Xá pelas massas iranianas deve merecer todo o nosso apoio, não por uma atitude moral, mas porque essa reivindicação mínima democrática é a que hoje mobiliza milhões e milhões de pessoas.

Se realmente entendemos o que significa o Programa de Transição, se realmente aprendemos a levar em conta as massas partindo de seu grau de consciência e de suas necessidades, devemos saber que hoje essa exigência é também o melhor estímulo para o aprofundamento do processo revolucionário que estamos vivendo. Não pode haver desculpa para deixar de fornecer esse apoio. A luta contra a ameaça imperialista está integrada com a luta contra o desemprego e a inflação, a luta pelos direitos sindicais e democráticos, especialmente das nacionalidades oprimidas, e a luta por uma Assembleia Constituinte, pela nacionalização do comércio exterior e todas as empresas imperialistas e capitalistas: a luta pela entrega da terra aos camponeses pobres ou sem-terra, a luta pelos direitos das mulheres; e todas essas reivindicações devem ter como eixo a luta pela extensão dos comitês operários e populares e sua centralização e a luta por um governo operário e camponês, integradas à luta contra a ameaça imperialista. Esta é uma questão de princípio para os trotskistas.

Mas isso não pode ser uma mera declaração. Isso implica um compromisso e uma atividade em defesa do Irã, como é hoje, contra essa ameaça. Isso implica acordos para ações com todas as forças que se opõem a essas ameaças. Esta política de unidade na ação contra as ameaças do imperialismo ianque é a melhor maneira de garantir uma luta consequente para os outros aspectos programáticos dos marxistas revolucionários. Qualquer outra atitude é mera declamação internacionalista e anti-imperialista e não uma autêntica política revolucionária.

A invasão das tropas soviéticas no Afeganistão é a melhor ajuda que os ianques poderiam receber no momento atual. Embarcados nesta ação, a URSS e os partidos comunistas que a apoiam estão desqualificados para chamar ações de solidariedade com a revolução iraniana, supondo, no melhor dos casos, que quisessem organizá-las. Em uma palavra, a burocracia soviética é um fator desmobilizador em escala mundial e, nesse sentido, cumpre seu papel contrarrevolucionário de encorajar as ameaças e provocações do imperialismo norte-americano e a cumplicidade das demais burguesias imperialistas.

O Secretariado Unificado da Quarta Internacional, devido à sua crise crônica, ultimamente agravada pela capitulação total à direção burguesa nicaraguense, não conseguiu estar à altura das circunstâncias. A análise e a ação revolucionárias foram substituídas por comentários e impressionismo pequeno-burgueses. E uma longa cadeia de contradições e linhas opostos foram revelados nos últimos dez anos.

A revolução na Nicarágua aguçou a crise do Secretariado Unificado. A revisão nos princípios não poderia deixar de se expressar na política concreta. De uma posição sectária com relação à FSLN, passou ao oportunismo mais vergonhoso, quando derrotado Somoza, foi instalado na Nicarágua o Governo de Reconstrução Nacional. O apoio incondicional a esse governo e à FSLN, que o sustentava com sua autoridade, acabou por desmoronar essa condução. Infelizmente, o SWP, partido de Cannon, é o que está na vanguarda dessa degeneração do SU e por isso não é por acaso que no Irã tenha políticas contraditórias, guinadas sectárias e oportunistas que culminam no apoio ao governo de Khomeini e Bani Sadr, que infelizmente levou o jovem partido trotskista a uma divisão em um momento em que a presença de um partido trotskista coerente é mais necessária; Mas o que poderíamos esperar quando o SU acaba de votar que a existência de um partido trotskista independente não é necessária na Nicarágua e que é muito bom para uma direção burguesa expulsar do país os trotskistas que são a favor do aprofundamento do processo revolucionário e entregá-los à polícia panamenha para reprimi-los?

Apesar disso, a revolução no Irã não parou. A revolução continua. Os últimos acontecimentos, no momento em que escrevemos este artigo, atestam isso. Em 23 de dezembro, centenas de milhares de trabalhadores, representando mais de 120 comitês de fábrica, se reuniram diante da embaixada dos Estados Unidos em Teerã para mostrar seu apoio aos estudantes que a ocupam e se opõem a qualquer compromisso com o imperialismo ianque.

Segundo informações da rádio e da televisão, milhares e milhares de trabalhadores desfilaram por Teerã e depois se reuniram para ouvir a apresentação de um programa de reivindicações pelo centro organizador da marcha.

A manifestação foi organizada em nome do islã, do Imam Khomeini e do conselho da revolução, mas entre suas principais reivindicações estavam: “abolir o capitalismo e o roubo”; que o governo assuma o controle total do planejamento industrial e coloque a indústria a serviço do crescimento nacional; e que gerencie todas as fábricas com a colaboração dos comitês de cada fábrica. Ainda não há sovietes, mas ninguém pode contestar neste momento que esses comitês de fábrica e de bairro são embriões de poder que devem ser desenvolvidos e ampliados. Que o centro organizador desta marcha tenha concentrado 128 comitês é uma prova do progresso do processo revolucionário.

Se eles acabarem sendo controlados por uma orientação puramente nacionalista ou se sua centralização se aprofunde em direção aos organismos soviéticos dependerá do surgimento de uma liderança verdadeiramente revolucionária no Irã. Mas esse movimento das massas, não só dos trabalhadores, pois já surgiram os comitês camponeses, junto com muitas ocupações de terras e com as nacionalidades oprimidas, é o que está dando o tom no Irã. O governo burguês nacionalista chefiado por Khomeini não teve outra alternativa senão ceder a essa influência, para continuar mantendo o controle do processo, que, querendo ou não, está se aprofundando. Esta é a verdadeira constatação que precisa ser feita.

É por isso que discordamos totalmente do editorialista do Le Monde. Um ano depois da revolução iraniana, ela se aprofunda, o que falta é o partido revolucionário capaz de aproveitar a tremenda oportunidade oferecida pela revolução iraniana para fazê-la culminar com o estabelecimento da ditadura do proletariado. É verdade que é um objetivo muito ambicioso e as fraquezas do trotskismo são muito grandes. Mas essa é a única perspectiva válida para revolucionários autênticos. As forças que estão se realinhando hoje em torno do Comitê Conjunto não podem deixar de trabalhar com essa perspectiva em mente.

Irã | Apesar de Bani Sadr, a revolução iraniana continua [1980]

Depois que o camarada Ernesto González terminou seu artigo sobre o Irã, ocorreu algo que chamou a atenção de toda a imprensa burguesa: a eleição de Bani Sadr à presidência. O mesmo que alguns meses antes teve que renunciar ao cargo de ministro das relações exteriores denunciado pelos estudantes que ocupavam a embaixada dos EUA, por sua política de acordo com o imperialismo.

Por: Júlio Valentim

Revista Correspondência Internacional No. 2, abril de 1980, pp. 47-51

Toda a imprensa burguesa viu na eleição de Bani Sadr uma manifestação do que chamavam de “cansaço da população iraniana pela desordem e anarquia”. Isso quer dizer, na linguagem particular dos jornalistas burgueses, retrocesso da revolução nesse país e nessa região fundamental para a ordem imperialista. Nos editoriais desses jornais havia unanimidade em saudar “o retorno do Irã ao concerto das nações civilizadas”. Colunistas que só usavam vermelho e preto para pintar a situação no Irã imediatamente começaram a sonhar com a possibilidade de ver uma “república islâmica” instalada no Irã que estabilizaria a revolução.

Nos dias que se seguiram à sua eleição, Bani Sadr acumulou um número impressionante de declarações: a ordem iria voltar a Teerão em poucos dias, os poderes “paralelos” iriam desaparecer, os “reféns” seriam libertados, as guerrilhas direitistas do Afeganistão iriam receber uma ajuda maciça.

No início, o imperialismo ianque fez alguns gestos para ajudar Bani Sadr: algumas das medidas adotadas pelo imperialismo dos Estados Unidos contra o povo e a revolução iraniana foram suprimidas. Em poucas semanas, porém, uma nova mudança de atitude: a satisfação dos círculos imperialistas transformou-se em cautela e, mais tarde, a cautela em franca decepção. Hodding Carter, que semanas atrás se declarava satisfeito com a situação no Irã, começou a declarar: “Não parece útil, neste momento, comentar a evolução da situação”.

Mas a mudança mais espetacular ocorreu no próprio Bani Sadr. O homem que anunciava o fim do duplo poder, teve que começar a reconhecer: “… eu só fui nomeado presidente do Conselho da Revolução, que continua a exercer os seus poderes legislativo e executivo…” O homem que anunciava que os “reféns” seriam libertados em apenas alguns dias sem pedir a opinião dos estudantes e das massas iranianas que apoiavam os estudantes, teve que declarar “… nunca recorreremos à força contra os jovens patriotas sinceramente revolucionários e cujos sentimentos revolucionários não podem ser colocados em dúvida…” O mesmo Bani Sadr que anunciava o início de uma guerra santa contra as tropas soviéticas no Afeganistão, teve que voltar e declarar “… não começamos a dar ajuda, porque antes de tudo, temos que distinguir os grupos afegãos ligados aos Estados Unidos e ao Paquistão e aqueles que combatem sinceramente pela independência nacional…”

Bani Sadr é o homem do acordo com o imperialismo. É através dele que o regime de Carter tentará uma nova fase da ofensiva contrarrevolucionária contra as massas iranianas. No entanto, esses “retrocessos” do até pouco tempo arrogante presidente, traduzem bem um fato fundamental: a revolução no Irã está em marcha; não retrocedeu. Nesse sentido, os novos acontecimentos confirmam totalmente a análise do camarada Ernesto González: o Irã continua sendo o centro de uma grande revolução que está apenas começando.

O povo iraniano exige a extradição do Xá; Bani Sadr se opõe a essa reivindicação. O artigo que o leitor lerá a seguir enfatiza a luta pela extradição do Xá como parte da defesa da revolução iraniana contra as ameaças do imperialismo e do próprio governo de Bani Sadr.

Há um ano, a revolução iraniana

Um ano após a fuga do Xá, em 16 de janeiro de 1980, J. M. Durand-Soufland, no Le Monde, tentou apresentar um balanço desmoralizante da revolução iraniana, recuperando algumas versões e encerrando seu artigo com as seguintes referências: “Estamos administrando a anarquia”, confessou a um compatriota nosso, um funcionário da polícia de uma cidade provinciana; “obedecemos a vários ministérios”, lamentou outro; “O Irã está doente, muito doente”, disse-nos um professor universitário; e um estudante rapidamente concluía: “O Irã está perdido”, há apenas uma pequena chance de saída: renunciar à “república islâmica” em favor de uma república verdadeiramente democrática, sem Mohllas nem turbantes: “triste constatação para um primeiro aniversário” (os destacados são nossos).

Essa anarquia que preocupa o editorialista do Le Monde é a revolução iraniana que continua sendo hoje o ponto mais ardente da luta de classes em escala mundial. São as massas que estão na ofensiva e não permitem que se estabilize o novo regime burguês e nacionalista dirigido por Khomeini.

A provocação desavergonhada do imperialismo ianque, de receber o Xá, serviu de estímulo a essas massas para abrir um novo período de mobilizações que se centraram na ocupação da embaixada dos Estados Unidos em Teerã e que culminaram no processo aberto dos reféns, acusado de espionagem. Sim, a revolução iraniana continua viva. Apesar de ainda não haver um partido revolucionário para dirigi-la, a revolução não foi domada nem desviada e, portanto, precisa do apoio incondicional de todo o movimento operário e popular do mundo para evitar que seja derrotada.

Mas a constatação dessa vitalidade revolucionária da classe trabalhadora iraniana e de outros setores populares não significa que ignoremos ou minimizemos os perigos que espreitam o processo. O imperialismo norte-americano, castigado após a derrota no Vietnã, recebeu um novo golpe no Irã, mas não se transformou em um tigre “de papel”, como gostavam de dizer os seguidores de Mao. Carter e seus associados estão usando o argumento dos “reféns” para orquestrar, em escala global, uma ofensiva de todos os tipos, começando pela propaganda e pela diplomacia, mas que já tem efeitos econômicos e militares, embora estes não tenham se materializado em uma invasão direta como no Vietnã. Isso é um fato, e os revolucionários de todo o mundo não podem ter dúvidas sobre de que lado da barricada se posicionar.

Diante dos ataques e provocações do imperialismo, os marxistas revolucionários, os trotskistas, estamos com as massas e os povos iranianos e fazemos nossas as palavras de ordem fundamentais que os mobilizam hoje. O direito democrático de julgar o ditador mais sangrento dos últimos tempos é um direito mínimo que ninguém pode negar-lhes. E é por isso que a exigência de extradição do Xá pelas massas iranianas deve merecer todo o nosso apoio, não por uma atitude moral, mas porque essa reivindicação mínima democrática é a que hoje mobiliza milhões e milhões de pessoas.

Se realmente entendemos o que significa o Programa de Transição, se realmente aprendemos a levar em conta as massas partindo de seu grau de consciência e de suas necessidades, devemos saber que hoje essa exigência é também o melhor estímulo para o aprofundamento do processo revolucionário que estamos vivendo. Não pode haver desculpa para deixar de fornecer esse apoio. A luta contra a ameaça imperialista está integrada com a luta contra o desemprego e a inflação, a luta pelos direitos sindicais e democráticos, especialmente das nacionalidades oprimidas, e a luta por uma Assembleia Constituinte, pela nacionalização do comércio exterior e todas as empresas imperialistas e capitalistas: a luta pela entrega da terra aos camponeses pobres ou sem-terra, a luta pelos direitos das mulheres; e todas essas reivindicações devem ter como eixo a luta pela extensão dos comitês operários e populares e sua centralização e a luta por um governo operário e camponês, integradas à luta contra a ameaça imperialista. Esta é uma questão de princípio para os trotskistas.

Mas isso não pode ser uma mera declaração. Isso implica um compromisso e uma atividade em defesa do Irã, como é hoje, contra essa ameaça. Isso implica acordos para ações com todas as forças que se opõem a essas ameaças. Esta política de unidade na ação contra as ameaças do imperialismo ianque é a melhor maneira de garantir uma luta consequente para os outros aspectos programáticos dos marxistas revolucionários. Qualquer outra atitude é mera declamação internacionalista e anti-imperialista e não uma autêntica política revolucionária.

A invasão das tropas soviéticas no Afeganistão é a melhor ajuda que os ianques poderiam receber no momento atual. Embarcados nesta ação, a URSS e os partidos comunistas que a apoiam estão desqualificados para chamar ações de solidariedade com a revolução iraniana, supondo, no melhor dos casos, que quisessem organizá-las. Em uma palavra, a burocracia soviética é um fator desmobilizador em escala mundial e, nesse sentido, cumpre seu papel contrarrevolucionário de encorajar as ameaças e provocações do imperialismo norte-americano e a cumplicidade das demais burguesias imperialistas.

O Secretariado Unificado da Quarta Internacional, devido à sua crise crônica, ultimamente agravada pela capitulação total à direção burguesa nicaraguense, não conseguiu estar à altura das circunstâncias. A análise e a ação revolucionárias foram substituídas por comentários e impressionismo pequeno-burgueses. E uma longa cadeia de contradições e linhas opostos foram revelados nos últimos dez anos.

A revolução na Nicarágua aguçou a crise do Secretariado Unificado. A revisão nos princípios não poderia deixar de se expressar na política concreta. De uma posição sectária com relação à FSLN, passou ao oportunismo mais vergonhoso, quando derrotado Somoza, foi instalado na Nicarágua o Governo de Reconstrução Nacional. O apoio incondicional a esse governo e à FSLN, que o sustentava com sua autoridade, acabou por desmoronar essa condução. Infelizmente, o SWP, partido de Cannon, é o que está na vanguarda dessa degeneração do SU e por isso não é por acaso que no Irã tenha políticas contraditórias, guinadas sectárias e oportunistas que culminam no apoio ao governo de Khomeini e Bani Sadr, que infelizmente levou o jovem partido trotskista a uma divisão em um momento em que a presença de um partido trotskista coerente é mais necessária; Mas o que poderíamos esperar quando o SU acaba de votar que a existência de um partido trotskista independente não é necessária na Nicarágua e que é muito bom para uma direção burguesa expulsar do país os trotskistas que são a favor do aprofundamento do processo revolucionário e entregá-los à polícia panamenha para reprimi-los?

Apesar disso, a revolução no Irã não parou. A revolução continua. Os últimos acontecimentos, no momento em que escrevemos este artigo, atestam isso. Em 23 de dezembro, centenas de milhares de trabalhadores, representando mais de 120 comitês de fábrica, se reuniram diante da embaixada dos Estados Unidos em Teerã para mostrar seu apoio aos estudantes que a ocupam e se opõem a qualquer compromisso com o imperialismo ianque.

Segundo informações da rádio e da televisão, milhares e milhares de trabalhadores desfilaram por Teerã e depois se reuniram para ouvir a apresentação de um programa de reivindicações pelo centro organizador da marcha.

A manifestação foi organizada em nome do islã, do Imam Khomeini e do conselho da revolução, mas entre suas principais reivindicações estavam: “abolir o capitalismo e o roubo”; que o governo assuma o controle total do planejamento industrial e coloque a indústria a serviço do crescimento nacional; e que gerencie todas as fábricas com a colaboração dos comitês de cada fábrica. Ainda não há sovietes, mas ninguém pode contestar neste momento que esses comitês de fábrica e de bairro são embriões de poder que devem ser desenvolvidos e ampliados. Que o centro organizador desta marcha tenha concentrado 128 comitês é uma prova do progresso do processo revolucionário.

Se eles acabarem sendo controlados por uma orientação puramente nacionalista ou se sua centralização se aprofunde em direção aos organismos soviéticos dependerá do surgimento de uma liderança verdadeiramente revolucionária no Irã. Mas esse movimento das massas, não só dos trabalhadores, pois já surgiram os comitês camponeses, junto com muitas ocupações de terras e com as nacionalidades oprimidas, é o que está dando o tom no Irã. O governo burguês nacionalista chefiado por Khomeini não teve outra alternativa senão ceder a essa influência, para continuar mantendo o controle do processo, que, querendo ou não, está se aprofundando. Esta é a verdadeira constatação que precisa ser feita.

É por isso que discordamos totalmente do editorialista do Le Monde. Um ano depois da revolução iraniana, ela se aprofunda, o que falta é o partido revolucionário capaz de aproveitar a tremenda oportunidade oferecida pela revolução iraniana para fazê-la culminar com o estabelecimento da ditadura do proletariado. É verdade que é um objetivo muito ambicioso e as fraquezas do trotskismo são muito grandes. Mas essa é a única perspectiva válida para revolucionários autênticos. As forças que estão se realinhando hoje em torno do Comitê Conjunto não podem deixar de trabalhar com essa perspectiva em mente.

tradução: Tae Amaru

Confira nossos outros conteúdos

Artigos mais populares